2

Nova contaminação atinge países que afrouxaram isolamento…

Estados Unidos, China, Alemanha e Irã são obrigados a declarar novo bloqueio em várias cidades que decidiram abrir atividades comerciais e experimentaram nova onda de casos de coVID-19; no Maranhão, governador decide hoje se afrouxa o distanciamento

 

A expectativa nesta quarta-feira, 20, é para o anúncio do governador Flávio Dino sobre o isolamento no Maranhão, no mesmo dia em que estouram notícias de recontaminação em vários países

No dia em que o governador Flávio Dino (PCdoB) deve anunciar novas regras para o isolamento social no Maranhão – com possibilidade de abertura de novos setores do comércio – estouram casos de recontaminação em diversos países que experimentaram esse afrouxamento.

Na China, no Irã, na Alemanha e nos Estados Unidos, dentre outros países, o governo está voltando a fechar estabelecimentos após constatar uma segunda onda de contaminação do coronavírus. (Saiba mais aqui)

Desde meados de abril, Flávio Dino vem sendo duramente pressionado por setores do comércio e da indústria para afrouxar as regras do isolamento e permitir a abertura de novos tidos de atividades.

O lobby pelo fim do confinamento envolve também setores do segmento evangélico.

Nessa guerra de bastidores, o governador já apresentou recuos e avanços nas ações contra o coronavírus. (Entenda aqui e aqui)

Na semana passada, quando o presidente Jair Bolsonaro assinou decreto autorizando funcionamento de salões de beleza, barbearias e academias de ginástica, Dino garantiu que nada mudaria no Maranhão até esta quarta-feira, 20, quando encerra-se a validade do decreto de isolamento social.

Mas o próprio Dino já ressaltou que deve ampliar o rol de atividades essenciais, o que deve incluir, exatamente, salões de beleza, barbearias e academias de ginástica.

As notícias mundo a fora no dia do seu anúncio, no entanto, devem servir, ao menos, para que o governador reflita sobre suas ações.

Afinal, uma segunda onda de contaminação pode ser devastadora no Maranhão…

0

Imperatriz: Prefeitura orienta comércio no primeiro dia de flexibilização

Nesta segunda-feira, 18 de meio, primeiro dia de reabertura gradual do comércio em Imperatriz, as secretarias municipais de Planejamento Urbano, Seplu; Fazenda e Gestão Orçamentária, Sefazgo, e Superintendência de Proteção e Defesa Civil, Sumpdec; realizaram ação conjunta de fiscalização e orientação no setor comercial. Fiscais e demais servidores da Prefeitura deram informações sobre as medidas preventivas e exigências do novo Decreto Municipal que dispõe sobre o funcionamento de atividades econômicas organizadas e afins, em período de enfrentamento à pandemia da Covid-19.

“A determinação do prefeito Assis Ramos é que neste primeiro momento façamos um trabalho educativo. O novo decreto autoriza o funcionamento gradual do comércio e que eles funcionem de acordo com as determinações, que seguem orientações sanitárias. Vale ressaltar que serão realizadas ações de fiscalização das medidas preventivas e caso haja descumprimento das exigências haverão penalidades, inclusive com a cassação do alvará de funcionamento”; destacou a titular da Seplu, Lenise Ferreira.

Com a flexibilização, o comércio em geral funcionará em horário comercial, 08h às 18h, permitida a venda de mercadorias exclusivamente pelos sistemas delivery e drive thru, com fita de isolamento na porta do estabelecimento, para controle do fluxo de pessoas. Os shoppings centers funcionarão em horário normal, 10h às 22h, e seguirão os mesmos critérios e está  proibida a disposição de mesas e cadeiras na praça de alimentação.

Em todos os estabelecimentos, apenas o funcionário autorizado deverá entregar a mercadoria ao cliente, que aguardará em sua residência ou em veículo automotor. A entrada de clientes nos estabelecimentos comerciais está proibida, exceto para pagamentos de prestações, devendo ser controlada em número máximo de 03 pessoas, e, para as lojas de departamento, no limite de 10 pessoas. É vedado, inclusive, a utilização de provadores de roupas, sapatos ou de qualquer produto que esteja à venda. As máquinas de cartão de crédito e débito devem ser higienizadas após o uso e podem ser envolvidas em papel filme.

Para ingresso às dependências das lojas, deverá ser exigida a utilização de máscara de tecido, não tecido (TNT), ou tecido de algodão, usada em tempo integral, pelos funcionários, lojistas, colaboradores e clientes.

3

População curte feriadão como se não existisse coronavírus…

Mesmo diante do aumento do número de contaminados pela CoVID-19 – e às vésperas da decretação do lockdown determinado pela Justiça – cidadãos passam o dia nas praias e em passeios por São Luís

 

Banhistas curtem a praia do Calhau em pleno feriado, mesmo diante das medidas de restrição e às vésperas do lockdown em São Luís

Cada pontinho marcado na foto acima é uma pessoa.

Elas estão curtindo este feriado de 1 de maio na praia, como se tudo estivesse normal em São Luís.

As praias lotadas nesta sexta-feira são apenas exemplos da desinibição do povo às regras de isolamento social.

Mas há um outro problema detectado pelo blog Marco Aurélio D’Eça: a falta de fiscalização dos órgãos de controle e segurança.

Embora as autoridades passem Índia a cobrar que as pessoas não se aglomerem nas ruas, não há, nos pontos críticos – como

Os supermercados ficaram lotados na noite de quinta-feria, por causa do feriado, mas também pelo anúncio intempestivo do lockdown

Praias, agências bancárias, supermercados e lotéricas – nenhum policial ou agente de segurança para controlar essas aglomerações.

O problema é ideológico.

A maioria dos policiais militares é alinhada ao pensamento do presidente Jair Bolsonaro, e acha que o cidadão deve ter o direito de ir e vir.

É, portanto, um problema a mais para o controle lockdown a partir da próxima terça-feira, 5…

3

STF salvou o país da insanidade sanitária de Bolsonaro…

Ao decidir que estados e municípios têm autonomia para impor medidas de contenção do novo coronavírus, ministros da Suprema Corte criam antídoto contra o presidente, que força há semanas pelo fim da quarentena e até demitiu seu ministro para alcançar este objetivo

 

Bolsonaro foi derrotado no Supremo tribunal Federal, que salvou o país de sua insanidade: não cabe decreto contra o isolamento

Editorial

Pouca gente se deu conta, mas a decisão do Supremo Tribunal Federal nesta quarta-feira, 15, garantindo autonomia a estados e municípios na formulação de ações contra o coronavírus, foi uma garantia de sobrevivência ao país. 

Com a decisão, os ministros do STF criaram uma espécie de antídoto à insanidade do presidente Jair Bolsonaro, que insiste em liberar geral o isolamento social – e para isso vai até demitir seu ministro da Saúde.

O Supremo Tribunal Federal decidiu que a determinação de isolamento nos estados e municípios não fere a Constituição.

Bolsonaro vem lutando de todas as formas , lícitas e ilícitas, para acabar com o distanciamento social no país. Por diversas vezes foi desautorizado pelo seu ex-ministro da Saúde, Henrique Mandetta, que é médico.

Para tentar impor sua vontade, ele demitiu Mandetta nesta quinta-feira, 16, numa tragédia anunciada que já durava semanas.

Agora que o STF se posicionou, Bolsonaro pode até nomear alguém no Ministério da Saúde que faça o que ele quer, mas não poderá impedir governadores e prefeitos de decretar o isolamento em seus estados e municípios.

E assim, o Supremo tão odiado pelos bolsomínions salva o Brasil da pandemia.

E do próprio Bolsonaro…

0

Roberto Rocha de volta à cena…

Senador do PSDB passou a ver complô de comunistas e sarneysistas contra sua candidatura, que, sequer, conseguiu se viabilizar entre os partidos maranhenses

 

Roberto Rocha se isola e reclama de polarização sem ele

Após período de férias natalinas em que praticamente isolou-se do debate eleitoral no Maranhão, o senador Roberto Rocha (PSDB) – ou pelo menos os seus aliados mais próximos – voltou à cena com um discurso que em nada lembra um candidato em condições de vencer o pleito: o tucano resolveu ver um suposto complô entre sarneysistas e dinistas para polarizar a eleição entre o governador Flávio Dino (PCdoB) e a ex-governadora Roseana Sarney (MDB).

Para Rocha – ou seus aliados mais próximos – isso teria o objetivo de isolá-lo na eleição de outubro.

O senador tucano só não percebe que seu isolamento ocorre por causa de sua própria postura, que ora acena para os dinistas, ora para os sarneysistas, sem criar vínculo algum com qualquer grupo político.

O resultado é um PSDB sem alianças às vésperas da campanha.

Livres de qualquer complô, são os números que dizem que a eleição está polarizada entre Flávio Dino e Roseana.

O desempenho de Roberto Rocha nesses mesmos levantamentos não justifica os protestos do senador contra a possibilidade de haver uma eleição polarizada. Há muita água para rolar até outubro e insinuar um complô a essa altura é mera especulação.

Cabe ao senador do PSDB botar o bloco nas ruas e tentar se imiscuir no embate entre comunistas e sarneysistas.

Mas ele não conseguirá esse feito apostando apenas em intervenções nacionais nos partidos políticos, achando que, a ele, basta o tempo de TV. É preciso convencer o eleitor sobre sua credibilidade.

E antes de chegar ao bloco Dino/Roseana, terá que superar outros nomes, como os de Ricardo Murad (PRP), Maura Jorge (PODE) e Eduardo Braide (PMN).

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão