0

Entre Sarney e Duarte há Portela’s e Shinoda’s…

O bate-boca do fim de semana entre os deputados Adriano e Duarte Jr., desta vez por causa de homenagens da Assembleia envolve termos como “moleque” e “palhaço” – e revela a queda no nível do Parlamento estadual

 

ADRIANO E DUARTE JÚNIOR: DEBATE COM “REFERÊNCIAS CULTURAIS” e citações contemporâneas da Athenas Brasileira

O quiprocó midiático do fim de semana no mundo político envolveu os deputados Adriano Sarney (PV) e Duarte Júnior (PCdoB).

O comunista irritou-se com a tentativa do colega sarneysista – que chegou a eliminar o sobrenome Sarney do nome parlamentar – de barrar a homenagem ao secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela.

PROVOCAÇÃO DE DUARTE JÚNIOR CITA “POETA CONTEMPORÂNEO”, referência a uma das homenagens de Adriano na Assembleia

Criticando a postura do neto de Sarney, Duarte lembrou da homenagem deste ao “poeta contemporâneo Shinoda”, referência à Medalha do Mérito de Manuel Beckman concedido ao cantor maranhense – e sua consequente repercussão.

Irritado, o Sarney que não quer ser Sarney xingou Duarte de “moleque” e “palhaço”, uma outra “referência cultural”, já que, na adolescência, o agora deputado comunista viveu o personagem Shoktox” no programa Bianca & Cia., estrelado pela irmã. (Relembre aqui)

E A RESPOSTA DE ADRIANO NO MESMO TOM: linguajar na mesma medida entre temperamento e conteúdo intelectual

O nível do debate mostrou duas realidades maranhenses:

1 – o atual nível do parlamento estadual, com, debates rasteiros e pouca erudição no trato com as palavras na terra dos poetas;

2 – o atual nível cultural do Maranhão, onde expressões artísticas geram debates como este entre políticos.

E o caso ainda reacendeu uma pergunta:

Porque mesmo Adriano – ex-Sarney – decidiu conceder uma medalha ao cantor Bruno Shinoda?!?

2

Apoio de Roberto a Neto Evangelista revela antipatia a Adriano Sarney

Deputado estadual do MDB não se relaciona com o colega do PV, que também tenta ser candidato a prefeito e espera o tempo de propaganda do partido cujo maior líder é o avô ex-presidente

 

A CONVERSA ENTRE NETO EVANGELISTA E ROBERTO COSTA, QUE REPERCUTIU SOBRE AS ELEIÇÕES e irritou Adriano Sarney

A declaração pública do deputado estadual Roberto Costa, de que o MDB cogita aliança com o deputado Neto Evangelista (DEM) – caso não consiga viabilizar o ex-deputado Victor Mendes – tem um pano de fundo envolvendo a própria oposição a Flávio Dino (PCdoB).

Costa quis deixar claro, na verdade, que não cogita apoiar o colega Adriano Sarney (PV), que tenta formar uma aliança com os partidos da base do grupo Sarney para também ser candidato a prefeito.

O deputado que preside o MDB em São Luís não tolera o colega do PV, relação que vem se esgarçando desde o fim da eleições de 2018. (Entenda aqui)

E a antipatia a Adriano ficou ainda mais clara quando Costa foi questionado pela coluna Estado Maior, do jornal O EstadoMaranhão.

A resposta foi seca:

– Nossa opção é somente o Neto – encerrou, lacônico…

7

O encontro Dino-Sarney e a reação de Roseana e Adriano…

Ex-governadora e deputado estadual não gostaram da aproximação do comunista com o ex-presidente, mas ela, mais experiente, foi elegante no comentário, enquanto ele mostrou-se irascível

 

O JOVEM ADRIANO EXPÔS CONTRARIEDADE À APROXIMAÇÃO DE DINO COM SARNEY, diferente da tia, Roseana, que, embora, contra, mostrou-se elegante

Nem a ex-governadora Roseana Sarney (MDB), nem o deputado estadual Adriano Sarney (PV) gostaram da aproximação do governador Flávio Dino (PCdoB) com o ex-presidente José Sarney (MDB).

A reação diferenciada de cada um deles, porém, mostra a concepção política de cada um.

