4

Josimar de Maranhãozinho: R$ 1 milhão em patrimônio a cada ano

Deputado federal saiu do patrimônio zero para R$ 14,5 milhões em apenas 14 anos de atividade política, segundo levantamento do jornalista Linhares Júnior; para adversários, trata-se de um chefe de quadrilha

 

Josimar tem fortes ligações com o notório Valdemar da Costa Neto, o que dá a ele poder e riqueza na mesma proporção

Apontado como campeão de recebimento de emendas parlamentares no Brasil – e tido por adversários como chefe de uma quadrilha especializada em desvio de dinheiro público – o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) é um fenômeno financeiro.

O parlamentar saiu do patrimônio zero – em sua primeira candidatura, em 2004 – para nada menos que R$ 14,5 milhões em 14 anos de atividade política.  

É o que mostra levantamento do blog do jornalista Linhares Júnior, com base em dados da Justiça Eleitoral. (Leia aqui)

Em sua estreia política, em 2004, Josimar declarou ter nenhum bem ao candidatar-se a prefeito de Maranhãozinho. Quatro anos depois, em 2008, o prefeito do interior declarara uma pequena fortuna de R$ 463.906,86.

Josimar de Maranhãozinho também é tema recorrente do blog Marco Aurélio D’Eça.

Em outubro de 2017, o fenômeno parlamentar foi assunto no post “As estripulias de Josimar de Maranhãozinho…”

Já agora em 2020 – em seu segundo ano como deputado federal, foi destaque em levantamento do jornal O Estado de S. Paulo, que o aponta como campeão de recebimento de emendas no país durante o governo Bolsonaro.

Evolução patrimonial de Josimar, entre 2004 e 2018 deu a ele R$ 1 milhão por ano em 14 anos de vida pública (Reprodução do blog de Linhares Jr.)

Após dois mandatos de prefeito (entre 2005 e 2012), Josimar de Maranhãozinho elegeu-se deputado estadual em 2014; E seu patrimônio já havia se multiplicado por 15, chegando a R$ 6.563.240,69.

Entre 2014 e 2018 o político conseguiu juntar mais R$ 8 milhões em patrimônio, chegando a incríveis R$ 14.591.074,31, declarados ao TSE em 2018.

E ele ainda tem, pelo menos, mais dois anos de mandato na Câmara Federal…

6

Com declaração de bens, Edivaldo debocha da cara do povo de SL…

Só há duas justificativas para o patrimônio apresentado pelo prefeito ao TRE: ou ele é incompetente também na gestão da vida pessoal, ou está mentindo à população da capital maranhense; qualquer que seja a explicação, ele perdeu a condição de representar o povo

 

Tá de brincadeira, prefeito?!?

Tá de brincadeira, prefeito?!?

Editorial

O prefeito Edivaldo Júnior (PDT) disse à Justiça Eleitoral que o seu patrimônio pessoal é de menos de R$ 200 mil, segundo exibido em sua declaração de bens apresentada ao TRE.

Os bens do prefeito se resumem a um apartamento na região do Calhau,  que ele diz custar R$ 190 mil, e a uma poupança de menos de R$ 3 mil.

Está de brincadeira o prefeito.

Das duas, uma: ou Edivaldo mostra-se incompetente também na gestão da própria vida pessoal, ou está mentindo à população da capital maranhense, debochando do povo de São Luís.

Edivaldo Júnior tem mandato eletivo desde 2006; praticamente sua vida profissional toda ele exerceu com mandatos populares. Foram dois de vereador, um de deputado federal e este de prefeito.

Fazendo uma média salarial dos mandatos que exerceu chega-se fácil a um vencimento mensal de R$ 30 mil, por baixo.  Neste caso, ele vive, desde 2006, com uma renda anual de R$ 360 mil, sem falar nas demais vantagens dos cargos que exerceu.

Assim, Holandinha recebeu, só em salários, nos últimos 10 anos, nada menos que R$ 3,6 milhões

É bom deixar claro que, como prefeito, ele tem outras vantagens do cargo: não gasta combustível, nem telefone, e tem parte das despesas de casa garantidas pelo cargo.

Além disso, o prefeito nunca foi arrimo de família.

Filho de pai rico, que também é político e empresário, nunca precisou sustentar irmãos, primos, tias, como fazem, ainda hoje, a maioria dos demais candidatos a prefeito nestas eleições, só para ficar em exemplos atuais.

É, portanto, descabido – e até criminoso – que o prefeito tente convencer que, mesmo com todas essas vantagens competitivas não conseguiu amealhar nenhum patrimônio consolidado.

Impossível que Edivaldo não tenha um fundo de investimentos, um título de capitalização, um Plano de Aposentadoria Privado.

Se não tem, mostra ser incompetente também na gestão do próprio patrimônio pessoal.

Mas ele pode estar mentindo ao povo, fingindo que declara seus bens verdadeiros a uma Justiça Eleitoral que também, finge que acredita.

De uma forma ou de outra, Edivaldo Júnior, com sua declaração de bens apresentada ao TRE, mostrou uma coisa ou outra ao eleitor de São Luís: ou é incompetente, ou é mentiroso.

Nos dois casos, não pode ser prefeito.

Simples assim…

12

Enfim, o patrimônio pode avançar na história…

Katia Bogea

Kátia Bogéa: o tempo passou, ela só precisava perceber

Editorial

Foi um Deus-nos-acuda.

O anúncio de que a chefe do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Maranhão, Kátia Bogéa, iria, finalmente deixar o cargo – após mai de 30 anos – mobilizou jornalistas, “intelectuais”, historiadores, pesquisadores, e até instituições como Ufma e Academia Maranhense de Letras.

Coisas do Maranhão patrimonialista.

Mas este blog não entende assim.

Para este blog, já passava da hora de uma mudança de métodos, conceitos e práticas no Iphan maranhense.

Bogéa representava o supra-sumo de uma época que já ficou para trás e cujos resultados, no entender deste blog, apenas atravancaram o desenvolvimento urbanístico, sobretudo em São Luís, em nome de uma preservação do nada.

Casarão decrépito no Centro Histórico: símbolo de uma era que já ficou pra trás

Casarão decrépito no Centro Histórico: símbolo de uma era que já ficou para trás

Em qualquer lugar da Europa moderna, patrimônio histórico é visto como mais um motivo para atrair turistas e divisas para as cidades: e devem representar um símbolo do que foi a cidade, e não a cidade como um todo.

Por isso, na Europa, os traços da histórias são cercados de modernidade, conforto, tecnologia, que possam tornar o passeio e a vista confortável ao cidadão.

Infelizmente, Kátia Bogéa entendia diferente, e exigia do Centro Histórico um congelamento no tempo e na história, esforço impossível de ser alcançado na preservação – e com resultado urbanístico, cultural e histórico quase nulo. 

O resultado eram prédios cada vez mais degradados, espaços totalmente destruídos, mas com “o purismo” de seus traços preservados,  ainda que em forma decrépita e fétida.

Mas tinham que estar lá, do jeito que Bogéa e sua equipe imaginavam ser nos séculos XVI, XVII,  XVIII.

Centrro Histórico de Berlim: preservação com tecnologia e vida econômica pujante

Centro Histórico de Berlim: preservação com tecnologia e vida econômica pujante

Ainda que as tecnologias de preservação avançassem, os conceitos dos que cuidavam do patrimônio – Bogéa à frente – permaneciam estacionados 300 anos antes.

Há tempos São Luís já merece uma ponte até Alcântara, impedida pela ideia de preservação do patrimônio.

Há tempos o Centro Histórico já merece a modernização de seus espaços, preservando apenas aquilo que representa o ciclo da história da cidade, mas dando ao nativo e ao visitante condições de estar e de ficar; de ir ir vir.

Mas a ideia de preservação estabelecida no Iphan impedia esse avanço.

Felizmente, a própria Kátia Bogéa compreendeu a passagem do tempo e declarou que vai pedir a sua aposentadoria.

Que ela possa descansar e conhecer os avanços da história no mundo.

Para desespero dos seus defensores saudosistas…

12

Flávio Dino é o 3º governador mais rico do Nordeste…

Com patrimônio declarado de quase R$ 1 milhão, comunista está à frente de seis colegas nordestinos e é o 15º com maior patrimônio do país, segundo levantamento do site Terra

 

Dino: parimõnio de quase R$ 1 milhão o põe entre os 15 mais ricos governadores

Dino: parimõnio de quase R$ 1 milhão o põe entre os 15 mais ricos governadores

O governador do Maranhão, Flávio Dino – único representante do PCdoB entre os chefes de estado brasileiros – é praticamente um milionário.

Seu patrimônio declarado à Justiça Eleitoral foi de R$ 933.605,93 o que o coloca na 15ª posição entre os 27 governadores do Brasil.

No Nordeste, a riqueza do comunista maranhenses é menor apenas que as dos governadores do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (R$8,3 milhões), e de Ricardo Coutinho, da Paraíba (R$ 1,4 milhão).

Veja aqui o ranking completo

O ranking dos governadores mais ricos foi elaborado pelo site terra.com.br, com base na declaração de bens encaminhada pelos governadores à Justiça Eleitoral.

Ainda no primeiro mandato de governador – e com um mandato de deputado federal – os quase R$ 1 milhão declarados de Flávio Dino foram amealhados, deduz-se, nos seus 12 anos como juiz federal.

Carreira que encerrou em 2006 para entrar na política.