5

Lideranças já articulam aliança entre Weverton, Edivaldo e Lahésio no segundo turno

Senador Roberto Rocha, deputados federais Edilázio Júnior, Josimar Maranhãozinho e Aluisio Mendes, prefeitos Erlânio Xavier e Maura Jorge já entraram em campo para buscar formas de garantir a qualquer um dos três candidatos que estiver no segundo turno o apoio de todo o grupo dos demais

 

Os partidos que fecham com todos os candidatos a governador estão discutindo formas de estarem no mesmo palanque no segundo turno

Uma operação de blindagem dos adversários do projeto de poder do ex-governador Flávio Dino (PSB) começou a ser operada esta semana, em busca de unidade de toda a oposição em um eventual segundo turno.

A articulação, que envolve o senador Roberto Rocha, os deputados federais Aluisio Mendes (PSC), Edilázio Júnior (PSD) e Josimar Maranhãozinho (PL), os prefeitos Erlânio Xavier (PDT) e Maura Jorge (PSDB), visa fazer contraponto à tentativa do Palácio dos Leões de promover o racha entre seus adversários.

Flávio Dino sabe que são diminutas as chances de Carlos Brandão em um eventual segundo turno – seja contra Weverton Rocha (PDT), contra Dr. Lahésio (PSC) ou mesmo contra Edivaldo Júnior (PSD) –  por isso trabalha usando a mídia controlada pelo Palácio para gerar crises, principalmente, entre Weverton e Lahésio.

Os agentes articuladores de ambos os lados já começaram a operar a blindagem das duas campanhas; e mantêm diálogo aberto com o deputado Edilázio Júnior, principal articulador da campanha de Edivaldo Júnior.

A ideia é firmar um pacto de não-agressão e um compromisso de que todos estejam no mesmo palanque em um eventual segundo turno, caso o candidato do Palácio dos Leões consiga superar a primeira etapa de votação.

Juntos, de acordo com pesquisa Exata, Weverton, Lahésio e Edivaldo reúnem nada menos que 54% dos votos do Maranhão, um patamar quase impossível de ser batido, mesmo com toda a estrutura do governo.

É para preservar esse eleitorado que os agentes das três candidaturas começaram a trabalhar a blindagem contra as artimanhas do Palácio dos Leões…

3

De como o Palácio dos Leões transformou Lahésio em laranja de Brandão…

Com o controle de Flávio Dino, secretário Ricardo Capelli cria narrativa nas redes sociais que são espalhadas para jornalistas e blogueiros alinhados e ganha forte repercussão na TV Mirante, do Grupo Sarney, que abre espaços quase diários para o ex-prefeito que o governo quer ter como adversário no segundo turno

 

Laranja, Lahésio seguiu logo cedo o roteiro traçado pelo Palácio dos Leões, sentando praça na TV Mirante, aliada de Brandão

Análise da notícia

O blog Marco Aurélio D’Eça foi o primeiro a alertar – ainda em abril – que o ex-prefeito de São Pedro dos Crentes, Dr. Lahésio Bonfim (PSC) assumiria o papel de laranja do governador-tampão Carlos Brandão (PSB) nesta campanha eleitoral.

Lahésio foi transformando – com anuência dele mesmo – por que o governo quer tê-lo na disputa de um eventual segundo turno; e ele, mais preocupado em se viabilizar para as eleições municipais de Imperatriz, em 2024, está aceitando o papel, que tem um script desenhado e articulado no Palácio dos Leões, com apoio da mídia controlada e da TV Mirante, apoiadora de Brandão.

O secretário de Comunicação Ricardo Capelli é o responsável por criar as narrativas sobre uma tal ameaça de Lahésio ao senador Weverton Rocha (PDT) – que lidera com folga as pesquisas. Esta narrativa é pautada em blogs controlados pelo Palácio, com textos muitas vezes produzidos no próprio Palácio, disseminando a ideia de força eleitoral de Lahésio.

No dia seguinte, o candidato do PSC – cujo presidente é o sarneysista Aluisio Mendes – aparece em algum dos veículos do Grupo Mirante, geralmente na TV, mas também nas rádios e no portal do conglomerado.

Observe que a história da inacreditável Escutec/Grupo Mirante atendeu exatamente a este script.

Primeiro, a pesquisa mostrou um estratosférico crescimento de Brandão, mesmo internasdo há 30 dias; em seguida, Cappeli passou a narrar em suas redes sociais a tal ameaça de Lahésio a Weverton, reproduzida em seguida nos vários blogs controlados pelo Palácio dos Leões.