Apesar de contrária à aproximação com Dino, Roseana preferiu manifestar-se criticamente apenas no bastidores, sendo elegante em público, como mostrou o blog Marco Aurélio D’Eça, com exclusividade, no post “Sarney não poderia deixar de atender a um pedido do governador…”

Adriano, por sua vez, optou pela reação radical, criticando o que chamou de “acordo” e até desautorizando o próprio avô.

– Esse acordo certamente não me envolverá jamais. Porque neste mandato o titular sou eu, e eu vou até o final independente de acordos políticos – afirmou o deputado. (Leia aqui)

Resta saber como se dará a solitária oposição de Adriano na Assembleia Legislativa.

Agora isolado, também, na própria família…

1

A oposição e a Prefeitura de São Luís…

Enquanto a base do governo Flávio Dino se movimenta entre ela mesma para a sucessão do aliado Edivaldo Júnior, os partidos que não rezam na cartilha do Palácio dos Leões ainda estão em compasso de espera

 

Se na base do governo Flávio Dino (PCdoB) há pelo menos cinco candidatos com potencial para a sucessão do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) – Neto Evangelista (DEM), Duarte Júnior (PCdoB), Bira do Pindaré (PSB), Rubens Pereira Júnior (PCdoB) e Osmar filho (PDT) – a oposição ainda está em compasso de espera.

Por enquanto, entre os partidos que não seguem a cartilha do Palácio dos Leões, apenas Wellington do Curso (PSDB) se movimenta com vistas às eleições de 2020.

Mas ele ainda terá que convencer sua legenda; ou partir para outra.

O deputado Eduardo Braide (PMN) não se inclui nem entre a oposição, muito menos como governista; mesmo favorito na disputa, ele é uma espécie de terceira via.

Entre os oposicionistas, apenas o deputado Adriano, agora sem o sobrenome, apresentou-se como opção.

Ninguém levou a sério.

Tanto que os partidos e as lideranças da chamada base sarneysista já têm outras opções para o posto de candidato.

O MDB, por exemplo, quer o ex-deputado federal Victor Mendes como candidato. Já os aliados da ex-prefeita Maura Jorge (PSL) sonham com seu nome na capital.

Diante desse compasso de espera; e de lideranças com índices consistentes nas pesquisas, o mai9s provável é que a sucessão de Edivaldo Júnior se dê entre os seus próprios aliados.

Num prenúncio do que será em 2022…

2

“Me dê”, brinca Hélio Soares sobre sobrenome Sarney, de Adriano…

Deputado do PR comentou a decisão do colega de Assembleia de reduzir o seu nome parlamentar, retirando o sobrenome de família

 

Hélio Soares diz que gostaria de ter o Sarney acompanhando o seu nome parlamentar

O deputado Hélio Soares (PR) reagiu com bom humor à decisão do colega Adriano (PV), de retirar o sobrenome Sarney do nome parlamentar.,

– Meu sonho era ter o ‘Sarney’ ali do lado do meu nome. E ele que tem esse privilégio manda tirar. Me dê – afirmou Soares, ao jornalista Clodoaldo Correa. (Leia aqui)

Neto de Sarney, Adriano optou por suprimir o sobrenome de família nesta legislatura

Na semana passada, o blog Marco Aurélio D’Eça revelou que o painel da Assembleia Legislativa agora registra apenas Adriano, para referir-se ao parlamentar do PV. (Relembre aqui)

Desde então, o assunto ganhou repercussão, inclusive nacional.

Adriano não explicou a decisão de retirar o Sarney do nome…

2

Sobre nomes e sobrenomes…

Enquanto Zé Inácio acrescenta o Lula em seu nome parlamentar oficial – numa demonstração de orgulho petista – Adriano retira o Sarney, o que gerou comentários nos bastidores da Assembleia

 

Zé Inácio decidiu acrescentar o “Lula” ao seu nome parlamentar, num gesto repetido por petistas em todo o país

Um fato curioso chamou a atenção na sessão solene de abertura dos trabalhos da Assembleia Legislativa, na tarde desta segunda-feira, 4.

Quem observou mais atentamente o painel eletrônico do plenário, pôde ver que o nome parlamentar do deputado Zé Inácio (PT) agora vem acrescido de um “Lula”.

Ou seja, o petista deve ser chamado agora pelo nome Zé Inácio Lula, como se pode ver no painel atrás dele.

