0

Carlos Brandão articula forte bancada na Assembleia…

Além do ex-pedetista Fábio Macedo – que confirmou o convite, embora não tenha decidido ainda – Republicanos deve reunir tanto parlamentares da base do governo Flávio Dino quanto membros da chamada oposição

 

Brandão navega bem entre deputados estaduais na Assembleia Legislativa; e prepara construção de bancada própria

A saída do deputado estadual Fábio Macedo do PDT pode ter sido a senha de uma forte movimentação parlamentar na Assembleia Legislativa ao longo de 2020.

E o caminho é mesmo o Republicanos (ex-PRB), partido do vice-governador Carlos Brandão.

Especula-se na Casa que Brandão tenha, hoje, algo em torno de 10 deputados simpáticos aos eu projeto de poder, incluindo tanto deputados da base do governo Flávio Dino (PCdoB) quanto os que fazem oposição ao governo.

Alguns desses parlamentares deve entrar no Republicanos já em 2020; outros, esperam o fim das eleições municipais.

Sucessor natural de Flávio Dino, Brandão deve assumir o governo em abril de 2022, criando as condições para concorrer à reeleição.

E este é um trunfo que atrai aliados e desgarrados…

3

Edivaldo e Eliziane: a terceira força no grupo de Flávio Dino…

O prefeito de São Luís e a senadora maranhense têm condições de polarizar a hegemonia política na base governista, desde que assumam papel de protagonistas, evitando estar a reboque de outras forças

 

Eliziane tem estado cada vez mais próxima do prefeito Edivaldo Júnior, que também se faz presente de maneira mais intensa em São Luís

Por qualquer ótica que se veja, a senadora Eliziane Gama (Cidadania) e o prefeito de São Luís Edivaldo Júnior (PDT) têm condições de assumir papel de destaque no grupo do governador Flávio Dino (PCdoB), tanto no cenário municipal quanto no estadual.

Eliziane aparece como melhor posicionada entre os membros da base dinista em qualquer pesquisa relacionada às eleições estaduais. Edivaldo, por sua vez, é quase unanimidade na base, por seu carisma – e ampliará seu cacife se deixar um legado ao término do mandato em São Luís.

Mas é preciso que ambos assumam papel de protagonista já agora nas eleições municipais, ao menos como apoiadores de candidaturas de fato competitivas, e não aventuras de últimas hora.

Tanto Eliziane quanto Edivaldo passaram 2019 distante do cenário, razão pela qual acabaram por ficar alheios ao debate sobre a sucessão.

Mas têm ainda cacife para influenciar as eleições.

Para isso, precisam sair das sombras de outras lideranças e assumir postura independente, capazes de demarcar o próprio território.

Hoje, o grupo Flávio Dino está dividido em dois subgrupos principais, liderado, de um lado, pelo senador Weverton Rocha (PDT) e, de outro, pelo vice-governador Carlos Brandão (PRB).

E os dois já polarizam a disputa pelo Governo do Estado.

Ao lado de Weverton estão o presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB); o presidente da Famem, Erlânio Xavier (PDT); ao menos cinco deputados, vários deputados estaduais e vários prefeitos no interior.

Com Brandão devem seguir os secretários de Articulação Política, Marcelo Tavares, da Casa Civil Rodrigo Lago, de Projetos Especiais, Luís Fernando Silva, além de deputados e prefeitos – alguns oriundos de grupos formados pelo ex-governador José Reinaldo e por remanescentes do grupo Sarney.

As duas lideranças têm recebido forte estímulo do deputado federal Márcio Jerry, ele também em busca de protagonismo para se preparar para os anos vindouros

De qualquer lado que se posicionarem, tanto Edivaldo quanto Eliziane irão a reboque dessas forças, como meros coadjuvantes.

É de se respeitar, portanto, o movimento que os dois estão fazendo, desde último fim de semana, em busca do próprio protagonismo no debate interno do dinismo.

E não admira que o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB) – ele próprio com risco de ser alijado do processo sucessório – esteja estimulando essa interlocução do prefeito e da senadora.

Os movimentos de hoje significam a busca pela própria sobrevivência política amanhã.

É simples assim…

0

Roseana lidera pesquisa para o governo em São Luís…

Ex-governadora alcançou o primeiro lugar na pesquisa espontânea do Instituto Data Ilha, o que mostra força política na capital maranhense, sempre caracterizada como de oposição ao grupo Sarney

 

A bela Roseana Sarney lidera corrida pelo governo bem à frente dos candidatos da base do governo Flávio Dino

Um dos cenários medidos pelo Instituto Data Ilha na pesquisa divulgada semana passada avaliou a opinião do eleitor de São Luís sobre a sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB).

Ao perguntar ao ludovicense em quem ele votaria para governador se as eleições fossem hoje a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) surgiu como primeira colocada, alcançando 8,6%, índice altíssimo para uma resposta espontânea.

Sobretudo pelo fato de que São Luís sempre teve posicionamento contrário ao chamado grupo Sarney. 

Para se ter uma ideia da importância do levantamento, o segundo lugar para o governo é ocupado por Eduardo Braide (podemos), que lidera a disputa pela prefeitura.

Nenhum dos candidatos da base do governo Flávio Dino (PCdoB) registrou mais de 1,5% das intenções de voto.

Sinal de que o ciclo comunista no Maranhão começa a entrar em declínio…

0

Eliziane Gama e Edivaldo Júnior alinhados sobre debate municipal…

Senadora tem se  reunido cada vez mais com o prefeito de São Luís para analisar o processo eleitoral, ocasiões em que conversam também com o deputado federal Márcio Jerry sobre o cenário estadual

 

Eliziane, Edivaldo e Márcio Jerry: troca de informações equilibradas sobre o cenário municipal e busca de unidade estadual

A senadora Elziane Gama (Cidadania) e o prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (PDT), estiveram na manhã de hoje reunidos no Palácio Henrique de La Rocque, em conversas informais sobre o processo eleitoral da capital maranhense.

O encontros entre as duas lideranças têm sido cada vez mais frequentes e tendem a formar um alinhamento sobre a sucessão do pedetista.

Na manhã de hoje, participaram da reunião também o empresario Inácio Mello, marido de Eliziane, e o deputado federal Márcio Jerry, presidente regional do PCdoB, outro entusiasta de uma unidade na base do governo Flávio Dino (PCdoB).

Segundo apurou o blog Marco Aurélio D’Eça, a intenção de Eliziane e de Edivaldo – agora com o apoio também de Márcio Jerry – é que essa unidade se reflita no processo municipal e também no estadual.

É aguardar e conferir, portanto…

1

Weverton e Dino iniciam tratativas de 2020 com vistas a 2022…

Primeiro “diálogo” – para usar uma expressão do próprio governador – foi iniciado após declarações desencontradas tanto dele quanto do senador; “proposta” é de unidade em torno da candidatura de Rubens júnior

 

Apesar da foto posada, totalmente antijornalística, o clima no encontro de Flávio Dino e Weverton Rocha foi mais de reaproximação do que de diálogo de aliados

Apesar da costumeira foto antijornalística, feita para espalhar na mídia alinhada, foi em clima de constrangimento o início do encontro de ontem entre o governador Flávio Dino (PCdoB) e o senador Weverton Rocha (PCdoB), o primeiro após declarações desencontradas de ambos, no final de 2019.

Dino vinha se mostrando contrariado com a ostensividade com que Rocha vinha tratando a sucessão de 2022, atropelando o debate de 2020; e deu o troco, voluntariamente ou não, afirmando que a candidatura do seu vice, Carlos Brandão (PRB), “era natural no grupo para 2022”.

A conversa, testemunhada pelo deputado federal Márcio Jerry (PCdoB), e pelo presidente da Famem, Erlânio Xavier (PDT) – hoje o lugar-tenente do senador no Maranhão – foi ao poucos ganhando ares de reaproximação velada.

E terminou com uma”tese” igualmente velada, mas que ficou clara na mente de todos os presentes: o PCdoB quer o PDT na campanha comunista à Prefeitura de São Luís, como início de uma aliança que passa por 2022. O PDT, por sua vez, quer uma aliança com o PCdoB em São Luís, desde que tenha as garantias de reciprocidade em 2022.

A ideia ficou no ar, sem “sim ou não” de nenhuma das partes; mas serviu como esboço do que será discutido nas próximas conversas. 

E assim encerrou-se o “primeiro diálogo” entre Weverton Rocha e Flávio de Dino…

1

Advogado vê eleições de 2020 e 2022 como “espetáculos dantescos”

Em artigo divulgado no fim de semana, Abdon Marinho lamenta que o pleito que se desenha para governador reúna apenas arrivistas de sempre, “os que enricaram enquanto diziam representar o povo”

 

Flávio Dino se deliciando com Mocotó em inauguração de reforma da Feira da Macaúba; para Abdon Marinho, comunista “apequena o estado”

O advogado Abdon Marinho, um dos principais cronistas da vida política maranhense, abordou em artigo no fim de semana aspectos das eleições de 2020 e de 2022, que ele classificou como “espetáculos dantescos”.

– Ficamos com a clara sensação que o homem de bem desistiu da política, resolveu deixar o comando dos destinos das cidades – e do estado –, nas mãos dos arrivistas de sempre, os que enricaram enquanto diziam representar o povo – apontou Marinho.

Criticando duramente  o abuso por parte dos candidatos – e do governador Flávio Dino (PCdoB) na promoção dos seus – o advogado ironizou o fato de o comunista ter participado de inauguração de reforma de feira, q e, na ua visão, apequena o estado.

Em seu artigo, intitulado “Eleições 2020: o começo do jogo e os desafios”, Abdon lamenta também que o comunismo não inaugurou um novo momento no estado, após 50 anos de comando do sarneysmo.

– Arriscamos-nos a dizer, até, que essa nova hegemonia se apresenta muito mais deletéria que a anterior, não apenas sob a ótica da dominação política como, também, no que se refere à gestão da máquina administrativa – apontou Marinho.

Falando especificamente das eleições municipais, o advogado entende que o pleito que se avizinha não trará qualquer novidade para o eleitor.

– O jogo político maranhense para esta eleição, e para a de 2022, se apresenta como o espetáculo dantesco. Com raríssimas exceções, impondo ao cidadão a obrigação de escolher entre o pior e o menos ruim – disse.

Abaixo, a íntegra do artigo de Abdon Marinho:

Eleições 2020: o começo do jogo e os desafios

Por Abdon Marinho

NO ÚLTIMO dia do ano passado um dos editores de jornalismo de uma emissora local me alcançou através de um aplicativo de celular. Queria uma entrevista sobre o calendário eleitoral, para o dia seguinte. Não vendo qualquer óbice, já marcamos para as oito e trinta horas do dia seguinte.

Se a primeira visita não parecesse muito adequado se falar de política logo no primeiro dia do ano, o assunto era mais do que oportuno. O dia primeiro já trazia as primeiras vedações a vincular os agentes e o processo político eleitoral como um todo, como por exemplo, a vedação de divulgação de pesquisas sem prévio registro na justiça eleitoral e dentro das balizas legais; a proibição de doar bens, valores ou benefícios por parte da administração pública, ressalvados os casos de calamidade pública ou programas sociais já em andamento e, ainda assim, podendo ser acompanhado pelo ministério público; a proibição de execução de programas sociais por entidades vinculadas nominalmente a candidatos ou por estes mantidas; e, por fim, a limitação à publicidade da administração pública federal, estadual ou municipal.

Quem tem acompanhado a cena política estadual – e nos municípios –, têm visto que desde o encerramento do último pleito municipal os pretendentes às sucessões já colocaram seus “blocos” nas ruas cometendo toda sorte de abusos.

