0

A nova Rua Grande…

Principal ponto do comércio de São Luís ganha mobiliário urbano, se livra do emaranhado de fios elétricos e se moderniza para receber a população, em parceria do Iphan com a prefeitura

 

Os belos bancos são um atrativo para a Rua Grande, que se modernizará

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) iniciou a instalação do mobiliário urbano que comporá a nova Rua Grande.

A instalação é parte da obra que vem sendo tocada pelo Iphan, em parceria com a Prefeitura de São Luís.

– Nossa cidade está ficando cada vez mais bonita. As obras do Complexo Deodoro e Rua Grande, executadas pelo Iphan em parceria com a Prefeitura, integram o conjunto de investimentos que estão sendo realizados em prol da população e pelo desenvolvimento da cidade – disse o prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

Serão quatro bancos em cada quadra. Os assentos são confeccionados em madeira tratada, com elementos em aço corten, muito utilizado na construção civil e que apresenta três vezes mais resistência à corrosão que o aço comum.

Além dos bancos, a Rua Grande ganhou rede elétrica subterrânea e terá lixeiras, também em aço corten.

– Além de favorecer a população, a obra visa fomentar o comércio na região, tornando-o ainda mais atrativo para os consumidores. O trabalho já apresenta resultados positivos e a conclusão da obra vai beneficiar ainda mais a população – ressaltou o superintendente do Iphan, Maurício Itapary.

4

Manutenção de Kátia Bogéa no Iphan fortalece projeto do MDB para 2020…

Arquiteta terá vitrine até abril de 2020 – sobretudo com a continuidade das ações pela revitalização do Centro Histórico – época em que poderá deixar o posto, requerer filiação partidária e entrar na disputa pela Prefeitura de São Luís

 

Kátia Bogéa com Flávio Dino,  Edivaldo Júnior e Carlos Marun: revitalização e sucessão a um só tempo

O blog Marco Aurélio D’Eça apontou, em dezembro, quando da inauguração de uma das etapas do complexo Deodoro/Rua Grande, que a arquiteta maranhense Kátia Bogéa teria lastro para continuar à frente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). (Relembre aqui)

Os principais portais nacionais de notícia confirmam, nesta quarta-feira, 9, o nome de Kátia Bogéa no comando do Iphan, o que a mantém no centro das articulações das novas obras em São Luís.

Apesar de não ter filiação partidária, Bogéa tem apoio do MDB; e o MDB vê nela possibilidades de projeto para além do Iphan.

A arquiteta maranhense, de personalidade forte e temperamento difícil, pode ser o nome da legenda para a sucessão do prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

E ela tem tempo para se decidir e se articular.

Sua presença no comando do Iphan pode se dar até abril de 2020, quando poderá deixar o posto para, só então, filiar-se a um partido, já no auge do debate sobre a sucessão.

Seria uma espécie de outsider na disputa pela prefeitura.

É aguardar e conferir…

2

Ecos da Deodoro: a histórica performance de Kátia Bogéa…

Presidente do Instituto Histórico e Artístico Nacional – órgão responsável pela obra – fez contundente discurso, com resgate político e rigor histórico de reconhecimento por São Luís

 

Ao lado de Edivaldo e autoridades do Iphan, Kátia Bogéa vistoria reviltalização da Praça do Panteon, no Complexo Deodoro

Avessa à política, sem filiação partidária e responsável direta pela revitalização histórico-urbanística da Praça Deodoro, a presidente do Iphan, Kátia Bogéa, brilhou durante a entrega da obra, no último sábado, 22.

Diante de autoridades de todos os cacifes – governador, prefeito, ministros, deputados, secretários e vereadores – ela fez um contundente discurso, que chamou atenção de aliados pelo teor político-social de suas declarações.

Kátia Bogéa vive o Iphan desde a sua criação. Primeiro como comandante no Maranhão; depois, como chefe nacional do órgão.

Nem mesmo as ligações estreitas com o grupo Sarney tirou a importância de sua presença na obra; tanto que, pela primeira vez em anos e anos, uma obra do porte da Deodoro foi inaugurada sem a presença de um membro da família do ex-presidente.

E a presença de nada menos que três ministros do governo Michel Temer (MDB) fortalece seu prestígio pessoal.

A presidente do Iphan não tem filiação partidária, não milita politicamente, o que favorece seu perfil técnico, espécie de outsider.

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) deve indicar o novo presidente do Iphan assim que assumir o posto; e pode manter Kátia Bogéa no cargo.

