2

Petista equivoca-se ao criticar fala de Flávio Dino sobre Bolsonaro…

Secretário de Formação Política do PT carioca, Olavo Brandão Carneiro interpreta erradamente declaração do comunista sobre o futuro do bolsonarismo, ataca debate sobre alianças que seu próprio partido já fez e expõe o iminente racha da esquerda a caminho de 2022

 

Lula com Olavo Carneiro; petista carioca expõe a tentativa de hegemonia que o PT tenta impor à esquerda desde a soltura do ex-presidente

Repercute desde o início desta sexta-feira, 27, artigo do secretário de Formação política do PT do Rio de Janeiro, Olavo Brandão Carneiro, com críticas ao governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). 

Para Carneiro, Flávio Dino errou ao limitar o espaço do bolsonarismo com pensamento político, confundindo “ideias e valores com seus porta-vozes de plantão”. (Leia aqui o artigo completo)

Mas quem errou a mão foi o dirigente petista; e seu artigo apenas expõe o incômodo que novas lideranças da esquerda – como Dino, Ciro Gomes (PDT) e Guilherme Boulos (PSL) – causam no núcleo duro do PT pró-Lula.

É preciso ler – e entender – a fala do governador maranhense sobre o bolsonarismo, exposta em uma entrevista à revista Carta Capital, na terça-feira, 24.

Nela, ao referir-se especificamente ao bolsonarismo – e não à direita como um todo, como faz pensar o articulista petista – o comunista ressaltou que o presidente “é uma figura temporária”. (Leia aqui a entrevista de Dino)

É óbvio que Bolsonaro, como liderança, como ideólogo (que não é, nunca foi e nunca será), é alguém com prazo de validade, que pode até chegar em condições de reeleição em 2022, mas não fincará bandeiras no Brasil.

Como gosta de usar o blog Marco Aurélio D’Eça, Bolsonaro é só um arroto da história. Nada mais que isso.

O próprio Flávio Dino reconhece na entrevista a dicotomia entre esquerda e direita e vê outras lideranças – muito mais consistentes do que Bolsonaro – no debate político-ideológico brasileiro e mundial.

Quem leu a entrevista do comunista à Carta Capital, percebeu claramente o que incomodou o líder do PT:

1 – Ao responder se sua candidatura presidencial seria um antídoto ao antipetismo, Flávio Dino esquivou-se, mas pregou o espírito de “união e diálogo”, tudo o que é rechaçado pelo PT.

“O fundamental é nos unirmos, termos aliança, amplitude, humildade, capacidade de diálogo. Temos antes eleições municipais. Este é o tema da hora”, disse o governador do Maranhão.

2 – Ao comentar pesquisa do DataFolha, que mostra a rejeição de 60% dos eleitores do Rio de Janeiro a um eventual candidato apoiado por Lula, já em 2020, o comunista ressaltou que isso ainda é fruto da divisão ideológica resultante das eleições de 2018; e apontou:

“o antagonismo entre o bolsonarismo e o lulismo continua a ser a força estruturante da política brasileira. Acredito que essa divisão vai se manter. A disputa vai depender da capacidade de um polo ou de outro de ampliar alianças. Quem crescer mais terá mais vitórias”.

Flávio Dino com Lula: governador maranhense continua tentando entrar no debate nacional, mas enfrenta obstáculos regionais, partidários e agora também petistas

Em seu artigo, Olavo Brandão Carneiro mostrou-se especialmente incomodado com a pregação de Dino para “ampliação de alianças” como fator de vitória em 2022. Ao criticar o colega comunista, Carneiro fechou os olhos até para aliança à direita, com o PL, por exemplo, que levou o PT à vitória em 2002.

No fim, o artigo de Olavo Carneiro tem um ponto crucial: expõe a tentativa do PT de se manter hegemônico como principal legenda da esquerda – tendo Lula como principal líder – para polarizar o debate com Bolsonaro.

Dentro desta lógica, qualquer liderança que ousar pensar fora da caixa petista – seja Flávio Dino, seja Ciro Gomes… – sofrerá crítica, reprimenda, lição de moral e censura do establishment petista.

E assim a esquerda caminha para um review em 2022…

3

Riscos de golpe cada vez mais acentuados no Brasil…

Insultos cada vez mais virulentos do presidente às instituições e organismos livres brasileiros e a radicalização de aliados do seu entorno acenam para a possibilidade de o Brasil voltar aos anos de chumbo; e o que é pior: com apoio de parte da população

 

Editorial

As duas novas crises envolvendo o presidente Jair Bolsonaro, instituições como o Supremo Tribunal federal, e a imprensa livre acentuou um viés perigosos em seu entorno.

