0

Brandão tenta cooptar prefeitos na eleição da Famem…

Apesar das advertências do Palácio dos Leões, vice-governador usa o próprio gabinete para tentar gerar um clima de competição na eleição da Famem; mas ainda não conseguiu construir uma candidatura competitiva

 

Carlos Brandão não tem dado ouvidos à pregação de unidade do governador Flávio Dino e tem usado o Palácio dos Leões para operar nas eleições da Famem

O vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) resolveu agir mesmo por conta própria e está utilizando a estrutura do governo para gerar um clima de competição na Federação dos Municípios do Maranhão (Famem).

Brandão tem ligado pessoalmente – ou recebido prefeitos em seu gabinete – pregando contra a candidatura do atual presidente, Erlânio Xavier (PDT), mesmo diante da pregação de unidade do governador Flávio Dino (PCdoB).

E para isso conta, também, com o apoio do chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB).

O blog Marco Aurélio D’Eça apurou com os gestores municipais – alguns eleitos e outros reeleitos – que o vice-governador ligou para prefeitos do PCdoB, do PTB e do PP com o argumento de que “o governador vai tirar cargos do PDT”.

O problema é que ele sequer conseguiu apresentar um candidato para a disputa na Famem.

Tentou o prefeito reeleito de Caxias, Fábio Gentil (PRB), mas não obteve resposta; foi em busca de outros nomes e não conseguiu ninguém para o projeto; precisou se aliar a Josimar de Maranhãozinho (PL), que pode lançar um nome da sua cepa de prefeitos.

A movimentação de Brandão tem criado um clima de tensão na base do governo, por gerar expectativa quanto à definição de Flávio Dino em relação ao que ocorreu em 2020 e ao projeto para 2022.

Os aliados mais próximos do governador têm buscado a reunificação da base, mas enfrentam a resistência da sangria desatada do vice-governador.

Que, ansioso, está cada dia mais afoito por 2022…

2

Desafio de Flávio Dino é unificar a base em torno de Duarte Jr….

Governador declarou voto no candidato republicano neste segundo turno, o que envolve diretamente o Palácio dos Leões na campanha; mas nenhuma outra liderança do seu grupo político sinalizou, ainda, sobre alianças

 

Flávio Dino assumiu imediatamente o voto em Duarte Júnior no segundo turno; mas precisa unificar a base em torno do seu candidato

Ao assumir publicamente o voto no candidato Duarte Júnior (Republicano) no segundo turno das eleições de São Luís, o governador Flávio Dino (PCdoB) botou o governo diretamente na disputa.

– No segundo turno de São Luís temos Duarte Júnior, que integrou minha equipe e elegeu-se deputado estadual pelo PCdoB; com convicção votarei nele – afirmou Dino, nas redes sociais, logo após anúncio do segundo turno.

O desafio do governador agora será atrair o maior número de aliados da base à campanha de Duarte; missão difícil, diante das arestas criadas pelo candidato ao longo do primeiro turno.

Nenhum outro candidato a prefeito, por exemplo, se manifestou até agora sobre apoios no segundo turno. Mas Duarte também vai buscar conversar.

A expectativa maior gira em torno do ´prefeito Edivaldo Júnior (PDT), visto como um dos principais cabos eleitorais de São Luís, mas que se manteve distante do pleito no primeiro turno.

O apoio de Flávio Dino a Duarte Júnior deve levar Edivaldo a também tomar posição.

Ele tem duas semanas para decidir-se…

2

Com candidatura aprovada, Ricardo intensifica campanha em Coroatá

Candidato do PSDB segue firme na disputa pela prefeitura e reúne as maiores lideranças de oposição no município do qual já foi prefeito

 

O ex-deputado federal, ex-secretário de Saúde e ex-prefeito de Coroatá teve a candidatura aprovada pela Juíza Anelise Reginato, da 8ª Zona Eleitoral; e segue intensificando a campanha pela prefeitura local.

Candidato pelo PSDB, Murad conseguiu reunir em torno do seu nome as principais lideranças de oposição em Coroatá.

Os adversários do tucano tentam impedir judicialmente sua candidatura, temendo um revés nas urnas.

Ricardo Murad é um dos muitos candidatos no interior que o Palácio dos Leões trabalha para evitar a eleição.

Sua vitória nas urnas é, portanto, simbólica para o processo eleitoral de 2022.

Por isso a tentativa de tirá-lo da disputa…

2

As estranhas idas e vindas de Rubens Júnior nas pesquisas…

Candidato do PCdoB alterna estrondosos crescimentos em pesquisas alinhadas ao Palácio dos Leões com fracassos de desempenho em levantamentos outros, o que levanta dúvidas sobre a sua real performance na disputa pela Prefeitura de São Luís

 

Candidato do Palácio dos Leões, Rubens Júnior aparece sempre com bom desempenho em pesquisas de institutos vinculados ao governo Flávio Dino; coincidência?

