1

Eleições 2020 marcam fim do ciclo sarneysista no Maranhão

Conceito de grupo político criado a partir da ascensão do ex-presidente José Sarney ao governo do Maranhão, em 1966, é encerrado neste processo eleitoral em que, pela primeira vez em 50 anos, não há uma candidatura que envergue oficialmente seus postulados

 

José Sarney ao tomar posse no governo, em 1966; ciclo que durou 50 anos chega oficialmente ao fim nestas eleições de 2020

Ensaio

As eleições de 2020 em São Luís vão encerrar, oficialmente, o ciclo do chamado “grupo Sarney” na história política do Maranhão.

Pela primeira vez em 50 anos, nenhum dos candidatos a prefeito enverga qualquer relação oficial com o conceito de grupo criado a partir da ascensão do ex-presidente ao poder, em 1966.

Nem mesmo o neto de José Sarney, o deputado estadual Adriano Sarney – que tem postura absolutamente independente em relação ao legado da família – pode ser apontado como sarneysista.

Outro aspecto que demonstra o fim do ciclo sarneysista é o espalhamento de seus antigos membros por diversas candidaturas, tanto da oposição quanto da base do governo Flávio Dino (PCdoB).

Historicamente, o início do fim do sarneysismo pode ser apontado em 1994, com a chegada de Roseana Sarney ao governo, o que iniciou a era chamada roseanismo.

Desde então, começou um ciclo de decadência sarneysista – no conceito de grupo – que culminou com a derrota em 2014, para o atual governador Flávio Dino.

Adriano e Roseana são representantes de duas gerações do legado sarneysista, mas cada um tem conceitos, ideologias e visão política distintas

Aos 90 anos, José Sarney é hoje o símbolo de um período histórico no Maranhão que oferece material para leituras e releituras ao longo dos últimos 25 anos.

Mas o conceito de grupo já não existe mais.

Os três principais representantes da família – Roseana, Adriano e Sarney Filho – carregam o legado histórico, mas cada um segue o próprio rumo conceitual e ideológico na política.

O que ficará ainda mais evidente a partir de 2022, quando novos atores protagonizarão novos rumos políticos no Maranhão.

É aguardar e conferir…

1

Roberto Costa comanda revitalização do MDB no Maranhão…

Ao assumir a coordenação eleitoral do partido, deputado estadual abre diálogo com todas as forças políticas, colocando a legenda no centro das discussões de 2020 e 2022; e ainda reinseriu no debate a ex-governadora Roseana Sarney, hoje discutida, sem, vetos, em setores do governo e da oposição

 

Respeitado por Baleia Rossi, presidente nacional do MDB, Roberto Costa iniciou processo de revitalização do partido no Maranhão, tirando-o do risco iminente de ostracismo

Editorial

O deputado estadual Roberto Costa conseguiu uma proeza ao assumir a coordenação eleitoral do MDB no Maranhão: pôs de volta ao centro do debate uma legenda que caminhava para o ostracismo.

Para revitalizar o maior partido do Brasil, Costa abriu diálogo sem ranços e sepultou o sectarismo que ainda marca boa parte dos segmentos de governo e de oposição na política maranhense.

– Partido não pode ser sectário; a discussão sempre passa pelos ciclos municipais e estaduais. Já estamos discutindo 2022 e o importante é que, neste processo de 2020, o MDB passa a ser interessante para todos os partidos; todos querem o apoio do MDB – analisa o deputado.

Roberto Costa ressalta que em 2020 – sobretudo em São Luís – mesmo os partidos que gravitam em torno do governo Flávio Dino (PCdoB) buscam diálogo com os emedebistas, coisa impensada há dois anos atrás.

Na busca pelo diálogo franco, aberto e sem vetos – “coisa de amadurecimento mesmo”, ressalta ele – a postura do deputado reinseriu, inclusive, a ex-governadora Roseana Sarney no debate eleitoral.

– Conseguimos incluir Roseana no circuito. A postura do MDB alavancou o nome dela. Ela decidiu não disputar em São Luís, mas terá peso importante na escolha de um candidato – frisou Costa.

O deputado acrescenta que hoje, a ex-governadora é um nome a ser discutido por todas as correntes para 2022; e não mais com aquele ranço que imperava no Maranhão até 2018.

