6

Flávio Dino prega destituição de Bolsonaro e posse de Mourão

Governador do Maranhão vê um presidente atormentado no cargo, sem condições de continuar à frente do país e com reiteradas indicações de que tentará invadir o Congresso e o STF, o que já seria suficiente para um pedido de impeachment

 

Flávio Dino prega aos colegas governadores que se articulem pelo impeachment de Bolsonaro como forma de garantir as eleições de 2022

O governador  Flávio Dino (PSB) defendeu nesta segunda-feria, 23, o impeachment imediato do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e declarou que os ataques de Bolsonaro aos ministros do STF Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso já seriam motivos para a destituição do cargo em outros países.

– Sou favorável ao impeachment. A oposição tem tentado, mas o que nós não temos são votos neste instante. Somos minoria na Câmara, mas temos tentado. Eu sou a favor do impeachment não só pelos aspectos políticos, mas também pelos aspectos jurídicos. Nós temos crimes de responsabilidade sendo perpetrados gravemente. Somente esse episódio de ameaçar, coagir o ministro Barroso, coagir o ministro Alexandre de Moraes, em qualquer país seria suficiente para o impeachment – disse Dino, no fórum de governadores.

Na sexta-feira (20), Bolsonaro apresentou ao Senado Federal o pedido de impeachment de Moraes. Essa é a primeira vez que um presidente da República pede a destituição de um ministro da Corte.

Para Dino, o clima que Bolsonaro está criando para as eleições de 2022 pode gerar uma guerra civil.

– Porque se nós formos para a eleição nesse clima gerado pelo Bolsonaro, nós podemos não ter problemas agora no 7 de setembro, mas podemos ter problema no outro 7 de setembro quando se avizinhará a derrota eleitoral do Bolsonaro. E, aí sim, no ambiente eleitoral eles podem perpetrar algum tipo de confrontação, assolar ódio, gerar uma espécie de guerra civil – alertou o governador do Maranhão. 

Para Dino, diante dos últimos posicionamentos do presidente “tudo indica” que o chefe do Executivo tentará invadir o Congresso Nacional ou mesmo do STF (Supremo Tribunal Federal) em uma tentativa de golpe.

 – Acho que a atitude nesse momento deve ser de serenidade, porém, de firmeza porque mesmo que ele [Bolsonaro] não tenha êxito nessas tentativas de invadir o Congresso, invadir o Supremo, coisas desse tipo, tudo indica que algo desse tipo será tentado. E ao tentar, já há vítimas. Nós vimos isso no Capitólio, nos EUA. E temos que evitar essa confrontação entre brasileiros. A paz deve prevalecer, o respeito às regras da democracia deve prevalecer – afirmou o governador.

O governador do maranhão entende que o vice-presidente Hamilton Mourão tem mais condições de estar à frente do país que Bolsonaro, para conduzir a transição até as eleições de 2022.

– Seria uma saída de transição quem sabe ou será uma saída de transição uma vez que Bolsonaro a essa altura está atormentado de desgovernado, inclusive, psicologicamente. Então, talvez fosse uma saída de transição para que haja eleições em paz no Brasil – ressaltou.

0

No PSDB, Brandão enfrenta dificuldades de aliança…

Vice-governador tem pouca margem de negociação com partidos de esquerda e de centro – e não tem como se alinhar à direita bolsonarista – o que o torna dependente absoluto da articulação de Flávio Dino nas legendas já mais alinhada ao projeto pedetista de Weverton Rocha

 

Carlos Brandão depende sua articulação política a Luiz Fernando Silva, que, por sua vez, depende do próprio governador Flávio Dino…

Ensaio

Pré-candidato a governador com um dos principais trunfos na eleição de 2022 – pelo fato de assumir o governo em abril – o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) enfrenta, ao mesmo tempo, uma grande fragilidade quanto a composição partidária.

Ele tem quase nenhuma margem de negociação com partidos tanto da direita quanto da esquerda, o que o torna absolutamente dependente da articulação do próprio governador Flávio Dino (PSB) para compor sua coligação.

Mas a margem de Dino também é restrita.

Brandão não pode abrir negociação com nenhum partido da direita – PSC, PL, Avante, Patriota e PTB, por exemplo – por que todos estão na base do governo Jair Bolsonaro e tendem a seguir com uma candidatura mais alinhada ao presidente.

Os partidos de esquerda – PCdoB, PT, PDT, PSOL e o PSB do próprio Flávio Dino – tendem a seguir com candidaturas mais alinhadas ao presidente Lula (PT), como a do senador  Weverton Rocha, já que o PSDB deve ter como candidato o governador de São Paulo, João Dória Jr., principal adversário do PT.

Já os partidos de centro, como DEM, PP, PSL, Cidadania e Republicanos já estão fechados com a candidatura de Weverton.

Sobrariam a Brandão – se sua articulação política funcionasse para além da dependência de Flávio Dino – o MDB e o PV, mas estes partidos parecem mais inclinados a conversas com Weverton Rocha e com o ex-prefeito Edivaldo Júnior, que será candidato do PSD.

Carlos Brandão, portanto, terá trunfo significativo ao assumir o mandato em abril de 2022.

Mas o tempo para reverter esta realidade de agora será exíguo entre a posse e as convenções, ainda que gaste muito dinheiro na obtenção de partidos.

E o Maranhão não suportará mais este tipo de “articulação”…

5

“Não tem como acreditar que as eleições são limpas no Brasil”, diz Bolsonaro

Presidente diz que vai apresentar em sua live desta quinta-feira as inconsistências das eleições de 2014 e 2018; e promete “uma que vai ser uma bomba”

 

Bolsonaro volta a insuflar os apoiadores do cercadinho do Palácio contra as eleições de 2022

O presidente Jair Bolsonaro voltou a jogar dúvidas sobre o processo eleitoral Brasileiro – o mesmo que sempre o elegeu deputado federal e o elegeu presidente.

Ele anuncia para hoje, 29, em sua tradicional live de quinta-feira, que vai apresnetar “inconsistências das eleições de 2014 e 2018”.

– E tem uma que vai ser uma bomba. Não tem como você acreditar que as eleições são limpas no Brasil. Não são limpas – declarou o presidente para apoiadores nesta quarta-feira, 28.

Bolsonaro tem insistido em jogar suspeitas sobre o processo eleitoral e já ameaçou, inclusive, de que não haverá eleições em 2022 se o Congresso Nacional e a Justiça Eleitoral não acatar as suas ideias para a urna eletrônica.

A live de Bolsonaro começa sempre as 19 horas…

11

As ameaças de golpe cada vez mais claras de Bolsonaro

Presidente tenta encontrar uma desculpa para tentar se perpetuar no poder sem precisar disputar as eleições; e usa o argumento do voto impresso para criar o ambiente social que precisa para impedir o pleito de 2022

 

Cada vez mais ameaçado eleitoralmente, Bolsonaro tenta criar um ambiente para se manter no poder sem precisar concorrer em 2022

Bolsominions e mídia aliada ao governo tentaram vender a mensagem cifrada do presidente Jair Bolsonaro, nesta segunda-feira, 20, como uma advertência de que ele pode desistir da reeleição, caso a Justiça Eleitoral não implante o voto impresso no país.

Mas, na verdade, a mensagem cifrada de Bolsonaro foi um recado direto à sua turba, de que não permitirá a eleição de 2022 se o pleito não atender às suas vontades. 

– Olha, eu entrego a faixa para qualquer um se eu disputar eleição…Agora, participar dessa eleição com essa urna eletrônica… – deixou no ar o presidente.

Bolsonaro usa a desculpa do voto impresso para criar um ambiente contra a eleição presidencial; mas, o pano de fundo é o temor que tem de uma derrota para o ex-presidente Lula.

E isso ele deixa claro em outro trecho de sua fala de ontem.

– As urnas eletrônicas serão auditadas dentro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), de forma secreta; e pelas mesmas pessoas que liberaram o Lula [ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva] e o tornaram elegível – desabafou.

Não há registros de erros ou atentados efetivos contra a urna eletrônica brasileira; o próprio Bolsonaro participou, sem questionar, das eleições de 2018 – da qual Lula foi afastado na marra.

Para alguns mais inocentes – ou mal intencionados – ao dizer que não participará das eleições com esta urna eletrônica, Bolsonaro estaria desistindo de concorrer a novo mandato.

Na verdade, ele está ameaçando que, com esta urna eletrônica, simplesmente não permitirá a eleição.

E tem quem o apoie neste intento.

É simples assim…

15

Zorra Total acertou em cheio sobre golpe de Bolsonaro…

Ainda em 2016, quando o atual presidente ainda era apenas um arroto no submundo do Congresso Nacional, programa da Rede Globo fez um alerta escrachado sobre o risco de se escolher um autoritário para o comando do país

 

Cena da esquete do Zorra Total, em que militares “sentam a pua” na eleitora que queria mudar de presidente

Os arroubos autoritários agora intensificados pelo cada vez mais perdido presidente Jair Bolsonaro (sem partido), nunca foi surpresa para quem acompanha a política brasileira.

Mas mesmo aqueles alienados, que votaram no atual presidente por revolta “contra tudo o que está aí”, ou por questões ideológicas e religiosas, não podem reclamar que não foram avisados.

E um dos avisos de maior repercussão, com toda a carga de escracho de um programa de humor, foi feito em 2016 pelo programa  Zorra Total, da Rede Globo.

Era dezembro de 2016 e o Brasil vivia a caçada quatrocentona contra tudo o que o PT representava ao país, com o objetivo de tirar Lula das eleições de doais anos depois.

Em uma esquete de forte crítica aos que já naquela época saiam às ruas para defender “Ditadura Militar” e “AI-5” – muitos sem sequer saber do que se tratavam – o programa faz um alerta duro sobre o risco da volta dos militares ao poder.

O programa mostrava uma espécie de venda em que um grupo de cidadãos escolhia um comando para seu “país”; entre vários modelos, optaram pelos militares, e saíram-se com esta: “se não der certo, a gente troca!”.

Foi quando o fardado escolhido retrucou:

– Trocar?!? Não existe troca. Agora é baixar o cacete em, quem não gostar. (Veja vídeo abaixo)

O vídeo é uma escracho que momento em que vive hoje o Brasil sob o comando tresloucado de Bolsonaro

Os anos passaram, as manifestações continuaram por 2017 e 2018 – Lula foi preso e não pôde participar das eleições – e a imprensa não se deu conta do monstro que estava criando.

E agora está ele aí, com forte ameaça de golpe e tentando construir o cenário para se perpetuar no poder, tenha ou não eleições diretas.

E agora, o que fazer?!?

3

Lula e Bolsonaro disputam apoio de Sarney…

Em ascensão nas pesquisas, pré-candidato petista tem relação de admiração e amizade pelo ex-presidente; já o atual presidente, desgastado e com popularidade derretendo, tenta salvar a reeleição e o mandato

 

Tanto Lula quanto Bolsonaro tentam beber na fonte de sabedoria do ex-presidente José Sarney

O ex-presidente José Sarney (MDB) virou, do alto dos seus  91 anos, uma das principais fontes de conselhos para os presidenciáveis.

Por motivos diferentes, Sarney tem sido buscado frequentemente pelo ex-presidente Lula (PT) e pelo atual presidente Jair Bolsonaro (Sem partido).

