7

“Não querermos ir com Holandinha”, diz agente do PCdoB…

Em troca de mensagens com dirigente do PPS, o secretário-adjunto de Comunicação do governo Flávio Dino  pede “uma agenda que possamos estar juntos” com a deputada Eliziane Gama

 

As conversas do comunista: Holandinha nem pensar...

As conversas do comunista: Holandinha nem pensar…

seloMembro do PCdoB de São Luís e adjunto do secretário de Comunicação, Márcio Jerry, o jornalista Marco Aurélio Oliveira, o MAO, revelou o que boa parte dos comunistas pensam da candidatura do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) na capital maranhense.

– Cara, não queremos ir com Holadinha. Não queremos mesmo. Temos que nos aproximar de Eliziane e de você – afirmou ele, em conversa com representante do PPS, pelo aplicativo de WhatsApp, a que este blog teve acesso, com exclusividade.

As inconfidências de Marco Aurélio sobre as relações do PCdoB com Holandinha têm gerado crise nos bastidores da campanha eleitoral, mas é a primeira vez que as conversas são comprovadas por publicação.

Na conversa com o dirigente da campanha de Eliziane, ele chega a pedir uma agenda com a deputada, em nome do PCdoB.

– Veja com ela uma agenda que possamos estar juntos. Vejo o PCdoB muito dividido. Dá para ganharmos – diz ele. (Veja trecho das conversas no print ao lado)

Flávio Dino, o chefe, com Oliveira, o MAO

Flávio Dino, o chefe, com Oliveira, o MAO

Além de adjunto e  “Amigo de Copo” de Márcio Jerry, Marco Aurélio Oliveira é também responsável pelas ações em favor de Flávio Dino e aliados nas redes sociais. É ele o editor da “Revista Péssima”, um perfil fake do Twitter, usado para atacar e agredir adversários do esquema liderado por Flávio/Jerry.

Ele ficou conhecido no ano passado, quando usou o perfil da “Péssima” para debochar do pânico da população com os ataques a ônibus em São Luís.  A história foi retratada no post Auxiliar de Flávio Dino faz piada após morte de estudante…”.

Além das conspirações de internet, MAO tem acusações de recebimento de vantagens indevidas no cargo de adjunto da Secom.

Estas denúncias já foram encaminhadas, inclusive, ao secretário de Transparência, Rodrigo Lago, que mantém silêncio sobre o caso.

Mas esta é uma outra história…

2

Alguém continua mentindo sobre os novos PMs…

Nota da Secretaria de Segurança garante que nenhum policial recém-incorporado à PM trabalhou nas festas de fim de ano; mas a Secretaria de Comunicação – e o próprio governador – afirmam que há 1,5 mil novos policiais já em atuação

 

Brandão "batiza" novo PM; não foi às ruas?

Brandão “batiza” novo PM; ele não foi às ruas?

Basta uma comparação entre a nota da Secretaria de Segurança Pública, divulgada nesta quinta-feira, 7, e os releases da Secretaria de Comunicação do governo Flávio Dino (PCdoB), para se chegar a uma conclusão óbvia: existem muito mais mentiras que as simples afirmações do governador em relação aos novos policiais incorporados à Polícia Militar do Maranhão.

Veja o que disse, em 2/1/2016, a Secretaria de Comunicação de Flávio Dino:

– Após meses de preparo no Curso de Formação, os militares concluíram o treinamento no final de dezembro e COMEÇARAM A TRABALHAR (destaque do blog), reforçando as ações de segurança. (Leia a íntegra aqui)

Agora, veja o que afirmou a Secretaria de Segurança, sobre o mesmo tema:

– Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP) por meio da Polícia Militar esclarece que soldados formados na segunda turma, no mês de dezembro, NÃO FORAM EMPREGADOS NO ESQUEMA DE SEGURANÇA (outro destaque do blog) montado para o policiamento de Réveillon. (Entenda aqui)

Como se vê, há muitos mais mentirosos no governo de Flávio Dino…

3

Governo Flávio Dino patrocina jornal espanhol para atacar adversários…

Governador pagou  El País com dinheiro público para matérias que tentam desqualificar o período de pode do grupo Sarney no Maranhão e fazer autoexaltação do comunista

 

Site do El País: financiamento público para ataques políticos

Site do El País: financiamento público para ataques políticos

A própria página do jornal espanhol El País não deixa dúvidas.

