0

Grupo de Roberto Rocha já comemora controle do PP…

Aliados do senador maranhense fizeram festa, nesta quinta-feira, 22, pelo anúncio da nomeação do senador Ciro Nogueira para a Casa Civil do governo Bolsonaro. “Presidente Bolsonaro e senador RR no PP”, afirmaram

 

Roberto Rocha busca um partido para controlar no Maranhão; agora,s eus aliados dizem que ele tomará o PP de André Fufuca

O grupo do senador Roberto Rocha no Maranhão comemorou como vitória o anúncio de que o senador  Ciro Nogueira (PP-PI) será o chefe da Casa Civil do governo Jair Bolsonaro.

– PP Maranhão vai ficar com RR – disse um dos aliados do senador, em mensagem de whatsapp para o titular do blog Marco Aurélio D’Eça.

Em outra mensagem, ainda mais afirmativa, outro aliado foi ainda mais enfático:

– Presidente Bolsonaro e senador RR no PP. PP no estado do Maranhão ficará no comando do senador Roberto Rocha.

O PP é presidido no Maranhão pelo deputado federal André Fufuca, que já declarou apoio ao senador Weverton Rocha (PDT) nas eleições de 2022.

Além da força pessoal que tem com o próprio Ciro Nogueira, presidente nacional da legenda, Fufuca goza de prestígio com o presidente da Câmara federal, Arthur Lira (PP-AL).

Roberto Rocha vem tentando desde o início do ano – quando foi expulso do PSDB – controlar um partido no Maranhão.

Já tentou, sem sucesso, se apossar do PTB, do PRB, do PSD e do PSL; nas últimas semanas, contava com a ida de Bolsonaro para o Patriotas.

A festa dos seus aliados dando conta de que controlará o PP maranhense é um sinal de que, finalmente, ele pode ter encontrado uma casa para disputar as eleições de 2022.

É aguardar e conferir…

4

Oposição tem quase o dobro da intenção de votos da base de Flávio Dino

Juntos, pré-candidatos não alinhados ao Palácio dos Leões alcançam até 46,3% das manifestações sobre as eleições de 2022, segundo pesquisa DataIlha, divulgada no fim de semana; melhor posição entre aliados é a do senador Weverton Rocha

 

Os números mostram a oposição com força para peitar o Palácio dos Leões nas eleições de 2022

A pesquisa do Instituto DataIlha divulgada neste fim de semana acendeu o alerta amarelo no Palácio dos Leões; os números mostram que os candidatos da oposição ao governo Flávio Dino (PSB) podem vencer as eleições em 2022.

De acordo com os números, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) lidera, com 22,8%; o senador Roberto Rocha aparece embolado em segundo lugar, com 11,2%. Já o prefeito de São Pedro dos Crentes, Dr. Lahésio Bonfim, tem 6,9%.

Juntos, portanto, os oposicionistas chegam a 40,9% das intenções de votos.

Se o deputado Josimar de Maranhãozinho (PL), que tem 5,4%, for incluído entre os não-alinhados a Flávio Dino, o índice de votos em oposicionistas chega a 46,3%, quase a metade dos votos no Maranhão.

O membro da base aliada a Dino melhor posicionado é o  senador Weverton Rocha (PDT), com 13,3%; ele ocupa a segunda colocação nominal e vai a primeiro nos cenários em que Roseana não aparece.

A essas alturas, Weverton é, também, o único capaz de atrair apoios da oposição, o que aumentariam as chances dos governistas.

Na soma geral, incluindo eleitores que ainda não têm candidatos (24,6%) e que votariam em branco ou nulo (2,9%), as manifestações de voto contra o governo Flávio Dino superam hoje os 73% no Maranhão.  

Após oito anos de mandato, portanto, Flávio Dino tem menos de 1/4 do eleitorado maranhense.

1

“Estátua da Liberdade” de Roberto Rocha deve ser vista com respeito

Apesar das ironias aos projetos virtuais do senador maranhense – inclusive advindas do blog Marco Aurélio D’Eça – réplica do monumento estadunidense que ele pretende viabilizar no município de Nova Iorque é visionária e acena para o turismo na região do sertão do Maranhão

 

Uma das belas imagens da Nova Iorque maranhense: potencial turístico inexplorado às margens da Barragem Boa Esperança

Ensaio

O senador Roberto Rocha (sem partido) tem sido alvo de ironias – inclusive do blog Marco Aurélio D’Eça – por causa de seus projetos mirabolantes, divulgados a partir de maquetes virtuais.