Na semana passada, o candidato do PCdoB a prefeito de São Luís, Rubens Pereira Júnior, surgiu com nada menos que 6% das intenções de voto na pesquisa Econométrica, o que foi recebido com festa no Palácio dos leões.

Dias depois, a dura realidade se impôs sobre o candidato, com o Instituto Prever devolvendo seus índices para a casa dos 2% que vinham sendo registrados sistematicamente.

Nesta terça-feira, 6, no entanto, o DataIlha apresenta Rubens com 7,7% das intenções, em condições de empate técnico com Duarte Júnior (Republicanos) e, sobretudo, Neto Evangelista (DEM).

A coincidência é que as duas pesquisas nas quais o comunista aparece com boa performance são de institutos vinculados, de uma forma ou de outra, aos interesses do Palácio dos Leões e do núcleo duro do governo Flávio Dino (PCdoB).

Até que ponto, portanto, essas pesquisas inflam o candidato de Dino para fazê-lo parecer competitivo aos olhos do eleitor?

Essa pergunta só será respondida com a pesquisa Escutec, que não tem relação alguma com nenhum grupo político interessado diretamente nas eleições de São Luís.

É a partir desses dados que se terá o real cenário da disputa…

1

Rubens ameaça Duarte no mesmo nicho eleitoral…

Candidato do PCdoB disputa o mesmo nicho eleitoral do republicano e divide com ele a condição de candidato do Palácio, com a diferença que usa abertamente a imagem de Flávio Dino, enquanto o outro se contenta com Carlos Brandão

 

Duarte Júnior teve que se contentar com o vice, Carlos Brandão, enquanto Rubens Júnior tem o governador Flávio Dino; mas os dois disputam o mesmo nicho político-eleitoral

Análise de conjuntura

A pesquisa da Econométrica divulgada nesta quarta-feira, 30, mostrou uma realidade diferente para o candidato do Republicanos, Duarte Júnior, até então isolado na segunda posição da disputa pela Prefeitura de São Luís.

Além de perder esta condição após empate rigoroso com o candidato democrata Neto Evangelista (10,8% contra 10,6%, respectivamente), Duarte viu o candidato do Palácio dos Leões, Rubens Júnior (PCdoB), avançar para 6% das intenções de votos.

Em que pese os interesses da pesquisa Econométrica, esse percentual de Rubens é sinal de alerta para Duarte pelo fato de os dois candidatos atuarem no mesmo nicho político-eleitoral, a partir do Palácio dos Leões.

Tanto o republicano quanto o comunista reivindicavam, antes do início da campanha, a condição de candidato do governador Flávio Dino (PCdoB), mas foi Pereira Júnior quem ganhou essa condição, ainda que contra a vontade do próprio Dino.

Coube a Duarte Júnior contentar-se em ser o candidato do vice-governador Carlos Brandão; mas o nicho é o mesmo: o entorno do Palácio dos Leões.

Por isso é que nesta briga pelo terceiro lugar Neto Evangelista (DEM) acaba se distanciando dos dois, por que não pode ser incluído na conta de candidato eminentemente palaciano.

Neto é do DEM e está coligado com PDT, PSL, PTB e MDB, partidos que hoje gravitam em torno do senador Weverton Rocha (PDT), protagonista de outro projeto de poder.

O candidato democrata, portanto, atua em outro nicho político-eleitoral; e seus votos saem de outra estrutura de poder que não a do Palácio dos Leões.

Duarte Júnior, candidato número 2 do Palácio, portanto, terá que resistir ao avanço do candidato palaciano número 1, Rubens Pereira Júnior.

E nesta guerra pode acabar ficando para trás da disputa principal, pelo segundo turno…

0

“O consórcio está mais escancarado”, diz Wellington do Curso

Em entrevista ao jornal O EstadoMaranhão, pré-candidato do PSDB a prefeito de São Luís ressalta que o pool de candidatos estruturados pelo Palácio dos Leões atua desde 2016 e, agora, em 2020,  utiliza posturas até criminosas, como loteamento de secretarias entre eles

 

Wellington apontou para o consórcio de candidatos de Flávio Dino e ignorou o nome de Eduardo Braide, que chama de “o outro candidato mais fácil de vencer”

Pré-candidato a prefeito de São Luís pelo PSDB, o deputado estadual Wellington do Curso denunciou o que chama de consórcio de candidatos estruturados pelo Palácio dos Leões e diz que este grupo age desde as eleições e 2016.