O governo do Maranhão financiou reportagem que, ao invés de mostrar as belezas e cultura do Maranhão ao mundo, apenas tenta desqualificar os adversários do governador Flávio Dino e exaltar o próprio ocupante do Palácio dos Leões.

Em outras palavras, o povo do Maranhão pagou para o comunista fazer política.

A reportagem publicada em El País mostra já na machete o interesse da encomenda com dinheiro público:

– Há um ano sem a família Sarney, Maranhão tenta deixar o século XVI.

Este blog vem denunciando o uso do dinheiro público no governo Flávio Dino para financiar matérias de autoexaltação e de ataques a adversários políticos.

Já estiveram por aqui equipes do Financial Times, da The Economist e da BBC. Todos financiados com dinheiro público, pelo que se depreende da página do El País.

O jornal espanhol tem patrocínio também do Governo do Ceará e do Governo do Piauí, todos aliados de Flávio Dino.

Mas do Maranhão, o patrocínio não é só do Palácio dos Leões, mas também da Emap, empresa que administra o Porto do Itaqui.

Sem dúvida, algo que a Transparência do governo deve investigar.

E explicar cada detalhe do uso do dinheiro público…

1

Mídia e governo…

A recente mudança de postura midiática do governo Flávio Dino (PCdoB) é resultado de uma intensa batalha interna no núcleo mais duro de seu governo; e que acabou vencida pelos chamados liberais, capitaneados pelo deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB), pelo presidente da Assembleia, Humberto Coutinho (PDT) – auxiliado pelo vice, Othelino Neto (PCdoB) – e pelo chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB).

Este quarteto conseguiu convencer o governador da importância de ampliar a divulgação do seu governo para além da chamada mídia alinhada. Eles venceram a batalha contra ninguém menos que o todo-poderoso chefe da Articulação Política, Márcio Jerry, que lidera o grupo mais sectário dos dinistas- que tem ainda o secretário de Transparência, Rodrigo Lago, e o chefe da Comunicação, Robson Paz.

Desde o início do governo, o trio mais radical – os dois primeiros por questões pessoais, e Paz por estar absolutamente submetido às decisões do próprio Jerry – entendia que Flávio Dino conseguiria criar uma imagem positiva do seu governo apenas com a divulgação em blogs, emissoras de TV, rádios e jornais vinculados ao próprio governo.

E Jerry garantia ao governador que a mídia nacional faria o trabalho de ampliar a “mudança” no Maranhão.

Passaram-se 10 meses e o governo só perdeu espaço na opinião pública; muito pela própria inoperância do governo – mas também pela falta de mídia capaz de tornar visíveis as ações.

Só então Dino convenceu-se da necessidade de anunciar em outros espaços que não apenas os seus de sempre. O próximo passo é a veiculação dos chamados banners em blogs e portais, no que já se pode considerar a primeira grande derrota de Jerry no governo.

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão
7

As mudanças que Flávio Dino quer….

Governador vê com decepção as ações de auxiliares na Segurança, na Comunicação e na Saúde, e já tem até nomes de substitutos, mas não consegue implementar a troca por questões extra-governo

 

Pacheco ao lado do governador: o semblante de Dino mostra o que ele pensa da gestão na Saúde

Pacheco ao lado do governador: o semblante de Dino mostra o que ele pensa da gestão na Saúde

Pelo menos três auxiliares estão na alça de mira do govenador Flávio Dino (PCdoB), dez meses após ele assumir o comando do Maranhão.

O médico Marcos Pacheco, na Saúde, o radialista Robson Paz, na Comunicação, e o delegado Jefferson Portela, na Segurança Pública mostram desempenho pífio e incapacidade de gestão; e Dino já cobrou por mudanças.