Lula está em franca ascensão na corrida presidencial, liderando todas as pesquisas e com amplas chances de vencer as eleições de 2022; suas conversas com Sarney são fruto de sua longa amizade e da admiração mútua.

Já o atual presidente Jair Bolsonaro busca no ex uma tentativa de salvar o próprio mandato, desgastado pela incapacidade de seu governo.

Bolsonaro vem perdendo força política e eleitoral, além de estar com o mandato derretendo, já com ameaça de arroubos autoritários e de golpe.

Certamente, a serenidade de José Sarney deve ser excelente conselheira para o açodado presidente….

5

“Ninguém administra como eu”, diz Lahésio Bomfim…

Pré-candidato a governador diz que avisou a população de que deixaria o mandato para disputar o governo, afirma que usa no tratamento da CoVID-19 medicamentos sem comprovação científica, desdenha da vacina e revela que tem grupos de apoio com Bolsonaro, com Ciro Gomes e até com Lula

 

Lahésio Bonfim polemizou, ao defender tratamento sem comprovação contra a CoVID-19 e falar de alianças com lulistas, bolsonaristas e ciristas

O prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahésio Bonfim (PSL) reafirmou nesta quinta-feira, 1º, sua candidatura ao governo do Maranhão; e disse que esta decisão foi pactuada com a população do seu município.

– Pensam que eu decidi ser candidato depois da reeleição. Errado. Eu só fui pra reeleição para poder ser candidato a governador; avisei minha população e tive a maior votação do Maranhão – revelou.

Em entrevista ao quadro Bastidores, do programa Bom Dia Mirante, Lahésio Bonfim confirmou que usa tratamento precoce contra a CoVID-19 – com medicamentos sem comprovação científica – e mostrou certo desdém com a vacina, dizendo que a usa “quando tem”.

– Quando tem vacina a gente tá vacinando. Mas sou médico, consulto, já peguei covid; sei falar do que serve e do que não serve. A gente vai usando o que tem. É uma luta contra a doença. Fico triste como se vem fazendo política com a vacina – disse.

Controverso em sua primeira aparição como pré-candidato – e às vésperas da pesquisa Escutec – Lahésio, que é tido como representante de Bolsonaro no Maranhão, surpreendeu ao revelar-se “uma esperança para o Maranhão”, sem restrição de apoiadores.

– Tenho 356 grupos de apoiadores no Whatsapp. São grupos de apoiadores “Lahésio com Bolsonaro”; outros de “Lahésio com Ciro” e até de “Lahésio com Lula”. É a esperança de um Maranhão sem corrupção e sem extrema pobreza – pregou.

Quanto à experiência como gestor, o prefeito disse que nenhum dos pré-candidatos e nem mesmo os que o antecederam no cargo de governador tem a experiência de gestão que ele tem.

– Ninguém nesse estado administrou como eu. Nenhum dos que me antecederam tiveram, antes, experiência de gestão pública. São Pedro dos Crentes hoje é referência. Tem o melhor Ideb do Maranhão, tem gestão inteligente – ressaltou o prefeito.

Lahésio Bomfim só não falou – e nem foi perguntado – do seu futuro partidário, já que está no PSL, legenda hoje alinhada ao projeto do senador Weverton Rocha (PDT).

Ele tem até abril de 2022 para encontrar novo partido…

11

Destaque na CPI, Eliziane gama é alvo das fake news de bolsomínions

Senadora maranhense é uma das mais ativas participantes da comissão do Senado que investiga irregularidades do governo na condução das ações contra a pandemia; e sofre com ataques quase diários de aliados do presidente da República

 

Eliziane Gama tem forte atuação da CPI da CoVID-19, o que irrita Bolsonaro e bolsomínions espalhados pelo Brasil e pelo Maranhão

A senadora Eliziane Gama (Cidadania) passou a ser uma das mais ativas participantes da CPI da CoVID-19, que investiga irregularidades na ações do governo Bolsonaro na condução da pandemia.

Além de participação efetiva em todos os depoimentos, com perguntas sempre fortes em relação ao tratamento dado à pandemia pelo governo, a senadora maranhense passou a ser referência da mídia nacional sobre o assunto.

Ela ocupa praticamente todo o noticiário sobre a CPI nas principais emissoras de TV, nos jornais e nas rádios que cobrem o Congresso.

Foi o suficiente para se tornar alvo de ataques virulentos de bolsomínions e de fake news sobre sua atuação política.

Os aliados de Bolsonaro – tanto no Brasil quanto no Maranhão – passaram a criar diariamente contra Eliziane Gama histórias sem pé-nem-cabeça, para tentar desqualificar a parlamentar.

Mesmo diante dos ataques, a senadora vai continuar atuando em favor do Brasil na CPI da COVID-19.

E os bolsomínions que continuem submetidos a serviço de Bolsonaro.

É simples assim…

6

Dr. Lahésio Bonfim quer reunir “Maranhão Conservador” em São Luís

Prefeito de São Pedro dos Crentes, que é pré-candidato a governador, tem encontro marcado para a capital maranhense, na próxima quarta-feira, 30, com representantes da direita e bolsonaristas

 

Mais ativo pré-candidato a governador no campo da direita bolsonarista e conservadora, o prefeito de São Pedro dos Crentes, Dr. Lahésio Bonfim (PSL) pretende reunir apoiadores em São Luís.

Nas redes sociais e em aplicativos de troca de mensagens ele está chamando o “Maranhão Conservador” para uma reunião na capital maranhense, na próxima quarta-feira, 30.

Lahésio disputa espaço entre os conservadores maranhenses – e na base do governo Jair Bolsonaro – com o senador Roberto Rocha (sem partido), com o ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Júnior (sem partido), e com o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL).

É, no entanto, o mais ativo entre todos eles.

Dentro da direita maranhense já há quem defenda uma aliança entre todos os bolsonaristas, em uma chapa que tenha Edivaldo, Lahésio e Roberto Rocha, com a estrutura de Maranhãozinho.

Esta chapa assusta o Palácio dos Leões, segundo já apurou o blog Marco Aurélio D’Eça, por ser uma garantia de disputa em segundo turno no Maranhão.

De uma forma ou de outra, os conservadores, a direita tradicional e os bolsonaristas estarão no cenário de 2022…

0

Edivaldo reúne-se com evangélicos, mas mantém silêncio nas redes

Ciceroneado pela deputada estadual Mical Damasceno – agora controladora do PTB maranhense – ex-prefeito de  São Luís tem sido apresentado a pastores e líderes do segmento, mas ainda mantém as conversas restritas aos bastidores

 

Mical tem levado Edivaldo para reuniões como esta, com o pastor Coutinho, da Assembleia de Deus; mas os encontros se mantêm nos bastidores

O ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior (sem partido) tem cumprido uma intensa agenda de conversas com pastores evangélicos maranhenses, sobretudo os da Assembleia de Deus.

Essas conversas, segundo informou a própria ao blog Marco  Aurélio D’Eça, estão sendo articuladas pela deputada estadual Mical Damasceno, que quer Edivaldo como candidato a governador.

O ex-prefeito, no entanto, parece evitar a divulgação desses encontros, pelo menos neste primeiro momento de arrumação de candidaturas ao governo.

Nas redes socais, Holandinha optou por postagens mais pessoais e memórias de sua passagem pela prefeitura. 

No controle do PTB maranhense – e com aval da direção nacional – Mical Damasceno quer ocupar o vácuo de lideranças do bolsonarismo no Maranhão, sobretudo por ter ao seu lado a maior base eleitoral orgânica dentre todos os aliados do presidente no estado.

Resta aber quando o ex-prefeito, ainda sem partido, se manifestará sobre seu projeto eleitoral para 2022…