3

Duarte Jr. trata PSB como sigla de aluguel para Brandão e é criticadeo por petista…

Deputado estadual diz que a transferência do vice para o partido de Flávio Dino irá resolver a pendência com o PDT, tratando a legenda como mero depósito de candidatos, como classificou o ex-secretário Márcio Jardim

 

Com sua lógica “bora resolver”, na tentativa de encontrar solução para o problema de Brandão, Duarte júnior trata PSB e PT coimo prostitutas

Uma nota infeliz do deputado  Duarte Júnior, tratando o próprio partido, o PSB, como sigla de aluguel, gerou fortes críticas do ex-secretário Márcio Jardim, um dos principais interlocutores do PT maranhense na cúpula nacional do partido.

Após declaração do ex-presidente Lula, de que não apoiará um candidato do PSDB no Maranhão, Duarte saiu-se com seu famoso jargão “Bora resolver?”.

– Lula não apoia candidato do PSDB. Carlos Brandão vem pro PSB e o PT indica o próximo vice-governador  do Maranhão – ensinou Duarte, ele próprio um especialista em troca de partidos.

Mas a “solução” de Duarte Júnior foi criticada imediatamente por Márcio jardim, um dos petistas maranhenses com mais acesso à cúpula nacional do PT.

– Lastimo essa visão arcaica que trata partido como motel, onde o político entra por mera conveniência, fica pouco tempo, dá uma rapidinha e vai embora. Isso corrompe a democracia. Ademais, ao tratar o PT como prostituto de plantão, sempre disposto a servi-los, você ofende os petistas – disse Jardim, comentando a postagem de Duarte Júnior.

Mas a expressão de desespero de Duarte Júnior tem explicação política.

A situação do vice-governador Carlos Brandão é complicada. Ele não tem garantias de que, se filiando ao PSB, receba o apoio de Lula e do PT; e ainda corre o risco de, deixando o PSDB, perder tanto o ninho tucano quanto o Cidadania.

Soluções prostitutas, como a de Duarte Júnior, só enfraquecem ainda mais o vice-governador…

2

Petista indica que Brandão é o candidato sarneysista em 2022

Segundo o professor Márcio Jardim, com 80% dos apoiadores advindos do grupo do ex-presidente da República José Sarney, atual vice-governador representa o caminho para a volta deste segmento político ao poder

 

O apoio de Adriano Sarney a Carlos Brandão repercutiu fortemente entre sarneysistas, ati-sarneysistas e dinistas

O ex-secretário de Esportes e Lazer do governo Flávio Dino – e atual secretário de comunicação da Prefeitura de Maricá (RJ) – professor Márcio Jardim, apontou nesta segunda-feira, 20, que o vice-governador Carlos Brandão (PSDB), é o representante sarneysista nas eleições de 2022.

Comentando uma postagem do ex-deputado Joaquim Haickel, que participou do encontro com Brandão, na última quinta-feira, 16, Jardim ressaltou que os sarneysistas representam a maioria dos apoiadores de Brandão.

– Sagaz e também ferino com adversários, a frase de Joaquim Haickel, grosso modo, também pode ser lida assim: “Flávio Dino, a candidatura de Brandão não te pertence” – provocou Márcio Jardim, para completar, reinterpretando a fase de Haickel: “Flávio Dino, apenas 20% da candidatura de Brandão é sua.”

Em comentário no blog Marco Aurélio D’Eça, Joaquim Haickel disse que a leitura de Márcio Jardim sobre sua postagem “não está apenas errada, mas destorcida”.

– O que eu disse e repito, é que no evento que fui, em apoio a Brandão, meu amigo de infância, para onde quer que eu me virasse, só via pessoas que em algum momento, em graus maiores ou menores, fizeram parte do grupo Sarney. Mas isso não deveria ser de admirar! No governo de Flávio Dino, tem muitos quadros oriundos do grupo Sarney, ou será que Rubens Pereira, Felipe Camarão, duas dúzias de deputados, entre estaduais e federais, não estiveram em algum momento ligados ao grupo Sarney!?… – questionou o ex-parlamentar.

Durante o encontro de quinta-feira, Brandão recebeu o apoio público do deputado estadual Adriano Sarney, neto do ex-presidente e único representante oficial da família Sarney na política.

De fato, assim como recordou Haickel, além de Adriano, Brandão tem apoio de deputados federais, estaduais, prefeitos, vice-prefeitos e ex-prefeitos ligados ao grupo Sarney.