E nesta sexta-feira, 17, quem aparece na TV Mirante logo cedo? Exatamente o laranja Lahésio.

O que o palácio dos Leões não previu com esta estratégia é que, do outro lado, estaria um adversário como Weverton, já passado na casca de alho dessas artimanhas e com poder de fogo para enfrentar não apenas o governo, mas também o Grupo Sarney e a própria Mirante.

Weverton se preparou lá atrás para o que viria.

A construção da candidatura em meio ao povo, desde 2018, deu a Weverton uma sólida base de votos, bem distante de ser ameaçada pelo laranja Lahésio.

E este – o Lahésio – aceita o papel de laranja por que tem outros interesses.

Para além de 2022…

0

Nem mesmo aliados de Brandão acreditam em pesquisa Escutec/Mirante; Instituto arrisca a própria credibilidade

Levantamento que aponta o governador-tampão com 33% das intenções de voto – mesmo internado há 30 dias, com dúvidas sobre a própria candidatura e com várias crises no governo – teve efeito contrário ao esperado e levou a base governista a se convencer de que o Palácio dos Leões começou a forçar a barra com a candidatura oficial

 

Flávio Dino, Márcio e Capelli têm tentado salvar a candidatura de Brandão, mas suas ações têm levado aliados importantes ao constrangimento de se expor nas redes sociais

Análise da notícia

Se esperava dar uma injeção de gás na base aliada com a divulgação da pesquisa Escutec/Grupo Mirante, nesta quinta-feira, 16, o Palácio dos Leões viu um efeito contrário desde a divulgação dos números.

O levantamento virou chacota nas redes sociais e em aplicativos de troca de mensagens, ao apontar o governador-tampão afastado Carlos Brandão (PSB) com 33% das intenções de votos, cinco pontos à frente do senador Weverton Rocha (PDT).

Desde a divulgação dos números no Imirante.com, os memes de internet, os deboches e os questionamentos mais sérios começaram a pipocar, observando a farsa do levantamento.

Brandão está há exatos 30 dias afastado do governo, com sérias desconfianças sobre a própria capacidade de enfrentar uma campanha, com problemas estruturais em sua gestão, crise no setor de transporte de ferry boat e falta de ação do governo em todas as áreas.

Não há, portanto, fato novo algum que justifique seu crescimento acentuado na pesquisa – a não ser a tentativa do Palácio dos Leões de salvar a candidatura oficial.

Um dos memes sobre a pesquisa põe Brandão de colete salva-vidas e diz que a pesquisa encomendada serviu para tentar salvar sua candidatura

A ação de salvamento da candidatura de Brandão foi tão orquestrada que os textos publicados na mídia alinhada ao Palácio dos Leões é um só, copiado do site do grupo que o contratou. (Veja aqui, aqui e aqui)

A divulgação da pesquisa Escutec/TV Mirante põe em xeque a credibilidade do próprio instituto, aliás já alertado pelo blog Marco Aurélio D’Eça, quando da pesquisa de maio, no post “Exata e Escutec terão maior prova de fogo em eleições desde 1994…”

De qualquer forma, para a base aliada, é como se os números simplesmente não tivessem existido.

E a única dúvida da população é: Brandão ainda é ou não candidato ao governo???

2

Exata e Escutec terão maior prova de fogo da credibilidade em eleições desde 1994…

Embora tecnicamente apresentando os mesmos patamares de votos para os principais candidatos a governador em suas pesquisas, institutos que devem ser a referência no atual pleito acabam em xeque pela relação dos postulantes com as empresas de comunicação que os contratam, remetendo à lendária disputa Roseana versus Cafeteira

 

Institutos de maior repercussão no Maranhão têm nestas eleições um teste de fogo para a credibilidade, dada à vinculação dos candidatos a grupos de mídia que fazem pesquisas

Análise da notícia

Contratados, respectivamente, pelo Grupo Mirante e pelo Sistema Difusora, os institutos de pesquisa Escutec e Exata devem se estabelecer como os principais parâmetros dos levantamentos sobre a corrida pelo Governo do Estado nestas eleições de 2022.

Mas também terão neste pleito uma prova de fogo para sua credibilidade desde a lendária disputa entre Roseana Sarney e Cafeteira, em 1994.

Para início de conversa, é preciso estabelecer que a Escutec é contratada do Grupo Mirante, hoje alinhado – ainda que não oficialmente – à candidatura do governador-tampão Carlos Brandão (PSB); a Exata, por sua vez, atua para a TV Difusora, hoje vinculada ao senador Weverton Rocha (PDT).

