0

Deputados apontam “incompetência da comunicação de Brandão”…

Sem planejamento, secretaria comandada pelo publicitário Sérgio Macedo errou mais uma vez na falta de divulgação dos projetos de adequação da pista de Atletismo do Castelão e deixou o governador apanhar desnecessariamente, além de deixar os parlamentares sem as informações necessárias para a explicação à opinião pública

 

Até um vídeo já foi produzido sobre as obras da pista do castelão; só a Secom não teve a informação necessária

A evidente incapacidade geracional do publicitário Sérgio Macedo à frente da Secretaria de Comunicação do governo Carlos Brandão (PSB) foi exposta mais uma vez nesta quarta-feira, 29, agora na Assembleia Legislativa.

O deputado estadual Dr. Yglésio Moyses (PRTB) culpou a Secom pelas críticas sofridas há uma semana por Brandão, por causa das obras de construção de uma arena junina na pista de atletismo do Castelão.

Iniciada há duas semanas, a obra – que já resultou até na morte de um atleta amador – pegou de surpresa a classe política e a opinião pública por que pareceu ser feita de supetão, destruindo a pista de atletismo histórica do Complexo apenas por causa das festas juninas; mas não foi.

A obra foi planejada, trabalhada e organizada pela Secretaria de Esportes (Sedel), não apenas para abrigar a arena junina, mas para recuperar a própria pista de atletismo e todo o seu entorno.

O projeto de reforma e ampliação da pista de atletismo Professor Furtado será composto por:

  • pista de atletismo para corridas de curta, média e longa distancia com ou sem barreira;
  • arena para salto em altura, salto com vara, salto em distância e salto triplo;
  • arena para lançamento do disco, do martelo, do peso e do dardo
  • arquibancada coberta, da cabine de telecomunicações
  • salas de apoios, banheiros, vestiários, depósitos

A área já iria precisar ser terraplanada novamente; o que o governo vai fazer é apenas aproveitar a terraplanagem para montar a arena, obra que servirá para construção da nova pista. Ou seja: o governo está fazendo certo o negócio, mas não tem capacidade de ganhar uma batalha de comunicação. E está apanhando”, disse Yglésio, na tribuna.

Uma das maquetes eletrônicas das novas áreas de atletismo que serão construídas no Castelão; mas a Secom não divulgou nada…

Este blog Marco Aurélio d’Eça já mostrou em diversos posts, desde o início do governo Brandão, a incapacidade da atual gestão da Secom de se adaptar às novas mídias e à nova realidade de Comunicação, insistindo em modelos arcaicos e ultrapassados. (Releia aqui, aqui, aqui e aqui).

No caso específico da Pista de Atletismo, houve a abertura de licitação, montagem de projeto e anúncio da obra, sem que a Secom tratasse do assunto antecipadamente – e nem mesmo depois da pancadaria em Brandão.

A crítica de Yglésio à Secom levou a um aparte do também deputado Othelino Neto (PSB), surpreendido com a desinformação em torno dessas ações do governo.

Se esse projeto existe, é o exemplo maior da incompetência, da incapacidade de se comunicar. Como um projeto desse existe e ninguém sabe?”, completou.

0

Fábio Câmara cobra de Braide: “nenhuma palavra sobre os R$ 18 milhões da Saúde”

Ex-vereador usa vídeo em que o prefeito aparece comendo uma marmita dentro do carro – passando a impressão de trabalho intenso na gestão – para falar do escândalo que levou ao afastamento de toda a equipe de licitação da prefeitura; e provoca: “falar com a boca cheia é falta de educação”

 

Braide ironiza com marmita dentro de carro para dar a impressão de muito trabalho

O ex-vereador Fábio Câmara, pré-candidato do PDT a prefeito de São Luís, fez nesta terça-feira, 21, uma forte crítica ao prefeito Eduardo Braide (PSD), que mantém silêncio sobre os R$ 18 milhões dados sem licitação à empresa de um antigo amigo.

Para ironizar a gestão, Câmara utilizou um vídeo em que Braide aparece com uma marmita para dar a impressão de que come dentro do carro por não ter tempo diante de tantas ações.

Tem que comer uma marmita, um bandeco, dentro do carro! Migué à parte, fato é que Salim não dá uma palavrinha sequer sobre os R$ 18 milhões do contrato da saúde, feito sem licitação com a empresa de um ex-assessor que culminou com a demissão  de quem respondia pela comissão permanente de licitação na sua gestão. Salim passando o sal depois de passar um tempão passando pano”, ironizou o candidato pedetista.

 

Em meio ao seu povo, Fábio Câmara começa a fazer o contraponto à gestão de Braide, encabeçando as críticas ao prefeito

Falar com a boca cheia é falta de educação! E disso todo mundo sabe! Porém, proporcionar sorrisos só para os mais chegados, como é o que está acontecendo, pode resultar em ‘indi-gestão’ por restar provada a falta de transparência”, concluiu Câmara.

 

Em sua crítica, Fábio Câmara lembra também das ações da prefeitura na região do Anil, em que um marco da fé dos católicos foi destruído, causando revolta geral.

O candidato do PDT se reunirá em breve exatamente com os líderes da igreja católica em São Luís…

0

De como a Secom deixa Brandão apanhar sem necessidade por “Bacabeirinha”

Incapaz de responder às críticas pela construção do viaduto na região de São Marcos, comunicação governista vê, inerte, a imagem do governador ser arranhada em questionamentos, alguns injustos, sobre este equipamento urbano

 

Viaduto da Litorânea, ainda em janeiro, quando a alça elevada ainda estava em construção; hoje ela já está liberada para trânsito

Análise da Notícia

À medida que se aproxima a data de inauguração do viaduto da entrada da Avenida Litorânea, na região de São Marcos, aumentam as críticas em blogs e redes sociais ao governador Carlos Brandão (PSB); e a ainda incipiente oposição se aproveita para desgastar a imagem do governo.

Mas tudo isso já teria sido evitado por uma boa campanha de mídia, uma propaganda eficaz, que mostrasse a importância e a efetividade deste equipamento urbano; Brandão apanha pela incapacidade de reação de sua comunicação, calçada em métodos arcaicos e com ideias ainda do século passado. (Saiba mais aqui e aqui)

Ainda em janeiro, este blog Marco Aurélio d’Eça escreveu o post “Viaduto da Litorânea avança…”.

– Pelo que se percebe do atual estágio da obra, há uma injustiça nas críticas ao governo dos que pregam sua desnecessidade. Além de viabilizar melhor trânsito na área – que congestiona na conversão de saída da avenida da praia para voltar ao Calhau – o viaduto evitará os acidentes causados pela conversão cruzada de retornos, expondo os veículos a batidas – mostrou o post, que considerou injusta também a crítica por suposto prejuízo da obra às belezas naturais da região. 

Toda a crítica ao chamado “Bacabeirinha” começou apenas com uma família que tem empreendimento na área e um dos membros, que foi vinculado à Prefeitura de São Luís, é bolsonarista e tem posicionamento de direita, tem forte influência em setores da mídia.

Nesta quarta-feira, o jornalista Gilberto Léda também publicou imagens  aéreas do viaduto,  mostrando o fluxo na região após liberação do trânsito em sua alça elevada. (Veja aqui)

Como se vê, o governador Carlos Brandão não precisaria estar apanhando tanto por causa do “Bacabeirinha”; bastam ações de mídia eficazes, com foco na internet, blogs e redes sociais.

Mas para isso a Secom precisa superar os tempos arcaicos – em que só existia uma emissora de TV e se dizia que “se jornal A não deu, o fato não aconteceu”.

Infelizmente, a doutrina na comunicação de Brandão ainda segue essa máxima.

E quem paga o apto é o governador…

0

“Sou, até hoje, deputado da base do governo”, afirma Othelino…

Apesar de reconhecer um movimento insurgente de oposição na Assembleia Legislativa, deputado estadual do PCdoB diz que prefere atuar de forma pontual, não para ofender, mas para alertar o governo; em entrevista ao Bom Dia Mirante, o comunista aponta problemas na Saúde e nas políticas sociais do governo Brandão

 

Othelino falou em entrevistas para os jornalistas da TV Mirante

 

O deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) deixou claro nesta terça-feira, 19, em entrevista ao programa Bom Dia Mirante, que permanece na base do governo Carlos Brandão na Assembleia Legislativa.

– Sou, até hoje, um deputado da base do governo. Fala-se em descumprimento de acordo, mas os acordos principais foram aqueles firmados com o povo nas eleições de 2022; políticas públicas não têm sido executadas; vou atuar de forma pontual, não para ofender, mas para alertar o governo – afirmou o parlamentar.