O próprio governador Flávio Dino tem buscado o apoio dos Sarney para sua candidatura ao Senado.

A maioria resistência ainda é da ex-governadora Roseana Sarney (MDB), principal adversária de Dino no grupo.

2

Petista prega união entre Weverton e Edivaldo e diz que a implosão da base dinista já ocorreu

Ex-secretário de Esportes Márcio Jardim diz entender que o governador não poderá ficar contra o vice Carlos Brandão – até por questões de logística de sua candidatura – e avalia que uma chapa com o senador pedetista e o ex-prefeito de São Luís teria força semelhante às de Jackson, em 2006, e a do próprio Flávio Dino em 2014

 

Weverton foi o principal responsável pela primeira candidatura de Edivaldo; e viabilizou sua reeleição quando nenhum outro aliado acreditava mais

O professor e militante histórico do PT, Márcio Jardim, que foi secretário de Esportes no governo Flávio Dino (PSB) pregou nesta segunda-feira, 1º, uma aliança entre o senador Weverton Rocha (PDT) e o ex-prefeito de São Luís Edivaldo Júnior (PSD).

Jardim não apontou a que cargos concorreria cada uma das lideranças, mas deu sinais de que acredita em uma chapa que tenha Weverton de candidato ao governo e Edivaldo Júnior como candidato a senador.

– Weverton tem mais quatro anos de mandato. Como se diz no popular: não tem nada a perder. Acumulou enorme força política. Tem partido e caminha com grupo próprio. Tem grande parte do empresariado do estado lhe apoiando. Tem uma boa organização em rede de comunicação. Uma chapa com Edivaldo garante força para disputar contra a máquina dos Leões numa posição de força semelhante a Jackson em 2006 e ao próprio Flávio Dino, em 2014 – destacou o ex-secretário, em grupos de discussão política no WhatsApp.

Militante histórico do PT, Jardim é um dos principais interlocutores maranhenses na cúpula nacional do partido; e defende publicamente o apoio a Weverton.

Márcio Jardim é um dos principais militantes petistas na campanha de Weverton; e defende aliança com Edivaldo Júnior

O ex-secretário ressalta que não vê outra alternativa para Flávio Dino senão o apoio ao vice-governador Carlos Brandão (PSDB), sobretudo por que o governador necessita da estrutura do Palácio dos Leões em sua própria campanha e dos auxiliares mais próximos.

– Não vejo como o (ainda) governador fique contra a máquina dos Leões. Isso desarranjaria a organização dos projetos eleitorais de vários dos seus secretários e outros já de mandato dependentes das chamadas “estruturas” de governo. O governador é sabedor destes caminhos. Ele próprio iniciou sua carreira por estes meios na sua primeira eleição, de federal – alfinetou o petista.

Para Márcio Jardim, a implosão da base dinista já ocorreu; ele não vê como os principais candidatos da base abrirem mão de suas candidaturas.

– A implosão na base dos Leões já se deu. Agora só falta ser anunciada – apontou o petista.

Resta saber quem será o responsável por este anúncio…

3

Márcio Jardim lamenta “baixa cobertura vacinal do Maranhão”

Ex-secretário de Esportes de Flávio Dino reconhece “um bom trabalho da prefeitura de São Luís” e a concentração de esforços do Governo do Estado na Região Metropolitana, mas diz que, apesar disso, o Maranhão continua na rabeira da imunização no país

Márcio jardim manifestou-se sobre as campanhas de vacinação no Maranhão

O ex-secretário de  Esportes e Lazer do Maranhão, Márcio Jardim, lamentou em suas redes sociais a baixa cobertura vacinal apresentada pelo estado do Maranhão contra a CoVID-19.

Para Jardim, apesar dos esforços do governo Flávio Dino e do “bom trabalho” desenvolvido pelo prefeito Eduardo Braide em São Luís, o Maranhão continua entre os últimos em imunização.

– Não obstante os animadores dados da baixa faixa etária da vacinação na capital (…) o fato é que o Maranhão continua com uma das mais baixas coberturas vacinais do país – ressaltou.

Para Jardim, tanto a Prefeitura de São Luís quanto o Governo do Estado concentram suas ações na capital e na região metropolitana; mas ações inconsistentes no interior fazem o estado amargar a rabeira da imunização.

Jardim atua hoje como auxiliar da gestão do município  de Maricá, no Rio de janeiro.

É de lá que acompanha a movimentação político-social e administrativa do Maranhão…

5

Professor, Márcio Jardim critica prioridade de vacinação a professores…

Avaliação do militante petista é a de que a inclusão dos profissionais de Educação na lista dos primeiros a serem imunizados, além de ter objetivo meramente eleitoreiro,  prejudica setores da sociedade bem mais vulneráveis na pandemia de conoravirus

 

Márcio Jardim em sala de aula; crítica dura ao fura-fila da vacina promovida pro sindicatos ligados aos professores

O professor e ex-secretário de Esportes e Lazer do Maranhão, Márcio Jardim, manifestou-se criticamente neste fim de semana contra a prioridade de vacinação aos profissionais da Educação no Maranhão.

Na sua avaliação, além de ter viés claramente eleitoreiro, o “fura-fila” da Educação prejudica setores bem mais vulneráveis da sociedade.

– Este tipo de critério corporativista, com viés totalmente eleitoral, quebra uma lógica racional, mais humana e justa na fila para a vacina – afirmou o professor, em suas redes sociais

Márcio Jardim é professor da rede pública de ensino e discorda profundamente da inclusão da categoria na fial de imunização.

A manifestação do professor nas redes sociais: prioridade deveria ser pára categorias mais vulneráveis

A manifestação de Jardim ganha força por vir de um profissional ligado ao próprio setor que pressiona pela quebra da lógica na fila da imunização.

E deve acirrar o debate sobre outras categorias “fura-fila”…

3

Márcio Jardim vê desdem de comunista em crítica ao PT

Ex-secretário de Esportes do governo Flávio Dino rebate o candidato do PCdoB a prefeito de São Paulo, Orlando Silva, que classificou o partido de Lula como “parte do passado” da esquerda brasileira

 

Em resposta a Orlando Silva, Márcio jardim exortou o PT a se fazer maior do que é em São Luís; voz solitária na seara petista

Voz solitária na tentativa de desencabrestar o PT maranhense do governo Flávio Dino – e garantir maior protagonismo à legenda – o ex-secretário de Esportes Marcio Jardim foi o único petista a rebater as críticas do deputado federal Orlando Silva, candidato a prefeito de São Paulo.

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, Silva declarou que Lula e o PT fazem “parte do passado” da história da esquerda brasileira. (Saiba mais aqui)

Para Márcio Jardim, foi um desdém do comunista.

– O baiano eleito em 2018 com os votos do PT foi o último da coligação; avança uma casinha para ter o apoio do PT em São Luís e léguas para virar adjunto de Roberto Freire – disse jardim.

O problema é que Jardim fala sozinho no PT maranhense.

Seus colegas de partido – a exemplo do presidente Augusto Lobato e do vereador Honorato Fernandes –  estão mais preocupados em manter empregos no governo Flávio Dino ou cavar vaga de vice na chapa de Rubens Júnior (PCdoB) para ter saída honrosa à falta de votos para releição à Câmara.

Honorato na fila de apoios do comunista Rubens Pereira Júnior: em busca de salvar a própria pele, nem aí para as críticas do PCdoB ao PT

No mesmo dia em que a fala de Orlando Silva repercutia nacionalmente, por exemplo, Honorato almoçava com Rubens Júnior, tentando ratificar um apoio que o próprio PT ainda não definiu.

Sobre o silêncio dos companheiros, Jardim comentou assim ao blog Marco Aurélio D’Eça:

– Pelo menos tem uma voz que expressa opinião entendendo qual é o jogo em curso para achatar o PT por setores da esquerda e da direita. Ser governo tem ônus e bônus. No caso do PT, o silêncio de muitos é parte do ônus.

5

Márcio Jardim fecha com Weverton…

Após tentar ele próprio ser candidato a senador, o ex-secretário Márcio Jardim (PT) declarou apoio ao pedetista Weverton Rocha..

“Nesse momento, precisamos de cidadãos com posicionamento. Eu tenho um lado e não posso me omitir. Meu voto e meu apoio são de Weverton Rocha, pela sua história, pela sua luta na defesa do governo Dilma, na defesa do governo de Jackson Lago, por todas essas razões, decidimos declarar nosso apoio a ele e não é meramente protocolar, é efetivo e combativo”, afirmou o petista, em entrevista ao programa Ponto e Vírgula, da rádio Difusora, na última sexta-feira, 9.

Jardim justificou que estará ao lado de Rocha por conta da estratégia eleitoral do PT, que definiu pela aliança com Flávio Dino (PCdoB).

