2

Culpar Sarney de novo pela miséria, comunistas?!? Não dá mais, né?!?

Desde que saiu a notícia de que a pobreza extrema no Maranhão se manteve durante o governo Flávio Dino, blogs alinhados ao Palácio dos Leões voltaram com a mesma cantilena de responsabilizar a oligarquia; usar esses discurso cinco anos depois – e após duas vitórias seguidas do comunista – é cinismo puro

PLACA REPRESENTA BEM A SITUAÇÃO DE MISÉRIA EM QUE O MARANHÃO SE ENCONTRA, mesmo após cinco anos de governo comunista

Editorial

Blogs e jornalistas alinhados ao Palácio dos Leões entraram em polvorosa desde a manhã de ontem, quando foi divulgada a Síntese dos Indicadores Sociais do IBGE, mostrando que Flávio Dino (PCdoB) fracassou no combate à pobreza no Maranhão. (Entenda aqui)

Eles saíram-se com a velha cantilena, usada desde 2006 – quando Jackson Lago (PDT) derrotou o Grupo Sarney pela primeira vez – de que a culpa da pobreza é da tal “oligarquia Sarney”.

Ora, chega a ser vergonhoso que os aliados de Flávio Dino ainda tentem fazer média com o Palácio dos Leões usando argumentos surrados, que nem o próprio comunista acredita mais. (não entendeu? Entenda aqui e aqui)

– Essa triste realidade dificulta ainda mais estados pobres, como o Maranhão que foi herdado da oligarquia Sarney, de saírem desta situação – justifica um dos releases espalhados pelos palacianos. (Leia aqui)

Flávio Dino venceu as eleições de 2014 e assumiu em 2015 com o discurso poderoso de que, em quatro anos, nenhuma cidade do Maranhão estaria mais na relação da linha de pobreza.

Fracassou na missão.

NEM O PRÓPRIO FLÁVIO DINO AINDA INSISTE NO DISCURSO DE OLIGARQUIA SARNEY; sinal de que seus aliados ainda vivem numa bolha criada pelo Palácio dos Leões

Mesmo assim, se reelegeu em 2018, com o mesmo discurso e culpando o grupo Sarney pela própria incapacidade de combater a miséria maranhense.

O governador comunista elegeu dois senadores, a maioria da bancada na Câmara Federal e já está um ano no poder.

O grupo Sarney não tem mais nenhum representante legítimo nas instâncias de poder em Brasília – Câmara e Senado – e o único representante da família na Assembleia é Adriano Sarney (PV), que faz solitária, mas digna oposição ao governo que prometeu mudar o estado..

É cínico, portanto, que os aliados comunistas ainda tentem jogar nos outros a culpa do próprio fracasso.

Simples assim…

1

Assembleia espera notificação de Adriano, para nominá-lo José Sarney…

Depois de decidir suprimir o sobrenome de família, deputado estadual voltou atrás e anunciou semana passada, que passaria a se chamar José Sarney, em homenagem ao avô; mudança ainda não foi oficializada no painel do plenário

 

APÓS SUPRIMIR O SOBRENOME SARNEY, ADRIANO AGORA QUER SE CHAMAR JOSÉ SARNEY, embora a Assembleia ainda não tenha oficializado o pedido

Este blog publicou, em 5 de fevereiro, o post “Sobre nomes e sobrenomes”, que tratava da decisão do deputado estadual Adriano Sarney (PV) de suprimir o sobrenome de família do seu nome político. (Relembre aqui)

A decisão do deputado – membro de uma das mais tradicionais famílias de políticos do Brasil – causou forte repercussão, tanto no Maranhão quanto no país.

Dois meses depois, o parlamentar decidiu voltar atrás, e anunciou que pretende assumir o nome político de José Sarney, em homenagem ao avô, ex-presidente da República.

O anúncio de Adriano foi feito em um debate com o colega Glalbert Cutrim (PDT), semana passada, embora ainda não tenha sido oficializado na Assembleia Legislativa.

Espera-se, portanto, nova repercussão da mudança de nome do agora novo José Sarney.

O neto…

3

Direita maranhense mapeia cargos federais de comunistas e sarneysistas…

Em documento encaminhado ao presidente Jair Bolsonaro, grupos políticos que se fortaleceram no período eleitoral mostram quem ocupa os principais postos no estado e as consequências destas atuações

 

Flávio Dino controla o Porto do Itaqui, que a Direita Maranhense quer devolver ao Governo Federal

Não se restringe apenas à relação do governador Flávio Dino (PCdoB) com o empresário Ilson Mateus o dossiê encaminhado por uma série de grupos da direita maranhense ao presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Além de citar o que chamam de monopólio do Mateus no setor atacadista – favorecido por Dino, segundo o documento – o grupo, encabeçado pelo Movimento Brasil Livre (MBL), propõe ações do Governo Federal no Maranhão e pede investigações em vários setores.

Um dos capítulos trata dos principais cargos federais no Maranhão.

O MBL e seus parceiros – Endireita Maranhão; Expresso liberdade; Círculo Monárquico e Movimento Brasil Conservador – citam cargos controlados por aliados do Grupo Sarney e de Flávio Dino.

– Hoje a administração do Porto [do Itaqui] está nas mãos do Governo do Estado do Maranhão, podendo ser revista a qualquer momento pelo Presidente da República. No ano de 2018 o Governo do Estado se apropriou de R$ 140 milhões de reais das contas do Porto do Itaqui, na véspera das eleições – informa o documento.

André Campos, com João Alberto; “para a direita, representantes da velha política”

Os direitistas citam ainda a presidência da Eletronorte, “cargo hoje Astrogildo Quental, histórico aliado da Família Sarney”, e a Superintendência da Funasa.

– Este cargo hoje está ocupado pelo senhor Marco André Campos da Silva, indicado pelo Ex-Senador João Alberto, e que faz parte de uma espécie de velha política – apontam.

Após apontar a histórica guerra entre sarneysistas e comunistas, MBL e seus congêneres concluem com um requerimento ao presidente:

– Pensando nisso, os grupos que neste requerimento se reúnem, vem pedir ao Governo Federal, que seja analisado todo o conteúdo aqui exposto, e que sejam tomadas providências no sentido de melhorar a vida do povo maranhense, que certamente refletirá positivamente no restante do Brasil.

O dossiê da Direita maranhense foi protocolado segunda-feira, 14, na presidência da República…

4

A candidatura de Adriano a prefeito…

Deputado estadual – e único remanescente da família Sarney com mandato – tem condições para, no mínimo, manter o legado do seu grupo em uma disputa que tende a ser pulverizada entre vários candidatos

 

Remanescente dos Sarney com mandato, Adriano tem cacife para se viabilizar na capital maranhense

Desde as primeiras semanas após as eleições de outubro blogs, jornais e emissoras de rádio apontam a candidatura do deputado estadual Adriano Sarney nas eleições de 2020.

Único remanescente dos Sarney com mandato a partir de 2019, Adriano tem aparecido em enquetes e consultas de blogs e sites sempre em posição de destaque entre os nomes já postos para a disputa.

E se mantiver a intenção de lançar-se ao desafio de concorrer à Prefeitura de São Luís, tem amplas condições de entrar no polo principal da disputa.

Para os críticos, o principal argumento contra é um suposto desgaste do grupo Sarney, que teria se consolidado a partir da derrota de Roseana nas eleições de outubro.

O grupo do qual faz parte o parlamentar – que tende a liderá-lo, inclusive – representa, no entanto, algo em torno de 30% dos votos da capital maranhense, como ficou registrado nas eleições.

É um patamar de peso para qualquer candidato.

Adriano Sarney tem duas vantagens adicionais específicas do próximo pleito:

1ª – as eleições de 2020 tendem a ser pulverizadas entre várias candidaturas, embora aponte-se o favoritismo do federal eleito Eduardo Braide (PMN);

2ª – nem o grupo do governador Flávio Dino (PCdoB), nem o grupo do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) têm, ainda, candidatos com cancha para polarizar a disputa com Braide.

Esses dois aspectos podem fazer do neto do ex-presidente José Sarney uma opção para os que sentem-se cansados com os mais de 30 anos de gestões pedetistas, mas não têm a confiança necessária no projeto de Braide.

O deputado estadual do PV tem todo o ano de 2019 para se consolidar como líder da oposição ao governo de Flávio Dino.

E a partir daí pavimentar seu caminho até as eleições municipais.

É aguardar e conferir…

0

Bolsonaro lembra benefícios viabilizados por Sarney às Forças Armadas

Novo presidente aproveitou a posse do ministro da Defesa para agradecer à Sarney por benefícios concedidos aos membros das Forças Armadas.

Durante a cerimônia de posse do ministro Fernando de Azevedo e Silva ao cargo de ministro da Defesa, o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) mais uma vez se reportou com respeito ao ex-presidente José Sarney. Segundo o atual gestor, Sarney foi o responsável por viabilizar investimentos aos membros das forças armadas, como o 13º salário. Além disso, foi durante a gestão sarneysta que as tropas de defesa obtiveram recursos da ordem de US$ 1 bilhão. 

 

ABAIXO A TRANSCRIÇÃO DA FALA DE BOLSONARO

Um breve histórico, já que falamos sobre Defesa. Fui amigo do senhor Leônidas Pires Gonçalves, então ministro do Exército, a partir de 2002. Muito conversava com ele, inclusive em sua residência. E ele me reportava sempre dos contatos que teve com o então presidente da República, José Sarney.

Em um dado momento, numa sessão solene do Senado, usei da palavra, já que era uma sessão conjunta, e me reportei a esse fato, saudando o José Sarney que, sempre quando findava o ano, ele arranjava uma maneira de conseguir recursos extras para contemplar as Forças Armadas com o equivalente a US$ 1 bilhão. E, diga-se de passagem, não havia contingenciamento naquele tempo. Com o Sarney tivemos também o 13º salário.

4

Flávio Dino diz que “sarneyzismo” ainda é seu principal adversário…

Em entrevista ao site UOL, governador comunista disse que a manifestação diária do grupo Sarney é pelo desejo de voltar ao comando do estado

 

E OS OUTROS?
Flávio Dino vê Roseana e seu grupo como principal adversário de 2018

Uma das perguntas da entrevista do governador Flávio Dino ao site UOL foi respondida assim pelo comunista:

– Eu acho que qualquer resposta que der é inócua. Não sou eu que vou definir. Que é o ‘sarneyzismo’ nosso maior adversário, não há dúvida. Eles mantêm uma agenda política importante no país e no Estado; têm meios de comunicação, parlamentares. São a principal força política da oposição. E eles têm síndrome de abstinência, têm muita falta das coisas que o poder possibilitava a eles. E manifestam isso diariamente, que têm muitas saudades dos privilégios e vão tentar restabelecer o governo de privilégios, porque era bom para eles – declarou o comunista.

Mesmo com as alfinetadas, o governador mostrou claro quem vê como seu principal adversário em 2018.

Simples assim…

4

Antisarneysista, João Bentivi faz espécie de mea culpa…

Em artigo publicado em seu blog, médico-jornalista-advogado-poeta-escritor-e-músico diz-se surpreso com duas coisas na lista de Fachin: a presença de Flávio Dino e a ausência de sarneysistas. O blog traz os trechos principais

 

Bentivi: surpreso com a lista do Fachin

“Todos se lembram que, no domingo passado, em minha postagem, teci lavados elogios ao governador Flavio Dino por sua postura ilibada e sem senões. Bem não fechei a boca e descubro o jovem governante na Lista do Fachin. Não significa culpabilidade, ainda, mas que chamusca a sua biografia, isso chamusca. Vou continuar acreditando no governador.”

“Lista publicada e me debrucei sobre a mesma, eivado por minha doentia curiosidade. Sem querer fui me apercebendo de muitos detalhes e uma dúvida atroz abateu-se sobre meus ombros e consciência: onde estão os sarneisistas na lista? Uma lista que albergou o próprio governador Dino, com tão pouco tempo de embocadura no politiquismo, deveria ter o pessoal do Sarney com embocadura longeva de meio século. Nada, nada, nada.”

“O chefe, presidente Sarney, pelo que notei, foi citado tangencialmente por um tal Sergio Machado e duvido muito que tenha alguma consequência relevante. Ora, um sujeito com mais de 80 anos de idade e mais de 60 anos de vida pública, passar praticamente incólume, nesse estreito de Gibraltar da corrupção, tem que ser registrado com registro favorável. Mas o Sarney, no alto dos seus mais de 80 anos, como disse, pouco tem a responder a justiça, ainda que culpado.”

“O senador João Alberto foi tudo: deputado estadual, federal, prefeito, vice-governador, governador e senador. Não lhe falta currículo e não lhe faltou poder. Ao não recair sobre ele qualquer acusação ou, pelo menos, uma simples dúvida, somos obrigados, eu e você, a carimbá-lo de ficha limpa. Ademais, todos que fazem política nesse estado afirmam algo que faz muito bem a uma biografia política: João Alberto é destemido e um exímio cumpridos de suas palavras.”

“A senhora Roseana, contra quem escrevi centenas de artigos, descrevendo suas inabilitações e desconformidades, deixou-me em situação pouco confortável: não está citada na Lista do Fachin. A cidadã foi deputada federal e governadora quatro vezes, portanto tempo não lhe faltou para entrar na Lava Jato. Não entrou. A desgosto, tenho que carimbá-la, nesse momento, de ficha limpa.”

O ministro Sarney Filho é o caso mais emblemático. (…) Pois bem, esse cidadão é, pela segunda vez, Ministro de Estado, acrescente-se mais de trinta anos de mandato ininterrupto, ser filho de um prócer da república, presidente de partido, líder de bancadas, então se abre a Lista do Fachin e o sujeito não está homenageado. Fica impossível não se destacar o mérito.

“Está, pois, estabelecido o inevitável maniqueismo, mesmo nesse mar de incertezas, de constatações inapagáveis e volumosas surpresas. O nosso governador, na primeira infância da política, ainda que eu creia na sua honestidade (e creio) tem que se explicar e está se explicando. É mau. É mal.

“O sarneisismo político, ainda que eu quisesse apedrejar, mostra-se ilibado pelas mãos do Fachin e não precisa de explicação. É bom. É bem.”

“Finalmente, sou muito feliz em ser jornalista e estou plenamente feliz com esse artigo. As minhas escolhas políticas jamais poderão obscurecer a minha consciência.

Viva a liberdade de consciência.”

(…)

Leia aqui a íntegra do artigo…

5

Felipe Camarão começa a mostrar a cara…

Discreto, e sempre pronto a pedir a jornalistas para que não o envolvam na dicotomia entre o grupo Sarney e o governo Flávio Dino, secretário de Educação decidiu assumir o seu lado político

 

Felipe Camarão com Flávio Dino: às favas com a história

É comum a este blog, sempre que trata de algum assunto relacionado à Secretaria de Educação, ouvir do titular Felipe Camarão o argumento abaixo:

– Prefiro que não me envolva nessa questão. Veja que fico quieto no meu canto; não me envolvo nessa briga.

Mas agora parece que, por um motivo ou outro, o secretário deixou de ficar quieto; e partiu para cima não só dos políticos que fazem oposição como da própria mídia que registra os senões do seu governo.

Contra a TV Mirante, saiu-se com esta:

– Desinformação é algo terrível. TV do sistema oposicionista não sabe que quem cuida de creches são os municípios e não o Governo do Estado.

Print do posicionamento no Twitter: manguinhas de fora

E sobrou até para a deputada Andrea Murad (PMDB), de quem ele fala também sem citar nomes, usando o mesmo argumento.

– Desinformação é algo terrível. Deputada oposicionista não sabe que só na sua base eleitoral o governo reconstruiu três escolas.

Até então, Felipe Camarão demonstrava certo temor de envolver-se na disputa entre o grupo Sarney e o governo Flávio Dino, alegando tratar as coisas apenas no âmbito técnico.

Agora deixou claro de que lado vai ficar.

E começou a tratar as coisas politicamente…

1

PMDB vai testar receptividade de chapa Roseana/Sarney Filho…

Partido quer saber a opinião do eleitorado sobre uma candidatura de governadora em 2018 tendo o irmão como candidato a senador

 

Roseana e Sarney Filho: qual a orça ativa reativa da chapa com os dois irmãos?

O PMDB deve iniciar, em breve, uma pesquisa de avaliação de cenário por meio da qual quer saber qual a opinião do eleitor maranhense sobre uma chapa que tenha a ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) e o deputado federal Sarney Filho (PV) disputando as eleições majoritárias.

Roseana seria candidata a governadora, tendo o irmão deputado como candidato a senador.

Aliás, este blog foi o primeiro a tratar deste tema, ainda em fevereiro, no post “A arriscada, mas promissora estratégia do grupo Sarney…”

O projeto do partido – e de todo o grupo Sarney – é medir a opinião do eleitorado para, só então, definir os rumos das eleições de 2018.

É a partir do posicionamento do eleitorado que o PMDB também se definirá em relação à disputa.

Qualquer que seja o resultado da pesquisa…

3

A simbiose de Flávio Dino com o grupo Sarney…

A cada ano que passa, governador comunista vai transformando seu governo em uma espécie de continuidade da história política maranhense, com métodos e gente que ele mesmo prometeu derrotar em 2014

 

Lucas: mais um sarneysista em um governo já repleto deles

O vereador Pedro Lucas Fernandes (PTB) vai desembarcar no governo Flávio Dino (PCdoB) logo após o carnaval, segundo confirmou o próprio comunista nesta quarta-feira, 22.

A entrada do vereador é apenas a oficialização de uma aliança que já existe tacitamente, incluindo também o seu pai, deputado federal Pedro Fernandes (PTB), que já flertava com os comunistas desde a campanha de 2014.

Pedro Lucas é o enésimo sarneysista – ou ex-sarneysista, ou quase sarneysista; ou pelo menos não-dinista – a entrar no governo Flávio Dino desde a sua posse.

Leia também:

Flávio Dino e os refugos do grupo Sarney…

Sarneysistas e dinistas; todos juntos e misturados…

Os sarneysistas de Flávio Dino e o sarneysistas dos outros…

A foto mostra sarneysistas de todos os quilates na campanha de Holandinha, espécie de apêndice do grupo Flávio Dino

E é com esses sarneysistas que o governador  – que prometeu mudar o estado de coisas no Maranhão – vai se transformando em uma espécie de mais do mesmo na política maranhense.

São Fernandes, Ferreiras, Vieiras, Oliveiras, Cafeteiras e afins encastelados no Palácio dos Leões, entra governo e sai governo.

Uma verdadeira simbiose entre dinistas e sarneysistas.

E que venha 2018…