3

Carlos Brandão, Márcio Jerry e a “república do cancão”…

Pela primeira vez na história se cogita a exótica montagem de uma chapa em que o candidato a governador e o seu vice são vizinhos da mesma região, da mesma cidade, mesmo bairro e até da mesma rua do Sertão maranhense

 

Márcio Jerry e Carlos Brandão são vizinhos de cidade, bairro e rua – além de adversários políticos – mas podem compor uma exótica chapa liretalmente bairrista em 2022

Por Martin Varão

O cancão é um pássaro símbolo do Sertão…

É também o nome da rua onde nasceram – em Colinas – o deputado federal Márcio Jerry(PCdoB) e o vice-governador Carlos Brandão(PSDB).

Pela primeira vez na história se cogita a possibilidade de sair uma chapa de governador e vice da mesma região (Sertão), cidade (Colinas), e, mais peculiar ainda, da mesma rua (Rua do Cancão).

O exótico pássaro Cancão, homenageado em rua de Colinas que pode dar o governador e o vice do Maranhão em 2022

Márcio Jerry e Brandão – vizinhos em Colinas – nasceram e se criaram  na Rua do Cancão…

Só mesmo a liderança forte do governador Flávio Dino(PCdoB) será capaz de fazer história elegendo uma chapa tão exótica quanto ao pássaro da região.

1

“O povo é o maior opinador do processo”, diz Weverton sobre 2022

Senador diz que estará pronto para discutir a formação da chapa do grupo de Flávio Dino quando o governador achar conveniente tratar sobre isso; e diz que confia na serenidade do comunista para ouvir as lideranças, a maioria do grupo e, principalmente, o eleitor, com pesquisas quanti e qualitativa

 

Weverton Rocha falou sobre diversos assuntos, lembrou seu protagonismo no Senado contra a pandemia e falou de eleições

O senador Weverton Rocha (PDT) voltou a afirmar nesta quinta-feria, 18, ter plena confiança na serenidade do governador Flávio Dino (PCdoB) para a condução do processo de escolha do candidato do seu grupo a governador em 2022.

– Meu perfil sempre foi de agregador, de somar forças. Flávio é o líder do grupo. No momento que ele achar por bem, estaremos pronto para discutir o projeto de 22. Ele tem um time bom, E neste time eu sou um jogador e estarei pronto para assumir qualquer tarefa – afirmou o parlamentar, em entrevista à TV Mirante.

 Weverton acredita que Flávio Dino terá a serenidade, assim como fez desde 2012, de fazer todas as tratativas com todas as forças políticas. Mas entende que o principal opinador deste processo deve ser o povo, por meio de pesquisas quantitativas e qualitativas.

– Flávio sabe que a sua excelência o povo é o principal opinador do processo. Nós iremos saber o que a maioria da população e o que a maioria do seu grupo pensam; e daí definir o nosso candidato – declarou.

Afirmando não ser candidato de si mesmo, o senador do PDT deixou claro que continuará firme no grupo do comunista qualquer que seja a decisão sobre 2022.

– Se eu tiver a honra de governar o Maranhão, será através do grupo que eu faço parte – concluiu.

Acompanhe acima o vídeo da entrevista, em que o senador fala de vários outros assuntos

3

Othelino Neto vai reavaliar candidatura ao Senado

Presidente da Assembleia Legislativa diz que em nome da unidade do grupo político poderá concorrer à reeleição ou a uma vaga de deputado federal; ele defende as pesquisas como critério para escolha do candidato a governador no grupo de Flávio Dino

 

Aliado de Weverton Rocha, Othelino defende pesquisas para escolha do candidato; e admite abrir mão do Senado em favor de Flávio Dino

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB) pregou esta semana a unidade do grupo do governador Flávio Dino (PCdoB) nas eleições de 2022.

Até então cogitado como futuro candidato a senador, Othelino diz que vai reavaliar esta posição; e anunciou que pode ser candidato a deputado federal ou mesmo à reeleição.

– Quero ser um agente da construção da unidade neste campo político, porque nós entendemos que esse projeto está tendo êxito e sendo bom para o Maranhão. Por isso, é justo que tenha uma continuidade. E diante dessa provável decisão do governador, de ser candidato ao Senado, eu vou reavaliar [sua candidatura] declarou.

Aliado do senador Weverton Rocha (PDT), o presidente da Assembleia defendeu critérios para a escolha do candidato da base governista, entre estes critérios a realização de pesquisas.

– Nós precisamos estabelecer critérios para essa definição. A partir do momento que nós sentarmos para definir esses pontos e nos comprometermos em cumprir o que for acordado, acho que temos boas chances de caminharmos para o entendimento – pregou.

O Grupo Mirante vai divulgar no fim de março a primeira pesquisa do Instituto Escutec sobre a sucessão de Flávio Dino; outros três levantamentos Escutec serão realizados 30em junho, setembro e dezembro.

Como Flávio Dino já declarou que pretende anunciar seu candidato no fim do ano – e o presidente da Assembleia defende que a consulta ao eleitor seja usada como referência – essas pesquisas da Mirante podem servir de base para a escolha.

Simples assim…

3

Osmar Filho reforça presença estadual em ações com Márcio Jerry

Presidente da Câmara Municipal reuniu-se com o secretário de Cidades em busca de projetos e benefícios para as cidades de São Luís e Cajari, em mais um movimento de articulação estadual

 

Osmar Filho amplia sua articulação estadual, agora em contato com a Secretaria de Cidades, de Márcio Jerry

O presidente da Câmara Municipal de São Luís, vereador Osmar Filho (PDT), reuniu-se na tarde desta quarta-feira, 17, com o secretário de Cidades, Márcio Jerry, com quem discutiu “benefícios e projetos” para os municípios de sua área de influência.

– Mais parcerias em favor do Maranhão! Visitei hoje o amigo e secretário das Cidades e Desenvolvimento Urbano, Márcio Jerry. Conversamos sobre projetos e benefícios para as cidades de Cajari e São Luís – declarou o parlamentar.

Como presidente do Legislativo de São Luís, Osmar Filho tem-se destacado como liderança estadual, articulando ações sobretudo na capital; na Secid, ele pretende avançar em municípios do interior.

O vereador tem relação próxima com Márcio Jerry, que garantiu convênios, projetos e benefícios para todo o estado.

O parlamentar deverá voltar outras vezes à secretaria ao lado de prefeito de vários outros municípios.

– Obrigado pela acolhida e conte comigo na construção de um estado de mais oportunidades e avanços – frisou ele, em relação a Márcio Jerry.

1

O grupo de Flávio Dino e as eleições de 2022…

Ao contrário do que se propaga, governador pode optar por mais de um candidato em sua base, da forma como se posicionou nas eleições municipais, postura que faz parte do seu perfil desde antes da chegada ao poder; até por que, o futuro candidato do governo será do governo Brandão não de Dino, a menos que o comunista decida ficar até o final

 

Carlos Brandão pode ser candidato em 2022, assim como Weverton Rocha, sem a necessidade de rompimento com Flávio Dino

Análise de conjuntura

Uma guerra de informações e contra-informações vem sendo fortalecida na mídia por aliados do vice-governador Carlos Brandão (PSDB) à medida que se aproxima o pleito de 2022.

Segundo essa versão, o governador Flávio Dino (PCdoB) já teria escolhido o vice como candidato a seu sucessor o que forçaria o senador Weverton Rocha (PDT) a romper com o governo.

Esta visão dos fatos seria uma quebra de paradigma na postura do próprio Flávio Dino.

Quem acompanha a história recente da política maranhense sabe que a base do governo Dino sempre esteve dividida entre diversas correntes e várias tendências políticas da esquerda e da direita; e essas correntes sempre se digladiaram nos bastidores, mantendo, mesmo assim, a aliança central com o comunista. (Relembre aqui, aqui, aqui, aqui e também aqui)

Foi assim em 2012, 2016 e 2020, quando o os aliados se dividiram em diversas candidaturas pela Prefeitura de São Luís e, mesmo assim, mantiveram-se na base do governo.

Nem mesmo em 2020, quando os ânimos se acirraram mais profundamente, houve rompimento da base.

A leitura unilateral de que a escolha de Dino por Brandão forçará o senador Weverton Rocha a romper ou desistir da candidatura também não leva em conta o histórico do próprio Rocha.

Secretário de Jackson Lago, suplente de deputado federal, deputado federal e senador, Weverton construiu sua trajetória ao largo das questões de grupo, sem nunca precisar romper, nem internamente no PDT, muito menos com o governo Dino.

Foi assim em 2012, quando apostou em Edivaldo Júnior (PDT) mesmo quando o PCdoB queria Tadeu Palácio (PP); foi assim em 2016, quando vestiu a camisa pela reeleição de Edivaldo enquanto o Palácio dos Leões já torcia pela candidatura de Bira do Pindaré  (PSB).

E foi assim, sobretudo, em 2018, quando construiu, sozinho, sua candidatura ao Senado, alcançando quase 2 milhões de votos. (Relembre aqui)

Assim como Flávio Dino deve apostar em si mesmo se decidir optar por Brandão, Weverton também aposta em sua própria articulação como candidato a governador.

De mais a mais, o candidato do chamado governo não será do governo Dino, mas do governo Brandão, que começa em abril de 2022; a menos que o comunista decida permanecer até o final do mandato.

E todos podem construir sua trajetória sem a expectativa de rompimento, a exemplo do que ocorreu em 2012, 2014, 2016, 2018 e 2020.

Vencerá aquele que tiver melhor posicionado no eleitorado; e é para isso que tem as pesquisas de intenção de votos.

Simples assim…

2

Grupo Mirante vai divulgar primeira pesquisa de governador

Instituto Escutec vai avaliar a preferência da população maranhense em quatro momentos específicos até o final do ano pré-eleitoral de 2021, com o primeiro previsto para o final de março; cenários incluirão todos os nomes já citados, além da ex-governadora Roseana Sarney, do ex-prefeito Edivaldo Júnior e do secretário Márcio Jerry

 

O Grupo Mirante – rádios, TV, portais e jornal O EstadoMaranhão – deve divulgar até o fim de março a primeira pesquisa sobre a sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB). 

O levantamento será feito pelo instituto Escutec, que medirá a preferência da população maranhense em quatro momentos distintos neste ano pré-eleitoral de 2021: março, junho, setembro e dezembro.

com previsão de divulgação para o final de março, a pesquisa vai incluir os pré-candidatos já divulgados: senador Weverton Rocha, (PDT), vice-governador Carlos Brandão (PRB), senador Roberto Rocha (sem partido), senadora Eliziane Gama (Cidadania), Deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) e prefeito Lahésio Bomfim (PSL).

De acordo com o que apurou o blog Marco Aurélio D’Eça, no entanto, a Escutec vai incluir também cenários com a ex-governadora Roseana Sarney (MDB), o ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior (PDT) e o secretário de Cidades, Márcio Jerry (PCdoB).

A pesquisa Escutec/Grupo Mirante será o primeiro termômetro das eleições de 2022, e servirá de base para definição de candidaturas.

Sobretudo pelo fato de que medirá a realidade eleitoral em quatro momentos-chave do ano pré-eleitoral.

É aguardar e conferir…

0

Entrada de Brandão no PSDB confirma informação do blog

Informação sobre a saída do senador Roberto Rocha foi publicada ainda em dezembro de 2020, e foi-se confirmando ao longo dos meses, mesmo com as contantes negativas do parlamentar, que ainda não anunciou novo rumo partidário

 

Brandão assumiu o comando do PSDB maranhense, numa jogada que pode servir tanto para o bem quanto para o mal ao seu projeto de 2022

Em 16 de dezembro de 2020 o blog Marco Aurélio D’Eça publicou o post “PSDB deve trocar Roberto Rocha por Eliziane Gama no Senado…”.

Foi a primeira informação sobre a fritura do senador maranhense no ninho tucano, que não aceitou sua relação umbilical com o presidente Jair Bolsonaro.

Roberto Rocha, obviamente, negou a informação, mas desde então os fatos que corroboravam a informação do blog foram se sucedendo, com um grupo de políticos já se articulando pelo controle do partido. (Relembre aqui e aqui)

Pela postura já conhecida de distanciamento do debate político, Eliziane não se viabilizou; e o vice-governador Carlos Brandão (Ex-PRB) acabou sendo o beneficiado com a direção da legenda.

Roberto Rocha decidiu abandonar de novo os postulados do PSDB para se alinhar cada vez mais a Jair Bolsonaro, de quem pretende ser candidato a governador em 2022

O mérito da decisão de Brandão – se será benéfica ou prejudicial ao seu projeto de ser eleito governador em 2022 – só poderá ser analisada mais à frente, quando as movimentações eleitorais começarem a se caracterizar.

Da mesma forma, a nova movimentação de Rocha definirá seu rumo em 2022: se como lobo solitário na sucessão de Flávio Dino (PCdoB) ou como homem de Bolsonaro no Maranhão.

4

Ipespe aponta rigoroso empate entre Bolsonaro e Lula

Primeira pesquisa após anulação das condenações do ex-presidente – encomendada pela XP Investimentos – aponta que o petista e o atual presidente devem polarizar a disputa de 2022, tanto no primeiro quanto no segundo turno

 

Lula chegou forte ao debate presidencial e já polariza com o presidente Jair Bolsonaro, que vê seu legado afundar pesquisa após pesquisa

A primeira pesquisa Ipespe/XP Investimentos após a anulação das condenações do ex-presidente Lula (PT), mostra que ele já experimenta um rigoroso empate com o presidente Jair Bolsonaro, faltando pouco mais de um ano e meio para as eleições de 2022.

De acordo com o levantamento encomendado pela XP Investimentos – e divulgado nesta sexta-feira, 12 – Jair Bolsonaro tem hoje 27% das intenções de votos na pesquisa estimulada, contra 25% de Lula.

Na simulação de segundo turno, o empate é ainda mais rigoroso: Bolsonaro 41% X 40% Lula.

No principal cenário da pesquisa Ipespe/XP Investimentos, também foram citados os candidatos Sergio Moro (10%), Ciro Gomes (9%) e Luciano Huck (6%).

Outros candidatos juntos pontuam 10%. 

Nas pesquisas de janeiro e fevereiro, Bolsonaro se mantinha à frente dos adversários – Sérgio Moro, Ciro Gomes e Luciano Huck – com mais que o dobro das intenções de voto. (Leia aqui e aqui)

Vinculado ao sociólogo Antonio Lavareda, o Ipespe mede também, em serie histórica para a XP Investimentos, o governo Bolsonaro desde o seu início.

E os índices apontam piora progressiva nos indicadores do seu governo.

Mal sinal para alguém que, provavelmente, terá um Lula pela frente…

2

Flávio Dino prega unidade e diz que define até dezembro nome do grupo para governador

Entre os pleiteantes do grupo do Governador, estariam Carlos Brandão, Simplício Araújo, Felipe Camarão, Weverton Rocha e Josimar de Maranhãozinho

 

A partir do próximo mês de julho, Flávio Dino (PCdoB) iniciará conversas com seu grupo político para definir sobre as Eleições 2022. Até dezembro deste ano, o governador anunciará seus candidatos ao governo, vice e senado no Estado.

Dino confirmou a informação durante entrevista na TV Mirante nesta quinta-feira (11).

O Governador foi muito claro ao dizer que o governo tem vários nomes pleiteando a sucessão, entre os nomes do grupo na lista estão: o secretário de Indústria, Comércio e Energia, Simplício Araújo, do Solidariedade; o secretário de educação, Felipe Camarão, do DEM; o vice-governador Carlos Brandão, do Republicanos; o senador Weverton Rocha, do PDT; e o deputado federal Josimar de Maranhãozinho.

“A minha disposição é que até dezembro deste ano termos a chapa anunciada”, informou Flávio Dino durante a entrevista.

Flávio Dino comentou, também, sobre seu objetivo de retornar ao Congresso, mas que as atuais mudanças do cenário político, como a devolução dos direitos políticos do ex-presidente Lula, poderão trazer novas decisões. O governador é um dos mais cotados para vice em possível chapa presidencial liderada por Lula.

11

De como este blog anteviu a anulação dos processos de Lula…

Desde o início das investigações contra o ex-presidente, os posts publicados nesta página mostravam o golpe perpetrado para impedir a participação do PT e criminalizar as esquerdas nas eleições de 2018, o que agora foi confirmado no Supremo Tribunal Federal

 

De máscara, que só retirou no momento da coletiva, ontem, Lula retomou seu protagonismo na história; e influenciou diretamente a Bolsonaro

Editorial

12 de julho de 2017. O blog Marco Aurélio D’Eça publica o post “Condenado por Moro, Lula agora corre contra o tempo para disputar 2018…”.

Tratava-se de uma análise da decisão do juiz da Lava Jato, cuja postura já vinha sendo contestada neste blog desde 2014, quando iniciou-se a fase judicial do golpe que começou a ser montado ainda em 2013, no governo Dilma.

Esta contestação foi resumida em 10 de abril de 2018, no post “As três fases do golpe no Brasil…”, que mostrou a orquestração dos barões de São Paulo com a mídia quatrocentona e parte do Judiciário para impedir Lula de ser candidato presidencial.

Um pouco antes disso tudo, mais precisamente em 18 de março de 2016 – pouco mais de um ano antes da condenação de Lula – o blog Marco Aurélio D’Eça aponta para “O risco iminente de um golpe do Judiciário” , análise da usurpação de poder por Sérgio Moro.

A partir da condenação do ex-presidente petista, este blog passou a cobrar pela anulação do processo em sucessivos posts; chegou a frustrar-se algumas vezes, achando que isso seria possível já na segunda e terceira instâncias da Justiça, o que não ocorreu.

Em 16 de junho de 2019 – quando estourou as revelações do site The Intercept, que revelaram as armações políticas de Sérgio Moro e do procurador Deltan Dallagnol – o blog Marco Aurélio D’Eça apontou, sem pestanejar: “Julgamento de Lula precisa ser anulado…”

– Independentemente de o ex-presidente ser ou não culpado, a decisão do juiz Sérgio Moro, em conluio com o procurador Deltan Dallagnol, está marcada por posicionamento político e esquemas de forja de provas; e tinha um objetivo: tirar o PT das eleições de 2018 – já afirmava o blog, naquela época.

O blog Marco Aurélio D’Eça sempre registrou a postura política de Dallagnol e de Moro no caso Lula, agora confirmada pelo STF

Nesta época, Moro já era ex-juiz e ocupava cargo de ministro do governo Jair Bolsonaro, eleito graças também às suas manipulações judiciais.

17 de setembro de 2019. O blog Marco Aurélio D’Eça faz auto-referenciação ao lembrar os passos do golpe contra Lula, no post “História vai confirmando o golpe no Brasil…”.

Fritado por Jair Bolsonaro desde agosto de 2019, Sérgio Moro deixou o governo em 24 de abril de 2020, em meio a uma troca de acusações com o próprio Bolsonaro por causa de interferências na Polícia Federal. (Relembre aqui e aqui)

Nesta época, várias ações já questionavam a imparcialidade do ex-juiz e pediam a anulação das condenações de Lula, processos que tramitavam no Supremo Tribunal Federal.

Até culminar na decisão do ministro Edson Fachin, em 8 de março de 2021 – também conhecida como última segunda-feira – anulando todas as condenações impostas a Lula por Sérgio Moro.

O impacto da presença política de Lula fez Bolsonaro mudar sua postura como presidente e deixou Moro em silêncio

O impacto disto já foi medido pelo blog Marco Aurélio D’Eça, nos posts “O Impacto de Lula em 2022”, publicado no dia seguinte; e no post de ontem: “Lula faz o contraponto perfeito a Bolsonaro…”

E esta foi a linha do tempo do blog Marco Aurélio D’Eça para o caso envolvendo o ex-presidente petista, o PT, os barões brasileiros, o ex-juiz Sérgio Moro e o arroto da história chamado Jair Bolsonaro.

História que ainda registrará muitos capítulos até 2022.

Com o blog sempre presente para fazer o leitor entendê-la…