“Considerava viável a minha candidatura pela força que o ex-presidente Lula tem no estado, mas prevaleceu outra estratégia eleitoral e eu sou um militante fiel”, declarou.

O ex-secretário vai acompanhar o candidato em suas andanças pelo interior…

2

PT sem chances para Aníbal Lins e Márcio Jardim…

Pré-candidatos de si mesmos ao governo e ao Senado, petistas continuarão falando sozinhos enquanto a direção do partido já oficializa data para confirmação da aliança com Flávio Dino

 

PELO BEIÇO. Márcio Jardim tende a repetir este mesmo gesto com Flávio Dino. Apesar de tudo

No mesmo dia em que o professor Márcio Jardim expôs seus novos mimimis nas redes sociais, a direção nacional do PT autorizou a direção estadual do partido a realizar, no dia 27, o encontro que confirmará a aliança com o governador Flávio Dino (PCdoB).

O PT do Maranhão vai atrelado com o comunista, esteja ou não na chapa majoritária.

Caberá a Jardim e ao pré-candidato a governador, Aníbal Lins, uma vaga de suplente de senador. Se quiserem.

Sob o comando do secretário Chico Gonçalves – ventríloquo do presidente regional Augusto Lobato – o PT maranhense sempre esteve atrelado ao governo Dino, inclusive com a presença do próprio Márcio Jardim. 

E os próprios Márcio Jardim  e Aníbal Lins estarão atrelados na campanha do comunista.

De uma forma ou de outra…

1

Eliziane Gama quer PT em sua primeira suplência…

Pré-candidata a senadora na chapa do governador Flávio Dino já ofereceu vaga aos petistas, e conta com o aval do comunista para atrair o partido

 

Eliziane na campanha de 2016 com representante do PT: relação amistosa, embora ideologicamente divergente

A deputada federal e pré-candidata a senadora Eliziane Gama (PPS) confirmou ao blog o interesse de ter o PT em sua rede de suplentes.

A parlamentar libera a primeira suplência para o partido.

– Há dois meses venho lutando para eles aceitarem a primeira suplência – confirmou Eliziane, que aparece nas primeiras colocações em todas as pesquisas de intenção de votos.

O PT tem pressionado Flávio Dino (PCdoB) para ocupar uma vaga na chapa majoritária do governador, mas pretende ter a vice ou um,a vaga de candidato a senador.

A suplência tem sofrido resistência das lideranças do partido.

Embora ideologicamente divergente do PT, Eliziane Gama sempre manteve relação próxima com militantes petistas em suas campanhas eleitorais.

Faltando pouco mais de 20 dias para a convenção comunista, a confirmação do aceno de Eliziane pode viabilizar o acordo entre as partes.

Basta que o PT indique o nome…

 

0

PT rachado…

A admissão do ex-auxiliar de Flávio Dino, Márcio Jardim, de que haverá petistas com Roseana Sarney nas eleições, deixa ainda mais irritado o seu xará comunista, Márcio Jerry

 

Roseana esteve com o PT do início ao fim do governo Lula

Não será surpresa se o PT maranhense tiver braços eleitorais em algumas das principais candidaturas a governador do Maranhão, mesmo coligado oficialmente com o comunista Flávio Dino.

Há vozes discordantes entre os petistas que deixam claro a simpatia pela aliança com a ex-governadora Roseana Sarney (MDB); e outros, que ainda defendem apoio ao deputado estadual Eduardo Braide (PMN).

O clima de racha é cada vez maior no PT a ponto de se ouvir vozes como a do professor Márcio Jardim – pré-candidato a senador pelo partido – admitir que a legenda não vai integralmente com Flávio Dino.

Lideranças como Antonio Heluy e Joab Jeremias assumem publicamente simpatia pela aliança com Roseana.

A admissão de Márcio Jardim levou seu xará comunista Márcio Jerry a voltar a agredir seus adversários, de forma tão raivosa que mostrou o tamanho da preocupação dinista com o partido que o próprio governador esnoba em sua chapa governamental.

O atrelamento do PT ao governo Flávio Dino se dá por intermédio do professor Chico Gonçalves e do sindicalista Augusto Lobato, ambos empregados de Flávio Dino.

E também pelo vereador Honorato Fernandes, cujo interesse é eleger-se deputado estadual.

Nenhum outro grupo do partido mostra-se plenamente satisfeito com a aliança comunista.

Por isso o PT vai rachado, de novo, nas eleições de outubro.

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão…