1

Bolsonaro ignora candidatos a governador em sua passagem por Imperatriz e Vitória do Mearim…

Presidente que está no estado desde a quarta-feira, 13, nem se preocupou em conhecer os dois nomes de sua base – Dr. Lahésio Bonfim, que ainda tentou aparecer ao seu lado, e Edivaldo Júnior, que nem saiu de casa para recebê-lo – declarou apoio à reeleição de Roberto Rocha ao Senado, prestigiou Maura Jorge e deu mostras de que não precisará de palanque no Maranhão

 

O senador Roberto Rocha, os deputados Josivaldo JP, Pastor Gil e Mical Damasceno, além da prefeita Maura Jorge, foram os mais destacados na visita de Bolsonaro ao Maranhão

O presidente Jair Bolsonaro (PL) deu mostras de que não pretende buscar um palanque de candidato a governador para fazer sua campanha no Maranhão; desde ontem percorrendo o estado, ele simplesmente ignorou os dois candidatos de sua base partidária, Dr. Lahésio Bonfim (PSC) e Edivaldo Júnior (PSD).

Bolsonaro visitou a cidade de Imperatriz e de Vitória do Mearim, acompanhado do senador Roberto Rocha (PTB) e de deputados federais e estaduais; quem teve mais destaque ao lado do presidente foram os deputados federais Pastor Gil (PL) e Josivaldo JP (PTB).

Em coletiva de imprensa, o presidente deixou claro que, no maranhão, só tem candidato a senador, que é o próprio Roberto Rocha.

fora da bancada, a figura mais destacada foi a prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge (PSDB).

Na coletiva de imprensa, Bolsonaro descartou ter candidato a governador e declarou apoio a Roberto Rocha para o Senado

Segundo apurou o blog Marco Aurélio D’Eça, o pré-candidato do PSC, Dr. Lahésio Bonfim, ainda tentou, sem sucesso, aparecer ao lado do presidente, tanto em Imperatriz quanto em Vitória do Mearim e Bacabeira, cidade em que Bolsonaro fez uma visita-surpresa.

Em Imperatriz, Lahésio ficou  em meio ao povão que foi ao evento da Igreja Assembleia de Deus e tentou faturar quando da citação dos eu nome, como mostra vídeo publicado em suas redes sociais.

O outro candidato bolsonarista, Edivaldo Júnior (PSD), optou por ficar em seu cantinho, discreto, embora tenha participado, no dia anterior, e sozinho, do mesmo evento em Vitória do Mearim.

O presidente não precisou de nenhum candidato a governador para fazer o seu link direto com a população nos municípios maranhenses por onde passou

Nas três cidades por onde passou, o presidente caminhou ao lado de populares, posou para selfies e mostrou força eleitoral, sobretudo no eleitorado menos escolarizado e politizado.

Em sua passagem pelo Maranhão, Bolsonaro mostrou que tem link direto com o eleitor conservador e de direita.

Sobretudo os evangélicos e militares…

15

Bolsonaro desmoraliza evangélicos e militares ao mesmo tempo…

Principais bases eleitorais do atual presidente foram expostas ao ridículo em casos de corrupção que envolvem desde pastores da Assembleia de Deus cobrando propina em ouro puro em troca de verbas da educação até a compra de próteses penianas e viagra para as forças armadas

 

Bolsonaro em oração com os pastores envolvidos em corrupção no seu governo; lideranças evangélicas com acesso irrestrito aos ministérios e muita sede de ouro

Análise da notícia

As recentes denúncias de corrupção envolvendo – ao mesmo tempo – pastores da igreja Assembleia de Deus e chefes das Forças Armadas, é a culminância de um erro histórico que resultou, em 2018, na eleição do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Os militares e os evangélicos formam a principal base eleitoral de Bolsonaro; e são eles os dois principais segmentos sociais de defesa do atual presidente nas redes sociais, igrejas, quartéis e outros setores da sociedade.

A corrupção revelada agora talvez explique a absoluta devoção dos dois segmentos. 

Líderes da igreja Assembleia de Deus desmoralizaram os evangélicos ao serem flagrados em busca de propina no Ministério da Educação em troca da liberação de verbas a prefeitos.

Já os superiores de Exército, Marinha e Aeronáutica desmoralizam os militares ao serem flagrados com compras superfaturadas de produtos exóticos, como próteses penianas e até viagra para serem usados nas três forças. 

Vista em retrospectiva, não há qualquer dúvida de que os militares e os evangélicos foram os principais responsáveis pela ascensão e chegada ao poder de Bolsonaro, um ex-deputado medíocre, que habitava o baixíssimo clero da Câmara Federal.

