5

Em São Luís, candidatos temem ligação com Bolsonaro…

Candidatos que pertencem ou têm em suas coligações partidos vinculados diretamente ao presidente da República – representante da extrema direita racista, machista e homofóbica –  tentam esconder ao máximo este fato, inclusive com ações judiciais

 

Braide rejeita ligação com Bolsonaro, mas tem em sua aliança Roberto Rocha, Edilázio Júnior e Aluísio Mendes, todos nesta foto com o ministro bolsonarista Marcos Pontes

Agora isolado na América como representante da extrema direita – após mudanças de rumo na Argentina, na Bolívia a e nos Estados Unidos – o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) parece ter doença contagiosa em São Luís.

Isso explicaria a resistência com que os candidatos Eduardo Braide e Duarte Júnior rejeitam o rótulo de serem ligados ao bolsonarismo, apesar de partidos da base do Governo Federal estarem em suas coligações.

Tanto Braide quanto Duarte, cujos partidos – Podemos e PRB, respectivamente – dão apoio direto a Bolsonaro em Brasília, já entraram na Justiça para impedir que adversários façam ligações deles com o presidente.

A explicação estaria nas pesquisas qualitativas, que mostram a rejeição do presidente na capital maranhense.

No caso de Braide, por exemplo, até mesmo os principais representantes de Bolsonaro no Maranhão, como o senador Roberto Rocha (PSDB) e o deputado federal Aluísio Mendes (PSC), têm sido mantidos distantes da campanha.

Duarte Júnior, por sua vez, conseguiu na Justiça Eleitoral impedir o adversário Rubens Pereira Júnior (PCdoB) de fazer referências à ligação do seu partido com a base bolsonarista.

Ao lado de Brandão e Cléber Verde, Duarte Júnior assina em Brasília ficha no PRB, cuja base, a exemplo de Celso Russomanno, é vinculada diretamente ao governo Bolsonaro

Já o candidato declaradamente bolsonarista – pastor Sílvio Antonio (PRTB) – amarga índices abaixo de 1% nas pesquisas.

Após mudanças na Argentina, na Bolívia e nos Estados Unidos, Bolsonaro é hoje no continente americano o único representante da direita extremista racista, machista e homofóbica, predicados que não são exatamente lisonjeiros na política moderna.

E ter vinculação com essas “bandeiras” – por mais conservadores que sejam os candidatos – é fator de perda de votos.

Por isso Breiade e Duarte querem passar longe da ligação com o presidente…

10

Tadeu Palácio faz apologia a fechamento do STF por militares…

Ex-prefeito de São Luís – que chegou a ser cogitado para disputar novamente o posto em 2020 – publicou charge mostrando o presidente Jair Bolsonaro ao lado de generais, acuando ministros, numa defesa direta e criminosa do Ato Institucional nº 5

 

A apologia de Tadeu Palácio à ditadura militar e ao AI-5; segundo ele, “muitos brasileiros estão sonhando com este dia”

O ex-prefeito de São Luís, ex-vereador e ex-secretário Tadeu Palácio (PSL) pode ser enquadrado por apologia à ditadura militar, caso as investigações do Supremo Tribunal Federal se estendam ao Maranhão.

O ex-prefeito – eleito vice na chapa de Jackson Lago em 2000, e reeleito em 2004, pelo PDT, um dos principais partidos contra a ditadura militar no Brasil – pregou claramente o fechamento do STF em uma publicação em suas redes sociais.

O ex-prefeito – que desde a saída do PDT gravitou por inúmeras legendas no Maranhão, até se encontrar no PSL de Jair Bolsonaro – espalhou charge que mostra o presidente junto com generais, acuando os ministros do Supremo.

Abaixo, Palácio afirma, extrapolando os limites da mera liberdade de expressão: “muitos brasileiros estão sonhando com este dia”.

Com a charge, além de traição à sua própria trajetória política, Palácio pode ter cometido crime, ao fazer apologia do AI-5 um dos mais cruéis dispositivos da ditadura militar.

A pedido da Procuradoria-Geral da República, o próprio STF instaurou inquérito para investigar o crime contra a democracia protagonizado no último domingo, 19, por grupos de apoio a Bolsonaro em todo o país.

E o ex-prefeito de São Luís pode ser chamado a dar explicações…

0

Eliziane vê “atitude intolerável de Bolsonaro” contra ex-presidente do Chile…

Como sempre faz ao tentar defender a ditadura militar presidente brasileiro ofendeu a memória da família de Michele Bachellet ao ironizar a morte do pai dela durante o regime de Augusto Pinochet

 

ELIZIANE MANTÉM FIRME POSICIONAMENTO CONTRA O QUE CONSIDERA ERRADO NA POSTURA DE JAIR BOLSONARO, em discurso e posicionamentos certeiros

A senadora Eliziane Gama (Cidadania) lamentou profundamente o destempero verbal do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que, desta feita, teve como vítima a ex-presidente do Chile, Michele Bachelet, hoje Alta Comissáira da ONU para os Direitos Humanos.

Para rebater posicionamento de Bachelet na ONU, Bolsonaro disse que a ditadura de Augusto Pinochet “livrou o Chile de virar uma Cuba”.

– Graças aos que tiveram a coragem de dar um basta à esquerda em 1973 – afirmou O desbocado presidente.

O pai de Michele Bachelet foi uma das vítimas de Pinochet.

A POSTURA DE BOLSONARO TEM SIDO A DE UM COVARDE, POR USAR O POSTO DE PRESIDENTE para atacar lideranças que mostram posicionamento ideológico contrário aos seus

Na avaliação de Eliziane Gama, mostra o despreparo de Bolsonaro para o comando do país.

– Além de criar mais uma crise diplomática desnecessária, as declarações desumanas do presidente em relaçāo ao pai da ex-presidente chilena, Michelle Bachelet, sāo agressões a uma família. Atitude intolerável – afirmou a senadora.

Elizaine tem sido uma das principais críticas dos destemperos de Bolsonaro – que demonstra descontrole tanto nas ações quanto nos discursos à frente do país.

O ataque à ex-presidente do Chile repercutiu no mundo inteiro, em mais um desgaste internacional do mandatário brasileiro…