0

Bolsonarista, irmão de Brandão culpa Flávio Dino por “empacotamento do governador à esquerda”

Mentor, articulador e caixa-forte da família de Colinas, empresário Zé Henrique Brandão tenta se contrapor à tentativa do comunista de controlar a gestão e a campanha do tampão; e foi responsável pelos postos de Sebastião Madeira e Luiz Fernando Silva, espécie de blindagens contra Dino

 

Bolsonaristas, Henrique Brandão critica tentativa de Flávio Dino de transformar Carlos Brandão em esquerdista; e tem o apoio do irmão Marcus, alvo do ex-governador

Principal líder político da família, o empresário Zé Henrique Brandão tem sido o principal contraponto às tentativas do ex-governador Flávio Dino (PSB) de controlar a gestão e a campanha do irmão Carlos Brandão.

Bolsonarista empedernido, Zé Henrique critica a forçação de barra de Flávio Dino para transformar o tampão em lulista.

Para o empresário – que articula a política na família – Brandão está “empacotado à esquerda” por Flávio Dino, o que o leva a perder os votos do campo conservador sem conseguir alcançar o eleitorado mais progressista, em sua maioria com o senador Weverton Rocha (PDT).

Segundo apurou o blog Marco Aurélio D’Eça, embora não interfira na articulação política do governo e da campanha, Zé Henrique atua na blindagem direta do irmão governador contra as ações de Flávio Dino.

Foi ele, por exemplo, quem atuou para colocar em postos-chave do governo os ex-prefeitos Sebastião Madeira e Luiz Fernando Silva; espécies de anti-Dino, os dois controlam as finanças e os pagamentos, como responsáveis pelo Planejamento e Casa Civil, onde o ex-governador comunista queria atuar.

O problema de Zé Henrique é que o próprio Carlos Brandão – espécie de poste – só consegue se movimentar ao lado de Flávio Dino, o que o “empacota” ainda mais à esquerda.

O governador-tampão não consegue se desvencilhar do padrinho para fazer uma campanha própria.

Além disso, as operações financeiras do outro irmão, Marcus, dá o argumento necessário a Flávio Dino para manter a família do sucessor distante do governo.

Mas esta é uma outra história…

0

De como as ações de Weverton em favor dos trabalhadores consolidam sua base nos segmentos sociais progressistas

Senador que já tem o apoio da Fetaema, do Sindsep e de diversos sindicatos ligados à CUT e ao PT atuou diretamente em Brasília em favor dos agentes de Saúde, agentes de endemias e enfermeiros do Maranhão

 

Weverton em plenária da Federação dos Agentes Comunitários de Saúde, comemorando aprovação do piso da categoria

Os agentes comunitários de Saúde também tiveram o apoio de Weverton em sua luta salarial

Historicamente ligado às lutas dos trabalhadores, como liderança de esquerda filiado desde sempre ao PDT, o senador Weverton Rocha tem base consolidada nos setores mais progressistas dos movimentos sociais.

O apoio oficial da Fetaema e do Sindsep, além de vários outros sindicatos filiados à CUT e ligados ao PT, é um reconhecimento da esquerda à atuação do senador em favor da classe trabalhadora.

Esta semana, ele reuniu-se com a Federação Maranhense dos Agentes Comunitários de Saúde (Femacs) para comemorar a aprovação da Emenda Constitucional que criou o piso salarial da categoria.

– A proposta estava parada há dez anos no Congresso e ajudei a aprovar – conta Weverton.

 

Este ano, Weverton também já comemorou com enfermeiros a aprovação do piso salarial da categoria.

Ligado historicamente à esquerda, o senador pedetista já recebeu apoio à sua candidatura de setores do PT, do PSB e do PSOL; é um dos mais fortes candidatos entre os servidores públicos e tem forte identificação com as lutas do trabalhador no campo.

Sua bandeira de esquerda Weverton levanta desde jovem, no movimento estudantil e na luta da juventude socialista.

No Congresso, primeiro como deputado federal, depois como senador, sempre votou a favor das pautas progressistas, na defesa do trabalhador e contra o autoritarismo.

Na política, Weverton sempre esteve ao lado do ex-governador Jackson Lago, uma das lendas da esquerda brasileira, referência internacional socialista; a relação é tão forte que o senador é visto nacionalmente como o herdeiro político do pedetista.