Desde sua vitória, figuras como os pastores Silas Malafaia e Valdomiro Santiago passaram a ter forte influência na República, a ponto de indicarem até membros do Supremo Tribunal Federal; agora, a ação de outros pastores, como Gilmar Santos e Arilton Moura mostram que os líderes evangélicos não queriam apenas poder, mas também dinheiro.

E ouro, muito ouro.

Conversas de pé-de-ouvido com generais e compra de produtos exóticos, como viagra e próteses penianas para hospitais das Forças Armadas

Desde a vitória de Bolsonaro militares com aberta defesa de teses autoritárias e antidemocráticas – como o ministro da Defesa, General Braga Neto – passaram a habitar com mais desenvoltura a Praça dos Três Poderes e a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, a ponto de mandar recados abertos ao Congresso Nacional e ao STF; e agora se vê que esses líderes militares também gastam, e gastam muito.

E até com coisas exóticas, para não dizer eróticas.

Curiosamente, foi o próprio Braga Neto, quem, no ano passado, às véspera do aniversário do Golpe de 64, juntou no mesmo discurso militares e evangélicos para defender a ditadura, afirmando que estes dois segmentos deram base ao período militar brasileiro, de triste memória.

– Os brasileiros perceberam a emergência e se movimentaram nas ruas, com apoio da imprensa, de lideranças políticas, das igrejas, dos segmentos empresariais, de diversos setores da sociedade organizada e da Forças Armadas – disse Braga Neto. (Relembre aqui)

Felizmente, a descoberta das maracutaias evangélico-militares se deu antes das eleições de outubro, com Bolsonaro já em desgraça nos demais setores sociais e com riscos eleitorais evidentes.

Pelo menos, o Brasil tem a chance de corrigir o seu erro histórico…

0

Flávio Dino fracassa em outra promessa de campanha: dobrar o efetivo da Polícia Militar

Mesmo sem dados oficiais claramente disponíveis, sites do próprio governo e portais de credibilidade permitem dizer que, nos oito anos de mandato do governador comunosocialista o efetivo de policiais à disposição da população praticamente estagnou em comparação com os últimos anos do governo Roseana Sarney

 

Flávio Dino prometeu dobrar efetivo da PM em 2014, mentiu em 2015 dizendo ter chegado a 15 mil e agora entrega o governo com pouco mais de 10 mil homens na tropa

Encerrando nesta quinta-feira, 31, o seu mandato de governador do Maranhão, o comunista Flávio Dino apresenta fracassos nas principais promessas de campanha feitas em 2014.

O blog Marco Aurélio D’Eça já mostrou que ele piorou o índice de miséria nos oito anos de mandato e vai deixar o Maranhão na rabeira do ranking da competitividade.

Mas Flávio Dino fracassou também em outra promessa de impacto: dobrar o efetivo da Polícia Militar do Maranhão.

Apesar das dificuldades de informações sobre o efetivo militar no estado, é possível fazer o levantamento com base em dados – ainda que confusos – fornecidos pelo próprio governo a sites tradicionais e portais oficiais.

Em 2015, quando assumiu o governo, Flávio Dino dispunha de 8.398 policiais, segundo levantamento do site G1 Maranhão. (Veja aqui)

Em janeiro de 2022, esse efetivo era de 10.836 PMs, um acréscimo de apenas 2.438 novos policiais em oito anos; isso quer dizer que Flávio Dino conseguiu nomear apenas 304 novos policiais por ano durante o seu mandato.

Em 2018, o governador chegou a mentir descaradamente em seu programa eleitoral, anunciando um efetivo de 15 mil homens na PM; foi desmascarado e apagou o vídeo da propaganda enganosa.

Para conseguir cumprir a promessa de dobrar o efetivo, o governador precisaria nomear ao menos 3 mil novos policiais por ano, a partir de 2015, algo absolutamente fora da realidade.

O mais grave é que a promessa de Dino de dobrar o efetivo militar não era para oito anos e sim quatro anos, o que amplia o seu fracasso.

E se for comparada a relação PM/população o fracasso comunista é ainda maior.

Ele entrega o mandato amanhã para o seu vice, Carlos Brandão (PSB), com a taxa de um policial para cada 816 habitantes; esta taxa é exatamente a mesma de 2015. (Entenda aqui e aqui) 

É a pior taxa policial/habitante do país.

Flávio Dino ocupou o poder no Maranhão com a promessa de mudar os índices do estado no período em que estivesse comandando os rumos da população.

Mas sai do governo fracassado em todos os aspectos de sua gestão…

0

Em semana de festa, Corpo de Bombeiros promove 192 praças…

Em solenidade comandada pelo coronel Célio Roberto Araújo – e presidida pelo secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela – praças receberam patentes segundo a hierarquia; total de avanços na corporação chega a 2.836 desde 2015

 

Bombeiros agraciados coma promoção em posição de ordem unida durante solenidade de promoção realizada pelo comando da Corporação

Como parte das comemorações da Semana dos Bombeiros, o Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão promoveu praças e oficiais da corporação, na noite desta quinta-feira, 1º.

Mudaram de patente 192 membros do CBMA, em solenidade no ginásio do colégio militar 2 de Julho, na Vila Palmeira.

Desde 2015, já foram realizadas 2.644 promoções, sendo 1.922 de praças e 722 de oficiais; com os 192 militares agora promovidos, o número vai a 2.836 contemplados.

– É um marco histórico na corporação; representa uma conquista dos bombeiros e o reconhecimento do empenho empregado em seu dia a dia de serviço – disse o comandante geral, coronel Célio Roberto.

Sargento agraciado com a promoção posa ao lado do coronel Célio Roberto e do secretário Jefferson Portela

Presente ao evento, o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, agradeceu a honra de fazer parte da conquista alcançada.

– Jovens bombeiros, quero parabenizá-los pelo esforço, dedicação em defesa do futuro da nossa sociedade maranhense – disse Portela.

7

Perdido e incapaz de mudar, Bolsonaro vai ficando só…

Eleito basicamente por um tripé que cresceu na esteira do golpe de 2016 – formado por banqueiros, por militares e por evangélicos – presidente tem agora ao lado apenas a ineficiência já comprovada dos quartéis e o radicalismo tosco dos líderes religiosos, o que demonstra o início do fim de sua era governamental

 

Sem o apoio do chamado mercado, Bolsonaro se cerca agora apenas de evangélicos alienados e de milicos inaptos para o exercício do poder

Editorial

A carta dos “banqueiros e economistas” divulgada neste fim de semana – com ampla repercussão na mídia – é uma espécie de libelo pelo fim do governo Jair Bolsonaro.

Os homens do chamado mercado entendem que Bolsonaro é incorrigível; e representa um risco para a saúde e para a economia brasileiras em plena pandemia de coronavírus.

Sem o apoio deste segmento, a tendência é que ele definhe ao longo de 2021.

Bolsonaro se elegeu fortalecido por um tripé que ganhou corpo a partir do golpe de 2016, que tirou a presidente Dilma Rousseff (PT) do poder.

Formado por esse chamado mercado, por militares e por evangélicos, este tripé deu a ele o caldo necessário para agir, tresloucadamente, no comando do país.

Mas veio a pandemia, que expôs a incapacidade do “mito”.

Sem o “mercado”, Bolsonaro tende a se apoiar apenas nos colegas de quartel – que já demonstraram incompetência total para o exercício do poder, basta ver o que fazem no Ministério da Saúde – e na sandice alienada de líderes religiosos, muito mais preocupados com a reservas de mercado que o governo garante às suas igrejas do que propriamente com o futuro do país.

Mas nem os evangélicos, muito menos os militares – por absoluta incapacidade de raciocínio político – são capazes de garantir a base necessária para Bolsonaro seguir em frente.

E como o próprio Bolsonaro se monstra incapaz de mudar, sua gestão tresloucada – calçada no negacionismo, na falta de cultura e na incapacidade de raciocínio lógico –  tende a diminuí-lo cada vez mais.

Assim, o presidente chegará menor às eleições de 2022.

E o termo menor, para alguém tão diminuto, representa exatamente a insignificância.

De onde ele jamais deveria ter saído…

3

Renúncia de Bolsonaro já é hipótese entre lideranças e autoridades…

Comandantes militares, políticos, ex-presidentes, juristas e até ministros do Supremo Tribunal Federal já discutem o afastamento do presidente da República como a melhor hipótese para a retomada da normalidade no Brasil

 

Isolado, Bolsonaro perdeu as condições de governabilidade e terá cada vez mais dificuldade de conduzir o Brasil, sobretudo na crise

O presidente Jair Bolsonaro perdeu as condições de governabilidade.

A saída do ministro da Justiça, Sérgio Moro, foi a pá-de-cal em uma cova que vinha sendo cavada firmemente pelo próprio presidente ao longo dos últimos meses, quando ele resolveu ser a luz do mundo, a única mente brilhante a negar a pandemia de coronavírus e atuar contra seu próprio povo.

De acordo com a Folha de S. Paulo, os militares de alta patente sentem-se traídos pelo presidente e entendem que ele perdeu as condições de estar à frente do país. (Leia aqui)

Deputados federais, senadores e governadores entendem que, sem base política, Bolsonaro precisa renunciar antes que seja afastado pelo Congresso ou pela Justiça.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso também pregou a renúncia de Bolsonaro.

– É hora de falar, Presidente está cavando sua fossa. Que renuncie antes de ser renunciado. Poupe-nos de, além do coronavírus, termos um longo processo de impeachment. Que assuma logo o vice para voltarmos ao foco: a saúde e o emprego. Menos instabilidade, mais ação pelo Brasil – disse FC, via Twitter.

O ex-presidente FHC entende que chegou a hora de Bolsonaro deixar a presidência, até para evitar um longo processo de impeachment

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) já encomendou relatório para avaliar possibilidade de apresentação de um pedido de impeachment com base nos crimes relatados por Sérgio Moro.  

Pelo menos um dos membros do Supremo Tribunal Federal, o ministro Marco Aurélio Mello, viu práticas criminosas nas ações de Bolsonaro relatadas pelo ex-min istro da Justiça.

– Vamos esperar, até mesmo porque este assunto pode chegar ao Supremo. Mas, que a situação é muito séria, é – afirmou Marco Aurélio. (Saiba mais aqui)

Outros ministros também se manifestaram, mas sem revelar nomes, levando em consideração que o caso deverá chegar para julgamento no tribunal. 

Bolsonaro deve fazer pronunciamento às 17 horas desta sexta-feira, 24.

Espera-se declarações que venham minimizar a crise institucional.

Mas pelo que já se conhece do presidente…

0

Congresso promulga lei que permite a militares estaduais acumular cargo na saúde e educação

O Congresso Nacional promulgou nesta quarta-feira, 3, a emenda constitucional que autoriza aos policiais e bombeiros militares dos estados e do Distrito Federal a acumularem o cargo com as funções de professor ou profissional de saúde no serviço público.

A nova lei estende a policiais militares e bombeiros estaduais um direito que os militares das Forças Armadas conquistaram em 2014, com a promulgação da emenda constitucional 77.

A acumulação dos cargos deve respeitar algumas regras, como compatibilidade de horário e o respeito ao teto de remuneração no serviço público. O militar também terá que dar prioridade à atividade no quartel.

“Nós estamos fazendo justiça a milhares de policiais militares e bombeiros que tem enorme talento e poderão usar seus conhecimentos tanto na instituição policial, no magistério e na área de saúde”, afirmou o senador Weverton (PDT-MA), que foi um dos defensores da matéria enquanto era deputado federal.

“O senador Weverton é um partícipe dessa vitória. Lutamos muito na Câmara”, afirmou o ex-deputado federal, coronel Alberto Fraga, autor do projeto.

“Vamos fazer um bem enorme, pois temos policiais capacitados para serem médicos, para serem professores e para fazerem o entrosamento da sociedade com o órgão policial”, completou.

4

Os amantes da ditadura sempre andaram por aí…

Aqueles que acham que o período militar foi bom – ou que não houve morte nem tortura – não surgiram do nada; eles apenas sentiram-se agora encorajados por Bolsonaro a botar para fora toda carga de emoção reprimida por 55 anos

 

BOLSONARO FEZ APOLOGIA DE DITADORES COMO DEPUTADO; E, COMO PRESIDENTE, estimula festa para a ditadura

Editorial

De uma hora para outra, passou-se a ler nas redes sociais, em blogs e em grupos de troca de mensagens, as mais diversas defesas do período da ditadura militar no Brasil.

É gente que questiona o número de mortos, que ignora as torturas e até aqueles que afirmam, peremptoriamente: “a Ditadura nunca existiu!”

Mas o culto à ditadura não se trata de nenhuma catarse coletiva.

Não é que milhares, talvez milhões de pessoas passaram a fazer um revisionismo histórico para mudar a versão daquilo que, de fato, existiu.

Na verdade, essas pessoas sempre estiveram por aí.

Ao longo desses 55 anos de história, brasileiros de todas as tendências, gênero, raça, credo ou posição social, viviam numa espécie de limbo: acreditavam mesmo que a ditadura era uma invenção, mas calavam-se diante da vergonha que era defender atrocidades como a cometida contra o jornalista Wladimir Herzog.

Agora eles estão livres para gritar, estimulados por um presidente, que também foi militar durante a ditadura e que se acostumou a defender torturadores publicamente e fazer apologia das mortes do regime militar.

