1

Simplício Araújo explica ações para garantir retomada da Alumar

A partir da articulação da Secretaria de Indústria e Comércio empresa de alumínio voltará a produzir no estado, garantindo emprego e renda para maranhenses; e melhor: com verticalização de sua cadeia produtiva, o que garantirá novos investimentos na região

 

Simplício Araújo lidera delegação governamental em reunião com executivos da Alumar; investimento será de R$ 1,5 bilhão

Foi uma ação de estado a articulação do secretário de Indústria e Comércio, Simplício Araújo, para garantir a retomada da operação da Alumar, empresa de alumínio que estava praticamente parada desde 2015.

Seguindo explicou o próprio Simplício, em nota distribuída na tarde desta quinta-feira, 23, o governo Flávio Dino garantiu incentivos fiscais à empresa para que ela voltasse a produzir no Maranhão, gerando empregos e renda.

– O melhor é que a produção será verticalizada, a partir de ações do próprio governo, garantindo a atuação de outras empresas e geração de mais emprego e renda – explicou o secretário. 

A Alumar atua no Maranhão desde o governo João Castelo (1979/1981), com incentivos fiscais garantidos pelo estado. Com a produção sempre ameaçada pela falta de investimentos, os governos Lobão e Roseana também garantiram incentivos, a exemplo do que fez agora Flávio Dino.

Mas a partir de 2015, a empresa decidiu praticamente suspender suas operações.

Segundo explicou Simplício Araújo, as negociações vêm se arrastando desde então, e foram efetivadas em 2018.

– Questões de mercado em 2019 e a pandemia de coronavírus, em 2020,m impediram a retomada da Alumar, que agora volta com peso para gerar renda e empregos no Maranhão – afirmou o secretário.

Segundo ele, empresas de fertilizantes e implementos agrícolas também já estão atuando na mesma área liberada pelo estado, gerando algo em torno de 4 mil empregos.

0

Cursos gratuitos na área do Porto São Luís ja foram iniciados…

Treinamento é destinado aos moradores do entorno do empreendimento e beneficia cerca de 50 pessoas em várias áreas de formação

 

Começam nesta segunda-feira, 2 de março, as aulas dos cursos de Pedreiro de alvenaria e de Carpinteiro de obras, na área do Porto São Luís, em Parnauaçu, próximo ao Cajueiro (região Itaqui-Bacanga).

Os cursos são destinados a moradores do entorno do empreendimento.

As aulas do curso de Pedreiro são pela manhã, das 8h às 12h, e as de Carpinteiro, à tarde, das 13h às 17h, de segunda a sexta-feira. 

As aulas ocorrerão na Unidade Móvel da Construção Civil do SENAI/MA, que está estacionada ao lado do escritório do Porto São Luís. Cada curso tem duração de 160 horas (oito semanas). Ao todo, 50 pessoas estão matriculadas.

A iniciativa é do Porto São Luís, em parceria com o Sinduscon, Sindconstrucivil e SENAI/FIEMA, por meio do projeto Comunidade Ativa.

0

Júnior Verde e Clube de Engenharia entregam carta ao governador por geração de emprego…

O deputado estadual Júnior Verde (PRB) acompanhou integrantes do Clube de Engenharia do Maranhão ao Palácio dos Leões para entregar nas mãos do governador uma Carta Aberta solicitando esforços para a geração de emprego e renda no Estado.

O parlamentar destacou a visita durante pronunciamento nesta segunda-feira, 10, na Assembleia Legislativa, em sessão que contou com a presença do presidente do Clube, Emanuel Miguez, além de outros integrantes como Luiz Haddad, do Conselho Fiscal; Sávio Lima, vice-presidente; Wilson Dias, diretor técnico; Antônio Meireles, diretor financeiro; e Henrique Campos, diretor de patrimônio.

A Carta faz referência ao Edital de Licitação – RDC, que é a ata de registro de preços nº 37/2017. A ata tem o valor aproximado de R$ 400 milhões de reais, que deverá ser revestido em obras em todo o Estado, por meio de várias iniciativas de engenharia.

“O problema é que ela só vai abranger em torno de 20 empresas, pelo que está expresso no Edital. As obras em referência foram agrupadas em vinte lotes, em torno de vinte milhões de reais cada, abrangendo aproximadamente 12 municípios cada lote, ou seja, apenas 20 empresas serão contempladas ao final da licitação, deixando de fora centenas de outras empresas”, relevou Júnior Verde.

Os integrantes solicitam a revisão do Edital, por parte da Secretaria de Estado Infraestrutura.

“Eu acredito na sensibilidade do Governo e aqui já registro a necessidade do secretário de Infraestrutura, senhor Clayton Noleto, que ele proceda a revisão deste Edital, que ele possa realmente reavaliar essa perspectiva de contemplação das empresas do nosso Estado. Temos que ampliar nossa capacidade de ajudar as pequenas empresas que querem participar das Licitações, mas que o próprio Edital, conforme as regras, infelizmente não contempla”, destacou.

O parlamentar alertou para os transtornos causados pelos distratos dos contratos celebrados com o Governo, quando estão concentrados nas mãos de poucas empresas, gerando prejuízos para o Estado.

“Temos que descentralizar, dar mais oportunidades para as empresas maranhenses. Não tenho dúvidas que a partir desta carta ao nosso governador, que a recebeu em mãos, mais empresas serão contempladas”, completou.