5

Vendo-se descartado como candidato, Brandão manda recado aos comunistas: “Jackson vive!”

Com o anunciado companheiro de chapa Felipe Camarão assumindo a condição de candidato no interior – e já tido como carta fora do baralho pelos próprios aliados – governador-tampão postou foto ao lado do líder pedetista, que foi descartado e humilhado como candidato por Flávio Dino nas eleições de 2010

 

A imagem postada por Brandão ao lado de Jackson Lago: sintoma claro de um desinteresse dos comunistas pela sua candidatura

Chamou atenção uma postagem do tipo “#TBT” nesta quinta-feira, 16, nas redes sociais do governador-tampão afastado Carlos Brandão (PSB): numa foto antiga ao lado de Jackson, Brandão faz referências à história do ex-governador, ressalta sua família e finaliza em tom enigmático.

– Neste tbt a lembrança: Jackson vive! Vamos em frente – disse ele.

Para a maior parte dos analistas mais perspicazes, a postagem é um recado direto ao ex-governador Flávio Dino (PSB) e aos comunistas, que já o veem como carta fora do baralho nas eleições de outubro e trabalham sua substituição pelo pré-candidato a vice Felipe Camarão (PT).

Jackson Lago sofreu situação parecida com a de Brandão nas eleições de 2010, tendo como algoz o mesmo Flávio Dino.

Naquelas eleições, o ex-governador que havia sido apeado do poder um ano antes, em uma controversa decisão judicial, tinha condições de vencer a então governadora Roseana Sarney (MDB) se houvesse a união das oposições.

Então deputado federal pelo PCdoB, Flávio Dino não apenas recusou a aliança com Jackson como também passou a anunciar no interior que o ex-governador estava inelegível para aquelas eleições, além de muito doente.

A atitude de Flávio Dino magoou profundamente o próprio Jackson e a família do ex-governador, além de favorecer claramente a vitória de Roseana, eleita em primeiro turno com meros 0,08% além do necessário para tal.

O líder pedetista morreu no ano seguinte, sem mais falar com Flávio Dino.

Passados 12 anos – curiosamente o mesmo número 12 do pedetista Jackson – Brandão parece ser vítima da mesma artimanha.

Quem vê as fotos postadas por Flávio Dino e Felipe Camarão em suas redes sociais percebe claramente que o petista assumiu o papel de candidato do Palácio dos Leões a governador, ainda que temporário. (Entenda aqui)

Talvez seja por causa destas imagens, a postagem de Carlos Brandão nesta quinta-feira, de Corpus Christi.

Postagem de quem se vê largado pelos próprios companheiros de jornada…

0

Fábio Macedo reafirma que Podemos ainda não tem candidato a senador…

Durante inauguração da nova sede do partido, deputado estadual reafirmou apoio ao governador Carlos Brandão, mas fez questão de ressaltar que ainda vai sentar com a militância e os candidatos da legenda para escolher um candidato senatorial

 

Fábio Macedo com Executiva e pré-candidatos do Podemos na inauguração da sede do partido; escolha de senador ainda em discussão interna

Aliado do governador-tampão Carlos Brandão (PSB) – e um dos maiores apoiadores na eleição e reeleição do ex-governador Flávio Dino (PSB) – o deputado estadual Fábio Macêdo ainda não se decidiu sobre a eleição para o Senado.

Durante a inauguração da sede do Podemos no Maranhão, o parlamentar voltou a afirmar que Brandão é o candidato do partido a governador, mas não há fechamento de questão em torno de Flávio Dino, candidato da chapa socialista ao Senado.

– O podemos toma decisão em conjunto com seus filiados. Quando decidimos apoiar Brandão isso foi conversado internamente e foi consenso. Agora, nosso apoio a quem vamos apoiar para o Senado seguirá a mesma fórmula – disse Macedo, em entrevista ao jornalista Thales Castro.

