0

Yglésio presente em ato pró-Bolsonaro na Avenida Paulista…

Deputado estadual maranhense (ainda no PSB) é o único representante da Assembleia Legislativa do estado na manifestação que reuniu milhões de brasileiros em apoio ao ex-presidente da República, hoje com os direitos políticos cassados

 

Dr. Yglésio ao lado de outros maranhenses que foram desagravar Jair Bolsonaro na Avenida Paulista, em São Paulo

O deputado estadual Dr. Yglésio Moyses é o único membro da Assembleia Legislativa do Maranhão presente no ato pró-Jair Bolsonaro (PL), que acontece na tarde deste domingo, 25, na Avenida Paulista, em São Paulo.

No primeiro contato com este blog Marco Aurélio d’Eça, por volta do meio-dia, Yglésio estava em deslocamento para a Paulista, mas ainda sem credencial que daria acesso à área mais restrita a Bolsonaro; por volta das 14h, ele encaminhou a imagem que ilustra este post, ao lado de outros maranhenses presentes no ato.

– Já aqui do lado do evento com os bolsonaristas maranhenses – informou o deputado estadual.

O ato pró-Bolsonaro deve durar a tarde inteira e reúne milhões de brasileiros em desagravo ao ex-presidente.

0

Aliança com Aluisio Mendes afasta Paula Azevedo da base de Carlos Brandão…

Mesmo advertida por aliados do PCdoB e do PT, prefeita comunista de Paço do Lumiar decidiu manter no PRB seu candidato a prefeito, Jorge Maru, além de receber apoio da também deputada federal Bolsonarista Mariana Martins, o que afastou o vice-governador Felipe Camarão e desanimou até o presidente de sua legenda, deputado federal Márcio Jerry

 

Paula Azevedo fechou aliança com Aluisio Mendes e manteve Maru no PRB, mesmo com apelos do PCdoB e do PT

 

A prefeita de Paço do Lumiar Paula Azevedo (PCdoB) foi advertida inúmeras vezes por lideranças do PCdoB e do PT pela proximidade que mantém  com adversários do governador Carlos Brandão (PSB) e de bolsonaristas, como os deputados federais Aluisio Mendes (PSC) e Mariana machado (PRB); a aliança da prefeita praticamente a tirou da base do governo Brandão.

Além de fechar apoio de Aluisio Mendes e Mariana machado, Paula Azevedo manteve seu candidato, Jorge Maru, no PRB, partido de Aluísio – e da base do ex-presidente Jair Bolsonaro – apesar da insistência de petistas e comunistas em levá-lo para o PT.

A insatisfação com a postura de Paula Azevedo foi revelada a este blog Marco Aurélio d’Eça ainda na sexta-feira, 2, pelo presidente regional do PCdoB, deputado federal Márcio Jerry, um dos mais antigos aliados da prefeita; Jerry mostrou-se incomodado com os rumos da campanha em Paço do Lumiar.

– A gente vinha construindo uma unidade importante em Paço do Lumiar dentro da base do Palácio dos Leões, mesmo reconhecendo a dificuldade de lado a lado. A entrada dos deputados Aluisio e Mariana no processo acabou criando mais dificuldade, mas houve, antes disso, prob lemas nossos na condução de uma equação complexa – admitiu Jerry, durante a homenagem da Assembleia Legislativa a Flávio Dino, na sexta-feira, 2.

Durante a semana, o vice-governador  Felipe Camarão (PT) também se manifestou criticamente em relação ao posicionamento da prefeita de Paço do Lumiar.

– [o partido de Aluisio Mendes] é um partido manifestamente da base bolsonarista. Uma deputada de Imperatriz [Mariana Carvalho] que fala mal todo dia do governador Carlos Brandão, de Flávio Dino e do nosso partido, do meu e do dela; do PT e do PCdoB – reclamou Camarão.

Já em dificuldades de articulação em Paço do Lumiar, com sérias restrições em sua campanha por Jorge Maru, Paula Azevedo, além de diminuir as chances do seu candidato, também torna muito difícil sua própria gestão nesta reta final de mandato, inclusive já com ameaça de cassação.