– Nós temos para 2022 uma candidatura direta do Carlos Brandão (PRB); também temos a do senador Weverton Rocha (PDT); precisamos nos posicionar. E o nome de Roseana surge como uma grande força neste cenário – indica.

A postura aberta do MDB trouxe Roseana de volta ao debate político-eleitoral e a pôs entre os nomes de 2022 a ser discutido por todos, sem vetos

Segundo Costa, acabou no Maranhão a dicotomia que imperava desde 1994; e isso faz com que o nome de Roseana seja discutido como opção, sem vetos ideológicos.

– Caso seja candidata a governadora, ela se insere entre as opções das várias alas alinhadas ao Palácio os Leões. E se disputar o Senado? Dependendo do cenário nacional, certamente terá apoio de todos, inclusive de setores do governo – diz o deputado, num exercício prognóstico que ressalta o amadurecimento de sua visão política.

E é este amadurecimento que Roberto Costa pretende incutir no MDB, tanto entre as novas lideranças como também entre os históricos do partido.

Conseguindo ou não, ele já tem um feito: o maior partido do país recupera seu espaço no debate eleitoral maranhense.

E este é um feito significativo no atual momento histórico…

0

A encruzilhada política do grupo Sarney nas eleições de 2020

Acumulando derrotas desde as eleições de 2010, quando venceram pela última vez um pleito estadual, políticos que gravitam em torno do nome do ex-presidente da República discutem três opções neste processo eleitoral, que podem definir o seu futuro político

 

Membros do grupo Sarney – ou do que restou dele – ainda têm na governadora Roseana Sarney sua principal estrela eleitoral, mas têm a opção de Adriano nas eleições de 2020

Por Linhares Júnior   

Desde a vitória esmagadora da ex-governadora Roseana Sarney em 2010, o grupo político do ex-presidente José Sarney acumula derrotas.

Foram quatro eleições e quatro derrotas fragorosas. Agora em 2020, com a força de candidatos da oposição e a pré-candidatura de Adriano Sarney, o grupo tem sua primeira chance de, pelo menos, integrar um grupo vencedor dez anos após sua última vitória.

O leque de opções é simples: abandona o pleito na capital (como faz quase sempre), aposta na parceria com Eduardo Braide (Podemos) ou investe na candidatura de Adriano Sarney (PV).

A primeira opção talvez seja um dos grandes pontos que agilizaram o processo de decadência do grupo. Por décadas os sarneys não se preocupavam sequer em eleger uma bancada mínima e leal de vereadores.

Nas eleições municipais, a última grande aliança foi em 2008, quando apoiaram veladamente Flávio Dino contra João Castelo.

Optar pelo desprezo é manter o processo de decomposição. Continue lendo aqui…

4

No fim das contas, Adriano é o único sem apoio de sarneysistas…

Remanescentes do grupo liderado por José Sarney se espalharam em candidaturas que vão do favorito Eduardo Braide até o comunista Rubens Pereira Júnior, mas nenhum, até agora, fechou com o neto do ex-presidente

 

Adriano é o primeiro sarneysista da história a entrar numa disputa em São Luís sem aliança com nenhum membro dos eu próprio grupo político

Tema obsoleto e já ultrapassado e sem sentido no Maranhão da era Flávio Dino (PCdoB), o debate sobre a presença de sarneysistas como candidatos – ou em apoio a candidatos – voltou à tona nesta campanha pela Prefeitura de São Luís.

E um fato curioso surgiu neste início de formação de alianças: legítimo representante do clã Sarney, o deputado estadual Adriano Sarney (PV) é o único dos nomes já postos à disputa que não tem – pelo menos até agora – apoio de nenhum representante do sarneysismo ou mesmo de ex-sarneysistas.

Sarneysista de quatro costados, Carioca do Povo é o principal destaque do DC no apoio ao comunista Rubens Júnior, afilhado de Flávio Dino

O apoio declarado do ex-vereador Carioca do Povo – aliado de primeira hora dos Sarney – ao comunista Rubens Pereira Júnior, afilhado de Flávio Dino, coloca sarneysistas também na candidatura do Palácio dos Leões.

Sem falar que Rubens – ele próprio um ex-sarneysista – já recebeu apoio também do deputado federal André Fufuca (PP), cujo pai, Fufuca Dantas, começou na política ao lado da ex-governadora Roseana Sarney (MDB).

Há sarneysistas também, como Edilázio Júnior (PSD), na candidatura de Eduardo Braide (Podemos),  e outros, como Roberto Costa (MDB), a caminho da candidatura de Neto Evangelista (DEM).

Dr. Yglésio, por exemplo, está no Pros, comandando por ninguém menos que Gastão Vieira, um dos próceres do roseanismo.

Eduardo Braide recebeu o apoio de Edilázio Júnior, que tem laços não só políticos, mas familiares com o sarneysismo

Mas o próprio Adriano Sarney provoca o distanciamento do grupo que, mesmo esfacelado, ainda detém de 20% a 30% dos votos na capital maranhense.

Sua dificuldade de relacionamento o isolou na oposição desde que assumiu mandato na Assembleia Legislativa.

Além disso, decidiu, por vontade própria, suprimir o sobrenome Sarney do próprio nome parlamentar. (Entenda aqui e aqui)

É claro  que ainda há mais de cinco meses até o fim das convenções partidárias de agosto, quando Adriano pode ainda,m conseguir novas alianças para sua candidatura.

Se isso não ocorrer, porém, será a primeira vez que um candidato sarneysista irá para a disputa sem nenhum sarneysista em sua coligação.

Mas precisava ser exatamente o neto de Sarney?!?

7

A difícil missão de Adriano Sarney…

A menos de 10 meses das eleições, deputado estadual não consegue agregar ao seu projeto de candidatura a prefeito nem mesmo partidos aliados ao seu grupo político; e pode deixar a disputa com cacife menor do que entrou

 

Lançado pelo PV desde novembro, Adriano Sarney não conseguiu até agora sinalização de apoio sequer dos partidos que compõem a base do seu grupo político

Faltando apenas 10 meses para as eleições de outubro, o pré-candidato do PV a prefeito de São Luís, deputado Adriano Sarney, vive um drama. 

Mesmo sem levar em consideração os números das pesquisas – e analisando apenas sob o aspecto das articulações político-partidárias – o parlamentar está em um patamar que pode diminuir seu cacife ao longo da campanha.

Adriano Sarney não conseguiu agregar nenhum dos partidos históricos da base do sarneysimo – como MDB e PSD –  e ainda teve que aturar o surgimento da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) nas pequisas, o que ofuscou seu próprio nome, forçando-o a uma declaração de que será candidato com ou sem a presença da tia.

Em alguns momentos, declarações como a sua – a exemplo do que ocorre também com outro oposicionista, Wellington do Curso, em relação ao PSDB – são acusações de golpes e sintomas de desespero político.

Além, do aspecto eleitoral, o neto do ex-presidente José Sarney isolou-se na Assembleia; e nem na tribuna consegue abrir debate sobre São Luís, o que, a essas alturas, seria fundamental para sua candidatura. 

Adriano Sarney tem até agosto para consolidar seu nome; mas precisa ter a consciência de que, se decidir concorrer de qualquer jeito, pode sair do pleito bem menor do que entrou. 

Mas pode desistir e levar o seu PV a uma aliança que aponte para futuro crescimento partidário sem personalismo.

O candidato tem seis meses para esta reflexão…

2

Culpar Sarney de novo pela miséria, comunistas?!? Não dá mais, né?!?

Desde que saiu a notícia de que a pobreza extrema no Maranhão se manteve durante o governo Flávio Dino, blogs alinhados ao Palácio dos Leões voltaram com a mesma cantilena de responsabilizar a oligarquia; usar esses discurso cinco anos depois – e após duas vitórias seguidas do comunista – é cinismo puro

PLACA REPRESENTA BEM A SITUAÇÃO DE MISÉRIA EM QUE O MARANHÃO SE ENCONTRA, mesmo após cinco anos de governo comunista

Editorial

Blogs e jornalistas alinhados ao Palácio dos Leões entraram em polvorosa desde a manhã de ontem, quando foi divulgada a Síntese dos Indicadores Sociais do IBGE, mostrando que Flávio Dino (PCdoB) fracassou no combate à pobreza no Maranhão. (Entenda aqui)

Eles saíram-se com a velha cantilena, usada desde 2006 – quando Jackson Lago (PDT) derrotou o Grupo Sarney pela primeira vez – de que a culpa da pobreza é da tal “oligarquia Sarney”.

Ora, chega a ser vergonhoso que os aliados de Flávio Dino ainda tentem fazer média com o Palácio dos Leões usando argumentos surrados, que nem o próprio comunista acredita mais. (não entendeu? Entenda aqui e aqui)

– Essa triste realidade dificulta ainda mais estados pobres, como o Maranhão que foi herdado da oligarquia Sarney, de saírem desta situação – justifica um dos releases espalhados pelos palacianos. (Leia aqui)

Flávio Dino venceu as eleições de 2014 e assumiu em 2015 com o discurso poderoso de que, em quatro anos, nenhuma cidade do Maranhão estaria mais na relação da linha de pobreza.

Fracassou na missão.

NEM O PRÓPRIO FLÁVIO DINO AINDA INSISTE NO DISCURSO DE OLIGARQUIA SARNEY; sinal de que seus aliados ainda vivem numa bolha criada pelo Palácio dos Leões

Mesmo assim, se reelegeu em 2018, com o mesmo discurso e culpando o grupo Sarney pela própria incapacidade de combater a miséria maranhense.

O governador comunista elegeu dois senadores, a maioria da bancada na Câmara Federal e já está um ano no poder.

O grupo Sarney não tem mais nenhum representante legítimo nas instâncias de poder em Brasília – Câmara e Senado – e o único representante da família na Assembleia é Adriano Sarney (PV), que faz solitária, mas digna oposição ao governo que prometeu mudar o estado..

É cínico, portanto, que os aliados comunistas ainda tentem jogar nos outros a culpa do próprio fracasso.

Simples assim…

2

Assembleia espera notificação de Adriano, para nominá-lo José Sarney…

Depois de decidir suprimir o sobrenome de família, deputado estadual voltou atrás e anunciou semana passada, que passaria a se chamar José Sarney, em homenagem ao avô; mudança ainda não foi oficializada no painel do plenário

 

APÓS SUPRIMIR O SOBRENOME SARNEY, ADRIANO AGORA QUER SE CHAMAR JOSÉ SARNEY, embora a Assembleia ainda não tenha oficializado o pedido

Este blog publicou, em 5 de fevereiro, o post “Sobre nomes e sobrenomes”, que tratava da decisão do deputado estadual Adriano Sarney (PV) de suprimir o sobrenome de família do seu nome político. (Relembre aqui)

A decisão do deputado – membro de uma das mais tradicionais famílias de políticos do Brasil – causou forte repercussão, tanto no Maranhão quanto no país.

Dois meses depois, o parlamentar decidiu voltar atrás, e anunciou que pretende assumir o nome político de José Sarney, em homenagem ao avô, ex-presidente da República.

O anúncio de Adriano foi feito em um debate com o colega Glalbert Cutrim (PDT), semana passada, embora ainda não tenha sido oficializado na Assembleia Legislativa.

Espera-se, portanto, nova repercussão da mudança de nome do agora novo José Sarney.

O neto…

3

Direita maranhense mapeia cargos federais de comunistas e sarneysistas…

Em documento encaminhado ao presidente Jair Bolsonaro, grupos políticos que se fortaleceram no período eleitoral mostram quem ocupa os principais postos no estado e as consequências destas atuações

 

Flávio Dino controla o Porto do Itaqui, que a Direita Maranhense quer devolver ao Governo Federal

Não se restringe apenas à relação do governador Flávio Dino (PCdoB) com o empresário Ilson Mateus o dossiê encaminhado por uma série de grupos da direita maranhense ao presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Além de citar o que chamam de monopólio do Mateus no setor atacadista – favorecido por Dino, segundo o documento – o grupo, encabeçado pelo Movimento Brasil Livre (MBL), propõe ações do Governo Federal no Maranhão e pede investigações em vários setores.

Um dos capítulos trata dos principais cargos federais no Maranhão.

O MBL e seus parceiros – Endireita Maranhão; Expresso liberdade; Círculo Monárquico e Movimento Brasil Conservador – citam cargos controlados por aliados do Grupo Sarney e de Flávio Dino.

– Hoje a administração do Porto [do Itaqui] está nas mãos do Governo do Estado do Maranhão, podendo ser revista a qualquer momento pelo Presidente da República. No ano de 2018 o Governo do Estado se apropriou de R$ 140 milhões de reais das contas do Porto do Itaqui, na véspera das eleições – informa o documento.

André Campos, com João Alberto; “para a direita, representantes da velha política”

Os direitistas citam ainda a presidência da Eletronorte, “cargo hoje Astrogildo Quental, histórico aliado da Família Sarney”, e a Superintendência da Funasa.

– Este cargo hoje está ocupado pelo senhor Marco André Campos da Silva, indicado pelo Ex-Senador João Alberto, e que faz parte de uma espécie de velha política – apontam.

Após apontar a histórica guerra entre sarneysistas e comunistas, MBL e seus congêneres concluem com um requerimento ao presidente:

– Pensando nisso, os grupos que neste requerimento se reúnem, vem pedir ao Governo Federal, que seja analisado todo o conteúdo aqui exposto, e que sejam tomadas providências no sentido de melhorar a vida do povo maranhense, que certamente refletirá positivamente no restante do Brasil.

O dossiê da Direita maranhense foi protocolado segunda-feira, 14, na presidência da República…

4

A candidatura de Adriano a prefeito…

Deputado estadual – e único remanescente da família Sarney com mandato – tem condições para, no mínimo, manter o legado do seu grupo em uma disputa que tende a ser pulverizada entre vários candidatos

 

Remanescente dos Sarney com mandato, Adriano tem cacife para se viabilizar na capital maranhense

Desde as primeiras semanas após as eleições de outubro blogs, jornais e emissoras de rádio apontam a candidatura do deputado estadual Adriano Sarney nas eleições de 2020.

Único remanescente dos Sarney com mandato a partir de 2019, Adriano tem aparecido em enquetes e consultas de blogs e sites sempre em posição de destaque entre os nomes já postos para a disputa.

E se mantiver a intenção de lançar-se ao desafio de concorrer à Prefeitura de São Luís, tem amplas condições de entrar no polo principal da disputa.

Para os críticos, o principal argumento contra é um suposto desgaste do grupo Sarney, que teria se consolidado a partir da derrota de Roseana nas eleições de outubro.

O grupo do qual faz parte o parlamentar – que tende a liderá-lo, inclusive – representa, no entanto, algo em torno de 30% dos votos da capital maranhense, como ficou registrado nas eleições.

É um patamar de peso para qualquer candidato.

Adriano Sarney tem duas vantagens adicionais específicas do próximo pleito:

1ª – as eleições de 2020 tendem a ser pulverizadas entre várias candidaturas, embora aponte-se o favoritismo do federal eleito Eduardo Braide (PMN);

2ª – nem o grupo do governador Flávio Dino (PCdoB), nem o grupo do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) têm, ainda, candidatos com cancha para polarizar a disputa com Braide.

Esses dois aspectos podem fazer do neto do ex-presidente José Sarney uma opção para os que sentem-se cansados com os mais de 30 anos de gestões pedetistas, mas não têm a confiança necessária no projeto de Braide.

O deputado estadual do PV tem todo o ano de 2019 para se consolidar como líder da oposição ao governo de Flávio Dino.

E a partir daí pavimentar seu caminho até as eleições municipais.

É aguardar e conferir…

0

Bolsonaro lembra benefícios viabilizados por Sarney às Forças Armadas

Novo presidente aproveitou a posse do ministro da Defesa para agradecer à Sarney por benefícios concedidos aos membros das Forças Armadas.

Durante a cerimônia de posse do ministro Fernando de Azevedo e Silva ao cargo de ministro da Defesa, o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) mais uma vez se reportou com respeito ao ex-presidente José Sarney. Segundo o atual gestor, Sarney foi o responsável por viabilizar investimentos aos membros das forças armadas, como o 13º salário. Além disso, foi durante a gestão sarneysta que as tropas de defesa obtiveram recursos da ordem de US$ 1 bilhão. 

 

ABAIXO A TRANSCRIÇÃO DA FALA DE BOLSONARO

Um breve histórico, já que falamos sobre Defesa. Fui amigo do senhor Leônidas Pires Gonçalves, então ministro do Exército, a partir de 2002. Muito conversava com ele, inclusive em sua residência. E ele me reportava sempre dos contatos que teve com o então presidente da República, José Sarney.

Em um dado momento, numa sessão solene do Senado, usei da palavra, já que era uma sessão conjunta, e me reportei a esse fato, saudando o José Sarney que, sempre quando findava o ano, ele arranjava uma maneira de conseguir recursos extras para contemplar as Forças Armadas com o equivalente a US$ 1 bilhão. E, diga-se de passagem, não havia contingenciamento naquele tempo. Com o Sarney tivemos também o 13º salário.