Tais práticas recrudesceram a partir do término do pleito estadual – e posse dos eleitos –, quando acrescentou-se aos primeiros pretendentes uma série de outros pretendentes, estes, “calçados” nos mandatos de deputados estaduais e federais, que passaram a usar as prerrogativas e poderes inerentes aos cargos para se apresentarem como pré-candidatos e a fazerem campanhas com recursos públicos, se promovendo através das mais variadas mídias custeadas pelos contribuintes/eleitores.

Se no interior do estado – e mesmo na região metropolitana –, temos pretendentes ao cargo de alcaide e/ou vereadores substituindo o poder público na execução de obras ou mesmo destruindo benesses, tais como material de construção, cestas básicas, equipagem, equipamentos de som, motos, pneus, etc., e até mesmo refeições, além de promoverem uma infinidade de atividades festivas, na capital, principalmente, na periferia, não é muito diferente.

A cidade está coalhada de propaganda promocional dos pretensos candidatos à sucessão municipal.

Isso sem contar a promoção regiamente paga através de blogues e outras mídias.

O mal exemplo vem de cima. Praticamente no mesmo dia em assumia o segundo mandato o governador do estado já “se lançou” candidato à presidência da República. Fez mais, a partir de então, os interesses da boa gestão foram jogados para “escanteio” e o Estado do Maranhão passou a ser apenas um degrau dos seus sonhos (ou delírios).

A população mais esclarecida ilha – o pouco que restou –, assistiu, no penúltimo dia do ano, a espetáculo, digamos, inusitado: um governador de estado ir a “inauguração” de uma reforma de feira. Acho que já seria demasiado um governador ir a inauguração de uma feira. Ir a inauguração de reforma, então, dispensa quaisquer comentários. Falta do que fazer ou, talvez, a revelação, inadvertida, da real dimensão do governo.

Não que seja novidade o atual governo “apequenar” o papel do estado. Noutras oportunidades já o vimos inaugurar “um” poço artesiano, uma escolinha de duas salas, etc.

Assim, não foi de todo surpreendente que o governador, em pessoa, em pleno horário de expediente, fosse com seu séquito de postulantes a candidatos a prefeito da capital à inauguração da “reforma” da feira da Macaúba, no antigo Caminho da Boiada, onde se deliciou com um fumegante mocotó.

Na inauguração da “reforma” da feira o governador cumpriu o duplo papel: apresentar-se como líder popular e apresentar, à população local, seus prováveis candidatos à sucessão do atual alcaide.

A nota pitoresca – sem a qual o evento não estaria completo como a comédia bufa, que foi –, é que um dos pré-candidatos do consórcio governista apresentado a uma legítima iguaria da culinária maranhense, o mocotó, comportou-se como se estivesse diante de um guisado de “kriptonita”, o que foi capitado pelas lentes indiscretas de alguns dos presentes e explorado, à exaustão, pelos próprios integrantes do consórcio, através das diversos veículos de comunicação a soldo ou simpáticos aos outros concorrentes, que não “descansaram” na “queimação” do pretendente a prefeito nem durante a queima de fogos da virada de ano.

Nunca se viu tanto “fogo amigo” contra uma pessoa quanto este, dispensado pelos próprios aliados, contra o concorrente.

O jogo político maranhense para esta eleição, e para a de 2022, se apresenta como o espetáculo dantesco. Com raríssimas exceções, impondo ao cidadão a obrigação de escolher entre o pior e o menos ruim.

Com raríssimas exceções, repito, olhamos para os quadros sucessórios nos municípios – e, mesmo, o que se desenha para o pleito estadual –, e ficamos com a clara sensação que o homem de bem desistiu da política, resolveu deixar o comando dos destinos das cidades – e do estado –, nas mãos dos arrivistas de sempre, os que enricaram enquanto diziam representar o povo.

O pior é que, na maioria das vezes, são jovens, mas já “doutores” nas velhas práticas, o que nos leva ter menos esperança no futuro do que no presente.

A política maranhense não apresenta qualquer novidade entre o que vivenciamos nos quase cinquenta anos sob o jugo do sarneísmo e que se vivência agora, sob o comando dos comunistas.

Arriscamos-nos a dizer, até, que essa nova hegemonia se apresenta muito mais deletéria que a anterior, não apenas sob a ótica da dominação política como, também, no que se refere à gestão da máquina administrativa.

A sucessão municipal que está posta não apresenta para os cidadãos quaisquer melhoras (ressalvando a exceção que justifica a regra) em relação aos pleitos anteriores, antes, pelo contrário.

Mesmo a capital, sempre reconhecida como celeiro de novidades e rebeldia, se desertificou. Dentre as pré-candidaturas postas a única que se apresenta como “algo novo” é a do (ex) juiz Carlos Madeira. Não que eu acredite que possa obter êxito no pleito que se avizinha, quando, até aqui, se apresenta, segundo a última pesquisa do ano passado, com menos de um por cento de preferência do eleitorado – a não ser que aconteça alguma coisa imprevisível –, mas pelo que representa como alternativa futura.

Ressaltando, entretanto, que para isso é necessário que ele se coloque como oposição a tudo isso que está posto, não se deixando “abduzir” pelo antigo regime, representado pelo grupo Sarney ou pelo atual modelo vinculado aos “comunistas”. Numa ou noutra hipótese será apenas mais um.

Em um quadro político tão ruim, com tantos abusos acontecendo diariamente em todos os municípios e praticados por pessoas que se acostumaram a desafiar a lei, a Justiça Eleitoral, por suas diversas instâncias, precisa ficar atenta e combater com severidade e celeridade os “desvios” e/ou crimes perpetrado pelos pretensos candidatos.

Embora entendendo que os abusos que vêm sendo cometidos nos últimos anos não estejam isentos de punição e/ou mesmo do impedimento à participação destes candidatos no pleito vindouro, ainda que se limite a uma ação efetiva a partir do primeiro dia deste ano, já pode contribuir – e muito –, com o igualdade de condições na disputa entre todos os candidatos.

Durante o ano tentaremos acompanhar e expor nossas opiniões sobre o quadro político, os processos sucessórios e as demais novidades na área da Justiça Eleitoral.

Um bom ano de 2020 a todos com esperança e fé.

0

Brandão aumenta cacife à medida que 2022 se aproxima…

Vice-governador caminha para assumir o Governo do Estado e se tornar, automaticamente, candidato à reeleição; a menos que Flávio Dino contrarie as próprias articulações, permanecendo no governo até o final do mandato

 

Brandão tem mantido agenda própria no interior do estado; e se fortalece à medida que o ano de 2022 se aproxima no calendário

O vice-governador Carlos Brandão (PRB) é hoje o político com maior capital eleitoral dentre todas as lideranças políticas do estado.

E esse capital eleitoral só tende a aumentar ano após ano, em 2020, 2021 e 2022.

A menos que o governador Flávio Dino contrarie as próprias articulações – e decida ficar no mandato até o final – Brandão será governador em abril de 2022.

E essa perspectiva faz dele o nome com maior poder de agregação no Maranhão.

Governador e candidato à reeleição, o atual vice terá poder de fogo para sentar em qualquer mesa de negociações, construindo uma base própria da maneira como melhor entender.

E tem uma vantagem adicional: a capacidade de articulação com todos os grupos políticos.

É certo que o fato de estar sentado na cadeira de governador não torna Carlos Brandão automaticamente favorito na sucessão de Flávio Dino.

Mas a projeção de seu capital eleitoral faz dele o ativo com maior capacidade de retorno dentre os investimentos políticos no chamado mercado futuro.

E isso é um trunfo e tanto para qualquer um…

2

Flávio Dino já mira o Senado com Brandão no governo…

Incensado como candidato a presidente, governador maranhense já analisa como melhor opção disputar a vaga do senador Roberto Rocha, para manter o grupo mais orgânico da sua base no comando do estado por mais quatro anos

 

Flávio Dino entre seus aliados Rubens Júnior e Carlos Brandão: jogo de 2020 e de 2022 já na mesa de análises do governador

Os últimos movimentos políticos deste final de 2019 apontam para uma reanálise de estratégias do governador Flávio Dino (PCdoB).

O comunista não pretende antecipar o debate sobre sua sucessão, mas começou a entender que precisa demarcar território como liderança do seu grupo.

Em 2020 e também em 2022.

Em conversas com interlocutores privilegiados do Palácio dos Leões, o blog Marco Aurélio D’Eça apurou que o governador não pretende desestimular os que querem vê-lo candidato a presidente, mas já chegou à conclusão de que deve manter uma espécie de reserva de mercado para 2022.

Nas entrevistas pontuais da semana passada, Dino exaltou três lideranças mais leais do seu grupo político: o prefeito Edivaldo Júnior (PDT), o secretário de Cidades Rubens Pereira Júnior (PCdoB) e o vice-governador Carlos Brandão (PRB). 

E os três surgiram logo depois, coincidentemente, em posts de blogs e comentários de programas de rádio como opções da preferência do Palácio dos Leões, tanto para 2020 quanto para 2022.

Roseana e José Reinaldo

Roseana e José Reinaldo em 2002; senadora eleita e vitória de virada do seu vice que estava atrás nas pesquisas

O Flávio Dino de 2022 pode repetir a ex-governadora Roseana Sarney de 2002.

Naquela época, Roseana era nome de peso na sucessão do então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), tinha um vice – José Reinaldo Tavares – que iria assumir o mandato de governador e um adversário fortíssimo para o Governo do Estado, o então prefeito de São Luís, Jackson Lago (PDT).

Abatida por uma denúncia que visava tirá-la do páreo presidencial, Roseana voltou-se para a eleição estadual, candidatou-se ao Senado, elegeu-se com votação expressiva e conseguiu vitória surpreendente de José Reinaldo sobre Jackson Lago, em primeiro turno, após o então governador superar uma diferença de nada menos que 45 pontos percentuais em favor do pedetista.

Em 2022, Dino estará na mesma situação: terá uma vaga de senador teoricamente disponível, um vice que pode assumir e se viabilizar governador – tendo, por exemplo, Edivaldo ou Rubens como vice – e um pedetista, senador Weverton Rocha, jogando todas as fichas pelo Governo do Estado.

Após eleger José Reinaldo  – e mesmo rompendo com este – Roseana voltou e se elegeu mais duas vezes governadora do Maranhão; senador, Dino pode fazer o mesmo caminho já a partir de 2026, quando Brandão, caso se reeleja, não poderá mais concorrer ao governo.

Os últimos dias de 2019 têm sido pródigos em evidenciar movimentos demarcando estrategicamente o terreno de 2020.

E todos esses movimentos terão forte influência no cenário de 2022.

E até no de 2026…

4

Weverton Rocha parece querer antecipar sucessão de Flávio Dino…

Ataques ao vice-governador Carlos Brandão traz o debate da eleição estadual para antes da sucessão municipal; e revela estranha ansiedade do senador pedetista na base do governador Flávio Dino

 

Weverton Rocha tenta forçar uma situação que não depende apenas dele, mas de Flávio Dino e do próprio Carlos Brandão, este em condição altamente privilegiada

O senador Weverton Rocha (PDT) passou a semana passada inteira tentando marcar posição político-eleitoral, não apenas para 2020,  mas já antecipando o debate pela sucessão do próprio governador Flávio Dino (PCdoB).

Controlador de uma base política que reúne os presidentes da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB); da Câmara Municipal, vereador Osmar Filho (PDT); e da Federação dos Municípios, prefeito Erlânio Xavier (PDT), o pedetista parece ter pressa em demarcar territórios no estado.

As reuniões natalinas em que demonstrou o tamanho de sua base serviram também para que o senador exibisse o tamanho de sua ansiedade pela disputa – não a de 2020, mas a de 2022, que ele tenta incluir na agenda municipal.

E o ataque direto ao vice-governador Carlos Brandão (PRB), na sexta-feira, 20 – com quem, até então, convivia harmonicamente (Releia aqui) – exibiu o tamanho desta ansiedade.

– Se o Brandão amanhã utilizar esse argumento de que eu sou novo e eu tenho que esperar, porque ele está há mais tempo, então ele mesmo vai estar dizendo que não foi correto com o grupo dele, de origem. O José Reinaldo também tinha mais tempo do que a gente, do que eu e a [senadora] Eliziane Gama, e eu não vi, em momento algum na mesa ele pelo Zé Reinaldo. Então vamos com calma, porque não é questão de idade. A população não esta discutindo idade, a população está discutindo é resultado. Nós temos hoje um processo de transição no Maranhão. Não é critério idade quem está mais tempo ou não, o critério é quem é que vai ajudar a continuar o legado que está sendo construído – afirmou Weverton, em entrevista ao programa Ponto e Vírgula, da rádio Difusora AM.

O estranho recado a Brandão mostrou que o senador é, de fato, candidato à sucessão do governador Flávio Dino em qualquer circunstância. E seus movimentos pelo estado – formando grupos e aliciando lideranças na base – tentam consolidá-lo a qualquer custo, como fez na disputa pelo Senado, quando, praticamente, obrigou Dino a assumi-lo em sua chapa.

Mas Weverton deve saber que, diferentemente da corrida pelo Senado, que dependia diretamente de Dino, a disputa pelo governo tem um ingrediente a mais: o fato de que Brandão – e não Dino, muito menos o próprio senador – estará no comando do estado; e na condição de candidato.

Em junho de 2018, em conversa pessoal com o titular do blog Marco Aurélio D’Eça, em sua casa, o então deputado Weverton Rocha mostrou sobriedade quanto ao futuro político a partir de sua eventual eleição ao Senado.

Ressaltou que não cometeria o mesmo erro de Roberto Rocha (PSDB) – que forçou uma candidatura a governador logo após eleger-se com Flávio Dino – e saberia esperar; se não em 2022, pelo menos até 2030, caso Dino tivesse outros projetos para sua sucessão.

O tempo passou, o deputado elegeu-se senador com a maior votação da história do Maranhão, engrossou o bigode – montou base política consistente – e sua visão sobre o futuro parece ter mudado, aumentando também a sua própria ansiedade.

E ansiedade nunca é boa companheira na política…

3

Chapa de Weverton Rocha terá Othelino Neto em 2022…

Presidente da Assembleia Legislativa já garantiu que concorrerá ás eleições majoritárias no próximo pleito geral, e poderá ser companheiro de chapa do pedetista candidato a governador ou candidato a senador na mesma chapa

 

OTHELINO NETO E WEVERTON ROCHA EM RODA DE DEPUTADOS ESTADUAIS, AINDA EM 2017: capacidade de aglutinação consolida projeto de ascensão política de ambos

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB) é hoje um dos políticos mais articulados do Maranhão.

E é também um dos homens de confiança do senador Weverton Rocha (PDT), com quem deve dividir uma das chapas majoritárias de 2022.

O próprio Othelino já declarou que pretende concorrer às eleições majoritárias de 22, o que o inclui, naturalmente como candidato a governador, vice-governador ou senador.

Como Weverton já está em campanha aberta pelo Governo do Estado – e já aglutina em torno de si a maior parte da classe política maranhense – significa dizer que Othelino concorrerá ao Senado ou mesmo como vice na chapa do senador pedetista.

Curiosamente, o blog Marco Aurélio D’Eça apontou, ainda em agosto de 2015, Tanto Weverton quanto Othelino como o dois políticos de maior ascensão no estado, o que pode ser lido no post “Lideranças em ascensão…”.

Mais de quatro anos depois, a sentença deste blog caminha para a confirmação.

Com natural desfecho em 2022…