2

Maura Jorge articula com futuros ministros de Bolsonaro…

Maura Jorge em vários momentos com membros do governo Bolsonaro

A ex-candidata a Governadora do Maranhão Maura Jorge (PSL) fez nova visita à equipe de transição do governo Bolsonaro em Brasília na última semana. Segundo ela, o diálogo com o governo federal será essencial para o Maranhão a partir de 2019, tendo em vista a situação fiscal do estado.

Pelas redes sociais, Maura Jorge publicou fotos ao lado do presidente nacional do PSL Luciano Bivar e dos futuros ministros Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) e Damares Alves (Mulheres, Família e Direitos Humanos).

“Dada a bagunça fiscal por qual o Maranhão passa, e com os constantes aumentos de impostos, o diálogo com o governo federal terá ainda mais importância a partir de 2019. Por isso, estamos em contato direto com a equipe de transição, discutindo estratégias e ações para o desenvolvimento do nosso estado. Precisamos de um Maranhão mais justo e avançado, e só conseguiremos isso com trabalho focado no bem comum”, escreveu Maura Jorge na publicação.

A proximidade da ex-prefeita com o alto escalão da equipe de Jair Bolsonaro mostra que Maura Jorge está nos planos do presidente.

Desde que obteve o terceiro lugar nas eleições estaduais, inclusive ficando à frente de Roseana Sarney em importantes regiões, Maura Jorge (PSL) se consolidou como a líder da oposição no estado.

0

Hildo Rocha classifica reunião com Jair Bolsonaro: “produtiva e esclarecedora”

O deputado Hildo Rocha fez uma avaliação positiva acerca da reunião dos parlamentares federais do MDB  e o presidente eleito, Jair Bolsonaro, que aconteceu nesta terça-feira, 4, em Brasília.

“O encontro foi produtivo. O presidente explicou como será a relação do executivo federal com o poder legislativo. Muitas dúvidas foram esclarecidas”, declarou Hildo Rocha.

Reforma tributária e desburocratização

O parlamentar disse que a reforma tributária e a desburocratização estão entre os temas mais relevantes, debatidos durante o encontro. Rocha disse que para alcançar as metas e objetivos o presidente terá que fazer grandes mudanças que realmente são imprescindíveis para que o Brasil se desenvolva.

“O presidente pretende desburocratizar os serviços públicos para facilitar a relação entre o executivo e os cidadãos. Um bom exemplo da burocracia que contribui para emperrar o desenvolvimento do país são as leis na área ambiental pois a legislação atual dificulta a construção de obras, dificulta os empreendimentos. Além disso, nosso país precisa, urgentemente, diminuir a carga tributária que é elevadíssima e o nosso sistema tributário é caótico, precisa ser reformulado”, afirmou Hildo Rocha.

2

Maura Jorge cumpre agenda política na transição de Bolsonaro em Brasília..

Ex-candidata a governadora participa de reuniões com representantes do novo governo e trata de demandas próprias para o estado do Maranhão, além de estratégias para fortalecer a direita no estado

 

Maura Jorge em quatro momentos com membros da equipe de transição

A ex-candidata a a governadora Maura Jorge (PSL) está em Brasília desde a quarta-feira, 14, em contato direto com a equipe de transição do governo Jair Bolsonaro (PSL).

Em reuniões diretas com as equipes que discutem os vários aspectos do novo governo, Maura recebe coordenadas específicas para o Maranhão e discute com membros da equipe e futuros ministros.

– Agora, sim, tenho certeza que o Nordeste e o Maranhão terão voz e vez – disse Maura Jorge.

Ela já conversou com o futuro ministro de Segurança Institucional, general Heleno; com o coordenador da transição governamental, Gustavo Bebiano, e com o deputado federal Hélio Bolsonaro, além de Julian Lemos, que coordena as ações para a região Nordeste.

1

Amaury Almeida inicia transição em Mirinzal…

Amaury Almeida presta contas á população de Mirinzal…

O atual governo municipal de Mirinzal iniciou esta semana o processo de transição da administração do prefeito Amaury Almeida.

