1

PSD vai confirmar candidatura de Edivaldo durante ato de filiação…

Presença do presidente nacional Gilberto Kassab deve marcar o início da pré-campanha do ex-prefeito de São Luís, que terá toda a infra-estrutura partidária para o projeto eleitoral de 2022

 

Edivaldo tem conversado diariamente com o deputado Edilázio Jr. e deve ser lançado candidato do PSD ao governo já noa to de filiação, em agosto

O PSD pretende transformar o ato de filiação do ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior, em um pré-lançamento de sua campanha ao Governo do Estado.

A filiação, marcada para o dia 4 de agosto, terá a presença do presidente nacional da legenda, ex-ministro Gilberto Kassab, que apresentará Edivaldo como pré-candidato a governador.

Embora ainda não tenha assumido publicamente que pretende disputar as eleições majoritárias de 2022, Edivaldo Júnior já aparece nas primeiras posições.

Para o PSD, a apresentação como candidato pode ampliar o crescimento nas pesquisas e consolidá-lo como favorito.

As perspectivas eleitorais do ex-prefeito de São Luís são observadas, inclusive, pelo Palácio dos Leões, que ainda não descartou a possibilidade de tê-lo como opção do consenso no grupo do governador Flávio Dino.

Mas esta é uma outra história…

2

Flávio Dino ainda espera posição política de Edivaldo Júnior

Palácio dos Leões não quer estimular rompimento com o ex-prefeito e aposta, até, em uma redução dos ataques do deputado Edilázio Júnior, um dos mais ácidos críticos do governo

 

A relação de carinho de Flávio Dino e Edivaldo Júnior ainda é esperança no Palácio dos Leões

O anúncio da filiação do ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior ao PSD ocorreu apenas um dia depois da reunião do governador Flávio Dino (PSB) com sua base de apoio.

Mesmo assim, Dino não pretende estimular o discurso de afastamento do ex-prefeito.

O Palácio dos Leões aposta, inclusive, que a entrada de Edivaldo no PSD pode levar o deputado federal Edilázio Júnior – um dos mais ácidos críticos do governo – a amenizar o discurso contra o governador.

Tanto que, a ordem, é evitar críticas a Edivaldo; e esperar que ele próprio diga alguma coisa sobre relação com Flávio Dino, azedada desde as eleições de 2020.

É fato que o ex-prefeito não participou da reunião com Dino e anunciou sua filiação no dia seguinte; mas é fato também que ele nada disse sobre afastamento da base do governador.

E neste ponto, Edilázio Júnior é a fonte principal para dizer que apito Edivaldo usará em 2022.

É aguardar e conferir…

1

Edilázio já articula aliança do PSD com PTB, PV, PSC e MDB

Presidente regional do partido, deputado federal afirma que o nome do ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior será posto pelo partido à apreciação da população maranhense em 2022

 

Ao lado de Edilázio, Edivaldo mostra-se cada vez mais à vontade no PSD, partido no qual se filiará em 4 de agosto

Presidente regional do PSD, o deputado federal Edilázio Júnior já confirmou que o ex-prefeito Edivaldo Júnior é o nome do partido para a disputa pelo Governo do Estado, em 2022.

O próprio Edivaldo já confirmou que se filiará ao PSD; e revelou já ter tido conversas com o presidente nacional da legenda, Gilberto Kassab, que também deve participar da filiação do ex-prefeito.

Edilázio articula agora a formação de uma aliança para as eleições de 2022.

Trabalha com a perspectiva de ter o PTB, o PV, o PSC e o MDB, partidos que estão fora da base de apoio do Governo Flávio Dino (PSB) no Maranhão.

O projeto do PSD é ter, na mesma chapa, Edivaldo e a ex-governadora Roseana Sarney, que concorreria ao Senado.

Mas esta é uma outra história…

7

Para Fábio Câmara, Edivaldo não está preparado para o governo

Ex-vereador e ex-candidato a prefeito de São Luís, suplente de deptuado estadual diz que ex-prefeito deixou um lastro de obras “inauguradas” e inoperantes e precariedade na Saúde e na Educação de São Luís

 

Fábio Câmara fez forte oposição mão a Edivaldo e diz que ele não está preparado para governar o Maranhão

O ex-vereador e ex-candidato a  prefeito de São Luís, Fábio Câmara (PDT), criticou em suas redes sociais a inclusão do ex-prefeito Edivaldo Júnior (sem partido) no rol de pré-candidatos a governador.

Segundo Câmara, a eleição e a reeleição de Edivaldo não deveria servir como credenciais para sua pretensão de chegar ao Governo.

– A realidade educacional do município, a precariedade na saúde, cujos ícones são o hospital da criança, e um secretariado e gestão envolvidos com a polícia federal, além das porcas obras da feira da Cohabe da Fonte do Bispo, “inauguradas” e inoperantes pela quebra do princípio da eficiência apontam o fracasso da gestão de Edivaldo – explicou o ex-vereador.

Fábio Câmara fez oposição nos primeiros quatro anos de mandato de Edivaldo Júnior, o que o credenciou a disputar a prefeitura, em 2016, ficando em quarto lugar.

Para o ex-vereador, Edivaldo não tem preparo para comandar o estado.

– O fracasso em vários setores já citados atestam para quem quiser ver que E. de H. não fez por São Luís e não está preparado para fazer pelo Estado do Maranhão! – afirmou o vereador, usando na postagem uma antiga foto do ex-prefeito assustado em entrevista à rádio Mirante AM.

Edivaldo anunciou nesta terça-feira, 6, sua filiação ao PSD, que o quer como candidato a governador.

A filiação está marcada para o dia 4 de agosto…

1

Ausente da reunião, Edivaldo confirma afastamento de Flávio Dino

Pré-candidato a governador, natural que o ex-prefeito de São Luís fosse convidado ao Palácio dos Leões – até por que muitos não-dirigentes partidários também participaram; e no dia seguinte ao encontro, ele anuncia filiação ao PSD

 

Na foto oficial do encontro com Dino não há registro de Edivaldo Júnior e sua atual fiel escudeira, Mical Damasceno: rompimento consolidado

A reunião desta segunda-feira, 5, entre o governador Flávio Dino (PSB), seus pré -candidatos a governador, dirigentes partidários e aliados políticos só confirmou um fato: seu rompimento com o ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior.

Pré-candidato a governador – e até então tido como aliado de Dino – natural que o ex-prefeito fosse convidado ao Palácio, assim como foram o vice-governador Carlos Brandão (PSDB), o senador  Weverton Rocha (PDT), o secretário Simplício Araújo (Solidariedade) e o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL).

Até por que, vários outros aliados que não  presidem partidos também estavam presentes, como o presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto, os secretários Rubens Pereira Júnior, Jefferson Portela, Fábio Capelli, Marcelo Tavares, Rodrigo Lago e Felipe Camarão, além dos deputados Zé Inácio, Rafael Leitoa e Helio Soares.

Não há informações de que Edivaldo Júnior tenha sido convidado para o encontro.

E se recebeu o convite, não compareceu.

No dia seguinte ao encontro, o ex-prefeito fez questão de anunciar sua filiação ao PSD, alinhado à base do presidente Jair Bolsonaro e à oposição no Maranhão.

Os gestos de carinho entre Edivaldo Júnior e o governador Flávio Dino, demonstrados ao longo dos últimos nove anos, parecem ter ficado no passado

O ex-prefeito e o governador não se falam desde o segundo turno das eleições de 2020, quando Flávio Dino pressionou, sem sucesso, pelo apoio de Edivaldo ao deputado Duarte Júnior no segundo turno das eleições.

Logo no início do ano, Edivaldo decidiu deixar o PDT, reforçando o afastamento do grupo.

Desde então, passou a flertar com o PSD, do deputado federal Edilázio Júnior, e com o PTB, hoje controlado pela deputada estadual Mical Damasceno; Mical e Edilázio querem Edivaldo candidato a governador.

Aliás, ainda na base de Dino – apesar de declaradamente bolsonarista – Mical Damasceno também não participou do encontro, apesar de comandar o PTB.

Sinal de que Flávio Dino deve contar menos um partido em sua base a partir de agora…

4

Edivaldo Jr. entre os líderes nos cenários espontâneos de 2022

Levando em conta que Flávio Dino e Roseana Sarney não serão candidatos, o ex-prefeito de São Luís é o mais lembrado pelo eleitor nos cenários em que não são apresentados nomes de candidatos; e chega com o cacife da forte votação na região metropolitana

 

Edivaldo é o mais lembrado espontaneamente pelo eleitor, só superado por Roseana e Flávio Dino, que não serão candidatos

Três nomes são os mais lembrados pelo eleitor quando a pesquisa Escutec/O Estado pede para que digam, espontaneamente, em quem votariam para governador, caso a eleição fosse agora.

Neste cenário, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) tem 11% de intenção de votos; o governador Flávio Dino (PSB) é citado por 6%

Edivaldo é lembrado por 5% dos eleitores.

Flávio Dino, como já se sabe, não poderá mais ser candidato a governador; Roseana provavelmente concorrerá a uma vaga na Câmara Federal.

Isso torna Edivaldo Júnior líder espontâneo na cabeça do eleitor maranhense.

Grande São Luís

Ao lado da ex-primeira-dama Camila Braga – outro nome de peso em 2022 – Edivaldo recebe carinho do eleitor, sobretudo na Grande São Luís

É na região da região metropolitana de São Luís que o ex-prefeito da capital maranhense cria as condições para aparecer sempre em condição de empate técnico com o senador Weverton Rocha (PDT), seja na briga pelo primeiro ou pelo segundo lugar.

Na Grande São Luís, Edivaldo soma 34% das intenções de votos, apenas três pontos percentuais atrás de Roseana Sarney.

Com este cabedal de votos, o prefeito entra na disputa pelo Governo do Estado como garantia de um segundo turno em que – dependendo da conjuntura – tem presença garantida.

É, portanto, um nome a ser observado com mais atenção a partir de agora…

2

Weverton e Edivaldo são os principais atores das sucessão de Flávio Dino

Com a ex-governadora Roseana Sarney fora do páreo da disputa – já que não pretende concorrer ao governo – senador e ex-prefeito somam quase a metade dos votos para governador em 2022

 

Edivaldo e Weverton dividem a maior parte dos votos para governador do Maranhão, chegando a quatro vezes o total de votos de Carlos Brandão

A consolidação do senador Weverton Rocha (PDT) e do ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (sem partido) é a principal informação da pesquisa Escutec divulgada neste sábado pelo jornal O EstadoMaranhão.

Os dois abraçam, juntos, quase a metade dos votos do eleitorado maranhense.

Weverton só aparece em segundo lugar em cenários que incluem a governadora Roseana Sarney (MDB); como ela não será candidata, seus votos são diluídos nos demais cenários, mantendo Weverton à frente, com 22% das intenções de voto.

Também aparece bem o ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (sem partido), que chega a 18%.

Juntos, Weverton Rocha e Edivaldo Júnior somam nada menos que 40% das intenções de votos, quase a metade das manifestações do eleitor; e quase quatro vezes mais do que o vice-governador Carlos Brandão (PSDB).

Para se ter ideia da força de Weverton e de Edivaldo, os dois levam juntos mais da metade dos 25% de intenções de votos manifestadas em Roseana Sarney quando ela não aparece no cenário.

Weverton sobe de 14% para 22%; Edivaldo vai de 12% para 18%.

Tanto Weverton quanto Edivaldo estão, portanto, consolidados como opção do eleitor para 2022, separados ou mesmo juntos.

Mas esta é uma outra história…

0

PTB e PSD disputam filiação de Edivaldo Júnior

Partidos ligados ao presidente Jair Bolsonaro querem a filiação do ex-prefeito para ganhar peso na mesa de negociações das eleições de 2022, mas esbarram em sua insegurança e no medo que ele tem da reação do Palácio dos Leões, embora já afastado da agenda do governo Flávio Dino

 

Tanto o PSD quanto o PTB apostam no carisma popular de Edivaldo Júnior em 2022, mas ele ainda tem muita insegurança em relação às reações de Flávio Dino

Tanto o comando do PSD quanto o do PTB já anunciaram publicamente que pretendem ter o ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior (sem partido) como candidato a governador nas eleições de 2022.

Ele já falou diretamente com o presidente nacional pessedista, Gilberto Kassab, e esteve com a presidente regional petebista Mical Damasceno em reunião com pastores evangélicos.

Tanto o PSD quanto o PTB apostam que Edivaldo representa claramente o sentimento conservador e bolsonarista nas eleições de 2022; e de tudo fazem para tê-lo em suas fileiras.

A insegurança natural do ex-prefeito e o medo de reações do Palácio dos Leões – de quem ele se afastou desde as eleições de 2020 – têm gerado dificuldades de ações mais públicas sobre as eleições.

Edivaldo Júnior não foi incluído na última pesquisa do Instituto DataIlha, ligada aos Leões, mas ele aparece bem posicionado na última pesquisa Escutec, de março deste ano.

A mesma Escutec deve anunciar no próximo sábado nova pesquisa, com o nome do ex-prefeito de São Luís incluído, o que deve acirrar ainda mais a disputa entre PSD e PTB.

Não se descarta, inclusive, uma aliança entre os dois partidos, abrindo mais uma frente contra o projeto do governador Flávio Dino (PSB).

Mas esta é uma outra história…

0

Edivaldo reúne-se com evangélicos, mas mantém silêncio nas redes

Ciceroneado pela deputada estadual Mical Damasceno – agora controladora do PTB maranhense – ex-prefeito de  São Luís tem sido apresentado a pastores e líderes do segmento, mas ainda mantém as conversas restritas aos bastidores

 

Mical tem levado Edivaldo para reuniões como esta, com o pastor Coutinho, da Assembleia de Deus; mas os encontros se mantêm nos bastidores

O ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior (sem partido) tem cumprido uma intensa agenda de conversas com pastores evangélicos maranhenses, sobretudo os da Assembleia de Deus.

Essas conversas, segundo informou a própria ao blog Marco  Aurélio D’Eça, estão sendo articuladas pela deputada estadual Mical Damasceno, que quer Edivaldo como candidato a governador.

O ex-prefeito, no entanto, parece evitar a divulgação desses encontros, pelo menos neste primeiro momento de arrumação de candidaturas ao governo.

Nas redes socais, Holandinha optou por postagens mais pessoais e memórias de sua passagem pela prefeitura. 

No controle do PTB maranhense – e com aval da direção nacional – Mical Damasceno quer ocupar o vácuo de lideranças do bolsonarismo no Maranhão, sobretudo por ter ao seu lado a maior base eleitoral orgânica dentre todos os aliados do presidente no estado.

Resta aber quando o ex-prefeito, ainda sem partido, se manifestará sobre seu projeto eleitoral para 2022…

1

Edivaldo teme desgaste por vínculo do PTB a Bolsonaro…

Apesar de fortemente ligado ao movimento evangélico, ex-prefeito não quer ter relação direta ao presidente Jair Bolsonaro, o que pode levá-lo a partido de postura mais independente politicamente

 

Mical Damasceno tem aproximado Edivaldo Júnior dos líderes evangélicos, mas a maioria deles é vinculada ao presidente Jair Bolsonaro, amplamente rejeitado no Maranhão

O ex-prefeito de  São Luís Edivaldo Júnior (sem partido) tem demonstrado a aliados insegurança na sua relação com o PTB, hoje comandado no estado pela deputada estadual Mical Damasceno.

Apesar de vinculado ao movimento evangélico – principal base eleitoral da deputada – Edivaldo teme ser ligado diretamente ao presidente Jair Bolsonaro e dificultar sua relação com seus ex-parceiros da esquerda no Maranhão.

Esta semana, conforme revelou o blog Marco Aurélio D’Eça, o governador Flávio Dino revelou em entrevista a um site nacional que não apoiará nenhum bolsonarista em 2022.

Desde então, Edivaldo passou a reduzir os contatos com o PTB, engatando conversas com outras legendas, de perfil mais independentes. 

Um caminho mais provável seria o PSD, que, desde o início do ano, ofereceu legenda a ele para as eleições de 2022.

Mas esta é uma outra história…