0

Fala de Sarney reflete o resgate do seu grupo no governo Brandão…

Dez anos depois de ver o candidato da filha derrotado pelo grupo que tinha o atual governador na chapa encabeçada por Flávio Dino, ex-presidente da República fala de uma "paz política" que beneficiou abertamente o sarneysismo; o que mudou no Maranhão nesta década do chamado

Read more
0

Governistas já comparam Braide a Castelo; aliados do prefeito preferem lembrar “Força Total” de Jaime Santana…

Aliados do governador Carlos Brandão entendem que o prefeito de São Luís caminha para repetir 2012, quando o então gestor do PSDB perdeu a eleição por isolamento político; mas os braidistas preferem outra disputa, a de 1985, quando o então deputado federal Jaime Santana – com apoio da prefeitura, do governo e do presidente da República –  perdeu, mesmo assim, a eleição para Gardênia Gonçalves

 

Castelo e Dona Gardênia, com a filha, Gardeninha, em imagem do início de 2011; personagens icônicos da política, hoje lembrados como case eleitoral

Ensaio

Dez entre dez aliados do governador Carlos Brandão (PSB) têm convicção neste momento da pré-campanha que o prefeito Eduardo Braide (PSD) repetirá as eleições de 2012, quando o então prefeito João Castelo (PSDB) perdeu a reeleição para o deputado federal Edivaldo Júnior (então no PTC), por isolado político-partidário.

Naquela eleição, Castelo era o favorito, mas brigou com “deus-e-o-mundo” e perdeu aliados importantes, no PDT, DEM, PSB, MDB e outras legendas, que avalizaram a candidatura do insípido Holandinha. 

Deputados federais, estaduais, jornalistas e auxiliares do governador ouvidos por este blog Marco Aurélio d’Eça ao longo das últimas semanas não têm dúvidas de que a postura de Braide o levará à derrota para o deputado federal Duarte Júnior (PSB), “que vem forte, apoiado por Brandão e pelo presidente Lula (PT)”.

De fato, Duarte Júnior ampliou sua base de apoio significativamente na virada do ano, ao receber o apoio de Brandão e atuar diretamente na base de Lula; o deputado reúne a maioria dos grandes partidos maranhenses, de todas as correntes, do PSDB ao MDB, do PSB ao PT, passando por PP, Podemos, e, provavelmente, o União Brasil e o PL.

Mas os aliados do prefeito Eduardo Braide, que lidera as pesquisas e tem a gestão aprovada pela população, preferem lembrar de uma outra eleição, bem mais antiga: a disputa de 1985, entre a então ex-primeira-dama do Maranhão Gardênia Gonçalves (PDS) e o então deputado federal Jaime Santana, da lendária “Frente Liberal”.

Á época, Santana chegou à disputa com apoio do então prefeito Mauro Fecury (PFL), do então governador Luiz Rocha e de ninguém menos que o então presidente da República José Sarney – exatamente o que ocorre hoje com Duarte Júnior; a “Força Total” embalou Jaime Santana durante toda campanha com uma ação conjunta de prefeitura, governo e presidência nunca vista em São Luís.

São Luís nunca viu tanto asfalto jogado nos bairros mais longínquos da cidade; nunca viu tanto aterro espalhado por toda parte; obras, ações, vereadores e deputados presentes nos bairros; o resultado foi uma vitória consagradora de Gardênia, com o apoio solitário do marido, o mesmo João Castelo de 2012.

Este blog Marco Aurélio d’Eça abordou a história de 1985 exatamente em junho de 2012, no post “A onipresença de João Castelo”, em que lembra suas façanhas contra a “Força Total” de Jaime Santana e outra, igualmente poderosa, que embalou o hoje futuro ministro do STF, Flávio Dino, em 2008.

As histórias lembradas neste início de campanha eleitoral são significativas para entender o momento político no Maranhão;

Braide, com seu isolamento, assim como o Castelo de 2012, mas também como a Gardênia de 85.

E Duarte Júnior, com a mesma “força total” que embalou Jaime Santana.