Foram explanadas várias das realizações de todas as áreas da administração, como reformas de escolas e postos de saúde, reconstrução do Hospital Nossa Senhora da Vitória que inclusive durante a gestão do prefeito Amaury recuperou sua titularidade.

…Que comparece em peso à Escola Dagno Roberto

Em audiência pública na escola Dagno Roberto, Amaury relembrou ainda outras situações importantes, a exemplo das obras que estão em andamento como as escolas do FNDE, e frisou que deixará mais de 15 milhões aplicados para que a próxima administração continue prestando serviços de qualidades, assim como os deixados pelo atual gestor, que quando assumiu o prefeitura encontrou as contas públicas todas em débito.

– Estou saindo de um mandato com lisura, transparência e com a certeza de que contribui positivamente para o meu município. Saio com a cabeça erguida e com o sentimento de dever cumprido – disse o prefeito.

Foram entregues no ato de transição documentos de inventário de bens móveis de todas as secretarias municipais, que comprovam a real diferença de como o município foi recebido e de como está sendo entregue ao sucessor.

Da Ascom/Mirinzal

1

Gil Cutrim defende eleição de consenso para presidência da FAMEM…

Gil Cutrim no seminário sobre transição nas prefeituras

Gil Cutrim no seminário sobre transição nas prefeituras

O presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão, prefeito Gil Cutrim (São José de Ribamar), defendeu uma eleição de consenso para a presidência da entidade municipalista, biênio 2017/18.

De acordo com Cutrim, que está no seu segundo mandato, é muito mais salutar para o processo de fortalecimento do municipalismo no estado que os prefeitos interessados em disputar o cargo entrem em um entendimento e lancem uma chapa única, assim como ocorreu com ele nas duas eleições que disputou – 2013/14 e 2015/16.

– É bom que busquemos um nome. A democracia existe na disputa. Mas ao escolhermos um nome só [de consenso], nossa entidade irá se fortalecer ainda mais – afirmou Gil Cutrim durante o seminário “Novos Gestores – Transição Municipal e Início de Governo – evento realizado pela Federação esta semana e que reuniu centenas de prefeitos e prefeitas, entre eleitos e reeleitos.

A eleição para presidência da FAMEM acontece no dia 16 de janeiro, conforme anunciou o próprio Gil Cutrim. A diretoria eleita será empossada em fevereiro.

Até o momento, de acordo com informações da imprensa, figuram como candidatos os prefeitos Djalma Melo (Arari), Cleomar Tema (Tuntum), Miltinho Aragão (São Mateus), Erick Costa (Barra do Corda), Fábio Gentil (Caxias) e Luciano Leitoa (Timon).

0

Gil Cutrim autoriza transição em Ribamar…

Prefeito reuniu secretariado e determinou que o processo com a equipe do prefeito eleito Luis Fernando Silva (PSDB) seja feita com toda transparência

 

Gil Cutrim conversa com secretariado sobre transparência na relação com a equipe de Luis Fernando

Gil Cutrim conversa com secretariado sobre transparência na relação com a equipe de Luis Fernando

O prefeito Gil Cutrim (PDT) reuniu, nesta segunda-feira, 10, seu secretariado, oportunidade na qual autorizou o processo de transição no município de São José de Ribamar.

Cutrim é um dos primeiros prefeitos do Maranhão a autorizar o trabalho de transição que, de acordo com o próprio gestor, segue as diretrizes estabelecidas pela campanha “Pela Transparência na Transição Municipal: A Cidade Não Pode Parar”, de iniciativa da Procuradoria Geral de Justiça.

A determinação dada por Gil Cutrim é para que seja realizado um trabalho transparente e pautado na lei, uma vez que, por meio da transição, o atual governo e o próximo, que será empossado dia 31 de dezembro, visam alcançar o objetivo comum de manter a máquina pública em pleno funcionamento em favor do cidadão ribamarense.

Já está tramitando na Câmara Municipal de São José de Ribamar projeto de lei, de autoria do Executivo, regulamentando o período da transição. A matéria deverá ser aprovada unanimemente ainda esta semana.

O projeto prevê a criação de duas comissões, que serão integradas por cinco membros do atual governo e por cinco pessoas indicadas pelo prefeito eleito, Luis Fernando Silva (PSDB).

As comissões irão trabalhar de forma conjunta e parceira no sentido de propiciar que o candidato eleito receba do seu antecessor todas as informações necessárias para implementação do seu plano de governo.

“Realizaremos uma transição pautada no artigo 156 da Constituição Estadual e zelando pela transparência e cuidado com a coisa pública”, afirmou o prefeito.

1

Michel Temer já planeja governo de transição, sem reeleição…

Acordo do PSDB com o presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, para acelerar impeachment, é ameaça real a Dilma

 

Dilma é ameaçada por Edurdo Cunha, que visa favorecer Michel Temer, que já acordou com Aécio Neves a trnsição

Dilma é ameaçada por Eduardo Cunha, que visa favorecer Michel Temer, que já acordou com Aécio Neves a trnsição

Do blog de Kennedy Alencar

O vice-presidente da República, Michel Temer, está avaliando, em caso de impeachment de Dilma Rousseff, dizer publicamente que fará um governo de transição e que não buscará a reeleição.

Segundo aliados, isso permitiria implementar medidas duras do ponto de vista popular, mas que teriam respaldo da classe política para enfrentar as dificuldades econômicas e trazer alguma estabilidade ao país.

O PSDB teme a realização de eleições neste ano, o que aconteceria no caso da cassação ainda em 2016 da chapa Dilma-Temer pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Tucanos acreditam que, numa nova eleição agora, haveria chance de vitória da ex-senadora Marina Silva (Rede) ou de um candidato como Joaquim Barbosa, na hipótese de o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal querer concorrer.

O PSDB prefere o que chama de uma solução de transição.

Por isso, os principais caciques do partido, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e os senadores José Serra e Aécio Neves alinharam o discurso nos últimos dias. Todos defenderam o impeachment e um eventual governo Temer.

O maior desafio de Temer seria mostrar capacidade de trazer estabilidade ao país. A partir daí, haveria condições mínimas para adotar medidas econômicas a fim de tentar superar a crise.

Em caso de queda de Dilma, os petistas dificilmente dariam trégua a Temer. O PT considera que há uma tentativa de golpe contra Dilma. A presidente deverá dar entrevistas à imprensa internacional para dizer isso.

Mas Temer procuraria Lula para conversar, a fim de tentar buscar algum tipo de entendimento que evitasse desestabilização maior do país.

Mais: a Lava Jato também seria uma ameaça à estabilidade de um governo Temer avalizado por um acordo PMDB-PSDB. Hoje foi preso em Portugal Raul Schmidt Felippe Junior – suspeito de ser um operador de propina da Petrobras que teria trabalhado para ex-diretores da estatal ligados ao PMDB.

Não há a menor garantia de que, com o PT fora do poder, a Lava Jato perca a sede investigativa e deixe de lado peemedebistas e tucanos.

A Lava Jato é um fator que deverá continuar a surpreender a classe política.

2

Luis Fernando sobre obras: cabe ao governo atual explicar atrasos…

Dino com Luis Fernando: cada qual com seu cada qual

Dino com LF: cada qual com seu cada qual

Curiosa e instigante a nota de esclarecimento do ex-prefeito Luís Fernando Silva ao blog de Domingos Costa.

Costa havia classificado de “herança maldita” as obras e convênios deixados por Luis Fernando no governo anterior, de Roseana Sarney (PMDB). Ao explicar seu trabalho na Sinfra, o ex-secretário revelou um pouco da atual relação dele com o governador Flávio Dino (PCdoB) e com o prefeito de Ribamar, Gil Cutrim (sem partido).

– Deixei a Sinfra no início de Abril de 2014 e desde esse período até o dia de hoje, obviamente, não tive qualquer ingerência nas obras iniciadas na minha gestão. Cabe à atual administração estadual informar sobre o andamento das obras bem como motivos de eventuais atrasos – disse o ex-prefeito, no item 2 de sua nota.

Mais à frente, Luis Fernando Silva rebate o qu seria uma provocação de Costa em relação às ações da Prefeitura de Ribamar. E diz o seguinte:

–   E, por fim, com o crédito que tenho junto à população de São José de Ribamar, em virtude das incontestáveis obras que fiz quando prefeito, inclusive os mais de 200 km de asfalto, sendo quase todos com recursos do próprio Município, não tente imputar a mim, por razões de ordem política local ou qualquer outro interesse, as dificuldades da atual administração municipal, sobre a qual não tenho qualquer interferência.