À frente da Saúde, Pacheco conseguiu a façanha de destruir todo o trabalho de excelência implantado no setor pelo ex-secrfetário Ricardo Murad. As Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) estão sucateados, os hospitais de referência, como o Geral, o Carlos Macieira e o PAM-Diamante, voltaram a ser meros ambulatórios. Os serviços especializados foram encerrados.

Nem os medicamentos especiais são hoje encontrados na FEME, que também tinha padrão de excelência na gestão passada.

Para o lugar de Pacheco Flávio Dino quer Natalino Salgado, ainda reitor da Ufma.

Márcio Jerry com seu afilhado, Robson Paz: "carregador de piano que não sabe tocar"

Márcio Jerry com seu afilhado, Robson Paz: “carregador de piano que não sabe tocar”

Outro que não tem aptidão para o comando é Robson Paz, na Secom. Tímido, pouco relacionado e sectário, não consegue avançar na comunicação do governo e é constantemente criticado por Dino. Para o posto, o governador quer o publicitário Juliano Corbellini, que diz aos mais próximos já ter sido convidado pelo menos quatro vezes.

Tutor do atual secretário, o próprio homem-forte do governo, Márcio Jerry, classifica o afilhado como “carregador de piano, que não sabe tocar”. Mas resiste ao nome indicado por Corbelini, o do também publicitário Daniel Merlin, outro que trabalhou na campanha.

Dino quer aguardar 2016 para efetivar a mudança na Secom, mas o desgaste da gestão pode precipitar a troca.

Portela com Rubens Júnior: de panfleteiro a secretário por opção do PCdoB

Portela com Rubens Júnior: de panfleteiro a secretário por opção do PCdoB

O setor de Segurança Pública tornou-se o calcanhar-de-aquiles da gestão dinista sob o comando do delegado e militante do PCdoB, Jefferson Portela. Escolhido unicamente por carregar bandeiras na campanha do comunista, Portela já demonstrou absoluta inaptidão para o comando da pasta.

Há denúncias de que o sistema serve hoje apenas para perseguir adversários do próprio Dino, enquanto a população sofre com assaltos constantes a bancos, explosões de caixas eletrônicos e assassinatos nos grandes centros.

Nem o serviço de inteligência da polícia – voltado apenas para o monitoramento de adversários – consegue detectar a ação de bandidos, deixando toda a população exposta.

O problema é que Flávio Dino não tem um homem de confiança para o setor da Segurança, o que impede a troca de Portela.

Mas o próprio governador reconhece que estes três setores precisam de urgente injeção de ânimo.

Sob pena de afundar ainda mais o seu governo…

1

Secom mente e é desmentida pelo próprio Dino…

Comandada pelo radialista Robson Paz – espécie de marionete do chefe da articulação Política, Márcio Jerry – secretaria que deveria cuidar da imagem do governo se transforma em cartório de desmentidos, que sempre são derrubados pelos fatos do próprio governo

 

Dino seu chefe de comunicação, Robson Paz: sectário, o radialista é incapaz de formular políticas de comunicação

Dino seu chefe de comunicação, Robson Paz: sectário, o radialista é incapaz de formular políticas de comunicação

A frase abaixo é o item 3 de uma nota da Secretaria de Comunicação do governo Flávio Dino (PCdoB), distribuída sexta-feira, 18:

 – Os perfis do Governo do Maranhão e a página pessoal do Governador Flávio Dino estão liberados para qualquer pessoa fazer comentários.

Perceba que o documento assinado pelo radialista Robson Paz afirma que os perfis de Dino estão liberados nas redes sociais.

Agora, veja abaixo, o desmentido do próprio Flávio Dino, publicado pelo blog Atual7 e com a parte que interessa grifada por este blog:

dinotwitter

O perfil deixa claro: “você está impedido de seguir @FlavioDino e ver os tweets de @FlavioDino”.

Como se vê, sem qualquer política de comunicação efetiva de governo, Robson Paz – espécie de marionete do chefe da Articulação Política Márcio Jerry – se limita a publicar “desmentidos” e “esclarecimentos” praticamente todos os dias.

E é por isso que a imagem de Flávio Dino está do jeito que está.

Simples assim…

4

Secom desmente o próprio Flávio Dino sobre hospitais…

Na tentativa de explicar a afirmação do governador ao jornal Folha de S. Paulo – de que estaria “construindo ou concluindo” 10 novas unidades de saúde – secretaria acaba revelando que as obras foram suspensas por falta de recursos

 

Flávio Dino tem sido cada vez mais desmentido pelo seu chefe de Comunicação

Flávio Dino tem sido cada vez mais desmentido pelo seu chefe de Comunicação

O açodado secretário de Comunicação do governo Flávio Dino (PCdoB), radialista Robson Paz, mais uma vez acabou por desmentir o governador Flávio Dino (PCdoB), na tentativa de explicar as bravatas do próprio Dino.

Na semana passada, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o governador afirmou estar “construindo ou concluindo 10 novos hospitais” no Maranhão.

A declaração gerou polêmica e foi desmentida por vários agentes do governo passado, que mostraram a verdade; os hospitais foram todos construídos na gestão passada, da governadora Roseana Sarney (PMDB); e o governador se recusa a inaugurá-los. (Releia aqui)

mas tem se tornado rotina na gestão de Robson Paz na Secom, declarações que desmentem ou desautorizam o próprio governo.

Leia também:

Robson Paz desmente Flávio Dino em relação à Timbira…

Açodada, Secom mete os pés pelas mãos…

Secom virou cartório de desmentidos…

Para questionar discurso da deputada Andrea Murad na tribuna da Assembleia, Paz emitiu nota cheia de blablablás, mas que traz uma informação essencial:

– Em todas as obras foram detectadas irregularidades nos projetos elaborados pela gestão passada. Diante disso, o BNDES paralisou os repasses para o Governo do Estado até que todas as conformidades legais sejam cumpridas – disse a Secom, que revelou mais: só após a resolução de todas as pendências, a Secretaria de Saúde vai inaugurar os hospitais de 50 e 100 leitos.

Mas apenas cinco – nos municípios de Pinheiro, Santa Inês, Caxias, Imperatriz e Bacabal – e não 10, como Flávio Dino afirmou à Folha de S. Paulo.

Como se vê, pelas declarações da própria Secom, o governador mentiu mais uma vez à mídia nacional, para vender uma boa imagem de seu governo.

2

Açodada, Secom do governo mete os pés pelas mãos…

Sem apurar as informações de campo, secretaria emite nota classificando como “fato isolado” a morte de um jovem, pela polícia, na Vila Luizão; e não é a primeira vez que a pasta comete este tipo de desatino

 

Robson não consegue se entender com os setores do governo e mete os pés pelas mãos

Robson não consegue se entender com os setores do governo e mete os pés pelas mãos

Definitivamente, a Secretaria de Comunicação do governo Flávio Dino (PCdoB) não consegue se entender com a cúpula da Segurança Pública. E pela segunda vez em um caso envolvendo o setor, emite nota que precisa ser desmentida para não ridicularizar o próprio governo.

Na tarde de hoje, a pasta dirigida pelo radialista Robson Paz emitiu “Nota de Esclarecimento” afirmando que a morte do manifestante na Vila Luizão foi um “caso isolado” de um policial. 

Não checou, não apurou e não verificou as informações para saber se o que argumentava era verdade.

Não era.

Os próprios oficiais da PM reconheceram, mais tarde, que não foi apenas o Cabo quem atirou, mas vários outros PMs, atendendo voz de comando. Ou seja, fato isolado coisa nenhuma.

Mas não é a primeira vez que a Secom comete este tipo de desatino.

Em maio, quando um vigilante executou em praça pública o mecânico Irialdo Batalha, em Vitória do Mearim, a Secom apressou-se em  divulgar nota taxando a vítima de bandido. Foi desmentida no mesmo dia pelo secretário de Segurança, Jefferson Portela, que classificou a execução de “covarde e cruel”. (Relembre aqui)

Detalhe: no caso Irialdo, a Secom nunca veio a público pedir desculpas pela sua covardia.

Leia também:

Secom virou cartório de desmentidos…

Crise na Secom desmente braço direito de Dino na CCL…

Robson paz desmente Flávio Dino em relação à Timbira...