Com os agentes de endemias, categoria que também conta com o apoio do senador pedetista em Brasília

No Maranhão, sempre esteve na oposição ao chamado grupo Sarney, atuando diretamente nas ruas, em passeatas, movimentos grevistas e atos públicos.

Em Brasília, como deputado e senador, combateu o golpe contra a ex-presidente Dilma e denunciou a prisão do ex-presidente Lula.

É por sua história em favor da classe trabalhadora que Weverton é procurado primeiramente em Brasília pelas categorias que buscam ajuda dos congressistas maranhenses.  

E é por sua história que ele tem base tão consolidada nos setores progressistas e nos movimentos sociais maranhenses.

Uma base histórica e natural…

2

Flávio Dino exclui Brandão de comitê das universidades pró-Lula

Como o governador-tampão tem pouca penetração na academia – que o vê como coronel do sertão maranhense – seu padrinho decidiu ignorar seu nome em evento que reúne professores ligados ao seu projeto de poder nas universidades públicas

 

O evento do meio universitário com Dino; sem identidade no setor, Brandão ficou de fora

Na sua tentativa de tornar-se “dono” da candidatura de Lula no Maranhão – e para tentar burlar sua pouca penetração nos movimentos sociais – o ex-governador Flávio Dino (PSB) decidiu promover um tal “Comitê de Luta das Universidades” em defesa da “Pré-candidatura de Lula”.

Mas, curiosamente, Dino decidiu banir do evento – inclusive das mídias divulgadoras – o seu candidato a governador, o tampão Carlos Brandão (PSB).

Aliás, Dino mantém Brandão escondido de todo e qualquer evento pró-Lula com a base da esquerda.

A explicação estaria na pouca – ou quase nenhuma – identidade ideológica de Brandão com a candidatura de Lula e, muito menos, com a comunidade acadêmica, sobretudo nas universidades públicas.

Neste segmento, Brandão é visto como um coronel da política do sertão maranhense, sem nenhuma ligação com os movimentos sociais e com os reclames das universidades públicas.

A movimentação do próprio Flávio Dino neste segmento é uma tentativa de mostrar penetração social na base da esquerda, que ele não tem, como mostrou o blog Marco Aurélio D’Eça no post “Fora do governo, Flávio Dino não consegue construir agenda popular…”

Tanto que, para o evento, Dino convidou apenas gente ligada a ele próprio na Uema, na Ufma e no Ifma.

Mas Brandão continuará excluído dos eventos pró-Lula em círculos fechados de Flávio Dino.

Por absoluta falta de identidade ideológica com o ex-presidente…

6

“Minha história com Lula fala mais alto que qualquer coligação formal”, diz Weverton

Senador do PDT diz que o Palácio dos Leões tenta afastá-lo do ex-presidente – com quem tem ligação histórica – por que sabe que o governador-tampão Carlos Brandão sempre foi de direita, que agora está volta ao governo, “junto com o que há de mais antigo na política do Maranhão”

 

Weverton tem fotos para todos os gostos com Lula, por que sempre esteve ligado ao ex-presidente e ao PT, na luta pelos trabalhadores…

O senador  Weverton Rocha (PDT) reagiu à altura nesta terça-feira, 10, a mais uma tentativa do Palácio dos Leões, do governador-tampão Carlos Brandão e do deputado federal Márcio Jerry (PCdoB) de tentar afastá-lo do ex-presidente Lula.

– Há uma tentativa insistente em me dissociar do Lula por que sabem que a minha história fala mais alto do que qualquer coligação formal que eles possam fazer com o PT – afirmou o senador.

…A relação é tanta que até os filhos do senador e a eposa já posaram para fotos na casa do ex-presidente…

 

O governo Flávio Dino e o tampão primeiro tentaram criar a candidatura bolsonarista de Dr. Lahésio Bonfim para enfrentá-los no segundo turno, acreditando na desistência de Weverton; fracassados, tentam agora transformar o próprio Weverton em bolsonarista.

– Desafio que mostrem qualquer votação minha a favor do governo Bolsonaro ou contra os trabalhadores; desafio que mostrem uma atitude minha contra o ex-presidente Lula. E desafio o governador Brandão a mostrar que esteve do lado de Lula antes destas eleições – rebateu Weverton.

Weverton esteve em jantar com o ex-presidente, em Brasília, onde recebeu apoio para seu projeto de disputar o Governo do Estado…

Ligado historicamente ao ex-presidente, com quem esteve em todas as eleições que o petista disputou, Weverton foi o primeiro – e único – maranhense a visitá-lo na cadeia, em Curitiba, após o golpe contra o qual o pedetista votou contra na Câmara Federal.

A relação de Weverton com Lula se estreitou ainda mais nestas eleições, em que o ex-presidente já declarou publicamente que prefere o senador ao candidato escolhido pelo ex-governador Flávio Dino.

…E nas conversas que teve com o petista em São Paulo, recebeu a certeza de que Lula prefere a sua eleição a do tampão Carlos Brandão

Sem relação com Lula, Brandão tenta há meses, sem sucesso, conseguir uma foto convincente com o ex-presidente; ele quer fotos iguais  – ou pelo menos próximas – das que Weverton tem com Lula o longo de sua história, e ainda mais agora, nestas eleições.

– Estão tentando nacionalizar o debate por querem evitar discutir o que mais interessa: o empobrecimento do Maranhão, a miséria e a pobreza espalhada pelo estado – afirmou.

Miséria que só piorou nos últimos quase oito anos de Flávio Dino. (Entenda aqui, aqui, aqui e também aqui)

Mas esta é uma outra história…

8

Chapa de esquerda pró-Lula dá sinais de esgotamento

Ex-presidente já é claramente ameaçado pelo presidente Jair Bolsonaro em, São Paulo, maior colégio eleitoral do país, o que aponta para a conclusão de que a aliança de PT com PSB e PCdoB pode estar fechada em nicho que precisa ser ampliado ao centro

 

Sem ampliar apara além da esquerda, Lula corre sérios riscos contra o presidente Jair Bolsonaro; mas há petistas e esquerdistas que não compreendem assim

A pesquisa do Instituto Paraná, que apresentou empate técnico entre o ex-presidente Lula (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL) em São Paulo – com o atual mandatário numericamente à frente – foi festejada em todo o país por bolsonaristas; e minimizada por petistas.

Mas é preciso analisar friamente os números e entender a conjuntura.

Há tempos, o próprio Lula vem afirmando ao seu aliados que a coligação genuinamente de esquerda entre PT, PCdoB e PSB não agrega para além do próprio círculo ideológico; ele busca formas de ampliar esta aliança com MDB, PSD, PDT e outros partidos de centro.

Neste aspecto, a candidatura do pedetista Ciro Gomes passa a ser espécie de fiel da balança para o ex-presidente.

Mas Lula enfrenta resistências dos mais radicais esquerdistas, que pregam o purismo da chapa – tanto que fizeram força contra a entrada do próprio ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) na chapa.

Bolsonaro navega entre a direita mais radical e extremista e o centro; não agrega ideologicamente em nenhuma aspecto, mas tem a força da máquina do governo para alavancá-lo em todo o país.

A pesquisa do Instituto Paraná é, portanto, um sinal de alerta para Lula e seus aliados….

4

PT ideológico fica com Weverton; PT fisiológico vai com Brandão

Dirigentes partidários com cargos no governo-tampão para si e para parentes – controlados por Flávio Dino – estão alinhados à candidatura do governador tucano-socialista; a parte tradicionalmente ligada às pautas da esquerda, aos movimentos sociais e às lutas dos trabalhadores fecham com o senador pedetista

 

A relação de Lula com Weverton é natural por que é histórica, desde que o senador ainda era militante do movimento estudantil

Ensaio

As eleições para governador do Maranhão produziram neste 2022 uma das mais claras e reluzentes divisões de conceito no PT maranhense.

O partido hoje tem duas caras absolutamente definidas: uma ideológica, alinhada às lutas da esquerda, à classe trabalhadora e ao aos movimentos sociais, e outra que se mostra fisiológica, ávida por cargos para dirigentes e parentes.

A parte ideológica, que se mostrará nesta quarta-feira, 20, em encontro na sede da Fetaema, está abertamente apoiando a candidatura do senador Weverton Rocha (PDT).

A outra parte, a fisiológica, está alinhada ao governador-tampão Carlos Brandão (PSB), que distribui cargos a torto e à direita na tentativa de se mostrar ao aldo do ex-presidente Lula.

A divisão no PT se dá também pelo histórico dos próprios candidatos a governador.

Brandão é historicamente ligado ao coronelismo e à política tradicional no interior do estado; não compreende o movimento sindical, não tem relação com a luta dos trabalhadores e vê com estranheza pautas modernas como o empoderamento feminino, a concessão de direitos LGBTQIA+, a luta dos negros e quilombolas e a divisão de terras improdutivas no interior.

Agora filiado ao PSB, Carlos Brandão é, na verdade, tucano histórico, ligado ao presidenciável João Dória, do PSDB

Weverton, por sua vez, filiado desde sempre ao PDT, atua na esquerda desde o movimento estudantil; comandou a UNE, atuou sempre em pautas trabalhistas, na defesa dos trabalhadores, é militante da causa de negros, mulheres, LGBTQIA+ e tem relação direta com os sindicatos e centrais sindicais, como Fetaema, CUT, Sindsep e outras entidades da classe trabalhadora.

Enquanto Brandão esteve calado durante o golpe contra a presidente Dilma e chegou a chamar Lula de estelionatário, Weverton pregou contra o golpe e foi o primeiro maranhense a visitar a cadeia em Curitiba, para onde foi levado o ex-presidente.

Não há dúvidas, portanto, de que há dois PT’s atuando nas eleições maranhenses: um fisiológico e outro ideológico.

E a atuação de cada um, com todos seus instrumentos de persuasão, definirá também de que lado estará o eleitor comum.

Simples assim…

2

Flávio Dino tenta controlar PT, que está rachado entre Weverton e Brandão

Ex-governador controla o partido com mão de ferro no Maranhão, traçando, inclusive, seus destinos políticos-eleitorais, em troca de cargos no governo, mas a parte mais histórica da legenda prefere seguir com a candidatura do senador pedetista, mais identificado com as lutas do campo progressista, que o governador-tampão sempre combateu

 

Lula prefere Weverton n o Maranhão, apesar da cooptação de petistas pelo Palácio dos Leões, em troca de empregos e cargos

Todos os esforços do Palácio dos Leões para ter o PT na chapa do governador-tampão Carlos Brandão (PSB) são feitos unicamente pelo ex-governador Flávio Dino (PSB).

Sem nenhuma identificação com a esquerda, Brandão deixa ao seu antecessor – que controla algumas das lideranças petistas no Maranhão – a tarefa de cooptação para formar o palanque, em troca de cargos e espaços no governo.

Mas nem isso tem adiantado.

A parte mais progressista e menos fisiológica do PT maranhense decidiu fechar com o senador Weverton Rocha (PDT), historicamente identificado com a luta do PT e do campo progressista.

Estão no grupo com Weverton – que realiza nesta quarta-feira, 20, encontro na sede da Fetaema, no Araçagy – lideranças como o pré-candidato a senador Paulo Romão, o presidente do PT municipal, Honorato Fernandes, e o ex-secretário de Esportes Márcio Jardim, além de dirigentes sindicais e lideranças de movimentos sociais ligados ao PT.

No apoio ao senador do PT estão lideranças petistas de todo o estado, que optaram por um candidato mais identificado com as lutas da esquerda

Weverton tem também a preferência do próprio ex-presidente Lula e das principais lideranças nacionais petistas, como o ex-ministro José Dirceu e o líder da bancada no Congresso, Paulo Rocha.

Essa força do senador pedetista no PT tem levado a campanha do governador-tampão a tentar colar sua imagem à de Bolsonaro, na esperança de que petistas-raiz afastem-se dele e sigam com o Palácio dos Leões.

O encontro desta quarta-feira vai reunir petistas de todo o Maranhão fechados com Weverton.

Brandão, por sua vez, vai continuar dependendo de Flávio Dino para evento igual…

4

Movimentos sociais e sindicais fechados com Weverton Rocha

Fetaema, setores da CUT, Sindsep e outras representações de categorias profissionais de trabalhadoras e trabalhadores apostam na candidatura do senador pedetista, por considerá-lo mais identificado com as lutas das classes menos favorecidas

 

Petistas mais vinculados historicamente ao campo progressista querem a dobradinha Lula/Weverton

A Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do Maranhão (Fetaema) reafirmou nesta quarta-feira, 6, apoio á candidatura do senador  Weverton Rocha (PDT) ao Governo do Estado.

No mesmo dia, o Comitê Popular Maranhense divulgou convite eletrônico para o Encontro Estadual de Petistas com Lula e Weverton.

O encontro será na própria sede da Fetaema, em Araçagy.

A Fetaema é uma das mais representativas entidades da classe trabalhadora maranhense, mas não é a única do campo progressista que apoia o senador do PDT.

Setores da Central Única dos Trabalhadores (CUT), o Sindicato dos Servidores Públicos Federais (Sindsep) e diversas outras representações da classe trabalhadora e do campo progressista apoiam Weverton, considerado muito mais identificado com as lutas socais que o conjunto dos demais candidatos a governador.

Curiosamente, todas essas entidades são vinculadas ao PT e a outros partidos de esquerda, como PCdoB, PSB e PSOL, que também têm candidaturas ao governo.

Forjado no movimento estudantil e filiado desde sempre ao PDT – um dos mais representativos partidos da esquerda brasileira – Weverton sempre atuou no mesmo campo da CUT, da Fetaema, do Sindsep e das lutas progressistas.

No encontro do dia 20, os trabalhadores rurais anunciarão reforço à caravana do senador no interior maranhense.

1

Centro-esquerda tem 48% dos votos maranhenses; direita soma 36%

O chamado campo mais progressista – com forte vinculação às lutas sociais e dos trabalhadores, garante quase metade do eleitorado no estado; os setores da sociedade mais conservadora, por outro lado, superam 1/3 do eleitorado maranhense

 

Claramente divididos como opções de esquerda e de direita, os pré-candidatos a governador alcançam 84% da população maranhense já pesquisada

Ensaio

O números da última pesquisa Escutec/TV Mirante sobre as eleições maranhenses revelam uma forte divisão entre os campos da direita e da esquerda na busca pelo eleitorado.

O chamado campo progressista, que reúne candidatos de centro-esquerda soma 48% das intenções de voto; são 22% em Carlos Brandão (PSB), 21% de Weverton Rocha (PDT), 2% de Enilton Rodrigues (PSOL), 2% de Simplício Araújo (Solidariedade) e 1% de Hertz Dias (PSTU).

Do outro lado, estão os candidatos da direita – a maioria vinculada ao bolsonarismo, em maior ou menor grau – que juntam nada menos que 36% do eleitorado maranhense.

São 12% de Edivaldo Júnior (PSD), 10% de Roberto Rocha (PTB), 9% de Lahésio Bonfim (PSC) e 5% de Josimar Maranhãozinho (PL).

A análise dos números revela que – com dois candidatos no topo da tabela – a esquerda pode estar sozinha em um eventual segundo turno; e a direita seria o fiel da balança nessa disputa.

Mas as chances de um representante da direita chegar ao segundo turno existe – ainda que remota – e vai depender do grau de polarização da disputa nacional entre o ex-presidente Lula (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL).

Essa disputa com um bolsonarista é sonhada pelo Palácio dos Leões, que jogou pesado – mas fracassou – na tentativa de esvaziar o senador Weverton Rocha.

Os números da Escutec reforçaram a capilaridade eleitoral do pedetista.

Com maior vínculo que Brandão nos movimentos sociais, sindicais do campo progressistas e nos segmentos mais populares, Weverton tende a se consolidar como opção de segundo turno, seja contra Brandão, seja contra um representante da direita.

E a pesquisa Escutec também já mostrou esse vínculo direto com a população…

0

Corrente do PSOL declara apoio a Weverton Rocha…

Três dias depois de o governador Flávio Dino assumir o interesse em eleger o tucano Carlos Brandão, esquerda maranhense reafirma compromisso de formar o palanque de Lula ao lado do PDT

Em uma extensa nota divulgada no final da noite desta quarta-feira, 1°, uma das correntes do PSOL maranhense anunciou seu apoio ao senador Weverton Rocha (PDT) na disputa pelo Governo do Estado.

De acordo com o documento do partido, em um momento de luta contra o facísmo e as forças de direita – e logo após o anúncio do “apoio pessoal” do governador Flávio Dino (PSB) ao tucano Carlos Brandão – é fundamental que as forças de esquerda se unam em defesa dos trabalhadores.

Os psolistas defendem no Maranhão o palanque de Lula presidente, com PT e PDT, unidos contra as forças ultrapassadas e os segmentos da extrema direita.

Com o encaminhado apoio do PSOL, Weverton soma agora sete partidos em seu palanque.