Com Jair Bolsonaro (PCdoB), essa horda de pessoas saiu das sombras para gritar, espernear e justificar os assassinatos, negar as torturas e apresentar novas versões para o golpe de 64.

A IMAGEM DO ASSASSINATO DE VLADIMIR HERZOG é o símbolo máximo da ditadura, que não respeitava quem questionasse seus métodos

Os argumentos são sempre os mesmos: “ah, meu avô disse que nunca teve problemas com os militares”; ou então “rapaz, ‘na revolução’, só quem apanhava dos militares eram os baderneiros, vagabundos”.

São discursos comuns de famílias tradicionais – pobres, ricas; pretas ou brancas – que seguiam a ordem unida determinada, baixavam a cabeça para o regime e colaboravam para evitar problemas.

É claro que esses sempre vão dizer que nada sofreram na ditadura. Nem tinham porque, colaboracionistas que eram.

Mas eles sempre estiveram aí, retraídos, sufocados, angustiados por não poder gritar o que pensavam, como camaleões a se adaptar a cada momento do Brasil, baixando a cabeça, aceitando, como fizeram durante a ditadura.

Agora gritam – como os evangélicos gritam, como os conservadores gritam, como os militares gritam – a plenos pulmões.

E até farão festas no próximo domingo, 31, em nome dos que mataram centenas.

É o momento deles no Brasil…

Leia também:

Fantasmas da ditadura militar já rondam por aí…

Ditadura, 30 anos depois do fim…

O homem mediano assume o poder…

O risco verde-oliva…

6

Governo Bolsonaro vai tomar de Flávio Dino controle do Porto do Itaqui…

Saques feitos pelo governo comunista na conta da Emap – considerados irregulares pela Antaq – levou à decisão de nomear um agente federal para o comando do setor no Maranhão

 

Flávio Dino deve perder o controle do Porto do Itaqui após saques proibidos pela Antaq

Como antecipou o blog Marco Aurélio D’Eça ainda em dezembro, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) já tem definida a nova direção do Porto do Itaqui em seu governo.

Bolsonaro decidiu retomar o controle do porto depois que a Agência nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) considerou irregulares os saques que o governo Flávio Dino (PCdoB) promoveu nas contas da  Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), responsável pela gestão do setor no estado.

Para comandar o Porto do Itaqui já está certo um oficial graduado da Marinha, que montará sua equipe com outros militares.

A decisão de retomar o porto ainda não foi comunicada oficialmente ao governo comunista.

Mas ela já está tomada…

3

O risco verde-oliva…

Um número cada vez maior de militares no governo Jair Bolsonaro – tenha ele ou não legitimidade para nomear quem quiser – é, sim, para deixar preocupado qualquer um que tenha vivido o mínimo do período ditatorial

 

Oriundo do Exército, Jair Bolsonaro tem cada vez mais “irmãos da caserna” ao seu lado para governar; e isso é, sim, um risco para as liberdades individuais, gostem ou não os bolsonaristas

Editorial

As forças armadas e suas forças auxiliares, em qualquer país, devem ser sempre invisíveis.

Quanto menos interferirem nos processos econômicos, sociais, políticos e culturais – em qualquer circunstância – serão sempre mais eficientes.

Neste aspecto é natural que as lideranças, pensadores e observadores democráticos – tenham eles vivido ou não o auge da ditadura militar – se assustem com a profusão de generais, coronéis e outros oficiais nas estruturas de poder do futuro governo Jair Bolsonaro (PSL).

Minimizar a presença dessas figuras é dar de ombros para a história.

Estejam ou não imbuídos dos mais profundos ideais democráticos, os militares representam, sim, guerras e rumores de guerras, que representam atentado às liberdades

É claro que Bolsonaro tem legitimidade para nomear quem quiser para seu ministério; mas é legítimo também que aqueles que não concordem – ou que tenham temor pelas restrições democráticas que elas representam – lancem luz sobre os riscos do governo verde-oliva.

Sobretudo pelo fato de ser Bolsonaro quem é.

Sobretudo pelo seu histórico de truculência, autoritarismo, desprezo pelas minorias e despreparo no trato com os que não concordam com suas ideias.

Antigos e neo-bolsonaristas podem até torcer para que o governo Bolsonaro possa dar uma lição nos que duvidam de sua capacidade ou temem pelos riscos que ele representa.

Mas não podem minimizar a preocupação dos que conhecem o que é um país sem liberdade.

Desdenhar dessas preocupações também já beira a loucura.

E também representa um risco para o país…