Othelino reconhece que há um movimento insurgente de oposição na Assembleia, e que tem sido procurado por deputados. Ele citou o colega Wellington do Curso (Novo), que já declarou continuar na oposição. E ressaltou que a oposição é boa para qualquer governo.

– Vejo poucos colegas se anunciarem como oposição. Existem conversas entre um e outro, uns se dizendo independentes. repito: vai depender das políticas públicas das quais eu fui signatário durante os mais de sete anos de governo Flávio Dino. Cobrar não quer dizer que eu seja inimigo – afirmou.

Othelino citou como exemplo de problemas no governo Brandão a qualidade de funcionamento das unidades de saúde deixadas por Flávio Dino. “Muitas não funcionam hoje”, afirmou; ele também cita restaurantes populares, “um programa importante”, afirmando que muitos hoje estão fechados.

Também disse que vai acompanhar a aplicação dos recursos do Fundef, que ele defende sejam usados exclusivamente na Educação.

– São cobranças pontuais. Mais do que ofender, alerta o governo – acredita.

O deputado falou ainda da anulação da eleição antecipada da Assembleia Legislativa, mas disse que não pensa, ainda, em disputar, caso ocorra a anulação pelo Supremo Tribunal Federal.

Sobre as eleições municipais, preferiu não traçar maiores comentários…

1

“Falta atitude do governador”, critica Simplício Araújo

Candidato do Solidariedade diz que hoje há uma grande perseguição política no estado a adversários do atual chefe do Executivo, que se recusa a estender os braços para a população que mais precisa

 

Simplício não tem poupado críticas ao governador-tampão Carlos Brandão em suas entrevistas de campanha

O candidato do Solidariedade ao Governo do Estado, Simplício Araújo, não poupa críticas ao governador-tampão Carlos Brandão (PSB) em suas entrevista de campanha.

– Falta atitude do governador para enfrentar essa campanha e estender o braço para a população maranhense que é a que mais precisa – finalizou o candidato.

Para Simplício, o que se vê no Maranhão hoje é represália a adversários do governo.

– Hoje o que está acontecendo é uma grande perseguição política no Estado – diz ele.

Em suas entrevistas de campanha, Simplício Araújo ressalta a importância da abertura dos meios de comunicação a todos os candidatos e afirma estar preparado para governar o Maranhão

– Quero ser governador desse estado pois sou maranhense e conheço cada problema desse Maranhão, enfrentei todas as dificuldades que o povo daqui sofre no dia a dia, não uso isso ao meu favor e nem de vitimismo, só quero provar que estou preparado – concluiu Simplício.

0

População de Imperatriz se revolta com omissão do governo Flávio Dino…

Auxiliar do governador vai às redes sociais para anunciar obras em São Luís e recebe uma enxurrada de criticas de imperatrizenses que cobram atenção ao município e o fim da rixa com o prefeito Assis Ramos

 

A POSTAGEM DE CLAYTON NOLETO QUE GEROU AS CRÍTICAS DA POPULAÇÃO DE IMPERATRIZ e mostrou revolta com o governo Flávio Dino

O governador Flávio Dino (PCdoB) acabou sendo alvo de uma série de críticas nas redes sociais, nesta segunda-feira,22.

Tudo começou com uma postagem do seu secretário de Infraestrutura, Clayton Noleto.

Ao mostrar uma obra de tapa buracos em São Luís – no mesmo período em que Dino demonstrou desprezo pela cidade de Imperatriz – Flávio Dino demonstrou retaliação ao prefeito Assis Ramos.

Uma das primeiras críticas foi a de um internauta, que comparou: “dois pesos  duas medidas. O que vale para São Luís não vale para Imperatriz”.

Em seguida, diversos outros imperatrizenses se manifestaram – às centenas – sempre com críticas ao governador.

Veja abaixo os prints das críticas de Imperatriz a Flávio Dino:

 

3

Por que Flávio Dino não mudou o Maranhão?, questiona Ricardo Murad…

Pré-candidato do PRP diz que Flávio Dino não pode mais pleitear nada da população por que, após três anos de mandato, o Maranhão, sob sua tutela, ainda ocupa as últimas posições no ranking do desenvolvimento. Murad falou em entrevista a um grupo de jornalistas

 

O Flávio Dino está no último ano de mandato e não mudou nenhuma vírgula no ranking, o Maranhão era último, penúltimo, continua último e penúltimo. Tem alguma coisa errada nos governos do Maranhão. E não adianta culpar os outros. Por que o Flávio Dino não mudou e o Maranhão continua na mesma? Eu quando entrei na saúde não permiti política dentro dos hospitais e nem nas UPA’s. Mas eu consegui fazer um trabalho que mudou a realidade da saúde. Se você entrava antes numa unidade de saúde e entrou depois que assumir você vê uma coisa decente, de qualidade e de resultados, que dava satisfação ao povo. Como é que um governador passa 4 anos com todo poder que tem e não consegue mudar a realidade numa educação, porque nós temos o pior ensino. Tem alguma coisa errada no Maranhão e no meu ponto de vista é porque tudo vai pra política, tudo. Se você quer administrar a educação, a política entra. ‘Ah eu quero nomear o diretor’. ‘Ah eu quero isso’. O delegado a mesma coisa. O diretor do hospital a mesma coisa. Enquanto estiver neste modelo, o Maranhão não terá resultado de gestão. E no meu governo eu penso diferente completamente de tudo que já passou”

Ricardo Murad, pré-candidato a governador

0

“Saldo do Governo é negativo”, diz Edilázio…

O deputado estadual Edilázio Júnior (PV) fez uma espécie de levantamento de alguns dos principais episódios de desgaste da imagem do governador Flávio Dino (PCdoB) no mês de outubro.

Além da morte de um comerciante numa “jaula” instalada na Delegacia de Barra do Corda, que ganhou repercussão nacional, ele apontou a falta de apoio à Expoema, que deixou de ser realizada na agenda já tradicional do evento, e a polêmica das emendas parlamentares para a Saúde.

Para Edilázio, o saldo de Dino é negativo.

“Estamos findando o mês de outubro, mês este que o governador não vai querer tão cedo lembrar”, disse.

Edilázio lembrou que após a imprensa nacional abordar a trágica morte de um comerciante no “gaiolão” em Barra do Corda, Dino teve de determinar a demolição do cárcere, que feria a dignidade humana.

“Flávio Dino teve que engolir seco e dar o braço a torcer com o gaiolão, lá em Barra do Corda, onde vitimou um empresário. Ele, açodadamente, como sempre faz e é peculiar dos comunistas, nas redes sociais, correu para dizer que aquilo era para o banho de sol dos presos em custódia. Mas não aguentou e viu que realmente estava errado, mandou demolir. Mas não dá o braço a torcer e não reconhece que aquele cidadão foi vítima da omissão do Estado”, disse.

Edilázio também afirmou que Dino deixou de apoiar a Expoema.

“Ano retrasado [2015] ele disse que a Expoema era um evento privado e que o Estado não tinha que se meter. E deu um calote de R$ 70 mil na Associação dos Criadores quando prometeu essa ajuda para que colocasse a logomarca do Governo do Estado nos banners da Expoema. Ano passado nem teve o evento. E este ano ele vai para a Expoema e dá o braço a torcer, mas não reconhece. Agora ele fala que é importante, que traz entretenimento, que gera emprego, que realiza grandes negócios em nosso Estado, que melhora o nosso plantel de ovinos, caprinos, bovinos, equinos, enfim, melhora toda a nossa pecuária”, completou.

Ao concluir o seu pronunciamento, Edilázio lembrou da polêmica sobre a não liberação das emendas parlamentares para a Saúde.

“E ainda no mês de outubro, vem as emendas, ele foi estrebuchar e espernear querendo emenda, que os senadores do Estado do Maranhão tinham que pegar as emendas e mandar para a Saúde do Estado. Enquanto isso ele não dá o braço a torcer, mais uma vez, em relação a esta Casa, em relação aos parlamentares de oposição quando não honra e não paga as nossas emendas. Emendas essas que foram aprovadas, que foram publicadas no Diário e no Orçamento Anual do Estado para a execução no ano de 2017. Mas, mais uma vez, ele dá calote”, finalizou.

0

Edilázio repudia atos de vandalismo registrados em manifestações no DF…

O deputado estadual Edilázio Júnior (PV) manifestou repúdio hoje, no Legislativo Estadual, aos atos de vandalismo praticados por manifestantes ontem contra o patrimônio público em Brasília.