Leia aqui a íntegra da nota…

7

A saída de Holandinha: livrar-se do jugo de Flávio Dino…

Prefeito mostra um temor tão grande do governador, que acaba engessando as próprias ações no aguardo do aval do “chefe”. Rompendo os grilhões, terá mais liberdade para construir a própria história; e salvar a reeleição…

Edivaldo tutelado por Dino, sob a supervisão de Márcio Jerry: jugo desigual

Edivaldo tutelado por Dino, sob a supervisão de Márcio Jerry: jugo desigual

Chega a ser comovente o temor que o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC) demonstra ter do governador Flávio Dino (PCdoB).

A cada tentativa do pai do prefeito, deputado Edivaldo Holanda (PTC), de mostrar-se inquieto com a dependência, Holandinha entra em verdadeiro pânico, temendo reação do comunista – ou mesmo do seu lugar-tenente Márcio Jerry.

A dependência e a subserviência que o prefeito demonstra ao governador tem prejudicado sua gestão desde o início.

Edivaldo júnior não dá qualquer passo sem analisar se Flávio Dino irá ou não gostar – ou sem comunicar ao próprio.

O prefeito não toma a iniciativa de trocar seu secretariado, botando gente de mais qualidade em setores estratégicos, por que a maioria dessa gente de qualidade é vinculada, de uma forma ou de outra, ao grupo Sarney.

Leia Também:

É pelo medo que Dino se impõe…

Holandinha tutelado..

Um prefeito sob custódia em São Luís

Bata na mesa, Holandinha!!!

Holandinha nem cogita conversar com lideranças do grupo Sarney, embora sonhe dia e noite com esta possibilidade.

Técnicos com larga experiência em vários setores, como o deputado Pedro Fernandes (PTB) ou o ex-ministro Gastão Vieira (PROS), dentre outros, são o sonho de consumo do prefeito, que não age com medo do governador.

Até a política de alianças que Edivaldo sonha para 2016 tem que ser condicionada à vontade Flávio Dino – ou ao aval do seu lugar tenente Márcio Jerry.

A população inteira de São Luís já tem consciência da aliança entre Flávio Dino e Edivaldo Júnior, como mostraram os números da Escutec.

E se, mesmo assim, rejeitam a gestão do prefeito, é por que não suportam a subserviência, e é isso que Holandinha precisa compreender.

Só assim para salvar a renovação do mandato…

3

Guerra Moral…

Por Adriano Sarney*

 

Instalou-se no Maranhão uma perigosa guerra moral que pode resultar na maior ilusão eleitoral da história do estado.

O Governador, que é político e jurista, utiliza-se de técnicas retóricas que confiscam para ele a moralidade, negando aos adversários políticos até mesmo a qualidade de ser humano. Faz com que seus inimigos pareçam perversos para que, quando atacado, se coloque em posição de vítima, injustiçado, mártir; fugindo assim da sua responsabilidade de administrar a máquina pública.

Depois de 100 dias de governo, Flavio Dino ainda fala em oligarquia, coronelismo, patrimonialismo e se coloca como o salvador, aquele que monopoliza a ética e os bons princípios. A moral se tornou uma arma para conquistar o poder e levar vantagens, enquanto distrai a atenção dos erros e falhas, que são muitas, desse início de gestão. São questões que confrontam diretamente com as crenças professadas pelo Governador e seu grupo político.

Chamamos a atenção para algumas delas:

–       Ilegalidades comprovadas na formação da Comissão Central de Licitação com desrespeito a Lei Federal de Licitação e ao Código Estadual;

–       Inoperância no sistema penitenciário e de segurança que ocasionou no resgate de 4 criminosos e um total de 23 fugas apenas este ano em unidades prisionais do estado;

–       333 mortes violentas apenas em São Luis e 29 assaltos a bancos no interior do Maranhão;

–       Nomeações de aliados que não são considerados ficha limpa para cargos comissionados na administração pública, desrespeitando Lei Estadual;

–       Ausência de um plano ou ação para combater os impactos da crise econômica que vive o Maranhão, apenas em janeiro e fevereiro, segundo o Caged, mais de 6.300 postos de trabalho com carteira assinada foram fechados no Estado;

–       Falhas no atendimento das UPAs, segundo relatório da Secretaria de Planejamento (Seplan), o Governo investiu menos do que a obrigação constitucional de alocar 12% da receita em Saúde;

–       Graves equívocos que o Governo insiste em não regularizar, como a contratação sem licitação e supostamente direcionada no DETRAN;

–       Contratação de parentes de aliados e lideranças políticas entre órgãos do Poder Estadual;

–       Contratação, sem licitação, de empresa ligada a família do irmão do Governador;

–       Pagamento de jetons que chegam a cerca de R$ 6.000,00 por reunião dos chamados Conselhões;

–       Indeferimento de requerimentos da oposição que buscam informações sobre contratos suspeitos, que ocorreram sem licitação, envolvendo de um lado o Governo e do outro lado escritórios de advocacia de aliados políticos e ex-sócios de gestores da alta cúpula da administração estadual.

Para que o engodo continue, é necessário manter o inimigo forte e poderoso no imaginário do povo para alimentar o discurso do bem contra o mal e impor a culpa. Temos como exemplo o caso da contratação sem licitação da empresa da família do irmão do Governador onde, ao invés de explicar, Flavio Dino tergiversa em sua conta no Twitter: Meu irmão tem uma carreira limpa e honrada, derivada de concurso público e de promoções por mérito. Difícil Sarney entender o que é isso.”

Além de não cumprir a sua obrigação de explicar os fatos, o Governador culpou o ex-Presidente Sarney, que nada tem a ver com os privilégios que Flavio Dino concedeu à família de seu irmão. É a lógica de responder de qualquer maneira, ainda que de forma distorcida, desde que tenha respostas para os fatos que não tem argumentos.

Outro exemplo das contradições e da retórica vazia do Governador ocorreu no programa Roda Viva, em rede nacional, antes de assumir o cargo, quando afirmou: “A partir do dia primeiro de janeiro o Estado comanda o sistema prisional”.

Na vida real, sobre o recente episódio do resgate de presos, em sua conta no Twitter, o Governador ataca a gestão anterior e não explica os motivos de não ter assumido o comando do sistema: “Do jeito que a oligarquia fala, até parece que Pedrinhas era uma maravilha, organizada e pacifica. Só que todos lembram.”

A Saúde, antes organizada e funcionando, vê hoje seus prestadores de serviço e seus ex-gestores sendo acusados de malfeitos. Acontece que antes a saúde funcionava no Estado e hoje está no caminho do mais absoluto caos, como já observado nas UPAs que eram referencia em qualidade.

Muitas distorções também na criação de uma Superintendência de Combate a Corrupção. Esta nova área do Governo vai combater a corrupção na atual administração ou vai apenas servir para perseguir inimigos políticos? Um bom começo seria dar uma resposta a sociedade sobre o recente escândalo no Detran.

Uma guerra moral não é sustentável, sua sobrevivência depende do contraste entre as crenças professadas e os atos executados, do que é dito e do que é feito. É possível observar uma mudança nas expectativas da população quando observa-se que, depois de um breve período de popularidade de começo de governo, o instituto de pesquisas Exata, ligado ao Governador, detectou um declínio de 5 pontos nos poucos meses de fevereiro a abril.

A estratégia de desqualificação dos adversários quase sempre trai aquele que a implementa. É sempre oportuno lembrar o que disse Abraham Lincoln: “Você pode enganar algumas pessoas o tempo todo ou todas as pessoas durante algum tempo, mas você não pode enganar todas as pessoas o tempo todo.”

Nós, que hoje exercemos uma oposição responsável a esse Governo, queremos o desenvolvimento do Maranhão acima do ideário político-partidário que querem nos impor. Respeitamos a alternância de poder e a democracia. Contudo, o Maranhão espera uma conduta séria e responsável daqueles que comandam o Estado.

* economista e administrador, Deputado Estadual (PV).

 www.facebook.com/adriano.sarney