Há duas semanas, quando o senador Roberto Rocha (PTB) anunciou sua candidatura à reeleição por uma frente ampla de partidos de várias tendências políticas – e com apoio de quatro candidatos a governador – Fábio Macedo foi às redes sociais parabenizar o petebista.

Até então, era senso comum que o Podemos apoiaria Flávio Dino.

Aliado do ex-governador nas duas eleições – 2014 e 2018 – a família Macedo, que tem o empresário Dedé Macedo, pai de Fábio, como principal representante, sempre deu estrutura às campanhas do comunista.

Nos dois governos, no entanto, os Macedo sentiram-se traídos pelo ex-governador, embora nunca tenham manifestado publicamente a insatisfação.

Agora, com Flávio Dino fora do poder e Roberto Rocha ameaçando sua tentativa de vener por WO, Fábio Macedo tem em mão uma importante decisão a tomar.

O que deve fazer até as convenções de agosto…

9

Declaração de Weverton contra Flávio Dino repercute – positivamente – em todo o MA

Catarse coletiva, que parecia refreada pela circunstâncias políticas, explodiu em São Luís e no interior na tarde desta sexta-feira, 29, após o senador do PDT afirmar, finalmente, que o seu grupo não votará no ex-governador comunista para o Senado

 

Um decidiu largar a mão do outro: após sucessivos ataques, Weverton decidiu que não vai mais pedir votos para Flávio Dino ao Senado

Análise da notícia

Uma explosão de comentários nas redes sociais, em blogs e na imprensa de modo geral, ganhou a internet nesta sexta-feira, 29, após o senador Weverton Rocha (PDT) declarar que ele e o seu grupo não mais votarão no ex-governador Flávio Dino (PSB) para senador da República.

A decisão de Weverton se deu após sucessivos ataques do próprio Flávio Dino a ele – com pressões contra aliados, cooptação de apoios e tentativas de tirá-lo da disputa pelo governo.

– Nós não vamos votar no Flávio Dino, depois e tudo o que ele fez, até de forma agressiva – disse Weverton, em entrevista ao podcast “Sai da Lama”, de Caixas.

Os comentários nas redes sociais foram os mais positivos em favor de Weverton, muitos ressaltando que há tempos ele já deveria ter-se afastado do governador comunista.

A relação de Dino e Weverton vem azedando desde quando o governador decidiu quebrar os princípios de sua aliança com o senador em favor do seu projeto pessoal de poder.

Mesmo depois de impor critérios aos pré-candidatos de sua base – atendidos apenas pelo próprio Weverton – Flávio Dino decidiu, em novembro de 2021, anunciar o seu então vice, Carlos Brandão (PSB), como sua “escolha pessoal” para disputar o governo.

Em janeiro, Dino reafirmou sua escolha, após tentar convencer Weverton, que não desistiu de sua candidatura.

Mesmo diante da posição pessoal de  Flávio Dino, Weverton, por lealdade à aliança formada em 2014 com a nova política, decidiu manter Dino como seu candidato – e do seu grupo – ao Senado; e trabalhou com esta possibilidade desde então, mesmo sofrendo intensa pressão de aliados para tomar outra atitude.

Mas Dino não respeitou sequer a posição diplomática de Weverton e empreendeu verdadeira perseguição ao aliado, com uso da máquina do governo para comprar aliados, manipulação de pesquisas e uso aberto de setores da imprensa, muitos dos quais ele próprio condenava até o ano passado.

Nos últimos dias, o ex-governador repassou ao secretário de Comunicação do governo-tampão de Carlos Brandão (PSB), Ricardo Capelli – seu homem de confiança – a tarefa de atacar Weverton nas redes sociais.

Foi a gota d’água.

Diante da pressão de aliados políticos e lideranças de todo o estado, Weverton decidiu abrir mão de sua opção por Flávio Dino para o Senado; e vai escolher até as convenções um novo candidato a senador para o seu grupo.

A pancada abalou as estruturas do Palácio dos Leões, que ainda tenta reagir.

Mas a decisão já está tomada…

2

A traição de Flávio Dino ao povo do Maranhão…

Eleito em 2014 para fazer as mudanças necessárias e estruturais no Maranhão, ex-governador passou oito anos no poder e, ao deixar o cargo para seu sucessor, acaba por entregar o estado nas mãos exatamente de quem já deveria estar fora do processo político

 

Foto de Brandão com Luís Fernando Silva, Sebastião Madeira e José Reinaldo incomodou profundamente o ex-governador Flávio Dino

Ensaio

A foto acima é extremamente incômoda para o Palácio dos Leões e para o ex-governador Flávio Dino (PSB).

Já abordada pelo blog Marco Aurélio D’Eça numa “Imagem do Dia” com o título “A ultrapassada cara do governo Brandão”, ela é também o simbolismo maior da traição de Flávio Dino ao povo do Maranhão.

Eleito em 2014 por um conjunto de forças da renovada política maranhense e ao lado de um grupo de jovens lideranças que  hoje disputam os principais espaços de poder no estado, Dino prometeu efetivar as mudanças necessárias ao estado e encerrar, de uma vez por todas, o ciclo da velha política, representada pelas ultrapassadas elites tradicionais.

Mas a própria escolha pessoal do ex-governador para sucedê-lo – o seu então vice Carlos Brandão (PSB) – já é, por si só, a essência do coronelismo que reinou por anos no Maranhão; e ao chegar ao poder, com a chancela de Dino, Brandão “ressuscitou” exatamente as velhas raposas carcomidas das elites tradicionais maranhenses.

Se Flávio Dino permitiu, estimulou e trabalhou pela chegada de Brandão ao poder, não há dúvidas de que traiu o povo do Maranhão.

Primeiro por que fracassou em sua principal promessa de campanha: tirar os municípios maranhenses da lista dos mais miseráveis do país.

Também fracassou ao não estimular o estado para o desenvolvimento econômico.

Segundo que, para se manter como nome na política e com status de intelectual, Flávio Dino recorreu exatamente àqueles que ele culpava pelo empobrecimento do Maranhão.

Flávio Dino é, portanto, o traidor do povo do Maranhão.

E como disse o seu próprio secretário de Comunicação, Ricardo Capelli, citando o ícone Leonel Brizola (PDT), “a política ama a traição, mas execra os traidores”.

4

Inchado, grupo do governador-tampão começa a gerar insatisfações…

Ex-secretários que não conseguiram emplacar sucessores em suas pastas, pré-candidatos a deputado federal e estadual e até gente mais ligada ao ex-governador Flávio Dino começam a se manifestar mais criticamente em relação a Carlos Brandão, que não consegue atender a todos

 

A inchada base do governador-tampão; sem espaço para todos, as insatisfações começam a surgir em todos os níveis

Nas últimas semanas espocaram na mídia sinais de insatisfação na inchada base formada a peso de ouro pelo governador-tampão Carlos Brandão (PSB) para embalar sua pré-candidatura à reeleição.

A manifestação crítica do deputado estadual Duarte Júnior (PSB) sobre a bancada federal foi uma delas; a guerra de bastidores entre o secretário Ricardo Capelli e o chefe da comunicação da campanha, Sérgio Macedo, pelo controle da mídia sarneysista e dinista foi outra. 

A mais sintomática, no entanto, foi a do auto-intitulado “neto de Jackson Lago”, o ex-secretário de Agricultura Rodrigo Lago.

Rodrigo – que na verdade é filho do ex-deputado Aderson Lago, primo distante de Jackson – aproveitou a semana santa para falar de traição, num lamento bíblico que chamou atenção nas redes sociais.

Sua insatisfação se dá pelo fato de não ter emplacado na Secretaria de Agricultura o ex-vereador Ivaldo Rodrigues.

A cantilena do “neto de Jackson Lago” nas redes sociais; falas de traição e desabafo apenas 20 dias depois do início do governo-tampão

Houve também notícias sobre suposta insatisfação do ex-diretor do Detran-MA, Francisco Nagib, que deixou a campanha do senador Weverton Rocha (PDT) em troca de espaços no governo, mas teria sido preterido em favor de novos aliados cooptados.

Quem acompanha os bastidores do governo-tampão diz que o clima de expectativa começa a esvaziar por causa das decepções na distribuição de cargos de primeiro, segundo e até de terceiro escalões.

Dizem que até o próprio Flávio Dino (PSB) já começou a jogar indiretas contra o sucessor e que essas indiretas tendem a se tornar mais públicas nos próximos meses.

É o resultado direto do inchaço da máquina para fins eleitoreiros…

6

Traição marcará debate entre Roberto Rocha e Flávio Dino…

Adversários tentam rotular um ao outro por atos de ingratidão, mas tucano leva vantagem por acolher exatamente os abandonados após gestos de sacrifício em favor do comunista

 

ÁGUA E ÓLEO. Sem qualquer identidade ideológica, Roberto e Dino estiveram juntos,m mas não são aliados

Desde o início do mandato do governador Flávio Dino (PCdoB), seus aliados na mídia e na política tentam criar em torno do senador Roberto Rocha uma pecha de traidor.

Ideologicamente inverso ao comunista, o senador tucano deixou claro, logo após as eleições de 2014, que seria candidato a governador em 2018. Para Dino e companhia, isso representa uma traição, já que Rocha foi eleito em sua chapa.

Desde então, os asseclas comunistas rotulam Rocha de traidor, numa tentativa de marcá-lo eleitoralmente.

Mas, pelos fatos recentes, Roberto Rocha tem muito mais motivos para ver em Flávio Dino o vírus da traição, para usar um termo que ficou marcado na voz do ex-governador Jackson Lago (PDT).

ACOLHIMENTO. Roberto Rocha acolheu dois dos traídos por Flávio Dino, oferecendo exatamente o que lhes foi negado pelo comunista

Desde que assumiu o mandato de governador, Flávio Dino coleciona ingratidão àqueles que deram muito de seu tempo e de sua saúde para fazê-lo liderança política no Maranhão.

Na lista aparecem desde o próprio Jackson Lago, passando pelo ex-ministro Edison Vidigal, o ex-prefeito Tadeu Palácio (PP), deputado estadual Edivaldo Holanda (PTC), o ex-prefeito Sebastião Madeira (PSDB), o deputado federal Waldir Maranhão (PSDB) e, principalmente, o ex-governador José Reinaldo Tavares (PSDB).

Curiosamente, alguns destes traídos por Flávio Dino foram acolhidos exatamente por Roberto Rocha.

Tanto Waldir Maranhão quanto José Reinaldo, a quem Dino tratou com ingratidão após gestos de sacrifícios públicos dos dois por ele, pleiteiam a vaga de senador na chapa do tucano.

5

O exemplo de Eduardo Braide a Flávio Dino…

Ao estender a mão a José Reinaldo e colocar como condição do apoio a Roberto Rocha a candidatura do ex-governador ao Senado, deputado eleva o próprio conceito e mostra ao comunista que não se abandona aliados

 

HONRA E DIGNIDADE. Gesto de Gratidão de Braide a José Reinaldo mostra a Flávio Dino que a política não é feita apenas de traidores

O deputado estadual Eduardo Braide (PMN) mostrou ao governador Flávio Dino (PCdoB) como se deve tratar aliados políticos, sobretudo aqueles que quebrem lanças pelo seu projeto.

Braide exigiu como condição de apoio ao senador Roberto Rocha na disputa pelo Governo do Estado, que o PSDB garanta a candidatura de senador ao ex-governador José Reinaldo Tavares.

Tavares foi ás últimas consequências pela candidatura de Eduardo Braide ao governo, e quase se indispôs com os tucanos por causa disto.

O gesto de Eduardo Braide é, portanto, um reconhecimento a essa atitude, uma honradez a um aliado.

Totalmente diferente de Flávio Dino.

O comunista vem criando cada vez mais a fama de traidor por abandonar os aliados à própria sorte depois de quebrarem lanças por ele próprio.

José Reinaldo é um desses casos.

TRAIÇÃO E DESPREZO. Depois de tudo o que recebeu de José Rei9naldo, era assim que Flávio Dino o tratava nos últimos tempos

Flávio Dino só existe para a Política por causa do ex-governador, que o transformou em deputado federal, candidato a prefeito de São Luís e governador do Maranhão.

Mas, ao invés de reconhecer o gesto do ex-padrinho, o comunista negou a ele o direito de ser candidato a senador.

Aliás, no próprio PSDB há diversos outras vítimas da traição de Flávio Dino: Roberto Rocha, Sebastião Madeira, Waldir Maranhão, José Genésio.

Jovem liderança política, que só agora emerge para o debate estadual, de fato, Eduardo Braide mostra honradez e respeito pelas alianças.

E mostra a Flávio Dino o lugar dos traidores…

1

José Reinaldo e a ingratidão de Flávio Dino e Roberto Rocha…

Tentativa do senador tucano de defenestrar o ex-governador da disputa pelo Senado – mesmo sabendo de seu posicionamento antes mesmo da entrada no PSDB – repete o gesto do comunista, que se utilizou da experiência reinaldista para chegar ao poder e o traiu fragorosamente

 

José Reinaldo e Flávio Dino: afastamento depois de o comunista usufruir do ex-governador

 

O governador Flávio Dino (PCdoB) chegou onde chegou por obra e graça do ex-governador José Reinaldo Tavares (PSDB).

Foi Tavares quem o inventou como político, fez dele deputado federal, candidato a prefeito de São Luís, impôs sua candidatura ao governo em 2010 e abriu mão, de novo, da disputa pelo Senado, para elegê-lo em 2014.

Como retribuição, Flávio Dino humilhou o ex-governador, alijando-o da disputa pelo Senado justamente quando as chances eram maiores.

Uma traição sem precedentes, portanto.

 

Com Rocha, a relação de Tavares nunca foi próxima; mas o tucano sempre soube do posicionamento do ex-governador

O tucano Roberto Rocha é senador também com a contribuição decisiva de José Reinaldo, que abriu mão da própria candidatura, em 2014, para viabilizar a aliança entre ele e Dino.

Quando buscou abrigo político no PSDB, José Reinaldo deixou claro a Roberto Rocha, Sebastião Madeira e Geraldo Alckmin, as principais lideranças tucanas, que iria trabalhar pela viabilização da candidatura de Eduardo Braide (PMN) ao governo.

Rocha aceitou Tavares no PSDB, portanto, sabendo que ele não cerraria fileiras em torno do seu nome.

Não esteve enganado em momento algum, é preciso dizer.

Tentar defenestrar o ex-governador da candidatura ao Senado, agora, portanto, é um gesto tão indigno quanto foi o de Flávio Dino contra o mesmo personagem.

É correto dizer que Flávio Dino e Roberto Rocha estão no debate político de primeiro escalão por causa da influência de José Reinaldo Tavares.

Os dois – que se detestam – foram unidos no mesmo patamar pelas mãos do ex-governador.

E agora se unem, também, no vergonhoso gesto da traição…

2

Golpe de Flávio Dino em Lula é fruto do rancor comunista…

Rancoroso e ingrato nas relações políticas, governador maranhense nunca engoliu o fato de o PT ter optado pela aliança com o PMDB nas eleições de 2006, 2010 e 2014; e agora usa o momento de fragilidade do líder petista na tentativa de ocupar espaços nas esquerdas

TRAIÇÃO. Ao dar tal declaração, Lula jamais imaginou que fosse apunhalado

Editorial

Um dos traços de personalidade mais latentes no perfil do governador Flávio Dino (PCdoB) é a sua absoluta incapacidade de resignação.