Alguns – aparentemente – podem até ser inviáveis, seja do ponto de vista estrutural ou financeiro; mas outros deveriam ser vistos com respeito, como a réplica da Estátua da Liberdade, em Nova Iorque do Maranhão.

É de importância visionária para o turismo uma Estátua da Liberdade na Nova Iorque maranhense nos moldes da original, na cidade americana de mesmo nome.

Quem conhece Nova Iorque do Maranhão – uma das mais belas cidades do estado – sabe de sua história e de sua geografia; e sabe a dimensão que teria uma Estátua da Liberdade em suas águas.

Fundada como vila pelo engenheiro americano Edward Burnet, foi emancipada de Pastos Bons em 1890, recebendo o nome da cidade natal do fundador – escrita de forma abrasileirada, diferente da Nova York original.

Destruída pela Coluna Prestes, em 1925, Nova Iorque do Maranhão sofreu uma inundação e teve que ser reconstruída.

A “nova” cidade ganhou as mesmas 13 ruas, três praças e a mesma disposição das casas, mantendo cada vizinhança integrada.

Missão campal em 1960, nos dias que antecederam a inundação provocada de Nova Iorque, para construção da Hidrelétrica de Boa Esperança (fonte: Cia Boa Esperança)

Foi novamente inundada em 1960 – desta vez em enchente provocada pela construção da Hidrelétrica de Boa Esperança.

Hoje, Nova Iorque está à beira do lago formado pela barragem, numa área de extrema beleza, na divisa com o vizinho Piauí.

No final da década de 90, o então correspondente do Jornal Nacional na Nova York americana – o falecido Paulo Henrique Amorim – produziu reportagem com um link direto para a Nova Iorque maranhense, onde estava o repórter Sidney Pereira, da Mirante.

Na época, o governo Roseana Sarney (então no PFL) tentava reforçar o turismo na região.

 

Projeção digital do balneário coma Estátua da Liberdade, projeto de Roberto Rocha que pretende levantar recursos no Ministério do Turismo

Esses fatos mostram que a ideia de Roberto Rocha pode até ser exótica, mas não maluca.

Ele pretende não apenas instalar a réplica da estátua, mas construir um balneário na região, o que movimentaria o turismo na região; os recursos viriam do Ministério do Turismo.

De fato, uma réplica da “senhora de Manhatan” em plena barragem da Boa Esperança poderia dar à Nova Iorque maranhense um boom nunca visto em sua história.

Basta ter coragem para ver o que a visão não alcança, como veem os visionários.

E Roberto Rocha, neste aspecto, apresenta uma visão de futuro…

1

Senado veta projeto da Zema e frustra sonho de Roberto Rocha…

Com nenhuma articulação em plenário, senador maranhense viu ideia que acalenta há quase 20 anos ser derrotada em votação remota; agora terá que lutar por recursos para seus outros projetos virtuais

 

Roberto Rocha e seu contêinerzinho da Zema; o presidente recebeu, mas não deu nem bola para sua votação no Senado

O senador Roberto Rocha (sem partido) acabou frustrado nesta terça-feira, 22, durante votação remota da Medida Provisória que criaria a Zona Livre de Exportação do Maranhão, batizada por ele de Zema.

Sem nenhuma relação política em plenário, sem qualquer articulação partidária e nem mesmo a base do governo Bolsonaro ao seu lado, Rocha não teve a menor chance na votação.

Com página disponível na internet, a Zema é apresentada pelo senador maranhense como “um projeto de lei de incentivo econômico para a promoção do desenvolvimento regional e nacional, a partir da localização geográfica do Complexo Portuário do Itaqui, na ilha de São Luís.”.

Bem montado, o site mostra o que o Maranhão ganharia com a Zema, faz comparações com outros portos e mostra como será o futuro do estado, mas tudo de forma virtual. (Veja aqui)

A única coisa física da Zema é a maquetinha de um contêiner que o senador distribui como souvenir de propaganda do seu projeto

No mês passado, Roberto Rocha ocupou emissoras de rádio, TVs, jornais e blogs para comemorar a aprovação da Zema na Câmara Federal, após quase 20 anos.

Mas não conseguiu convencer os próprios pares da importância deste projeto. 

Agora, a luta é pela aprovação de recursos para outros inusitados projetos no portfólio do senador.

Dentre eles uma réplica da Torre Eiffel na Lagoa da Jansen e outra, da Estátua da Liberdade, no município de Nova Iorque.

3

Sem grupo, Roberto Rocha encontra portas fechadas em partidos…

Desde que foi “convidado a sair do PSDB”, senador tentou tomar o PTB, o Republicanos, o PSD, o PSL e, por último, o PP, mas foi rechaçado pelas lideranças nacionais por não ter prefeitos, deputados estaduais e federais que sigam seu projeto de poder

 

Espécie de lobo solitário da política, Roberto Rocha tem apenas familiares e uns poucos aliados como cacife para apresentar aos partidos

O senador Roberto Rocha já cercou diversos partidos desde que foi convidado a se retirar do PSDB; mas, em todos, encontrou portas fechadas.

Por último, o ex-tucano tenta se apossar do PP, mas enfrenta resistências, diante da força demonstrada pelo deputado federal André Fufuca, um dos mais prestigiados membros da bancada federal em Brasília.

Antes, o senador já havia encontrado portas fechadas no PTB, no PSD, no PSL e no Republicanos. (Entenda aqui e aqui)

Em todas estas legendas, o argumento para rechaçar as investidas de Rocha é o mesmo: ao longo de quase três décadas de vida pública, ele não conseguiu criar grupo consistente que mostre força eleitoral para formar bancada em Brasília, na Assembleia e nas prefeituras.

De cultura política familiar e patrimonialista, o senador não tem um deputado federal que siga suas orientações, nenhum deputado estadual que fale por ele na Assembleia e muito menos prefeitos alinhados ao seu projeto, seja lá qual for.

A saída para Rocha será entrar no mesmo partido que Bolsonaro, outro que enfrenta resistências para encontrar um abrigo.

É vinculado ao bolsonarismo que o político maranhense tentará viabilizar-se candidato ao governo em 2022.

2

Sem rumo eleitoral definido, Roberto Rocha perde espaço no Bolsonarismo

Sem controle partidário, sem grupo político e sem definição do cargo a que concorrerá em 2022, senador vai diminuindo de tamanho à medida que se aproximam as eleições; e vê outras lideranças ligadas ao presidente ganhar importância

 

Rocha usou Dino, elegeu-se senador, abandonou o grupo comunista, mas, oito anos depois, mostra insegurança em defender contra ele a vaga no Senado

Sem partido, sem grupo político consistente nos municípios e no poder legislativo; e sem saber ao certo a que cargo concorrer em 2022, o senador Roberto Rocha vive os estertores do mandato.

Próximo do presidente Jair Bolsonaro (também sem partido) ele vê seu quinhão neste nicho do eleitorado sendo ocupado pelo deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) e pelo prefeito de São Pedro dos Crentes, Dr. Lahésio Bomfim.

Ambos são candidatos a governador e devem empunhar a bandeira do bolsonarismo no estado.

Mas este desfecho para a carreira senatorial de Roberto Rocha foi previsto no blog Marco Aurélio D’Eça ainda em 17 de outubro de 2014, dias depois de sua eleição, no post “Roberto Rocha e Flávio Dino oito anos depois…”.

– O que fazer com Roberto Rocha, oito anos depois de eleito senador? É o que deve passar, já hoje, pela cabeça do governador comunista – avaliou este blog, à época.

Os oito anos tratados no texto praticamente se passaram, a história não seguiu o seu curso normal e alguns que nem estavam no radar da análise deste blog surgem hoje como opção clara de poder no Maranhão.

Mas dias antes do texto retratado acima, o blog Marco Aurélio D’Eça traçou também o rumo do próprio senador então eleito, no post “O projeto de Roberto Rocha…”, do dia 29 de novembro de 2014. 

– O senador eleito é obrigado a disputar o governo por que sabe que, em 2022, se Flávio Dino se reeleger em 2018, terá que disputar a reeleição contra o próprio comunista; é este jogo de poder que mostra o entrelaçamento das eleições de ontem, de hoje e de amanhã – alertava o blog, para concluir:

– Sobrevirá quem melhor souber usar o poder…

Enquanto Roberto Rocha claudica em relação ao futuro eleitoral, Lahésio Bonfim vai ocupando espaços como opção bolsonarista para 2022

Roberto Rocha segue para um ocaso político que bem poderia ter evitado.