– Em 2016, fomos vítimas disso. Flávio Dino e seus aliados fizeram de tudo para que nós não chegássemos ao segundo turno. Em 2018, nas eleições para deputado, isso ficou muito mais forte. Tentaram de todas as formas impedir que fossemos eleitos, há relatos de eleitores nossos que receberam até propostas financeiras para não nos apoiar – afirmou o candidato, em entrevista ao jornal O EstadoMaranhão.

Apesar das evidências de que, ao menos este candidatos atuam de forma coordenada por agentes do governo Flávio Dino (PCdoB), os envolvidos negam a existência de consórcio.

Para Wellington, no entanto, esse candidatos têm postura até criminosa.

– Existe um consórcio sim; e agora, este ano, está bem mais escancarado. Mas não irá vencer. A postura é tão criminosa que já dividiram as secretarias do governador Flávio Dino para apoiar os pré-candidatos ligados ao consórcio e até dividiram as secretarias da Prefeitura de São Luís com seus aliados, mesmo antes de ganhar – disse o pré-candidato tucano, embora sem citar nomes.

Na entrevista ao EMA, Wellington do Curso reafirmou apoio do PSDB á sua candidatura, se declarou “mais maduro e experiente que em 2016 e evitou citar o nome do candidato Eduardo Braide (Podemos), de quem seria uma espécie de aliado independente.

Sobre Braide, a quem de chama de “o outro candidato”, Wellington frisou que, em 2016, ele foi escolhido pelo governo Flávio Dino para ir ao segundo turno, “por ter mais chance de superá-lo”.

A entrevista foi publicada na edição desta terça-feira, 28, do jornal O EstadoMaranhão…

1

Wellington é a chave da vitória de Braide em 1º turno

Pesquisas revelam que o deputado do PSDB terá papel estratégico nas eleições de novembro. Se for ao segundo turno, derrota o consórcio do Palácio dos Leões; mas, se perder terreno, pode impedir o segundo turno com uma renúncia às vésperas do pleito

 

É estratégico o papel de Wellington em São Luís: se for ao segundo turno contra Braide, derrota o governo Flávio Dino; se renunciar, favorece a vitória do próprio Bride em primeiro turno

O consórcio de candidatos estimulados pelo Palácio dos Leões trabalha nas eleições de São Luís com um objetivo único neste primeiro turno: forçar um segundo turno em que um deles dispute com o deputado Eduardo Braide (Podemos), favorito em todas as pesquisas.

Mas a cada levantamento divulgado, um personagem se mostra cada vez mais consolidado no meio dos governistas, podendo impedir o sonho do governo e seus aliados de ter representante numa segunda rodada de votações.

Este personagem chama-se Wellington do Curso.

O deputado estadual do PSDB mantém-se no patamar de 7% a 10% das intenções de votos, dependendo do cenário. E polariza com Duarte Júnior (Republicanos) e Neto Evangelista (DEM) as chances de disputar um confronto direto com Eduardo Braide.

É exatamente este patamar de Wellington a pedra no sapato dos candidatos ligados a Flávio Dino (PCdoB); de uma forma ou de outra, o tucano pode encerrar o sonho dos palacianos.

Se mantiver o índice eleitoral e superar seus adversários, o candidato do PSDB impõe uma derrota histórica aos governistas, tirando-os de um segundo turno em São Luís.

Mas, se perder espaço para qualquer dos candidatos governistas, o deputado passa a ter valor maior ainda, por que, neste caso, só precisaria renunciar à candidatura às vésperas do pleito para Braide liquidar a fatura em primeiro turno.

Para os candidatos palacianos, portanto, além de diminuir a diferença em relação a Braide, é fundamental, também, que Wellington perca relevância no contexto das eleições.

Mas as pesquisas continuam mostrando o contrário…

3

A superestrutura de campanha que tenta catapultar Rubens Júnior…

Secretário de Cidades já tem à disposição equipes de marketing e análise de números, imprensa e divulgação, na tentativa de deslanchar nas pesquisas até depois do carnaval, quando será definido o candidato do grupo Flávio Dino/Edivaldo Júnior

 

Rubens Júnior tem à sua disposição toda a estrutura de mídia e marketing do governo Flávio Dino; mas este investimento comunista ainda não se refletiu nos números

A movimentação do secretário de Cidades e pré-candidato do PCdoB a prefeito de São Luís, Rubens Pereira Júnior, na semana passada, foi resultado de um estudo de campo.

Suas falas, a ocupação de espaços de mídia, declarações em redes sociais e exposição pública estão sendo trabalhadas diariamente por uma equipe de profissionais já à disposição do pré-candidato.

Rubens Júnior é o candidato do Palácio dos Leões a prefeito, já está decidido.

Precisa agora convencer os demais aliados de que deve ser o nome de todo o grupo liderado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) e pelo prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

Para tanto, o secretário aceitou ser uma espécie de candidato de laboratório, exposto a experimentos de marketing que visam alavancar seus números nas pesquisas até depois do Carnaval, quando será escolhido o candidato da base governista.

Não se surpreenda, inclusive, se ele aparecer de dedinhos para cima, no batuque da folia de Momo, tudo milimetricamente estudado para gerar mídia.

Pereira Júnior mantém à disposição uma superestrutura, desde o início de 2019. Mesmo assim, fechou o ano com apenas 1% nas pesquisas de intenção de votos divulgadas em dezembro.

A despeito de sua performance, no entanto, o pré-candidato do PCdoB tem atraído apoio de vários membros da base, a exemplo do ex-presidente da Câmara, Astro de Ogum (PL), e de vários vereadores.

Falta convencer, ainda, o prefeito Edivaldo Jr. – que vai coordenar a sucessão em São Luís – e o chefe do PDT maranhense, senador Weverton Rocha, que tenta manter o partido no poder em São Luís.

Mas ainda há tempo para isso até o início das convenções, em julho.

Sobretudo se, antes, os números falarem positivamente…

4

Pesquisa de bastidores mostra surpresas ao Palácio dos Leões sobre 2020

Levantamento que estaria em poder do chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, mostra o fracasso das apostas governamentais em São Luís, reforça nome de Eliziane Gama e aponta Braide como franco favorito na corrida pela prefeitura

 

MESMO JÁ FORA DA DISPUTA PELA PREFEITURA, ELIZIANE SURGE COMO NOME DE MAIOR UNIDADE na base do governo Flávio Dino,garantindo o segundo turno

Pelo menos quatro dos mais de 10 pré-candidatos a prefeito de São Luís já confirmaram ao blog Marco Aurélio D’Eça a existência de uma nova pesquisa de intenção de votos sobre a corrida eleitoral de 2020.

Dizem até que os números estão em poder do chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, o que não é confirmado por ele.

De qualquer forma, os números confirmam o fracasso dos candidatos preferidos pelo Palácio dos Leões e a manutenção da força dos nomes rejeitados pelos comunistas.

Mas surge também um novo cenário – com a presença da senadora Eliziane Gama (Cidadania) entre os principais candidatos – o que põe ainda mais dúvidas no grupo do governador Flávio Dino (PCdoB).

Eliziane já descartou entrar na disputa pela prefeitura, mas seu nome é o mais forte dentre todos os membros da base – e o único com capacidade de unidade.

É a única, também, que consolida a possibilidade de segundo turno em todos os cenários.

APOSTAS DO PALÁCIO E DO SENADOR WEVERTON, RUBENS JÚNIOR E OSMAR FILHO não conseguem deslanchar nas pesquisas

Quem viu a pesquisa – ou pelo menos ouviu sobre seus números – diz que, além de Eliziane Gama, mantêm boa posição na base os deputados Duarte Júnior (PCdoB), Neto Evangelista (PDT) e Dr. Yglésio (sem partido), nenhum com apoio incondicional entre os governistas.

E Eduardo Braide mantém favoritismo, a quilômetros de distância dos adversários…

3

É o governo quem precisa se explicar, Márcio Jerry…

Ao atacar os próprios colegas jornalistas – por informação falsa publicada no próprio site governista – deputado federal levanta mais suspeitas de que tudo não passou de mais uma armação palaciana

 

MÁRCIO JERRY “MORTO-VIVO”: MORTE ANUNCIADA NO SITE DO SEU PRÓPRIO GOVERNO e agressão verborrágica aos colegas de jornalismo

O deputado federal Márcio Jerry (PCdoB) vocifera desde ontem contra a imprensa e contra os próprios colegas jornalistas, após notícia falsa – publicada no site do seu próprio governo – dando conta de sua morte, na última quarta-feira, 5.

O caso: o site ma.gov.br publicou “Nota de Pesar” pelo falecimento do deputado federal comunista em acidente de avião.

O site chegou a dar prefixo da aeronave e dados da viagem.

Horas depois, o portal governista retirou a informação, mas até agora não emitiu nenhum comunicado sobre o infeliz equívoco.

Ao usar sua verborragia ácida contra os colegas de profissão – alguns tratados até de “canalhas” – Jerry tenta esconder o fato de que foi o próprio governo Flávio Dino (PCdoB), em suas páginas oficiais, quem anunciou sua morte.

Pior: até agora, o Palácio dos Leões não emitiu qualquer nota desculpando-se com o deputado e com o público leitor, submetidos à fake news oficial.

Detalhe: a fake news palaciana foi plantada exatamente no período em que Jerry era bombardeado em todo país por posicionamentos atabalhoados nas redes sociais – o que amplia a suspeita de “cortina de fumaça”.

Mas Jerry prefere agredir jornalistas que chegaram a comentar o fato após publicação no site do governo.

Comportamento típico dos “mortos-vivos” que perambulam na política…