Rancoroso ao extremo, Dino alimenta por anos o ódio daqueles que, de uma forma ou de outra, contrariam seus pensamentos e suas opiniões.

E o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é mais uma vítima do rancor desmedido do comunista maranhense.

Rancor que já fez outras vítimas em sua curta escalada política: Jackson Lago (PDT), José Reinaldo Tavares (PSDB), Roberto Rocha e Sebastião Madeira (ambos do PSDB), Edison Vidigal, e Waldir Maranhão, para citar apenas alguns.

Flávio Dino nunca perdoou a opção de Lula pela candidatura de Roseana Sarney (MDB) em 2006 e em 2010, e pela de Edinho Lobão (MDB) em 2014.

Mal entende o comunista que essa opção do petista foi também fruto de sua gratidão a gestos de José Sarney e Roseana ainda em 1998 e 2002, quando, se a conjuntura permitisse, o ex-presidente já estaria com a ex-governadora.

Incompreensível e egoísta, o comunista se aproveita do momento mais frágil do ex-presidente para aplicar-lhe um golpe duríssimo: o descarte prematuro de sua candidatura presidencial.

Dino nunca quis a candidatura de Lula.

Sempre atuou em favor de Ciro Gomes; não por que admira o tresloucado ex-governador, mas por achar que, esvaziando os dois – o primeiro pela inviabilidade legal e  outro pela inviabilidade eleitoral – herdará naturalmente o bastão das esquerdas.

O golpe do comunista no principal líder de esquerda da América Latina – apesar do recuo patético, diante da repercussão negativa do fato – tem um simbolismo ainda maior por causa da covardia de Dino, que esperou exatamente o trigésimo dia da prisão do petista.

Enquanto outras lideranças se manifestavam em cartas e artigos em homenagem a Lula, Dino desfere o golpe de traição descartando o ex-presidente em âmbito nacional.

E o fez por que sabe da fragilidade do PT maranhense, da incapacidade de reação dos petistas e da força dos opositores de Lula no centro e na direita.

As pessoas que alimentam o rancor como opção de vida são também covardes.

E a covardia de Flávio Dino contra Lula só ampliou o tamanho do seu rancor.

Simples assim…

0

“Flávio Dino também traiu Waldir Maranhão”, diz Edilázio Júnior

O deputado estadual Edilázio Júnior (PSD) se solidarizou na sessão de hoje ao deputado federal Waldir Maranhão – que rompeu politicamente com o governador Flávio Dino (PCdoB).

O rompimento se deu por causa da quebra de acordo por parte de Dino, que vetou a pré-candidatura de Waldir ao Senado da República.

“Ainda que tardiamente, mas quero daqui da tribuna me solidarizar ao deputado federal Waldir Maranhão, que assim como no caso de José Reinaldo Tavares, foi vítima da falta de palavra do governador. Todos aqui já sabemos: o que o governador fala nós não podemos escrever”, disse.

Edilázio lembrou que durante o processo de impeachment da então presidente Dilma Rousseff – ocasião em que Waldir Maranhão presidia a Câmara Federal e era responsável pela condução do ato -, Flávio Dino aproximou-se do deputado federal para beneficiar-se politicamente.

“Além de usar dinheiro público para viajar de jatinho para Brasília, como fez agora indo a Curitiba, foi Flávio Dino que levou em mãos todo o processo para que Waldir Maranhão suspendesse o processo de impeachment. Depois disso, Waldir acabou virando chacota nacional. O Maranhão tornou-se conhecido mais ainda por conta dessa patacoada que ele fez no Congresso a pedido de Flávio Dino”, completou.

Edilázio também alertou os aliados de Dino, quanto à possibilidade de frustração, diante o projeto político do chefe do Executivo.

“Eu venho externar aqui só para falar para os colegas que a palavra do governador não vale muita coisa. Aqueles que mudaram de partido por promessa do governador, aqueles que estão esperando benesses que fiquem de orelha em pé, pois o que ele fala não se escreve”, finalizou.