0

Flávio Dino e os votos de Sérgio Moro e Flávio Bolsonaro…

Apesar de estarem na oposição ao governo Lula – e de terem sido hostis ao próprio ministro da Justiça neste primeiro ano de governo Lula – senadores têm evitado falar sobre a sabatina desta quarta-feira, 13. E também evitam falar dos seus votos

 

Sérgio Moro mantém silêncio sobre sabatina de Flávio Dino; Flávio Bolsonaro, por sua vez, mudou o tom nas últimas semanas

Os senadores Sérgio Moro (Podemos-PR) e Flávio Bolsonaro (PL-RJ) são conhecidos adversários do ministro da Justiça Flávio Dino; mas nenhum dos dois fez qualquer menção negativa sobre a indicação de Dino para o Supremo Tribunal Federal.

Faltando dois dias para a sabatina que irá definir o futuro do ministro, nem Moro nem o 01 de Bolsonaro trata publicamente da escolha do maranhense; antes da indicação oficial do presidente Lula, há duas semanas, Flávio Bolsonaro ainda chegou a fazer provocações sobre  as especulações da época em relação a Dino, mas calou-se depois de confirmada.

Não há informações sobre uma eventual conversa entre Flávio Dino e os dois oposicionistas, embora o ainda ministro da Justiça tenha declarado que iria procurar todos os membros do Senado, inclusive os da oposição.

Moro não responde se conversou com Dino; quanto a Flávio Bolsonaro, este blog Marco Aurélio d’Eça apurou que houve uma tentativa do senador Weverton Rocha (PDT) por um encontro, recusado pelo senador carioca.

De qualquer forma, a movimentação de senadores oposicionistas, antes mais resistentes ao nome de Flávio Dino, hoje parece ser mais amena, sem declarações fortes à imprensa.

A direção do Senado pretende fazer tanto a sabatina quanto a votação secreta na mesma quarta-feira, 13…

0

Perfil de Weverton criticado por dinistas vai ajudar o próprio Flávio Dino no Senado…

Senador do PDT é um dos mais hábeis articuladores do Congresso Nacional e circula com desenvoltura em todas as alas políticas, incluindo o bolsonarismo, o que levou a críticas do ainda ministro da Justiça, agora precisando de votos no Senado para ter o nome aprovado para o STF

 

Da esquerda histórica, Weverton tem perfil conciliador e vai ajudar Flávio Dino na busca por votos bolsonaristas, incluindo Flávio Bolsonaro

Aliados do ainda ministro da Justiça na imprensa maranhense bateram, duramente, durante a campanha de 2022, em um perfil que deveria ser visto com respeito na personalidade do senador Weverton Rocha (PDT): sua capacidade de diálogo com todas as correntes políticas.

Apoiando a candidatura do então candidato a governador Carlos Brandão (PSB) Flávio Dino condenava a relação de Weverton com o senador Flávio Bolsonaro (PL)-RJ), filho do então presidente Jair Bolsonaro (PL), e com outros senadores da direita bolsonarista no Senado.

Influenciados pelo então ex-governador, blogs alinhados chegaram a bater forte em Weverton por causa deste perfil. (Relembre aqui, aqui, aqui e aqui)

O tempo passou, tanto Brandão quanto Dino elegeram-se, Dino chegou ao ministério de Lula, inviabilizou-se na política até ser indicado para o Supremo Tribunal Federal pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Agora precisa de 41 votos no Senado para ter essa indicação aprovada.

Por ironia do destino, é a relação de Weverton Rocha com os senadores da direita bolsonarista que deve garantir a aprovação do nome de Dino; há possibilidade de que até mesmo Flávio Bolsonaro acabe acatando a indicação do ex-comunista.

Weverton sempre teve relações com o presidente Lula, antes mesmo até de o próprio Flávio Dino entrar na política.

Mas isso não o impediu de mostrar-se um hábil articulador no Congresso Nacional, mantendo-se próximo de todas as correntes políticas, como já mostrou este blog Marco Aurélio d’Eça no post “Weverton ganha força de articualdor em Brasília…”.

O senador do PDT conta com um mínimo de 55 votos favoráveis no Senado ao nome de Flávio Dino.

Mas espera aumentar essa votação para mais de 60 nos próximos 15 dias…

0

Dr. Yglésio é o candidato de Bolsonaro em São Luís…

Deputado estadual reuniu-se com o ex-presidente em Brasília, e com o senador  Flávio Bolsonaro, que garantiram articulação por um partido do campo da direita; “vamos ter candidato competitivo em todas as capitais”, disse bolsonaro

 

Bolsonaro gostou da performance de Yglésio nas pesquisas e disse a ele que pretende ter candidatos competitivos em todas as capitais

O deputado estadual Dr. Yglésio Moyses (ainda no PSB) coroou nesta quarta-feira, 22, a sua passagem por Brasília, onde está desde a segunda-feira, 20; ele se reuniu com o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e com seu filho, o senador  Flávio Bolsonaro (PL-RJ).

– Vamos ter um candidato competitivo em todas as capitais – disse Bolsonaro, a quem Yglésio mostrou as pesquisas que o põem em até terceiro lugar, dependendo do cenário em São Luís.

Yglésio foi a Brasília para participar da audiência na comissão de Segurança Pública, que deveria ouvir o ministro da Justiça Flávio Dino, mas este não compareceu; a performance do deputado foi registrada neste blog Marco Aurélio d’Eça, no post “A coragem de Dr. Yglésio;. a covardia de Flávio Dino…”.

Até o momento, o bolsonarismo não tem qualquer nome apresentado na sucessão municipal, seja por medo de vinculação dos pré-candidatos de direita – a exemplo do prefeito Eduardo Baide (PSD) – seja por desinteresse da família do ex-presidente.

A articulação de Yglésio pode transformá-lo, definitivamente, no candidato da direita.

Bolsonaro e o filho, Flávio, garantiram que irão entrar pessoalmente na articulação por um partido para Yglésio; o deputado espera garantir definitivamente seu livramento do PSB até abril, quando termina o prazo para filiação partidária.

Na articulação em Brasília, Dr. Yglésio contou com o apoio do deputado federal Allan Garcês (PP), um dos principais aliados de Bolsonaro no Maranhão.

Foi Allan o responsável pela ida de Yglésio a Brasília, onde ele desmontou a imagem de Flávio Dino perante a Câmara Federal.

0

“Vai Lula, indica o Flávio Dino pro STF… O Senado tá esperando”, provoca Flávio Bolsonaro…

Senador carioca, filho do ex-presidente Jair Bolsonaro, faz campanha aberta pela reprovação do ministro da Justiça em caso de indicação para o Supremo Tribunal Federal; e aponta que a derrota do indicado do atual presidente para o TCU é um alerta ao governo sobre os riscos de indicar o maranhense

 

Post de Flávio Bolsonaro com o painel do Senado mostrando derrota de Lula na indicação para o TCU; à espera de Dino para o STF

Análise da notícia

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) mandou um recado direto ao presidente Lula (PT) sobre a indicação do ministro da Justiça Flávio Dino (PSB) para o Supremo Tribunal Federal.

Em seu perfil na rede social X, antigo Twitter, o filho do ex-presidente Bolsonaro provocou Lula – em tom de ameaça de derrota – pela indicação do presidente.

– Via Lula, indica o Flávio Dino pro STF; o Senado está esperando… – disse Flávio Bolsonaro, em legenda de uma foto do painel do Senado após votação que rejeitou o nome de Igor Roque para o Tribunal de Contas da União, indicado por Lula.

A derrota de Roque – que é defensor do aborto – é apontado pelos senadores governistas e oposicionistas como um recado a Lula, que já não sabe o que fazer com Flávio Dino.

Se mantiver Dino no ministério, mas com sua pasta perdendo o setor de Segurança Pública, humilhará o maranhense publicamente; se, por outro lado, indicá-lo ao STF e seu nome for rejeitado, é o governo quem será humilhado.

O presidente deve fazer nos próximos dias a indicação para o STF.

E anunciar se divide ou não a pasta da Justiça…

1

Irmãos Bolsonaro preparam fuga do Brasil?!?

Pedido de cidadania italiana dos filhos do presidente da República, Flávio e Eduardo – que alegam ser de família originária da Itália – chama a atenção por estar sendo feito às vésperas de o pai deixar o poder em Brasília e sugere temor de que possam ser presos após quatro anos de governo, embora ambos neguem a intenção de deixar o país

 

Pelo sim, pelo não, ZeroUm e ZeroDois já pediram cidadania italiana às vésperas do pai deixar a presidência, mesmo com mandato parlamentar

A movimentação dos irmãos Flávio e Eduardo Bolsonaro, senador e deputado federal, respectivamente, em busca de cidadania italiana, chamou a atenção da imprensa nesta terça-feira, 8; e levou a especulações obre uma possível fuga país após o pai, Jair Bolsonaro, entregar o poder em Brasília.

Os dois filhos de Bolsonaro alegam ser descendentes diretos de italianos, o que daria o direito de cidadania no país, que não tem acordo de extradição com o Brasil.

O que chamou atenção foi exatamente o período em que o pedido de cidadania foi acelerado, justamente às véspeeras da saída do pai da presidência.

