1

Marcos Caldas de volta à Assembleia Legislativa…

Suplente que protagonizou cenas desagradáveis no início do ano retorna à Casa após licença do titular do mandato, Alexandre Almeida

 

Ex-deputado estadual e atual suplente do PSDB, o empresário Marcos Caldas está de volta à Assembleia Legislativa.

Ele vai passar quatro meses na Casa, em substituição a Alexandre Almeida (PSD), que tirou licença para tratamento de saúde.

Da última vez que assumiu mandato, caldas protagonizou cenas tão desagradáveis em plenário que os próprios colegas governistas trataram de dar um jeito para que ele ficasse de fora do parlamento.

A nova estada do tucano deve marcar os trabalhos na Casa.

É aguardar e conferir…

3

Edivaldo vai lotear secretarias para contemplar suplentes de vereador…

Esquema revelado em blog prevê que dois eleitos para exercer mandato na Câmara serão chamados para o secretariado do pedetista afim de abrigar outros aliados no Legislativo, mesmo não-eleitos, em mais um custo da reeleição de Holandinha

 

Dois destes quatro vereadores podem abrir vaga para suplentes; e o povo vai pagar a conta

Uma revelação feita nesta quinta-feira, 15, pelo blog do jornalista Clodoaldo Corrêa, um dos principais aliados do prefeito Edivaldo Júnior (PDT), aponta para mais um custo que a sua reeleição trará para a população.

De acordo com o bem-informado jornalista, há um esquema montado para que o prefeito leve dois vereadores para seu secretariado, com o objetivo de abrir vaga na Câmara Municipal para dois suplentes.

– Pelo menos duas mudanças devem ser feitas. Isto porque existe um acordo feito à época da formação das coligações para que dois vereadores do Chapão (PDT, DEM, PR e PROS) assumam secretarias e assim dois suplentes pudessem assumir o mandato, aumentando o número de contemplados e fazendo assim com que todos aceitassem entrar na chapa com forte concorrência – disse o jornalista. (Leia a matéria completa aqui)

Em outras palavras: Holandinha vai onerar à Câmara Municipal – já que os suplentes também passam a receber salários, além dos titulares licenciados – apenas para abrigar aliados nos círculos de poder.

É apenas mais um custo que o ludovicense terá por ter reelegido o prefeito pedetista…

0

Suplente também pode perder condição de assumir com troca de partido…

troca-troca-partidárioUma intensa movimentação de suplentes por troca de partidos tem marcado os bastidores da política, sobretudo no interior maranhense.

Com a proximidade do fim do prazo para filiação partidária daqueles que pretendem disputar as eleições de 2016, muitos estão deixado as legendas pelas quais concorreram em 2012, em busca de outros partidos.

Ocorre que, para os suplentes, vale a mesma regra que marca a relação partidária dos vereadores: se deixar o partido, perde a condição de assumir mandato, já que, pela Lei da Fidelidade Partidária, o mandato pertence a legenda.

O prazo para troca de partido te3rmina em 30 de setembro.

Mas, até lá, será intensa a movimentação por mudança partidária…

3

Suplentes já representam 55% das vagas no Congresso…

Telma Pinheiro, última a assumir na Câmara

Nada menos que dez suplentes  – dois de senador e oito de deputado federal – já assumiram mandato na Câmara desde a posse dos eleitos, em 2011.

A última a garantir temporada de 121 dias em Brasília foi a suplente Telma Pinheiro (PSDB), que ocupará a vaga do companheiro de partido Pinto Itamaraty.

São 55% das vagas ocupadas por quem não foi eleito em 2010.

Dos dez suplentes que já assumiram, apenas Davi Alves Silva Filho, o Davizinho (PR), se efeitvou no mandato. Ele tomou posse definitiva em maio do ano passado, após a morte do eleito Luciano Moreira (PMDB).

Também ocupam vaga na Câmara Federal os suplentes Chiquinho Escórcio (PMDB), Costa Ferreira (PSC), Paulo Marinho Júnior (PMDB), Weverton Rocha (PPS), Ricardo Archer (PMDB) e Simplício Araújo (PPS).

No Senado, os suplentes são Edinho Lobão (PMDB) e Clóvis Fecury (DEM)…

Texto alterado às 14h26 para correção e acréscimo de informações
5

Maranhão tem 30 parlamentares recebendo no Congresso…

A bancada do Maranhão no Congresso Nacional é representada por 18 deputados e três senadores. Mas atualmente, o contribuínte do país paga salário a 30 parlamentares maranhenses.

São os 21 titulares e mais sete suplentes que exercem mandato temporário.

Pelas regras do Congresso, o parlamentar que se afasta para “tratamento de saúde” pode continuar recebendo a íntegra dos seus vencimentos. É o caso, por exemplo, de Ribamar Alves (PSB) e Cléber Verde (PRB).

Mas a Câmara também paga o mesmo salário aos suplentes que estiverem exercendo o mandato no período de licença dos “doentes”. Exemplo: Simplício Araújo (PPS) e Ricardo Archer (PMDB).

Já aqueles que se licenciam para assumir cargos nos governos federais ou estaduais, pondem optar pelo salário parlamentar – o que sempre fazem, já que o valor é maior que o de ministro ou secretário.

Neste grupo estão os senadores Edison Lobão e João Alberto de Souza (ambos do PMDB), além dos deputados Gastão Vieira (PMDB) e Pedro Fernandes (PTB).

Os suplentes de todos eles – Clóvis Fecury (DEM) e Edinho Lobão (PMDB), no Senado; Chiquinho Escórcio e Costa Ferreira (PSC), na Câmara – também recebem os vencimentos integrais.

De todas as licenças da bancada federal, apenas a de Edivaldo Holanda Júnior (PTC)  ainda não foi esclarecida – se para tratamento de saúde (o que garante o salário) ou para tratar de assuntos particulares (o que, em tese, suspende a remuneração).

De uma forma ou de outra, seu suplente, Weverton Rocha (PDT), recebe o salário integral de deputado federal.

E o povo brasileiro paga toda a conta…

4

Suplentes já representam 1/3 da bancada maranhense…

 

População elege um e outro assume seu lugar

Nada menos que seis suplentes já ocupam as 21 vagas do Maranhão no Congresso Nacional

São dois suplentes de senador – Edinho Lobão (PMDB) e Clóvis Fecury (DEM) – e quatro suplentes de deputado federal: Chiquinho Escórcio (PMDB), Costa Ferreira (PSC), Weverton Rocha (PDT) e Simplício Araújo (PPS).

A turma vai aumentar em breve, com a chegada de Ricardo Archer (PMDB, no lugar de Cléber Verde (PRB), que deve assumir a Secretaria da Pesca.

Boa parte dos suplentes está no exercício do mandato em substituição a titulares chamados para cargos no Governo Federal ou Estadual.

Os dois suplentes de senador ocupam, respectivamente, as vagas de Edison Lobão (PMDB), ministro de Minas e Energia, e João Alberto de Souza (PMDB), secretário estadual de Assuntos Estratégicos.

Chiquinho Escórcio e Costa Ferreira estão na Câmara porque os titulares dos mandatos – Pedro Fernandes (PTB) e Gastão Vieira (PMDB) – ocupam, respectivamente, a Secretaria de Cidades e o Ministério do Turismo.

Weverton Rocha e Simplício Araújo são fruto de acordos políticos.

Candidato a prefeito de São Luís, Edvaldo Holanda Júnior (PTC) deixou a vaga em benefício do suplente pedetista; Ribamar Alves (PSB),por sua vez, abriu mão de quatro meses de mandato em favor do popular-socialista.

Caso se confirme a articulação política do governo Roseana Sarney (PMDB), em breve, mais um suplente deve assumir vaga na Câmara.

Trata-se de Paulo Marinho Júnior (PMDB), que pasará a ser a bola da vez após ascensão de Ricardo Archer.

Mas, para isso, algum outro deputado precisa “adoecer”…

14

Cléber Verde assumirá Secretaria da Pesca…

Verde será secretário da Pesca

Agora é definitivo. O deputado federal Cléber Verde (PRB) vai assumir a Secretaria da Pesca.  Ele fechou hoje à tarde a sua vinda para o governo, e deve assumir já na próxima semana.

Para efetivar a posse, a governadora Roseana Sarney (PMDB) deve editar ainda nesta sexta-feira o Projeto de Lei com a criação da nova pasta.

A entrada de Cléber Verde no governo atende a duas necessidades do governo: uma política e outra técnica.

Roseana necessitava de uma pasta no estado compatível com o Ministério da Pesca, criado pela presidente Dilma Rousseff (PT) – ocupada, curioosamente, pelo presidente da legenda de Verde, Marcelo Crivela. Também precisava abrir vaga na Câmara Federal para o suplente Paulo Marinho Júnior (PMDB).

Com o convite ao deputado, contempla os dois fatores.

Mas para efetivar Paulo Marinho na Câmara há ainda um obstáculo: antes dele, o suplente da vez é Ricardo Archer (PMDB), que não se mostra disposto a abrir mão de assumir.

Neste caso, já está sendo articulada uma licença do deputado José Vieira (PR). 

 

11

Dois suplentes deverão assumir vaga na Câmara Federal…

Ricardo Archer pode estrear na Câmara

Os suplentes Ricardo Archer  e Paulo Marinho Júnior (ambos do PMDB), devem assumir mandato na Câmara Federal até o final de abril.

Para que a posse se consolide, falta apenas a governadora Roseana Sarney (PMDB) confirmar a criação da Secretaria da Pesca, o que abriria vaga para um deles.

A questão é a seguinte: o deputado federal José Vieira (PR) estuda afastar-se do mandato, mas não aceita abrir vaga para Archer – que é filho do ex-prefeito homônimo de Codó. Por outro lado, o governo tem interesse na posse de Paulo Júnior, filho do ex-prefeito homônimo de Caxias.

A solução foi resolver as duas situações com uma única tacada.

Paulo Marinho: deputado e candidato a prefeito

Com a criação da Secretaria da Pesca, o governo alinha seus objetivos no setor ao Governo Federal – que tem o Ministério da Pesca –  e ainda abre vaga para um dos suplentes, nomeando para a pasta o deputado Cléber Verde – do partido de Crivella. 

Assim, Ricardo Archer assumirá no lugar de Verde.

E Vieira poderá, finalmente, licenciar-se em favor de Paulo Marinho Júnior.

Simples assim…

1

As licenças na Câmara Municipal…

Câmra encerra "farra" de licenças

O presidente da Câmara Municipal, Isaías Pereirinha (PSL), decidiu acabar com a licença de vereadores em ano eleitoral. Acha que o troca-troca de mandatos é mal visto pelo eleitor.

Dede 2009, quando a atual Câmara assumiu, nada menos que sete suplentes assumiram mandatos na Casa.

Dois deles, Marlon Garcia (PTdoB) e Edmislon Jansen (PTC), assumiram em 2011, com a ida de Lourival Mendes (PTdoB) e Edivaldo Júnior (PTC) para a Câmara Federal.

Outro, Umbelino Júnior (PV), assumiu depois da morte do eleito Augusto Serra (PV).

Os demais suplentes assumiram em negociações com os titulares.

Batista Matos (PPS) passou por duas vezes no plenário – no final de 2010 e no final de 2011, sempre na vaga do também pepessista Vieira Lima (PPS).

Geraldo Castro Sobrinho (PCdoB) também assumiu duas vezes, na vaga do médico Fenando Lima.

Outro que assumiu para período de quatro meses foi Antonio Garcêz (PDT).

Já havia uma articulação para novas lcienças ainda este mês, abortadas despois da crítica de Pereirinha.

Afinal, como ele mesmo diz, é ano eleitoral…

 

3

Maranhão já tem 1/3 de suplentes na bancada federal…

Clóvis Fecury assumiu em setembro

Nada menos que sete dos 21 parlamentares que compõem a bancada federal do Maranhão – deputados e senadores – não foram eleitos em 2010.

São cinco suplentes de deputado federal que assumiram ao longo de 2011 e dois suplentes de senador exercendo mandato no Senado.

Deles, apenas Davi Alves Silva Filho, o Davizinho (PR), foi efetivado, após a morte do eleito Luciano Moreira (PMDB).

No Senado, dois dos três senadores a que o Maranhão tem direito são suplentes.

Edinho Lobão (PMDB) ocupa a vaga do pai, minsitro de Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB). Clóvis Fecury (DEM) está no lugar do secretário de Projetos Especiais do estado, João Alberto de Souza (PMDB).

Na Câmara, são quase 30% de suplentes. 

Simplício: último a entrar

Chiquinho Escórcio (PMDB) e Costa Ferreira (PSC) ocupam, respectivamente, as vagas do ministro do Turismo, Gastão Vieira (PMDB), e do secretário estadual de Cidades, Pedro Fernandes (PTB).

Weverton Rocha (PDT) está no lugar de Carlos Brandão, presidente regional do PSDB.

O último a compor o time de reservas em campo é o suplente Simplício Araújo (PPS). Ele assumiu o mandato de Ribamar Alves (PSB), licenciado para tratamento de saúde.

Os demais 14 membros da bancada foram eleitos em 2010…