Mas desta vez, a comunicação do governo terá que desmentir a si mesma.

Ou faz isso, ou seu governo vai passar a imagem de que demonstra pouca importância à vida humana, a ponto de classificar um assassinato como “fato isolado”.

1

Licitação da Secom continua sob questionamento…

Praticamente um mês depois de anunciado o resultado, a conturbada licitação para contratação de agências de publicidade que servirão ao governo Flávio Dino (PCdoB) está paralisada e sob questionamento.

Resultado oficial da licitação na Secom

Resultado oficial da licitação na Secom

Cinco empresas entraram com recurso contra o resultado, anunciado pela Secretaria de Comunicação Social, responsável pelo certame.

Três das empresas questionadoras são de outros estados – Leiaute, TIS e Euro – e pedem a revisão das notas dadas pela Secom. Outras duas agências locais – VCR e Phocus – pedem simplesmente a anulação da licitação.

Leia também:

Governo em guerra surda com seus produtores de campanha…

A crônica de um golpe anunciado…

Cercada de polêmica, a licitação na Secom foi questionada desde o início, e resultou, inclusive, na exoneração do chefe da Comissão de Licitação, Paulo Guilherme Araújo, que não aceitou o fato de o certame ser todo definido na própria Secom. (Veja quadro ao lado)

Venceram a licitação as agências Clara Comunicação, Mallman Marketing e AB Propaganda.

O gasto do governo com o setor é estimado em R$ 37 milhões em 2015…

7

Com o chapéu alheio…

Todas as ações que Flávio Dino destaca como suas, são apenas resultados de obras e serviços em andamento desde o governo anterior; e quando tentou fazer sozinho, deu no que deu

 

Dino lançando programa de asfaltamento em Imperatriz: contratos deixados por Roseana...

Dino lançando programa de asfaltamento em Imperatriz: contratos deixados por Roseana…

A assessoria de Comunicação do governador Flávio Dino (PCdoB) tem feito um esforço descomunal para tentar dar uma cara à gestão, uma marca que possa ser mostrada como “obra de Flávio Dino”.

Mas tudo o que Dino faz, em todas as áreas, são ações já iniciadas no governo Roseana Sarney (PMDB). Em outras palavras, o governador apresenta como seus, obras e serviços nos quais ele não enfiou um prego sequer.

Os mais de mil quilômetros de asfalto anunciados semana passada, por exemplo, é obra iniciada com Roseana, com licitação de Roseana e pagamentos de Roseana.

As ações de benefício a militares e bombeiros, a contratação de PMs e policiais civis, também são projetos de Roseana.

Flávio Dino com os policiais... extensão de concursos e projetos deixados por Roseana...

Flávio Dino com os policiais… extensão de concursos e projetos deixados por Roseana…

Onde Flávio Dino tentou meter suas mãos, nestes primeiros seis meses, deu tudo errado.

As obras da Via Expressa, da Quarto Centenário e da duplicação da Estrada do Araçagy, em São Luís, estão paralisadas desde que ele assumiu o governo.

O Carnaval e o São João, que ele tentou impor marca própria, foram fracassos retumbantes de público e de crítica.

Flávio Dino no São João; fora de contexto, acabou com as festas populares...

Flávio Dino no São João; fora de contexto, acabou com as festas populares…

O Turismo, para o qual ele chamou técnica de Brasília – de sua confiança – destruiu o setor hoteleiro e o fluxo dos voos no Maranhão.

A política de Segurança, para a qual chamou um comunista militante, amarga índices nunca antes visto de criminalidade e violência.

Na Saúde, a excelência do atendimento foi destruída nas UPAs e os hospitais em todo o estados são agora feudos de aliados políticos do próprio governador.

Flávio Dino com Marcos Pacheco em unidade de Saúde: ele tentou fazer do seu jeito e deu no que edeu..

Flávio Dino com Marcos Pacheco em unidade de Saúde: ele tentou fazer do seu jeito e deu no que deu..

Em seis meses de governo Flávio Dino, não há obra do Flávio Dino no Maranhão – apenas continuidade do que era feito por Roseana.

E onde ele tentou fazer sozinho, deu errado.

É simples assim…