Flávio negou interesse em deixar o país.

– Sou senador da República por mais quatro anos, pretendo disputar a reeleição e, antes que comecem a criar teses mirabolantes, sair do país não é uma opção para mim – afirmou Flávio, o filho 01 de Bolsonaro.

Eduardo ainda não se manifestou publicamente sobre o pedido de cidadania.

Mas vai que…

3

Os desabafos de Queiroz e o silêncio dos Bolsonaro…

Assessor investigado como suspeito de operar rachadinha no gabinete do hoje senador Flávio Bolsonaro desabafa com interlocutor, em áudios obtidos pela Folha de S. Paulo, e já demonstra cansaço com sua situação

 

QUEIROZ COM FLÁVIO BOLSONARO, FAZENDO ARMINHA; a relação já não é tão íntima assim, entre o agora senador e seu operador na rachadinha da Assembleia

A fala abaixo é de alguém acuado, tenso, ressentido com sua situação atual:

“É o que eu falo, o cara lá está hiperprotegido. Eu não vejo ninguém mover nada para tentar me ajudar aí. Ver e tal… É só porrada. O MP [Ministério Público] tá com uma pica do tamanho de um cometa para enterrar na gente. Não vi ninguém agir”.

Trata-se de ninguém menos que Fabrício Queiroz, o operador do laranjal do agora senador Flávio Bolsonaro (PSL) quando este atuava como deputado estadual na Assembleia do Rio de Janeiro.

Queiroz mostra-se preocupado e faz ameaças, mesmo fazendo questão de deixar claro ao interlocutor sua relação de aliança com os Bolsonaro:

“Era para a gente ser a maior força, a gente. Está todo mundo temendo, todo mundo batendo cabeça”, diz ele, em áudios obtidos pelo jornal Folha de S. Paulo e publicados neste domingo, 27.

Aos poucos, a mídia, a polícia e o Ministério Público vão chegando perto de Queiroz, o homem, das rachadinhas; e esse cerco vai se fechando à medida que o governo Bolsonaro vai se esvaindo diante da realidade.

E ao que tudo indica, o operador do laranjal bolsonarista já não está tão satisfeito assim para manter seu silêncio.

“Vamos ver no que vai dar isso aí para voltar a trabalhar, que já estou agoniado. Estou agoniado de estar com esse problema todo aí, atrasando a minha vida e da minha família, a porra toda”, diz ele.

Que, cedo ou tarde, vai contar tudo…

1

A sensatez de Bolsonaro e a estupidez de seus seguidores…

Nenhum dos eleitores, simpatizantes, colaboradores ou apaixonados pelo novo governo foi tão lúcido quanto o próprio presidente ao analisar a situação do senador eleito Flávio Bolsonaro e seu precoce rosário de malfeitos

 

Flávio Bolsonaro enrola o governo do pai Jair com apenas 20 dias de mandato; e antes mesmo de assumir o Senado Federal

Veja o que disse o presidente Jair Bolsonaro (PSL) sobre o extenso rosário de picaretagens protagonizadas pelo seu filho, Flávio, antes mesmo de assumir o mandato no Senado:

– Se ele errou e isso ficar provado, vai ter que pagar.

Em nenhum momento da campanha, do pós-eleitoral e até agora, nestes 24 dias de mandato, Bolsonaro foi tão lúcido e sensato quanto nesta sentença.

E ainda fez calar a estupidez dos milhões de apaixonados, colaboradores e membros do governo que ainda insistem em buscar justificativas para cada deslize da “família real” descoberto pela mídia.

Jair Bolsonaro foi sensato porque sabe o que seu filho fez.

E sabe porquê também fez, como deputado.

E sabe porque sabe que isso é praxe em Brasília, no Rio de Janeiro, no Maranhão e no Brasil inteiro.

Seus aliados mais apaixonados se mostraram estúpidos ao tentar justificar as revelação sobre o Bolsonaro-filho 01 como fruto de uma tentativa de golpe da mídia.

E revelam ainda mais estupidez ao blindar o Bolsozinho com a calhorda justificativa de que “todo mundo faz”.

Ora, não foi por que “todo mundo faz” que botaram lá Bolsonaro? para que não se fizesse mais?

Toda cretinice da turba bolsonariana no episódio, encerra uma lição: Bolsonaro é só mais um no mar de políticos de Brasília e do Brasil, com os mesmos vícios e defeitos.

E ninguém tinha conhecimento disto porque eles habitavam um ambiente escuro da capital: o baixíssimo clero do Congresso Nacional.

Jogou-se luz sobre eles e deu no que deu.

É simples assim…