3

Fábio Câmara, um vencedor…

Vereador lutou contra o preconceito no próprio partido, enfrentou a desconfiança gerada contra ele por seus próprios aliados e, mesmo assim, transformou-se na sensação da campanha eleitoral, alcançando quase 20 mil votos na capital maranhense

 

Momentos de Fábio Câmara na campanha viraram marcas em seu perfil no facebook

Momentos de Fábio Câmara na campanha viraram marcas em seu perfil no facebook

Por qualquer ângulo que se olhe, o vereador Fábio Câmara (PMDB) foi um vencedor nestas eleições municipais de São Luís.

A primeira vitória ele obteve ao conseguir derrotar os caciques do PMDB – que jogaram claramente contra a sua candidatura – e se impôs como candidato a prefeito.

A segunda vitória se deu ao conseguir fazer sua campanha do início ao fim, mesmo com os líderes da sau legenda virando-lhe as costas.

Fábio foi vencedor também no horário eleitoral, ao usar o pouco tempo de que dispunha de forma criativa, gerando as principais repercussões da campanha eletrônica durante todo o primeiro turno.

Outra vitória de Fábio Câmara foi mostrar-se preparado para o debate eleitoral, com propostas claras e argumentos simples para contrapor seus adversários.

Fábio Câmara conseguiu quase 20 mil votos nas eleições de São Luís, o que significa um aumento de quase 50% em relação à eleição de 2014, quando concorreu a deputado estadual.

Não chegou ao segundo turno, é verdade,

Mas marcou seu nome no imaginário eleitoral de São Luís.

E isso não é para qualquer um…

10

A toque de caixa…

Asfaltamentos, chegada de ônibus,  obras em bairros e até concursos são usados pelo prefeito na reta final da campanha para tentar definir a eleição em primeiro turno; mas há quem perceba indícios de crime eleitoral nas ações de Edivaldo

 

Edivaldo tenta atropelar na reta final para tentar matar em primeiro turno, mas acaba cometendo crimes

Edivaldo tenta atropelar na reta final para tentar matar em primeiro turno, mas acaba cometendo crimes

O prefeito Edivaldo Júnior (PDT) decidiu usar todas as suas forças para tentar liquidar as eleições ainda no primeiro turno, apesar de as pesquisas apontarem uma impossibilidade nesse desejo.

E o uso da força gera, também, na avaliação dos adversários, abusos que podem resultar em ações eleitorais contra o pedetista.

Com o auxílio do governador Flávio Dino (PCdoB), Edivaldo tem implementado, a toque de caixa, asfaltamento em diversos bairros da periferia, algumas dessas obras sem o planejamento necessário a qualquer gestão, e levando em conta, sobretudo, a indicação de candidatos a vereador.

Às vésperas da eleição, o prefeito também anunciou concurso para profissionais da Educação, setor em que enfrenta forte resistência desde o início do seu mandato.

O concurso, como todas as ações de sua administração desde o início da campanha, ganhou todo o destaque na propaganda do prefeito e em setores da mídia alinhados à prefeitura.

Mas foi um flagrante registrado pelo candidato a vereador Paulo Roberto Pinto, o Carioca (PHS), o mais grave registro de possível crime eleitoral cometido na campanha do pedetista neste primeiro turno. Carioca gravou vídeo em plena avenida Daniel de LaTouche, em que ônibus comprados pelas empresas de São Luís desfilaram como sendo ação do prefeito Edivaldo.

À frente deles, carros de som da campanha do candidato Edivaldo, o que, por si só, já caracteriza suspeitas de abuso do poder político e econômico.

E ao que tudo indica, Edivaldo deve manter o ritmo até domingo, quando espera sair das urnas com a eleição garantida para mais quatro anos de mandato.

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão, com ilustração do blog
11

A arriscada aposta de Edivaldo Júnior…

O prefeito tem dois motivo para criar a ideia de que pode vencer a eleição em primeiro turno: escapar de um confronto extremamente arriscado e livrar o PDT da inevitável tutela do governador Flávio Dino em um eventual segundo turno

 

Edivaldo Júnior: é vencer agora ou perder depois...

Edivaldo Júnior: é vencer agora ou perder depois…

A campanha do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) iniciou uma operação kamikaze nesta reta final da eleição em São Luís.

A partir dos números do notório Instituto DataM, o pedetista tentar criar uma situação de que vai vencer a eleição em primeiro turno, de forma consagradora.

A ideia é construir este conceito na cabeça do eleitor, favorecer o voto útil e gerar o desânimo nos demais candidatos.

Há dois motivos para a arriscada aposta de Holandinha.

O primeiro é exatamente evitar o confronto direto com Wellington do Curso (PP), embate que se mostra de extremo risco para o prefeito; o segundo, é garantir ao PDT os louros da vitória, sem a necessidade de uma inevitável entrada do governador Flávio Dino (PCdoB) na campanha.

Mas a estratégia de Edivaldo se mostra de alto risco para ele próprio.

Se forçar a ideia de uma vitória em primeiro turno, criar mídia em torno desta situação e a vitória não se confirmar, o prefeito já entra derrotado no segundo turno.

Embora líder nas pesquisas de intenção de votos – ignorando-se, obviamente, o que é feito pelo DataM – o prefeito vive uma situação delicada.

Todos os institutos mostram que Edivaldo tende a perder a eleição para Wellington, sobretudo pela força crescente que o candidato do PP vem mostrando nesta reta final da campanha.

Por isto a estratégia de Edivaldo mostra-se kamikaze.

Por que é matar no primeiro ou morrer no segundo turno…