Durante os protestos, houve depredação da Esplanada dos Ministérios, prédios, paradas de ônibus, bancas, orelhões e refletores destruídos com uso de pedras e fogo.

“Ontem o que nós vimos em Brasília pelos meios de comunicação foram imagens de baderna e de vandalismo. E aí nada contra se manifestar, o que nós não podemos ser favoráveis é à depredação do nosso patrimônio”, disse.

Edilázio lembrou que no ano passado, durante as manifestações em favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), não havia registro de depredação do patrimônio público.

“Nós acompanhamos as manifestações contra a presidente Dilma pedindo ‘Fora Dilma’. Nós vimos 1 milhão de pessoas na [avenida] Paulista, da mesma forma em Brasília também mais de 300 mil pessoas, e não vimos um empurra-empurra, não houve um quebra-quebra, não houve um spray de pimenta, porque as pessoas que saíram de casa para se manifestar contra o PT eram pessoas de bem, famílias. Quantos de nós vimos crianças, idosos naquelas manifestações. E ontem o que nós vimos eram só mascarados, quebraram todas as paradas de ônibus, atiravam pau e pedra contra a polícia. Tocaram fogo em três Ministérios, quebraram os computadores. E tudo aquilo é patrimônio nosso, é patrimônio do país”, completou.

O parlamentar classificou como correta a decisão do presidente Michel Temer (PMDB) de convocar as Forças Armadas para fazer a contenção dos atos de vandalismo e repudiou a atuação de militantes de esquerda nos movimentos.

“Quando se pediu ali o auxílio do Exército, não foi para querer reprimir uma manifestação não, mas para proteger o patrimônio. O Exército também esteve na Copa do Mundo e nas Olímpiadas para por ordem e garantir a segurança do brasileiro. Fica o meu repúdio àqueles vândalos que ontem estavam ali, foram apenas para fazer baderna, meia dúzia de desocupados que estiveram fazendo de Brasília um campo de guerra. E aí eu pergunto: por que essas imagens passaram no mundo todo ontem. Qual o investidor que vai ter coragem de vir para este país com essa insegurança que tem da esquerda? Porque vocês podem ver que não tem uma bandeira do Brasil, é só bandeira vermelha. Então, fica o meu repúdio e a minha solidariedade aos brasileiros”, finalizou.

 

3

“A Assembleia Legislativa está se deformando”, afirma César Pires…

Para o deputado, Parlamento se reduz, em grande parte, apenas à concessão de títulos de cidadania e de reconhecimento de trabalho, e às vezes o faz mal feito

 

PEQUENEZ
Para Pires, Assembleia virou cartório

O deputado César Pires (PEN) criticou a decisão da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de negar as informações requeridas pelo deputado Wellington do Curso (PP) à Secretaria de Estado da Educação, sobre obras de escolas divulgadas em propaganda oficial do governo estadual.

Para o parlamentar, o Legislativo estadual se deforma quando deixa de exercer suas funções e se resume a mero prestador de homenagens.

– A Mesa Diretora nega a importância desta Casa ou, no mínimo, dá um testemunho claro de que os aliados não acreditam na mídia do governo. Eu acredito no secretário Felipe Camarão, homem sério e correto, por isso não vejo porque negar essas informações. Tenho certeza que o secretário se recusaria a fazer essa propaganda se as informações não fossem verdadeiras. Então, a base governista, a Mesa e até o próprio Governo não acreditam no que venderam para todos nós da sociedade maranhense – enfatizou César Pires.

Wellington do Curso requereu informação oficial dos endereços das 303 escolas que serão construídas até o final de 2018, quantas já foram entregues e seus locais de funcionamento; o endereço das 574 escolas reformadas ou que estão em processo de reforma, com prazo de conclusão para o primeiro semestre de 2017; e o tipo de reforma que foi ou está sendo realizada.

Para o deputado, a Assembleia se reduz, em grande parte, apenas à concessão de títulos de cidadania e de reconhecimento de trabalho, e às vezes o faz mal feito.

– Na homenagem ao Banco do Brasil nenhum parlamentar foi a esta tribuna falar dos 100 anos da instituição, nem mesmo o proponente da sessão solene. É uma demonstração clara de como esta Casa se apequena – finalizou César Pires.