O tempo dirá quem tem razão…

0

Grupo Sarney torce – e age – contra Dino no STF…

Aliados do ex-presidente da República – que atua diretamente pela escolha de Bruno Dantas – entendem que a não indicação do ministro da Justiça – que até hoje é visto como adversário, apesar da aproximação dos últimos anos – seria uma derrota política importante, com forte influência no Maranhão

 

Sarney até sorri ao lado de Flávio Dino, mas não gostaria de vê-lo no Supremo Tribunal Federal

Para a maior parte da classe política maranhense fora do círculo mais próximo ao ministro da Justiça Flávio Dino, sua ida para o Supremo Tribunal Federal seria, também, uma forma de libertar politicamente o Maranhão; menos para o grupo Sarney. 

A maior parte dos políticos, ex-políticos empresários e profissionais liberais ligados ao ex-presidente da República José Sarney, a não-indicação de Dino seria uma derrota importante para o ex-comunista, que teria implicações diretas no Maranhão.

O próprio Sarney tem um candidato pessoal para a vaga no STF – o presidente do Tribunal de Contas da União, Bruno Dantas, por quem trabalha fortemente junto ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Adversários históricos desde 2006, quando Dino entrou na política, o ministro e o grupo do ex-presidente se aproximaram a partir de 2018, após duas derrotas impostas pelo ex-comunista, as duas em primeiro turno, incluindo a de 2018 sobre contra a atual deputada federal Roseana Sarney (MDB).

Em 2022, ao mesmo tempo em que apoiou o candidato de Dino ao governo, Carlos Brandão (PSB), Sarney ajudou Dino a ser eleito para a Academia Maranhense de Letras, em uma operação estranha de herança da cadeira que pertencia ao pai do ex-governador, o aliado de Sarney Sálvio Dino.

Mas nem Sarney, muito menos Roseana mostram-se à vontade como aliados dinistas.

O blog Marco Aurélio d’Eça tentou compreender os argumentos dos sarneysistas que veem numa derrota do ministro para o STF uma espécie de livramento do Maranhão das suas influências políticas; não conseguiu.

No entendimento deste blog Marco Aurélio d’Eça, o Grupo Sarney pode até conseguir impor derrota a Dino no STF; mas vai ter que aturar a hegemonia política do ex-comunista ainda por muitos anos.

Simples assim…

0

Bruno Dantas é o principal adversário de Flávio Dino por vaga no STF….

Presidente do Tribunal de Contas da União tem o apoio do Senado e de lideranças do porte do ex-presidente do Senado Renan Calheiros e do ex-presidente da República José Sarney, páreos duros para o ministro da Justiça, que enfrenta forte resistência entre os colegas senadores

 

Dantas e Dino sorriem ao lado do também cotado para o STF Jorge Messias: maranhense enfrenta resistências no Senado

O ministro da Justiça Flávio Dino (PSB) viu crescer nos últimos dias uma ameaça clara ao seu favoritismo para a vaga aberta no Supremo Tribunal Federal após aposentadoria da ministra Rosa Weber.

O presidente do Tribunal de Contas da União, Bruno Dantas, passou a ter apoio aberto e declarado de figurões da República, como o ex-presidente José Sarney e o ex-presidente do Senado, Renan Calheiros (ambos do MDB).

Na semana que passou, o presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e o presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Casa, Davi Alcolumbre (União-AP), fizeram chegar ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva  (PT) dificuldades para aprovação do nome de Dino.

Também esta semana, Sarney esteve com Lula e a imprensa repercutiu que ele teria manifestado interesse pela indicação de Dantas.

Embora tanto ele quanto seus aliados mais próximos neguem, Flávio Dino está, sim, em campanha pela vaga de Rosa Weber; ele passou a se movimentar muito mais após ser chamado por Lula e avisado de que não estaria com essa bola toda entre os colegas de Senado.

O Diário Oficial da União trouxe a aposentadoria da ministra Rosa Weber na edição desta sexta-feira, 29.