Mas esta é uma outra história…

Texto alterado às 16h de 8/2/2024 para correção de informações

0

A histórica e transparente relação de Eliziane com as igrejas…

Pauta de desconstrução da imagem da senadora maranhense nas denominações evangélicas é gerada por grupos adversários, ligados ao bolsonarismo, que ainda se ressentem da derrota de 2022 e da perda de espaço com a chegada ao poder de um governo mais à esquerda, ao qual, organicamente, a parlamentar sempre foi mais identificada

 

 

Desde 2006 Eliziane aproximou os governos das igrejas e as igrejas do Palácio dos Leões, começando com Jackson Lago e se consolidando com Flávio Dino

Ensaio

Nascida e criada no evangelho – dentro das mais rígidas regras do pentecostalismo pregado pela Assembleia de Deus nos rincões do Maranhão nos idos de 1970 – a senadora Eliziane Gama (PSD) sempre teve, mesmo assim, postura progressista, o que não a impediu de construir uma carreira de destaque como jornalista e como política evangélica, de deputada estadual, passando por deputada federal e chegando a senadora.

Nestes 18 anos de vida parlamentar ela sempre teve o apoio das lideranças e da base da Assembleia de Deus e de outras denominações evangélicas, sobretudo pela sua fidelidade e lealdade aos princípios cristãos e por suas ações políticas de fortalecimento e empoderamento deste segmento social ao longo de vários mandatos.

Como deputada estadual, a atual senadora comandou a CPI da Pedofilia na Assembleia Legislativa, quando o assunto ainda era tabu, sobretudo nas igrejas; é de sua autoria, também, a lei que instituiu os retiros evangélicos – e católicos – na agenda cultural do Maranhão, o que permitiu luz sobre estes movimentos que, no mínimo, protegem jovens no carnaval.

Igreja de nascimento de Eliziane, a Assembleia de Deus sabe que sua carreira política tem identificação pessoal com a do agora ministro do Supremo Tribunal Federal Flávio Dino – e anterior a ele, ela também sempre foi ligada historicamente a Jackson Lago, outro ícone da esquerda maranhense.

Eliziane aproximou as igrejas tanto de Jackson quanto de Flávio Dino e tornou a relação mais leve; lideranças evangélicas, tanto da AD quanto de outras denominações passaram a ter acesso ao poder a partir de seus movimentos.

Não é exagero afirmar que, graças a Eliziane Gama, vários outros homens e mulheres das igrejas com vocação política puderam sonhar com um mandato parlamentar ou no executivo ao longo desses 18 anos.

Foi a partir da ascensão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) que a promiscuidade política passou a impregnar as igrejas; manipulando a fé e mesclando a doutrina religiosa com a pauta da direita radical, Bolsonaro atraiu figuras nocivas da agenda evangélica, tipos como Silas Malafaia, Marcos Feliciano, Valdomiro Santiago e outros mercadores da fé.

Mas é claro que, no Maranhão – e dentro das igrejas – houve quem se beneficiasse dessa agenda bolsonarista; e começou aí a hostilização à senadora, que se posicionou contra os deturpados ideais do então presidente e a manipulação da fé evangélica com interesse político.

Dentro da Igreja Assembleia de Deus – e no segmento evangélico – Eliziane Gama se mantém historicamente onde sempre esteve, com a ciência de todas as lideranças assembleianas e evangélicas do Maranhão.

E é assim que ela mantém seu espaço dentro do movimento cristão maranhense.

Que completará 20 anos exatamente em 2026.

Na renovação do seu mandato no Senado…

0

Yglésio reforça imagem colada à de Bolsonaro…

Deputado estadual e pré-candidato a prefeito de São Luís espalhou outdoors por São Luís com a foto em que aparece cumprimentando o ex-presidente da República, na busca por atrair a militância de direita há menos de três meses do fim do prazo para filiação partidária

 

Placa de Yglésio de mãos dadas com Jair Bolsonaro: fixação da imagem de direita antes da filiação a um partido

Ainda filiado ao PSB, o deputado estadual Dr. Yglésio Moyses iniciou esta semana uma campanha para colar definitivamente a sua imagem à do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL); candidato a prefeito de São Luís, o parlamentar tenta conseguir um partido de direita e atrair a militância bolsonarista ainda refratária ao seu projeto.

Nas placas espalhadas pela capital maranhense, o deputado aparece de mãos dadas em cumprimento com o ex-presidente; ao lado, a inscrição: “em 2024 seguiremos juntos, presidente”.