Adriano Sarney agora usa apenas o Adriano como seu nome parlamentar, como mostra o painel da Assembleia

Por outro lado, o deputado Adriano decidiu suprimir o Sarney do sobrenome e agora assina apenas com o primeiro nome.

Neto do ex-presidente José Sarney, filho do ex-ministro e ex-deputado federal Sarney Filho, e sobrinho da ex-governadora Roseana Sarney, Adriano decidiu suprimir o sobrenome logo após as eleições de outubro, mas não há uma explicação oficial para isso.

A mudança ou mesmo a alteração dos nomes de personalidades ocorre, na maioria das vezes, por orientação de numerologistas e marqueteiros – mas há casos também relacionados à política.

Deve ser esse o caso dos dois deputados maranhenses…

4

A candidatura de Adriano a prefeito…

Deputado estadual – e único remanescente da família Sarney com mandato – tem condições para, no mínimo, manter o legado do seu grupo em uma disputa que tende a ser pulverizada entre vários candidatos

 

Remanescente dos Sarney com mandato, Adriano tem cacife para se viabilizar na capital maranhense

Desde as primeiras semanas após as eleições de outubro blogs, jornais e emissoras de rádio apontam a candidatura do deputado estadual Adriano Sarney nas eleições de 2020.

Único remanescente dos Sarney com mandato a partir de 2019, Adriano tem aparecido em enquetes e consultas de blogs e sites sempre em posição de destaque entre os nomes já postos para a disputa.

E se mantiver a intenção de lançar-se ao desafio de concorrer à Prefeitura de São Luís, tem amplas condições de entrar no polo principal da disputa.

Para os críticos, o principal argumento contra é um suposto desgaste do grupo Sarney, que teria se consolidado a partir da derrota de Roseana nas eleições de outubro.

O grupo do qual faz parte o parlamentar – que tende a liderá-lo, inclusive – representa, no entanto, algo em torno de 30% dos votos da capital maranhense, como ficou registrado nas eleições.

É um patamar de peso para qualquer candidato.

Adriano Sarney tem duas vantagens adicionais específicas do próximo pleito:

1ª – as eleições de 2020 tendem a ser pulverizadas entre várias candidaturas, embora aponte-se o favoritismo do federal eleito Eduardo Braide (PMN);

2ª – nem o grupo do governador Flávio Dino (PCdoB), nem o grupo do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) têm, ainda, candidatos com cancha para polarizar a disputa com Braide.

Esses dois aspectos podem fazer do neto do ex-presidente José Sarney uma opção para os que sentem-se cansados com os mais de 30 anos de gestões pedetistas, mas não têm a confiança necessária no projeto de Braide.

O deputado estadual do PV tem todo o ano de 2019 para se consolidar como líder da oposição ao governo de Flávio Dino.

E a partir daí pavimentar seu caminho até as eleições municipais.

É aguardar e conferir…

0

Oposição tratará colapso das finanças do Estado como prioridade na próxima legislatura

Nomes como o do deputado estadual Adriano Sarney (PV), de Wellington do Curso (PSDB), de César Pires (PV) e outros deverão encabeçar as discussões acerca do tema. Outros parlamentares que comporão a Assembleia a partir de 2019 como Arnaldo Melo (MDB) também abrem a possibilidade de ampliação oposicionista.

 

Flávio Dino enfrentará forte pressão na Assembleia, cuja oposição fiscalizará gastos públicos em tempos de “crise”

As despesas do governo dinista pautaram os últimos dias de atividades na Casa a urgência, encaminhada pelo Executivo, do texto que previa a apreciação do orçamento para o ano que vem sem análise prévia. Além do tempo escasso para a discussão da matéria, todas as emendas propostas por deputados que previam o remanejamento dos recursos de pastas do governo para o atendimento de demandas prioritárias foram recusadas, o que aponta para a articulação eficaz feita nos bastidores pelos aliados do governador na Casa. 

Um dos subtemas fundamentais que também será objeto de cobrança dos parlamentares da oposição no Legislativo diz respeito às contas da previdência. Dados da Secretaria de Planejamento do Governo atestam que, em 2019, o Executivo terá pouco mais de R$ 200 milhões para a quitação das pendências ligadas ao pagamento de benefícios de afastamento e aposentadorias.