A parti de então, Lula já pode indicar, quando quiser, o novo membro do STF para apreciação do Senado…

0

Com Sarney e Dino, Camarão declara-se honrado de representar Brandão na AML

Vice-governador representou o Governo do Estado na sessão da Academia Maranhense de Letras em homenagem aos bicentenário do poeta Gonçalves Dias, que reuniu na mesma mesa o ex-presidente da República e o atual ministro da Justiça, antes desafetos e hoje confrades

Sarney e Dino sorriem como confrades e velhos amigos, acompanhados pelo vice-governador Felipe Camarão; atrás, Haickel também sorri da conversa

O vice-governador  Felipe Camarão (PT) mostrou-se feliz e orgulhoso em estar representando o governador  Carlos Brandão (PSB), nesta quinta-feira, 10, na solenidade de homenagem ao poete Gonçalves Dias, na Academia Maranhense de Letras.

Ele postou foto ao lado do ex-presidente da República José Sarney (MDB) e do atual ministro da Justiça Flávio Dino (PSB).

Visto como desafeto por Dino, Sarney foi o principal fiador da entrada dele na AML; e hoje o ex-presidente é um dos principais aliados do governador Carlos Brandão.

– Uma honra representar o governador Carlos Brandão nas comemorações pelo Bicentenário do poeta Gonçalves Dias e dos 115 anos de fundação da Academia Maranhense de Letras – destacou o vice-governbador.

A imagem postada por Felipe Camarão mostra ele próprio, o ex-presidente e o atual ministro em uma forte gargalhada de confrades; atrás, aparece o também imortal Joaquim Haickel, também sorrindo com o que parece ter sido comentado.

– Templo dos imortais maranhenses que tanto fazem pela nossa cultura e história. Parabéns e contem sempre com o nosso governo – afirmou Felipe Camarão, referindo-se à Academia.

A homenagem aos 200 ambos de Gonçalves Dias foi organizada pelo presidente da AML, desembargador Lourival Serejo…

0

A histórica crítica de José Sarney ao feriado de “adesão” do Maranhão

Ex-presidente não aceita a data de 28 de julho como a que marca a aceitação da independência do Brasil por entender que este gesto se deu por imposição de quem ele chama de “pirata inglês Lord Cochrane”; o maranhense entende que a data certa para a festa é 31 de julho, quando os revoltosos derrotaram, em Caxias, o general João José da Cunha Fidié, defensor da coroa portuguesa

 

Luta em Caxias contra as forças portuguesas representadas por Fidié; para Sarney esta é a data de adesão do Maranhão à independência do Brasil

Resenha

Muito maranhense aproveita o dia 28 de julho para descansar sem sequer saber o motivo do feriado; isso ocorre por que, historicamente, a data de “Adesão do Maranhão à Independência do Brasil” é uma questão historicamente controversa.

O Maranhão foi o último estado a aceitar a criação do Império Brasileiro, o que oficialmente é registrado no dia 28 de julho de 1823, um ano depois do grito de Dom Pedro I.

Entre os que criticam esta data há um ilustre cidadão, o ex-presidente da República José Sarney; para Sarney, o dia correto para festejar a integração do estado às forças contrárias ao controle de Portugal é 31 de julho, quando, em Caxias, as forças revolucionárias derrotaram o general João José da Cunha Fidié, que lutava em favor da coroa portuguesa.

Em artigo de 2022 republicado em alguns setores da imprensa nesta sexta-feira, 28, intitulado “A Data Certa”, o ex-presidente faz o resgate histórico da adesão do Maranhão à independência do Brasil e conclama: “Abaixo o feriado de 28 de julho”. 

– Em junho [de 1823], em São Luís, a Junta Governativa se resolve pelo Império, mas chega guarnição portuguesa, e ela engole a adesão. Acontece então o golpe do pirata Cochrane, que, com um simples navio e um patacho, toma a cidade e exige sua rendição. Faz, então, a adesão de 28 de julho. Mas a guerra, já perto do fim, continua. Cercado em Caxias, o Fidié se rende só no dia 31 de julho. Assim, o nosso Pirajá, de 2 de julho na Bahia, é a cidade de Caxias, 31 de julho, com a rendição de Fidié – conta Sarney em seu artigo. (Leia a íntegra aqui) 

O escocês Thomas Cochrane foi contratado por Dom Pedro I para organizar a Marinha Brasileira; mas para o ex-presidente e membro da Academia Brasileira de Letras não passa de um inescrupuloso pirata, que saqueou a cidade, tomou propriedades de portugueses não-residentes e aprisionou o povo com controle de dívidas, roubou tudo o que pode e voltou para a Inglaterra.

– E nós aqui a comemorar a adesão regida por esse mercenário em vez de honrar a vitória feita pelos valentes cearenses, piauienses e maranhenses, que enfrentaram as armas para assegurar nossa independência! – lamenta o ex-presidente.

É a história do Brasil e do Maranhão contada por quem se dedica a estudá-la e pesquisá-la…

0

Dinistas e brandonistas trocam farpas sobre relação com Sarney explorada na mídia nacional…

Aliados do governador e do ministro da Justiça na mídia maranhense acusam uns aos outros de incentivar um racha entre os dois e de trazer de volta ao centro do poder político o grupo liderado pelo ex-presidente da República, hoje a principal força no Governo do Estado, com ao menos quatro secretários

 

Os olhares entre eles já não são os mesmos, mas Flávio Dino e Brandão ainda tentam manter as aparências

A matéria do jornal O Globo sobre a reaproximação do governador Carlos Brandão com o ex-presidente José Sarney foi publicada cinco dias depois do encontro dos dois, na famosa casa da família Sarney, no Calhau; Brandão fez um gesto de delicadeza a Sarney, que se recuperava de uma queda dias antes.

Desde a publicação do jornal carioca, aliados de Dino e de Brandão na mídia maranhense trocam acusações sobre de quem é o interesse de vender à mídia nacional essa volta dos Sarney ao centro do poder.

Os brandonistas veem na matéria os dedos de Dino para tentar expor Brandão em Brasília, como responsável por trazer de volta a política que ele, Dino, havia derrotado ainda em 2014; e lembram que, antes de Brandão, o próprio Dino já havia se aproximado do grupo do ex-presidente da República.

Dinistas mais afoitos falam até em um tal “esquema carcomido”, em texto que ora põe os Sarney como vítimas da maldade dos que “querem forçar o rompimento do do governador com o ministro”, ora vê os próprios Sarney como interessados nesse afastamento.

Há também os que tentam por panos quentes, sabe-se lá com que objetivo, uma vez que os fatos e movimentos estão aí para quem quiser ver.

Enquanto a arraia miúda vai se esforçando para entender – ou até conter – o racha, Dino e Brandão vão dando recados um ao outro, forçando-se mutuamente a tomar, primeiro, a decisão do rompimento.

Com seu poder em Brasília, Dino tenta represar interesses do governo Brandão.

Que em resposta usa o poder de Sarney para furar o bloqueio a Lula.

Até que uma hora a corda arrebenta…

0

O Globo só disse de Flávio Dino e Brandão o que este blog diz desde o fim da eleição…

Matéria do jornal carioca confirmando o afastamento entre o ministro da Justiça e o governador do Maranhão ganhou interpretação de acordo com a identificação ideológica de cada analista, mas nenhuma delas consegue mais esconder o óbvio, revelado pelo blog Marco Aurélio d’Eça ainda durante a transição: os dois já não são mais aliados nos mesmos níveis de outrora, como mostra a linha do tempo desde a pré-campanha de 2022

 

Visita de Brandão a Sarney em São Luís; ex-presidente é hoje a opção do governador para furar o bloqueio criado por Flávio Dino em torno de Lula

Análise da Notícia

Ganhou uma forte repercussão no Maranhão a matéria do jornal O Globo desta segunda-feira, 14, confirmando o afastamento político entre o ministro da Justiça Flávio Dino e o governador Carlos Brandão (ambos do PSB); a matéria é, na verdade, uma compilação de diversas situações ocorridas ao longo dos últimos dois anos, a maioria delas tratadas pelo blog Marco Aurélio d’Eça.

O fato incontestável confirmado por O Globo, tratado pelos analistas maranhenses que abordaram a matéria do jornal carioca e que já havia sido antecipado nesta página: Flávio Dino e Brandão já não rezam a mesma cartilha.

O afastamento começou a ganhar cores públicas em março, quando Brandão decidiu afastar de sua gestão os principais operadores de Flávio Dino, a exemplo do ex-chefe da Casa Civil, Diego Galdino, do então secretário de Segurança, coronel Sílvio Leite e, principalmente, do presidente da Emap, Ted Lago.

A exoneração de Lago do comando do Porto do Itaqui, aliás, foi destrinchada pelo blog Marco Aurélio d’Eça em post próprio, em janeiro, com o título “Demissão de Ted Lago foi a maior pera de Flávio Dino no governo Brandão…”.

Mas o clima já não vinha bom desde o fim da campanha, com a reaproximação pública do governador, agora reeleito, e o grupo Sarney, relação avalizada no início pelo próprio Dino, que depois passou a reclamar a aliados no Maranhão e em Brasília.

Brandão abraçou os Sarney, levou diversos membros do grupo para o coração do governo e estreitou ainda mais a relação que já era íntima entre Dino e o grupo Mirante, braço de comunicação da família do ex-presidente da República.

Outro golpe do governador nas pretensões de hegemonia do grupo dinista se deu na eleição da Assembleia, novamente antecipada pelo blog Marco Aurélio d’Eça.

Ainda em novembro, quando toda a mídia maranhense reforçava uma possível reeleição do presidente Othelino Neto (PcdoB) – ou, no máximo, uma disputa deste com decanos, tipo Antonio Pereira (PSB) ou Arnaldo Melo (PP) – o blog Marco Aurélio d’Eça trouxe a informação definitiva, no post “Brandão quer homenagear mulheres com Iracema Vale no comando da Assembleia…”.

Iracema foi eleita presidente da Assembleia em fevereiro; e reeleita em junho para um segundo mandato a ser iniciado apenas em 2025, fato contestado no Supremo Tribunal Federal, como uma espécie de troco de Dino, assim como apontado no post “Tese contra reeleição de Iracema foi levandata pelo próprio PSB…”.

Esvaziado no governo, Flávio Dino decidiu dedicar suas atenções para o governo Lula, no qual fora alçado ministro da Justiça.

E desde então criou uma espécie de muro entre Brandão e Lula; para não ficar sem acesso ao presidente em Brasília, o governador procurou quem? Ninguém menos que o próprio Sarney, história também contada no blog Marco Aurélio d’Eça, no post “A guerra entre Flávio Dino e Sarney por Brandão em Brasília…”.

Os Sarney deram a Brandão o comando do MDB maranhense, numa movimentação que passa pelas eleições municipais de 2024, mas tem como pano de fundo a ainda distante sucessão de 2026.

Três dias antes da reportagem de O Globo – e seis dias depois do post do blog Marco Aurélio d’Eça sobre a guerra entre Dino e Sarney por acesso de Brandão a Lula – Brandão gerou a imagem que ilustra este post, com uma visita pessoal ao ex-presidente Sarney, que estava se recuperando de uma queda em sua casa.

Esta é a linha do tempo da relação de Flávio Dino e Carlos Brandão, história que também foi antecipada no blog Marco Aurélio d’Eça, ainda em maio de 2021, no visionário post intitulado “Pauta de centro-esquerda tende a aproximar agendas de Flávio Dino e Weverton Rocha…”.

Mas esta é uma outra história…

0

Brandão visita Sarney….