O que só confirmará a importância histórica da maranhense…

0

Atuação de Hildo Rocha pelo Patrimônio Histórico é reconhecida em inauguração do novo complexo da praça Deodoro…

Em discurso durante entrega da obra, presidente do Iphan destacou que o deputado salvou o órgão; Rocha foi reconhecido também pelos ministros do governo Temer presentes ao ato
 

[caption id="attachment_116068" align="aligncenter" width="600"] Hildo cumprimenta cidadão

Read more
3

Imagem do dia: a nova Praça Deodoro…

Primeira etapa da reforma do Complexo patrimonial de São Luís será entregue neste sábado, 22, pelo prefeito Edivaldo Júnior e pela presidente do Iphan, Kátia Bogéa; revitalização tornou a área em um novo cartão postal da capital maranhense

 

Um dos aspectos da nova Praça Deodoro em todo o seu esplendor urbanístico e histórico. (imagem: Maurício Alexandre)

O prefeito Edivado Júnior (PDT) entrega neste sábado a primeira etapa da reforma do complexo Praça Deodoro, obra realizada pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em parceria com a prefeitura.

Além das praças e alamedas que envolvem a Deodoro,  a restauração inclui também a Rua Grande, centro do comércio popular ludovicense.

O investimento é o maior em preservação histórica e de recuperação urbanística já realizada em São Luís desde o Projeto Reviver, do governo Epitácio Cafeteira.

– É um grande avanço na requalificação do maior centro comercial de São Luís, cujas intervenções realizadas pelo Iphan, em parceria com a Prefeitura, têm impacto positivo no comércio da região, na geração de emprego e renda e na melhoria do espaço público, idealizado para garantir mais facilidade para a circulação na área e maior acessibilidade a pessoas com deficiência – afirmou Edivaldo.

O prefeito reconhece o empenho e a importância do Iphan na realização da oras, mas lembra que coube a prefeitura toda a logística e a estrutura operacional para a realização dos serviços.

Além disso, caberá à prefeitura a manutenção de todo complexo.

A entrega da primeira etapa ocorrerá às 17 horas…

1

Hildo Rocha destaca na tribuna da Câmara a entrega do novo complexo da Deodoro

Em pronunciamento ontem (20), na tribuna da Câmara Federal, o deputado Hildo Rocha elogiou o trabalho realizado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) autarquia federal responsável pela execução das obras de Requalificação do Complexo da Deodoro e da rua Grande.

A nova Deodoro será inaugurada neste sábado (22) com a presença de parlamentares e diversas autoridades do poder executivo federal, entre as quais o Ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, representando o Presidente Michel Temer, o Ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, a presidente do Iphan, Kátia Bogéa  e autoridades municipais.

“Essa é uma das obras mais importantes do Governo do Presidente Michel Temer na cidade de São Luis.”, afirmou Hildo Rocha.

Obra totalmente financiada pelo Governo Federal

O deputado destacou que a obra foi totalmente financiada com recursos do Governo Federal.

“Os recursos financeiros foram viabilizados pela ação de inúmeras pessoas. Eu participei dessa luta, juntamente com outros colegas parlamentares. O ex-presidente José Sarney também contribuiu. Entretanto, o trabalho da Dra. Kátia Bogéa, presidente do IPHAN, foi fundamental para que esse antigo sonho dos maranhenses fosse realizado”.

Hildo Rocha ressaltou que além da requalificação das Praças Deodoro e Pantheon, também foram requalificadas as Alamedas Silva Maia, Gomes de Castro e a Rua Grande, principal centro comercial de São Luis.

“Esse belíssimo conjunto de obras servirá para manter vivo o patrimônio cultural da capital maranhense que hoje detém o título de Patrimônio Cultural da Humanidade, graças ao esforço da então governadora Roseana Sarney”, afiançou Hildo Rocha.

Obra fundamental para o Turismo maranhense

O deputado lembrou que os dirigentes lojistas de São Luis também tiveram participação na conquista do projeto.

“Há muito tempo os comerciantes da rua Grande reivindicavam a obra de requalificação daquela artéria. Estivemos com o presidente Michel Temer, mostramos o quanto era importante a realização daquela obra para São Luis, uma cidade de muitos encantos, histórias seculares, um dos principais destinos turísticos do Brasil. Assim, iremos inaugurar, neste sábado, uma obra de fundamental importância para a cultura, para o turismo e para a economia de São Luis. Agradeço, portanto, ao presidente Michel Temer por essa relevante realização do seu governo na capital do Maranhão  e a dedicação da Katia Bogéa na concepção e execução dessa fabulosa obra de resgate cultural e social”, disse Hildo Rocha.

0

Hildo Rocha: nova praça Deodoro é fruto da dedicação de Katia Bogéa…

Aspecto do complexo da Praça Deodoro, que vem sendo reformado: “Trabalho do Iphan”, diz Hildo

Em pronunciamento na tribuna da Câmara Federal, o deputado Hildo Rocha (MDB) elogiou a atuação dos gestores do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) pelo trabalho de revitalização do centro histórico de São Luis que abrange as Praças do  Pantheon, Deodoro, as alamedas Silva Maia e Gomes de Castro, além da reforma da Rua Grande e da Praça Dom Pedro II e o seu entorno.

“Recentemente, visitei as obras e constatei que o trabalho está ficando muito bom. Em poucos dias o empreendimento será entregue pelo presidente Michel Temer. Será um dia histórico porque há muitos anos esperava-se por essa revitalização do complexo d Deodoro”, disse Hildo Rocha.

Reconhecimento ao trabalho do IPHAN

O Projeto de Requalificação Urbanístico  do Complexo Deodoro envolve obras de drenagem e de tratamento sanitário; recuperação do calçamento; iluminação; fiação subterrânea, dutos de passagem de fibra ótica; banheiros públicos; sinalização e obras de acessibilidade, entre outros serviços. Segundo estimativas, esse é o maior conjunto de obras de requalificação realizado nos dos últimos 30 anos, na capital maranhense.

“A conclusão de todas essas ações dará grande impulso ao turismo na capital maranhense, também aumentará a autoestima dos ludovicenses. Com toda essa grande área do centro revitalizada crescerá o fluxo de turistas ajudando aumentar a oferta de emprego e renda. Parabenizo a presidente do Iphan, Katia Bogéa pela nova vida que está dando ao Complexo da Deodoro. Tudo isso só foi possível por causa da  dedicação e do amor por São Luís, da Katia Bogéa .O Superintendente do órgão no Maranhão, Maurício Itapary, também merece nossos aplausos pelo seu esforço e habilidade gerencial que contribuiu para os excelentes resultados alcançados no trabalho de revitalização de boa parte do centro Histórico de São Luis”, ressaltou o deputado.

Contribuição de parlamentares maranhenses

Hildo Rocha destacou o papel de  deputados e senadores maranhenses que conseguiram viabilizar  recursos para a realização das obras.

“Alguns  deputados e senadores do Maranhão também contribuíram porque usaram suas forças políticas junto ao governo do presidente Michel Temer para viabilizar financeiramente essa obra de grande significado para todos nós maranhenses que a nossa capital ficará ainda mais bonita”, destacou o parlamentar.

0

Comissão de Cultura aprova projetos do deputado Hildo Rocha…

A Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados, aprovou, na semana passada, duas propostas do deputado federal Hildo Rocha: uma referente ao projeto de lei (PL 3663/2016) que presta homenagem ao saudoso Desembargador Federal Leomar Amorim e uma moção de reconhecimento ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), pela coleta de dados e documentos que resultaram na elaboração do dossiê da candidatura do Complexo Cultural do Bumba meu boi do Maranhão ao título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.

“Por meio da proposta que apresentei, a BR-222, no trecho entre o entroncamento de Itapecuru-Mirim a Chapadinha, passará a ser denominado de Rodovia Desembargador Leomar Amorim. É uma homenagem a um dos homens mais importantes  da história do nosso Estado. O Desembargador Federal Leomar Amorim nasceu na cidade de Itapecuru-Mirim. Foi um homem das letras, da justiça, um grande jurista que muito orgulhou a todos nós maranhenses. Com o seu trabalho ajudou a fazer do Maranhão um estado melhor, por meio dos seus atos no judiciário federal”, argumentou Hildo Rocha.

O parlamentar destacou que o exemplo deixado por Leomar Amorim deve servir de exemplo para as novas gerações de maranhenses. “Nossa homenagem é também uma forma de estimular outros maranhenses a exercerem as suas funções com fervor, com dedicação e competência, contribuindo assim para fortalecer as instituições, propagar a paz e disseminar o senso de justiça”, disse o deputado.

Moção de reconhecimento ao Iphan

A segunda proposição do deputado Hildo Rocha, aprovada na mesma Sessão Deliberativa da Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados, é uma Moção de Reconhecimento ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), pela construção do dossiê que embasou a candidatura do Complexo Cultural do Bumba meu boi do Maranhão ao título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.

“O Bumba meu Boi do Maranhão é uma das manifestações culturais mais ricas do nosso país. O Iphan, por meio de um trabalho digno de louvor, conseguiu reunir todo o acervo necessário para que o Bumba meu Boi do Maranhão possa concorrer ao título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. Em reconhecimento à dedicação dos profissionais envolvidos nesse trabalho e à presidente da instituição, Katia Bogéa, que faz excelente trabalho à frente dessa importante autarquia, solicitamos que o órgão seja homenageado com Moção de Reconhecimento pela Câmara Federal. O Iphan realiza um trabalho relevante em favor da cultura brasileira”, declarou Hildo Rocha.

2

Aliado de Waldir Maranhão pode ter culpa no abandono do Mercado Central…

Desde que Alfredo Costa assumiu o IPHAN, aproximadamente R$ 150 milhões em projetos do PAC Cidades Históricas foram deixados para trás

 

indecido

Os problemas estruturais do Mercado Central – que resultaram em um incêndio esta semana – podem ter sido causado pelo abandono de projetos importantes, sob a responsabilidade do IPHAN.

É o IPHAN quem administra os recursos e deve executar as obras, dentre elas, a reforma da Largo do Carmo, Rua Grande, do Mercado Central, Praça Deodoro, Estação Ferroviária da Reffsa, todas as igrejas seculares e mais 30 casarões históricos.

Paralelo a isso, várias obras fruto de compensação, como o Antigo Sioge, que teve garantido recurso na ordem de R$ 12 milhões, além de outras praças como a Praça do Pescador, também foram completamente abandonadas pelo novo gestor.

Passado cinco meses da posse de Alfredo, o IPHAN do Maranhão travou todas as obras e o que se observa hoje ao andar pela cidade são placas com obras abandonadas.

O Palácio Cristo Rei, Palácio das Lágrimas, Palacete Gentil Braga, as obras foram iniciadas e paradas. Da mesma forma, paradas, estão as obras do prédio do Fórum Universitário, na Rua do Sol, e também a casa do tambor de Crioula.

A Rua Grande, Praça Deodoro e também o Largo do Carmo, cujo obras já deveriam ter sido iniciadas dia 4 de Janeiro de 2016, não se tem notícia.

Com Alfredo Costa no IPHAN, o órgão perdeu a força que tinha em captar recursos, e aqueles que foram captados encontram-se completamente abandonados pela inércia e inoperância do atual gestor.

Enquanto isso, o Centro da Cidade e a população sofrem com obras que não são  executadas…

12

Enfim, o patrimônio pode avançar na história…

Katia Bogea

Kátia Bogéa: o tempo passou, ela só precisava perceber

Editorial

Foi um Deus-nos-acuda.

O anúncio de que a chefe do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Maranhão, Kátia Bogéa, iria, finalmente deixar o cargo – após mai de 30 anos – mobilizou jornalistas, “intelectuais”, historiadores, pesquisadores, e até instituições como Ufma e Academia Maranhense de Letras.

Coisas do Maranhão patrimonialista.

Mas este blog não entende assim.

Para este blog, já passava da hora de uma mudança de métodos, conceitos e práticas no Iphan maranhense.

Bogéa representava o supra-sumo de uma época que já ficou para trás e cujos resultados, no entender deste blog, apenas atravancaram o desenvolvimento urbanístico, sobretudo em São Luís, em nome de uma preservação do nada.

Casarão decrépito no Centro Histórico: símbolo de uma era que já ficou pra trás

Casarão decrépito no Centro Histórico: símbolo de uma era que já ficou para trás

Em qualquer lugar da Europa moderna, patrimônio histórico é visto como mais um motivo para atrair turistas e divisas para as cidades: e devem representar um símbolo do que foi a cidade, e não a cidade como um todo.

Por isso, na Europa, os traços da histórias são cercados de modernidade, conforto, tecnologia, que possam tornar o passeio e a vista confortável ao cidadão.

Infelizmente, Kátia Bogéa entendia diferente, e exigia do Centro Histórico um congelamento no tempo e na história, esforço impossível de ser alcançado na preservação – e com resultado urbanístico, cultural e histórico quase nulo. 

O resultado eram prédios cada vez mais degradados, espaços totalmente destruídos, mas com “o purismo” de seus traços preservados,  ainda que em forma decrépita e fétida.

Mas tinham que estar lá, do jeito que Bogéa e sua equipe imaginavam ser nos séculos XVI, XVII,  XVIII.

Centrro Histórico de Berlim: preservação com tecnologia e vida econômica pujante

Centro Histórico de Berlim: preservação com tecnologia e vida econômica pujante

Ainda que as tecnologias de preservação avançassem, os conceitos dos que cuidavam do patrimônio – Bogéa à frente – permaneciam estacionados 300 anos antes.

Há tempos São Luís já merece uma ponte até Alcântara, impedida pela ideia de preservação do patrimônio.

Há tempos o Centro Histórico já merece a modernização de seus espaços, preservando apenas aquilo que representa o ciclo da história da cidade, mas dando ao nativo e ao visitante condições de estar e de ficar; de ir ir vir.

Mas a ideia de preservação estabelecida no Iphan impedia esse avanço.

Felizmente, a própria Kátia Bogéa compreendeu a passagem do tempo e declarou que vai pedir a sua aposentadoria.

Que ela possa descansar e conhecer os avanços da história no mundo.

Para desespero dos seus defensores saudosistas…