A elevação recente do ICMS em cima de produtos também chancelou a coesão da base do Governo na Casa e suscitou preocupação dos que divergem de Flávio Dino na Assembleia. A ideia é montar estratégias para fortalecer o grupo de oposição e, desta forma, obrigar o Executivo a dar explicações mais concretas para a sociedade.

Adriano Sarney deverá ser o principal porta-voz da oposição no Legislativo Estadual a partir de 2019

6

O bateu-levou de Othelino Neto e Adriano Sarney…

Deputados trocaram acusações em um debate de alto nível na Assembleia Legislativa sobre o legado e os rumos do Maranhão nos governos Flávio Dino e Roseana Sarney; quem tem razão?

 

Esse é o legado que vocês carregam nas costas como um carimbo que o tempo passa e não sai, porque receberam um Estado próspero e entregaram-no com os piores indicadores do Brasil, com o povo mais pobre do país. Mandaram no Maranhão, na República e entregaram o Estado na pior situação possível, e isso ninguém vai conseguir tirar, nem a força do império de comunicação tem como tirar. Vocês vão carregar para sempre e para toda a história a mácula de ter entregue um Estado, visivelmente, muito mais pobre do que receberam”

Othelino Neto, vice-presidente da Assembleia, durante a sabatina do secretário Clayton Noleto, referindo-se ao grupo Sarney

Governistas afirmam que o governo da mudança tem trabalhado para que os maranhenses saiam da linha da pobreza, mas resultados do PIB mostram que o governo comunista conseguiu a façanha de empobrecer o Estado em mais de 10%. No governo Roseana Sarney, o Maranhão crescia acima da média nacional e houve geração de 25 mil postos de trabalho no final do mandato. Em 2015, primeiro ano do governo Flávio Dino, houve redução em mais de 10 mil vagas. Em 2016, a queda foi de 18 mil vagas, reflexo da política equivocada, que aumenta impostos e reduz investimentos públicos”

Adriano Sarney, em resposta, com números oficiais, mostrando que o governo Flávio Dino não mudou o que prometeu

 

 

0

PV e PHS devem mesmo fechar com Wellington…

Partido do deputado Adriano Sarney e legenda que tinha Bentivi como candidato se aproximaram mais do PP nos últimos dias; Apenas PRP, PSDC e Solidariedade ainda não definiram seus caminhos

 

Adriano Sarney com Wellington: parceria

Adriano Sarney com Wellington: parceria

O Partido Verde, presidido pelo deputado estadual Adriano Sarney, e o PHS, que tinha o médico João Bentivi como pré-candidato a prefeito, devem fechar aliança com o candidato do PP, Wellington do Curso.

As duas legendas se aproximaram mais do candidato progressista e praticamente encerraram negociações com outros pré-candidatos.

Nos últimos dias, o  PV chegou a abrir conversas com Eliziane, que não avançaram por decisão dos próprios verdes.

Com relação ao PHS, pesa a relação que tem o seu vice-presidente nacional, Jorge Arturo, com o presidente do PP, deputado federal André Fufuca.

Pendências

Com a provável definição de PV e PHS, apenas três partidos continuam indefinidos nas eleições de São Luís: Solidariedade, PSDC e PRP.

O solidariedade é comandado pelo secretário de Indústria e Comércio Simplício Araújo. Chegou a conversar com Eliziane Gama, mas, pressionado pelo governador Flávio Dino (PCdoB), buscou também Eduardo Braide (PMN).

O PRP tem o comando do ainda secretário municipal Severino Sales, que diz ter rompido com Edivaldo Júnior (PDT). Já conversou com Wellington, com Eliziane, mas também com Fábio Câmara (PMDB).

Ainda não fechou com nenhum dos três.

Por último o PSDC, que tem o vereador Armando Costa como principal nome.

O partido é vinculado politicamente ao deputado federal Aluisio Mendes (PTN), que já está apoiando a colega Eliziane Gama. Natural, portanto, que a legenda também se alinhe ao projeto popular-socialista.

Pesam apenas questões inerentes à ampliação das chances de reeleição para Armando Costa; se isso for conseguido, provável que o partido siga com a candidata do PPS.

Os partidos têm até a próxima sexta-feira para definir suas alianças e realizar suas convenções.

A partir de então, a sorte estará lançada…