É claro que o senador sofreu alguns reveses pessoais que o tiraram do debate público, embora tenha ganhado força política, estrutura e recursos com a ascensão de Bolsonaro.

De qualquer forma, ele encerra seu mandato no Senado sem qualquer perspectiva de reeleição – tanto que sequer cogita a possibilidade de enfrentar Flávio Dino.

E parece ter dificuldade até mesmo para uma vaga na Câmara Federal.

O senador tem até abril do ano que vem para contrariar este prognóstico, viabilizar um partido de peso e entrar na disputa de 2022 como liderança estadual.

Caso contrário verá a flâmula bolsonarista tremular nas mãos de Josimar de Maranhãozinho e do Dr. Lahésio.

É aguardar e conferir…

1

Silêncio sobre relato de atentado a Bolsonaro prejudica Roberto Rocha

Em meio à fake news espalhada pela jornalista Lêda Nagle – e já reconhecida pela própria – sobre o atentado ao presidente Jair Bolsonaro, em 2018, senador maranhense apareceu em notícia do jornal O Globo como protagonista de suposto áudio em que aponta o ex-presidente FHC e os ex-deputados Jean Wyllys e José Dirceu como alguns dos supostos mandantes do mesmo crime

 

Aliado de Jair Bolsonaro, Roberto Rocha teve o nome envolvido em história sobre o atentado de 2018; mas ainda mantém silêncio

O senador Roberto Rocha (sem partido) mantém, até agora, silêncio em suas redes sociais e inoperante sua assessoria de imprensa. Mas é fundamental que ele venha a público esclarecer a notícia revelada pelo jornal O Globo, em que aparece como protagonista de uma polêmica envolvendo o atentado contra o presidente Jair Bolsonaro, em 2018.

A matéria de O Globo surgiu no burburinho de uma declaração da jornalista Lêda Nagle – já comprovada como fake news – apontando o Supremo Tribunal Federal e o ex-presidente Lula como supostos autores da trama do atentado ao presidente. 

Na desmontagem da mentira – já reconhecida pela própria Lêda Nagle – o jornal foi além, e revelou áudio do aplicativo de mensagens Telegram, que fala de um suposto relato de Rocha – e de um integrante do Gabinete de Segurança Institucional – apontando outros mandantes, entre eles seu próprio ex-colega de partido, FHC.

– No Telegram, um áudio apócrifo contava sobre um suposto relato do senador Roberto Rocha (PSDB-MA) e de um integrante “barra pesada” do Gabinete de Segurança Institucional que “revelava” outros mandantes da falsa conspiração: Jean Wyllys, José Dirceu e Fernando Henrique Cardoso – diz textualmente O Globo.

Assim como a fake news espalhada por Lêda Nagle, o áudio do Telegram também pode ser falso, mas encerra ao menos uma pergunta: Por que o nome de Roberto Rocha, exatamente o dele, aparece como autor do relato, juntamente com um integrante do GSI?

E o senador tem, sim, obrigação de esclarecer essa questão…

0

Flávio Dino vence eleição para o Senado em qualquer cenário

Governador alcança 45% de intenções de voto em uma disputa com Roseana Sarney, Roberto Rocha, Josimar de Maranhãozinho e Othelino Neto; e vai a 52% quando a ex-governadora é retirada da lista de candidatos

 

Pesquisa Exata mostra que Flávio Dino lidera com folga a disputa pela úncia vaga de senador pelo Maranhão em 2022

O governador Flávio Dino (PCdoB) tem a sua candidatura ao Senado praticamente consolidada em 2022, segundo pesquisa Exata, divulgada pela rádio Difusora FM nesta terça-feira, 23.

No principal cenário pesquisado pela Exata, Dino chega a 45% de intenção de votos, contra 18% da ex-governadora Roseana Sarney (MDB), 16% do atual senador Roberto Rocha (PSDB), 6% do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) e 4% do presidente da Assembleia, Othelino Neto (PCdoB).

Quando Roseana e Othelino são retirados da lista de candidatos, Flávio Dino vai a 52% de intenção de votos, contra 22% de Roberto Rocha e 9% de Josimar de Maranhãozinho.

Esta disputa entre Dino e Rocha foi prevista pelo blog Marco Aurélio D’Eça ainda em 2014, no post “Roberto Rocha e Flávio Dino oito anos depois…”

Mas ela não deverá ocorrer, uma vez que Rocha deve optar pela disputa de governador ou de deputado federal.

Esta foto de 2014 prediz uma disputa que não ocorrerá em 2022, quando Flávio Dino deve ocupar no Senado a vaga hoje ocupada por Roberto Rocha

O senador tucano cuja vaga está em disputa em 2022 só lidera a corrida quando o próprio Dino é retirado da lista, juntamente com Roseana Sarney. 

Nesta hipótese, Rocha vai a 37%, contra 17% de Josimar e 10% de Othelino. 

Como se pode analisar dos números do Instituto Exata, a vaga de senador pelo Maranhão só nãos erá de Flávio Dino em 2022 se ele não concorrer a ela.

Hipótese esta cada vez mais descartada…

0

Entrada de Brandão no PSDB confirma informação do blog

Informação sobre a saída do senador Roberto Rocha foi publicada ainda em dezembro de 2020, e foi-se confirmando ao longo dos meses, mesmo com as contantes negativas do parlamentar, que ainda não anunciou novo rumo partidário

 

Brandão assumiu o comando do PSDB maranhense, numa jogada que pode servir tanto para o bem quanto para o mal ao seu projeto de 2022

Em 16 de dezembro de 2020 o blog Marco Aurélio D’Eça publicou o post “PSDB deve trocar Roberto Rocha por Eliziane Gama no Senado…”.

Foi a primeira informação sobre a fritura do senador maranhense no ninho tucano, que não aceitou sua relação umbilical com o presidente Jair Bolsonaro.

Roberto Rocha, obviamente, negou a informação, mas desde então os fatos que corroboravam a informação do blog foram se sucedendo, com um grupo de políticos já se articulando pelo controle do partido. (Relembre aqui e aqui)

Pela postura já conhecida de distanciamento do debate político, Eliziane não se viabilizou; e o vice-governador Carlos Brandão (Ex-PRB) acabou sendo o beneficiado com a direção da legenda.

Roberto Rocha decidiu abandonar de novo os postulados do PSDB para se alinhar cada vez mais a Jair Bolsonaro, de quem pretende ser candidato a governador em 2022

O mérito da decisão de Brandão – se será benéfica ou prejudicial ao seu projeto de ser eleito governador em 2022 – só poderá ser analisada mais à frente, quando as movimentações eleitorais começarem a se caracterizar.

Da mesma forma, a nova movimentação de Rocha definirá seu rumo em 2022: se como lobo solitário na sucessão de Flávio Dino (PCdoB) ou como homem de Bolsonaro no Maranhão.

5

Mudanças partidárias envolvem dois senadores e dois deputados no MA

Roberto Rocha e Eliziane Gama devem protagonizar disputa pelo PSDB, que envolve também Gil Cutrim; Pedro Lucas Fernandes deixará comando do PTB, mas ainda não definiu novo rumo partidário

 

Se quiser, Eliziane Gama pode ter o comando do PSDB maranhense, no lugar do colega senador Roberto Rocha

O blog Marco Aurélio D’Eça tratou, ainda em dezembro de 2020, no post  “PSDB deve trocar Roberto Rocha por Eliziane Gama no Senado” das mudanças partidárias em curso na bancada maranhense.

– O caminho do senador maranhense seria o PTB, que tem o deputado federal Pedro Lucas Fernandes como presidente – disse o post, à época. (Relembre aqui)

Passados mais de dois meses, a nova configuração partidária da bancada maranhense começou a se concretizar no fim de semana, após manifestação da Câmara Federal pela prisão do deputado Daniel Silveira, que atacou o STF e a Constituição.

Roberto Rocha viu a rejeição do PSDB á sua postura quando tentou sair em defesa de Silveira e cobrar explicações do ministro Alexandre de Moraes.

Pedro Lucas, por sua vez, recebeu ameaças abertas do presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, exatamente por votar a favor da prisão do deputado carioca.

Pedro Lucas foi atacado publicamente pelo ex-deputado Roberto Jefferson, e deve perder o comando do PSDB

O PTB deve ser o caminho natural de Roberto Rocha, pe30lo alinhamento partidário do partido ao presidente Jair Bolsonaro.

Em dezembro, o nome cotado para o controle do PSDB maranhense, era o da senadora Eliziane Gama, que tem excelente relação com o próprio partido, o Cidadania. 

Mas, atualmente, o deputado federal Gil Cutrim (PDT) também é cotado para o controle tucano no Maranhão.

As mudanças partidárias na bancada maranhense devem se eferivar ao longo do mês de março.