Yglésio aproximou-se de Bolsonaro no segundo turno das eleições de 2022, após passar todo o primeiro turno na coligação que levou o eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) á vitória; desde então, ele trava uma batalha jurídica com o partido para desfiliar-se.

A lista de partidos á direita no espectro político é restrita no Maranhão para  Yglésio; além da pouca opção, ele ainda tem que disputar o espaço com outro deputado estadual, Wellington do Curso, que também quer ser candidato a prefeito.

Dos partidos da base bolsonarista, o PL, o Podemos e o PP estão com o candidato do governador  Carlos Brandão (PSB), deputado federal Duarte Júnior (PSB); O PL também deve seguir com Duarte. 

Além deles, há na direita o Agir e o União Brasil, que também seguirão com o candidato de Brandão, além do DC e do PRTB; o Novo, já tem como candidato o militante Diogo Gualhardo.

Para garantir presença nas eleições, Yglésio tem até 8 de abril para conseguir filiação a um partido…

0

Com sabatina dupla para indicados de Lula, Senado tenta minimizar pressão em Flávio Dino…

Aliados do ministro da Justiça – indicado pelo presidente Lula para o Supremo Tribunal Federal – cercaram-se de todos os cuidados para evitar maiores desgastes durante a sessão na Comissão de Constituição e Justiça, incluindo uma inédita entrevista conjunta com Paulo Gonet, indicado à Procuradoria-Geral da República

 

A presença de Paulo Gonet na mesma sabatina de Flávio Dino visa minimizar a pressão da oposição sobre o ministro da Justiça

Mesmo com todo o já autodeclarado preparo técnico e conhecimento jurídico, o ainda ministro da Justiça Flávio Dino não quis correr nenhum risco de exposição pública durante a sabatina que vai decidir sobre sua indicação para o Supremo Tribunal Federal.

Entre as estratégias para minimizar a pressão sobre Dino, o comando e os aliados do governo Lula (PT) no Senado decidiram realizar uma inédita sabatina dupla, com a presença do procurador Paulo Gonet Branco, indicado por Lula para a Procuradoria-Geral da República.

A divisão de atenções visa preservar Dino, que deve ser bombardeado por senadores de oposição, apesar dos apelos de aliados para que “não batam acima da canela”.

Temas como aborto, união civil homoafetiva e liberação do uso recreativo da maconha devem marcar a audiência com o ministro da Justiça, que se declara cristão; apesar da teoria do estado laico, o ex-comunista teme represálias da religião.

A expectativa do relator do processo de indicação de Dino ao STF, senador  Weverton Rocha, é que ele alcance um mínimo de 60 votos.

Para ter a indicação aprovada são necessários 41 dos 81 votos de senadores…

0

Flávio Dino ainda não ouviu negativas dos colegas no Senado…

Indicado para o Supremo Tribunal Federal pelo presidente Luiz Inácio lula da Silva, ministro da Jsutiça já conversou com 50 senadores e nenhum apresentou negativa ao seu nome; ele precisa de 14 votos dos 27 da Comissão de Constituição e Justiça e mais 41 dos 81 votos em plenário

 

Flávio Dino tem buscado indistintamente os colegas; e garante ainda não ter ouvido um “não”

O ministro da Justiça Flávio Dino já conversou com pelo menos 50 dos 81 senadores em sua campanha para ter o nome aprovado para o Supremo Tribunal Federal; segundo ele, não houve “não” entre os colegas.

Para passar na Comissão de Constituição e Justiça, o ministro maranhense precisará de 14 dos 27 votos; superando esta etapa, ele vai precisar de outros 41 dos 81 votos do plenário.

– Tenho procurado indistintamente todos os senadores e tenho sido muito bem tratado – declarou Dino.

Em sua articulação, o ministro busca, inclusive, senadores oposicionistas e até os bolsonaristas, a princípio mais refratários à sua indicação.

Essa movimentação, que conta ainda com os senadores Weverton Rocha (PDT), Elizaine Gama (PSD) e Ana Paula Lobato (PSB), pode superar a casa dos 55 votos antes projetados pelo governo Lula.