Embora não deva haver relação de causa e efeito entre pesquisas, contratantes e candidatos, não há dúvidas de que a opinião pública verá sempre influência de quem contrata os levantamentos na divulgação dos resultados.

Dito isto, é preciso estabelecer também que, tecnicamente, os números da Escutec e da Exata divulgados neste domingo, 1º, são praticamente os mesmos para Weverton e Carlos Brandão. A Escutec diz que Brandão tem 24% e Weverton 20%; já a Exata afirma Weverton à frente, com 22% contra 21% de Brandão.

Isso permite dizer que Weverton e Brandão têm hoje algo entre 20% e 25% das intenções de votos cada um, levando em conta cada margem de erro de cada levantamento.

Para a Escutec, contratada da Mirante, é Brandão quem está à frente; a Exata, parceira da Difusora, diz que quem lidera é Weverton.

Cafeteria e Roseana em 1994: eleição tumultuada até o último momento vitória amplamente questionada de Roseana Sarney

O blog Marco Aurélio D’Eça publicou, em novembro de 2020, o post “Como ler pesquisas eleitorais”.

Tratava-se de um Ensaio sobre o que são os levantamentos, ensinando a não levar-se apenas pelo vínculo de um instituto a um candidato ou a um grupo.

– Analistas e comentaristas equivocam-se em bombardear levantamentos ou vincular institutos a candidatos; pesquisa é estimativa, e como tal, nunca pode ser precisa, já que trabalha com variantes pré-estabelecidas – já dizia este blog, em 2020.

Não houvesse o vínculo de relação das duas principais emissoras de TV com os candidatos a governador, as pesquisas seriam analisadas dentro de uma liberdade estatística para dizer que as duas mostram exatamente a mesma coisa na corrida eleitoral neste momento.

Se decidirem bancar seus prognósticos até o fim da eleição, aquele instituto que alcançar melhor resultado no pleito terá superado no Maranhão sua maior prova de fogo desde as eleições de 1994, quando ainda sequer havia regulamentação de pesquisas na Justiça Eleitoral.

Aquela eleição – polarizada entre o então senador Epitácio Cafeteira e a então deputada federal Roseana Sarney (MDB) desmoralizou a credibilidade dos institutos de pesquisa, levando alguns à quase-extinção.

E a credibilidade é o preço alto a pagar no espaço mercadológico…

2

O plano do Palácio dos Leões para inviabilizar a gestão de Braide

Atuando em frentes políticas, administrativas, midiáticas e eleitorais, Governo do Estado quer tornar a vida do prefeito de São Luís cada vez mais difícil, para minimizar sua influência no processo eleitoral de outubro e deixá-lo sem perspectiva de reeleição; discurso do vereador Francisco Chaguinhas revelou parte deste esquema

 

Isolado politicamente, sem base na Câmara e sem força na mídia, Braide torna-se presa fácil para o Palácio dos Leões

O Palácio dos Leões está tentando por em prática um plano que visa desgastar até o limite da inviabilização a gestão do prefeito de São Luís, Eduardo Braide (Sem partido).

O objetivo é tornar o prefeito um pária político, a ponto de não ter sequer influência no processo eleitoral de outubro.

Uma parte deste esquema foi revelada na segunda-feira, 18, pelo vereador Francisco Chaguinhas (Podemos), que anunciou sua volta à base do prefeito “após descobrir a intenção extremista de alguns colegas”.

– Já falam até em cassação do prefeito – revelou Chaguinhas ao blog Marco Aurélio D’Eça.

O Palácio dos Leões trabalha em duas frentes.

Duarte quer Braide fraco a partir de agora, para garantir suas chances em 2024; Brandão quer a mesma coisa, mas para impedir o prefeito de atuar em outubro

A primeira, comandada pelo próprio governador-tampão Carlos Brandão (PSB), visa tirar qualquer influência de Braide nas eleições de outubro; para isso, além de vereadores alinhados, usa também lideranças dos servidores públicos e a parte da mídia que hoje é controlada pelo Palácio dos Leões.

Para desgastar o prefeito ao máximo, Brandão vale-se do controle que o secretário de Comunicação Ricardo Capelli tem hoje nos principais veículos de comunicação; e da falta de acesso de Braide a esses veículos. 

A outra frente é comandada pelo deputado estadual Duarte Júnior (PSB), derrotado por Braide nas eleições de 2020 e que sonha ser o próximo prefeito, já em 2024.

A atuação de Duarte Júnior se dá entre servidores públicos municipais – estimulando movimentos e manifestações – e nas redes sociais e nos blogs, valendo-se da fragilidade do prefeito também nestes dois campos da mídia.

As duas frentes entendem que Eduardo Braide está sem base na Câmara Municipal e terá dificuldades para aprovar projetos de importância para a cidade.

Desgastado política e midiaticamente, entendem os brandonistas, Braide torna-se presa fácil para o projeto de poder do Palácio dos Leões.

2

Sarneysistas começam a tentar descolar Brandão de Flávio Dino

Sob o comando do ex-secretário e ex-superintendente do Grupo Mirante, Sérgio Macedo, campanha do governador-tampão – com forte participação de setores da mídia ligada à família do ex-presidente da República – segue linha diversa da pregada pelo dinista Ricardo Capelli, que continuou na comunicação do governo

 

Brandão com jornalistas sanreysistas no Palácio dos Leões; maioria antidinista segue orientação de Sérgio Macedo, não de Ricardo Capelli

O governador-tampão Carlos Brandão (PSB) enfrenta uma espécie de dupla identidade em sua comunicação.

O chefe do governo tem a imagem construída por um aliado do afilhado do ex-governador Flávio Dino, o chefe da Secom, Ricardo Capelli; já o candidato à reeleição é construído pelo jornalista Sérgio Macedo, sarneysista, ex-secretário de Roseana Sarney (MDB) e ex-comandante do Grupo Mirante.

A divisão clara entre um dinista e um sarneysista gera confusão na imagem do governador-tampão.

Enquanto Capelli tenta construir um governo Brandão como continuidade do de Flávio Dino, atrelando todas as ações ao antecessor, Macedo quer descolar a imagem de Brandão da de Dino; e para isso, conta com a mídia sarneysista.

Batendo cabeça, a mídia alinhada ao Palácio dos Leões – dinistas e sarneysistas – constrói narrativas confusas e que se chocam entre si.

O resultado é um governo ainda sem identidade. Não se sabe se é dinista ou sarneysista; só não é lulista.

Mas pode ser sarnodinista ou dinosarneysista…

5

Flávio Dino agora culpa Governo Federal pela miséria no Maranhão em seu período de governo

Em entrevista à TV Mirante, ex-governador responsabilizou diretamente a política econômica nacional e até os bancos de fomento – Caixa, Banco do Nordeste e BNDEs – pelo número de miseráveis que cresceu durante os oito anos em que ele esteve à frente do estado

 

Dino agora quer culpar terceiros por não ter conseguido livrar o Maranhão da miséria, como prometeu em 2014

O agora ex-governador Flávio Dino (PSB) chegou às raias do absurdo, neste segunda-feira, 4, em entrevista aos veículos do Grupo Mirante, ao responsabilizar diretamente a política econômica nacional – e os bancos de fomento – pelo aumento da miséria em seus oito anos de governo.

Apenas quatro dias depois de deixar o governo – e depois de prometer tirar os municípios maranhense da lista dos 100 mais miseráveis do Brasil – Dino aponta a Caixa Econômica, O Banco do Nordeste e o BNDEs pela falta de políticas capazes de tirar o maranhense da linha de pobreza.

No período de mandato de Flávio Dino, o Maranhão piorou os índices de pobreza e não apresentou crescimento nos índices econômico e de desenvolvimento. 

É hoje um dos mais pobres do Brasil.

Está na última posição em competitividade.

Tem o pior índice de saneamento básico.

Fracassou no crescimento econômico.

Tem pior nível de educação.

Mas Flávio Dino quer se eximir de sua responsabilidade e usa os mesmos métodos políticos que sempre condenou, jogando sua responsabilidade para terceiros.

E se beneficia da falta de um posicionamento crítico mais intenso por parte da mídia que o entrevista…

 

 

 

0

Weverton resiste às investidas do Palácio dos Leões e mantêm-se entre os líderes da disputa pelo governo, mostra Escutec

Mesmo com as agressivas tentativas de esvaziamento promovidas por Flávio Dino e Carlos Brandão – e a busca da dupla por um adversário bolsonarista – senador do PDT mantém-se empatado com o agora governador tucanosocialista, em uma eleição polarizada abertamente na base dinista

 

Mesmo com a agressiva guerrilha contra Weverton Rocha, Flávio Dino não conseguiu descolar seu candidato do senador pedetista

O ex-governador Flávio Dino (PSB) promoveu nas últimas semanas uma verdadeira guerrilha contra o senador Weverton Rocha (PDT), na tentativa de esvaziar sua candidatura e tirá-lo do caminho do agora novo governador Carlos Brandão (PSB).

Não adiantou.

De acordo com pesquisa Escutec divulgada neste sábado, 2, pelo Grupo Mirante, Weverton mantém-se ente os líderes da corrida, com 21%, mesmo empatado com Brandão, que aparece com 22%.

A pesquisa também frustrou as tentativas do Palácio dos Leões de promover um candidato de Bolsonaro para facilitar a vida de Brandão num eventual segundo turno; o mais bem posicionado da base bolsonarista é o ex-prefeito Edivaldo Júnior (PSD), com distantes 12%.

Roberto Rocha (PTB), Lahésio Bonfim (Agir36) e Josimar Maranhãozinho (PL) vêm na sequência, com 10%, 9% e 5%, respectivamente.

Simplício Araújo (Solidariedade) registrou 2% e Enilton Rodrigues (PSOL) 1%; Hertz Dias não pontuou.

Embora não tenha sido divulgado, a Excutec também testou cenários de segundo turno, entre Brandão e Weverton e entre os dois e outros candidatos.

Registrada na Justiça Eleitoral sob o número MA-00150/2022, a pesquisa Escutec ouviu 2 mil eleitores nos dias 27 de março a 1º de abril. A margem de erro é de 2,19% para mais ou para menos.

2

“Vamos dialogar até as convenções”, diz Weverton sobre apoio a Flávio Dino

Pré-candidato do PDT ao  Governo do Estado diz que o interesse do seu grupo político é apoiar a candidatura do governador ao Senado e que pretende conversar para construir este entendimento

Weverton voltou a falar à Mirante sobre sua candidatura ao governo e sua relação com Flávio Dino

O pré-candidato do PDT ao Governo do Estado voltou a afirmar nesta quarta-feira, 2, que tem interesse em apoiar a candidatura do governador Flávio Dino (PSB) ao Senado.

– Eu disse ao governador Flávio Dino que temos todo o interesse em apoiá-lo. Vamos dialogar daqui até as convenções e construir esse ambiente – ressaltou Weverton, que diz não entender como rompimento a confirmação de sua candidatura na base dinista.

Em entrevista à TV Mirante, Weverton voltou a lembrar da “solução Roberto Arruda”, tomada em 2006 pelo então governador  do Distrito Federal, Joaquim Roriz (MDB), que teve dois candidatos a governador apoiando sua candidatura.

Esta história foi contada ainda em setembro no blog Marco Aurélio D’Eça, no post “A solução José Roberto Arruda no Maranhão”.

– A política é a arte do diálogo e dialogaremos com ele  para tentar construir esse entendimento – afirmou.

Segundo Weverton, a construção do apoio a Flávio Dino é um entendimento de todo o grupo que apoia sua candidatura ao governo.

– Nosso grupo, a maioria absoluta, é a favor que se faça essa construção – concluiu, sobre o assunto. 

0

Com sete dias de atraso, Brandão finalmente vai ao interior alagado

Vice-governador passou o fim de ano de férias nos Estados Unidos, mas não retornou mesmo com o aumento do número de desabrigados com as chuvas que se intensificaram desde o dia 1º de janeiro

 

Após curtir as férias integralmente com a família nos Estados Unidos, Brandão apareceu hoje paramentado na TV para anunciar visita aos municípios alagados

Sete dias depois depois do começo de intensas chuvas no maranhão, o vice-governador Carlos brandão (PSDB) finalmente retornou de suas férias nos  Estados Unidos.

Para mostrar que estava de volta ao  estado  – com várias cidades maranhenses debaixo d’água – ele deu entrevista à TV Mirante logo cedo e seguiu para o interior.

Os municípios sofrem com as chuvas desde o dia 1º de janeiro, quando o vice tucano estava nos  Estados Unidos, passeando com a família.

Mesmo diante do agravamento da situação – e com o governando Flávio Dino (PSB) em quarentena por causa da CoVID-19 – Brandão decidiu manter a legenda de férias, retornando apenas nesta sexta-feira, 7, ao  Brasil.

Boa parte do auxílio aos desabrigados já foi dado pelas prefeituras, setores do governo do estado e parlamentares que ajudaram in loco.

A presença do vice-governador, agora, portanto, é apenas midiática-eleitoral.