Governador vai à casa do ex-presidente, que se recupera de uma queda, gerando um fato político de forte repercussão, seis dias após post do blog Marco Aurélio d’Eça que trata da relação das duas lideranças políticas em Brasília

 

Sarney tem sido forte aliado de Brandão, que o visitou em casa nesta semana, como mostra a foto do blog de John Cutrim

A imprensa digital maranhense divulga nesta quinta-feira, 20, uma visita do governador Carlos Brandão (PSB) ao ex-presidente da República José Sarney, que se recupera de uma queda ocorrida no último domingo, 16.

Embora de caráter pessoal, a visita de Brandão a Sarney reforça os laços que o governador vem estreitando com o ex-presidente – e com seu grupo político – desde a posse, em 1º de janeiro.

O governador tem motivos para ser agradecido e se solidarizar com o ex-presidente.

E o encontro se dá uma semana após post do blog Marco Aurélio d’Eça, intitulado “A guerra entre Flávio Dino e Sarney por Brandão em Brasília…”

É, portanto, uma marcação de posição, seja por qual ponto de vista se interprete…

1

A guerra entre Flávio Dino e Sarney por Brandão em Brasília…

Ministro da Justiça tenta criar a ideia de que só ele é o caminho para Lula na capital federal – e até tem convencido disso algumas lideranças; mas o governador maranhense tem recorrido ao ex-presidente, que ainda mostra forte influência e já teve a primeira vitória contra o comunista, garantindo no CNJ o caminho que o Palácio dos Leões queria para a vaga de desembargador no TJ-MA

 

Flávio Dino, que sonha ser o novo Sarney em Brasília, enfrenta o prestígio do próprio Sarney em Brasília

Ensaio

O ministro da Justiça Flávio Dino (PSB) tem tentado desde o início do mandato construir um muro na relação entre o presidente Lula (PT) e o governador  maranhense Carlos Brandão (PSB); Dino quer vender à classe política e à imprensa maranhense a ideia de que só ele é o caminho para Lula em Brasília.

Esta tese até tem convencido algumas lideranças, como os senadores Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PSD), que hoje veem em Dino as esperanças de reeleição em 2026.

Mas Brandão tem buscado outro caminhos, como o ministro das Comunicações, Juscelino Filho (União Brasil), que também furou o cerco de Dino e é hoje forte interlocutor no Palácio do Planalto.

O governador também tentou o próprio Weverton Rocha, inclusive, sem sucesso, e encontrou no ex-presidente José Sarney o seu principal porto seguro; é Sarney e seus aliados – e não Dino – quem tem aberto portas para o governador maranhense na capital federal.

E já conseguiu até impor uma derrota ao ministro.

Segundo apurou o blog Marco Aurélio d’Eça, tem o dedo de Sarney na decisão do Conselho Nacional de Justiça que anulou as decisões do Tribunal de Justiça do Maranhão sobre a eleição do desembargador indicado pela OAB-MA; essa decisão garante a Brandão o caminho que ele quer na escolha da lista tríplice.

Outra batalha de Sarney com Dino por Brandão ocorre no Supremo Tribunal Federal, por conta da reeleição da deputada Iracema Vale (PSB) ao comando da Assembleia Legislativa. Dino é contra esta reeleição e seu partido, o PSB, é autor da tese que serve de inspiração para a ação que tramita no STF.

O curioso é que o próprio Dino – assim como toda a oposição anti-Sarney no Maranhão – passaram cerca de 30 anos acusando o ex-presidente de monopolizar o acesso aos poderes em Brasília; tendo ou não razão a acusação, o fato é que este blog Marco Aurélio d’Eça já escreveu diversos posts mostrando o sonho de Flávio Dino de ser um novo Sarney no Maranhão.

Carlos Brandão mostra frieza e inteligência emocional, coisa que Dino não tem, ao buscar caminhos para evitar a tutela absoluta do ministro da Justiça.

Mas Sarney e seu grupo político ainda na ativa também têm seus interesses; um deles é a indicação da advogada Anna Graziella Neiva ao TJ- MA, para onde Brandão quer mandar o advogado Flávio Costa.

E se eles quiserem cobrar agora esta fatura?!?