A sabatina de Flávio Dino na CCJ – e a votação em plenário – estão marcadas para o dia 13 de dezembro…

0

“Nem precisa votar, basta não atrapalhar”, disse Weverton, sobre contrários a Dino

Relator do processo de indicação do ministro da Justiça ao Supremo Tribunal Federal, senador pedetista disse que tem conversado com oposicionistas e bolsonaristas para que atuem dentro das quatro linhas na sabatina do dia 13 de dezembro, para que “as batidas sejam apenas na canela”

 

Weverton tem acompanhado a movimentação de Flávio Dino no Senado e é o principal articulador dos votos em favor do ministro

O senador Weverton Rocha (PDT) mostrou-se otimista em relação à aprovação do nome do ministro da Justiça Flávio Dino para o Supremo Tribunal Federal; Weverton conversou com o titular deste blog Marco Aurélio d’Eça sobre a movimentação por Dino.

– Não é que esteja sendo fácil, mas tudo segue um trabalho de articulação prévia; nós esperamos alcançar o patamar de votos necessários – afirmou o senador, que projeta cerca de 55 votos favoráveis; o mínimo para a aprovação é 41 votos.

Em relação aos bolsonaristas, Weverton explicou que não trabalha necessariamente pelo voto deles, mas que pelo menos não gerem confusões durante a sabatina.

– Se não criar empecilhos já é o bastante – afirmou.

A base do ex-presidente Jair Bolsonaro tem se manifestado contra a indicação de Flávio Dino ao STF, mas de forma respeitosa, levando em conta apenas questões ideológicas, não pessoais.

– Se for pra bater, que se bata apenas na canela – brincou o senador pedetista.

A sbatina de Fla´vio Dino ocorre no dia 13 de dezembro…

0

Perfil de Weverton criticado por dinistas vai ajudar o próprio Flávio Dino no Senado…

Senador do PDT é um dos mais hábeis articuladores do Congresso Nacional e circula com desenvoltura em todas as alas políticas, incluindo o bolsonarismo, o que levou a críticas do ainda ministro da Justiça, agora precisando de votos no Senado para ter o nome aprovado para o STF

 

Da esquerda histórica, Weverton tem perfil conciliador e vai ajudar Flávio Dino na busca por votos bolsonaristas, incluindo Flávio Bolsonaro

Aliados do ainda ministro da Justiça na imprensa maranhense bateram, duramente, durante a campanha de 2022, em um perfil que deveria ser visto com respeito na personalidade do senador Weverton Rocha (PDT): sua capacidade de diálogo com todas as correntes políticas.

Apoiando a candidatura do então candidato a governador Carlos Brandão (PSB) Flávio Dino condenava a relação de Weverton com o senador Flávio Bolsonaro (PL)-RJ), filho do então presidente Jair Bolsonaro (PL), e com outros senadores da direita bolsonarista no Senado.

Influenciados pelo então ex-governador, blogs alinhados chegaram a bater forte em Weverton por causa deste perfil. (Relembre aqui, aqui, aqui e aqui)

O tempo passou, tanto Brandão quanto Dino elegeram-se, Dino chegou ao ministério de Lula, inviabilizou-se na política até ser indicado para o Supremo Tribunal Federal pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Agora precisa de 41 votos no Senado para ter essa indicação aprovada.

Por ironia do destino, é a relação de Weverton Rocha com os senadores da direita bolsonarista que deve garantir a aprovação do nome de Dino; há possibilidade de que até mesmo Flávio Bolsonaro acabe acatando a indicação do ex-comunista.

Weverton sempre teve relações com o presidente Lula, antes mesmo até de o próprio Flávio Dino entrar na política.

Mas isso não o impediu de mostrar-se um hábil articulador no Congresso Nacional, mantendo-se próximo de todas as correntes políticas, como já mostrou este blog Marco Aurélio d’Eça no post “Weverton ganha força de articualdor em Brasília…”.

O senador do PDT conta com um mínimo de 55 votos favoráveis no Senado ao nome de Flávio Dino.

Mas espera aumentar essa votação para mais de 60 nos próximos 15 dias…

0

Weverton terá controle do destino de Flávio Dino no Senado…

Senador maranhense foi nomeado relator da indicação do ministro da Justiça ao Supremo Tribunal Federal e caberá a ele, em cerca de 15 dias, atuar para convencer os colegas a aprovar o nome apresentado pelo presidente Lula, em sabatina marcada para o dia 13 de dezembro

 

Weverton tem poder de articulação para garantir aprovação do nome de Flávio dino no plenário do Senado Federal

O senador  maranhense Weverton Rocha (PDT) será o relator do processo de validação do nome do ministro da Justiça Flávio Dino para o Supremo Tribunal Federal.

Caberá a Weverton Rocha convencer os colegas senadores a aprovar a ida de Dino para o STF; o ministro enfrenta forte resistência, sobretudo da ala bolsonarista, que tenta impor derrota ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Aliado histórico de Flávio Dino, Weverton disputou as eleições de 2014 para deputado federal na chapa vitoriosa do então comunista ao governo; em 2018, foi eleito senador na reeleição de Flávio Dino ao governo.

Os dois se afastaram em 2022, quando Weverton esperava o apoio de Dino ao governo, que acabou indo para o atual governador  Carlos Brandão (PSB).

A reaproximação se deu logo após a posse de Dino no Ministério, como foi revelado por este blog Marco Aurélio d’Eça no post “O cachimbo da paz entre Flávio Dino e Weverton Rocha…”.

Dino e Weverton vinham traçando planos políticos para 2024 e 2026, planos estes que não incluíam, necessariamente, o governador Carlos Brandão.

Com a saída de Flávio Dino da cena política, Weverton Rocha passa a ser o seu principal aliado político em Brasília, pela experiência parlamentar adquirida e o trânsito com todas as alas políticas; esse transito político – inclusive entre bolsonaristas – pode ser fundamental para a aprovação do nome de Dino no Senado.

Além de apresentar relatório circunstanciado recomendando a aprovação do colega maranhense, Weverton articulará o clima na sabatina que será feita com Dino.

A sessão na Comissão de Justiça no Senado – e a votação em plenário – estão marcadas para o dia 13 de dezembro…

0

Bolsonaristas têm cerca de 1/4 dos votos em São Luís…

O ex-presidente Jair Bolsonaro, o ex-candidato a governador Lahésio Bonfim e o ex-senador Roberto Rocha obtiveram praticamente o mesmo patamar de 25% da votação de 2022 na capital maranhense, eleitores estes que podem se dividir entre o prefeito Eduardo Braide, o deputado Yglésio Moyses, o empresário Diogo Galhardo e até o ex-prefeito Edivaldo Júnior

 

Do camaleônico Baide ao outsider Galhardo, passando pelo distante Edivaldo e pelo ativo Yglésio, o eleitorado bolsonarista ainda precisa achar um nome

Eles ainda não se manifestaram abertamente no processo eleitoral de São Luís, mas representam 25% dos votos na capital maranhense; são os bolsonaristas, eleitores que seguem a ideologia defendida pelo ex-presidente da República Jair Bolsonaro – seja ela qual for – e levaram o ex-prefeito Lahésio Bonfim (PSC) ao segundo lugar na corrida pelo Governo do Estado em 2022.

Esses eleitores – cerca de 1/4 do total de votos ludovicenses – ainda não reconheceram em nenhum candidato a prefeito a voz bolsonarista que esperam para levá-los à rua.

Há na pré-disputa pelo menos quatro nomes mais próximos deste campo ideológico: o prefeito Eduardo Braide (PSD), que mantém-se camaleônico quando o assunto é identidade política, o empresário Diogo Galhardo, que quer representar o partido Novo, o ex-prefeito Edivaldo Júnior (ainda sem partido) e o deputado estadual Dr. Yglésio Moyses (ainda no PSB).

De todos, Yglésio é o mais atuante no quesito bolsonarista.

Além de assumir uma postura de direita desde o segundo turno das eleições de 2022, faz contraponto direto ao ministro da Justiça Flávio Dino – principal inimigo dos bolsonaristas no Maranhão – e já recebeu as bençãos do próprio Bolsonaro, em viagem esta semana a Brasília.

O eleitorado bolsonarista é radical no que diz respeito à escolha de voto; sequer admite relações com a esquerda, odeia tudo o que representa o PT e Lula e se movimenta em sentido contrário ao que pensa Flávio Dino.

Numa disputa em que o primeiro colocado (Eduardo Braide) aparece com, no máximo, 35%, e o segundo (Duarte Júnior) tem algo em torno de 20%, os votos bolsonaristas são suficientes para levar um representante da direita ao segundo turno.

Os candidatos só precisam encantar corações e mentes deste eleitorado…