É cada vez mais aberta entre os mais próximos a Bolsonaro a defesa de um golpe de estado que faça o presidente permanecer no poder de qualquer forma.

Na terça-feira, 29, Bolsonaro agrediu o Supremo Tribunal Federal ao divulgar um vídeo em que aparece como um leão e a Corte Suprema é retratada como uma das hienas a persegui-lo.

A agressão sistemática à Rede Globo já é conhecida, mas é preocupante a ameaça radicalizada do presidente, que usou termos como “patifaria” e “canalhice” para criticar a reportagem que revelou depoimento de um caseiro do seu condomínio é preocupante.

Desde o início do governo, agentes bolsonaristas, como Olavo de Carvalho, e os próprios filhos do presidente, pregam o que chamam de “ruptura” com as instituições, ameaçam fechar o Congresso e banir partidos de esquerda.

O pior de tudo é que ainda existe um verdadeiro exército popular pronto a sair em defesa das atitudes de Bolsonaro, sejam elas quais forem – muitos dos quais defendem mesmo a absurda volta dos militares ao poder.

Felizmente, a sanha golpistas dos agentes bolsonaristas – e do próprio presidente, cada vez mais convencido de que é uma vítima da imprensa, da esquerda e das instituições – não encontra eco na caserna, entre os generais, muitos dos quais já decepcionados pela sua performance.

Mas que o risco está cada vez mais iminente, ninguém pode negar…

5

Descontrole de Bolsonaro revela mais do que ele queria…

Ao atacar a Rede Globo, acusar o governador do Rio de Janeiro e chegar a afirmar que um delegado manipulou o depoimento do porteiro de seu condomínio, presidente acaba reforçando a ligação entre ele e os assassinato de Marielle Franco

 

BOLSONARO PERDEU O CONTROLE NOVAMENTE AO TENTAR ATACAR A REDE GLOBO por revelar aspectos do dia do assassinato de Marielle Franco

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) está descontrolado.

Naturalmente irascível, ele chegou às raias do absurdo ao tentar se explicar do fato de o porteiro do seu condomínio ter afirmado a polícia que um dos assassinos da vereadora Marielle Franco foi à sua casa no dia do crime.

Aos gritos, Bolsonaro xingou a Rede Globo, fez ameaças quanto à concessão da emissora, acusou o governador Wilson Witzel de vazar o depoimento e chegou ao cúmulo de dizer que a afirmação sobre à visita do criminoso à sua casa tenha sido incluída pelo delegado no depoimento do porteiro.,

Tudo isso revela muito mais sobre o próprio Bolsonaro do que ele quer esconder.

Já é fato conhecido que ele e seus filhos se relacionam com os milicianos e eram vizinhos de condomínio dos assassinos de Marielle.

A citação do seu nome pelo criminoso apenas põe mais lenha na fogueira da suspeição do presidente.

E ele pode gritar, ameaçar, xingar e reclamar, mas não vai mudar este fato…

 

3

Os amantes da ditadura sempre andaram por aí…

Aqueles que acham que o período militar foi bom – ou que não houve morte nem tortura – não surgiram do nada; eles apenas sentiram-se agora encorajados por Bolsonaro a botar para fora toda carga de emoção reprimida por 55 anos

 

BOLSONARO FEZ APOLOGIA DE DITADORES COMO DEPUTADO; E, COMO PRESIDENTE, estimula festa para a ditadura

Editorial

De uma hora para outra, passou-se a ler nas redes sociais, em blogs e em grupos de troca de mensagens, as mais diversas defesas do período da ditadura militar no Brasil.

É gente que questiona o número de mortos, que ignora as torturas e até aqueles que afirmam, peremptoriamente: “a Ditadura nunca existiu!”

Mas o culto à ditadura não se trata de nenhuma catarse coletiva.

Não é que milhares, talvez milhões de pessoas passaram a fazer um revisionismo histórico para mudar a versão daquilo que, de fato, existiu.

Na verdade, essas pessoas sempre estiveram por aí.

Ao longo desses 55 anos de história, brasileiros de todas as tendências, gênero, raça, credo ou posição social, viviam numa espécie de limbo: acreditavam mesmo que a ditadura era uma invenção, mas calavam-se diante da vergonha que era defender atrocidades como a cometida contra o jornalista Wladimir Herzog.

Agora eles estão livres para gritar, estimulados por um presidente, que também foi militar durante a ditadura e que se acostumou a defender torturadores publicamente e fazer apologia das mortes do regime militar.

Com Jair Bolsonaro (PCdoB), essa horda de pessoas saiu das sombras para gritar, espernear e justificar os assassinatos, negar as torturas e apresentar novas versões para o golpe de 64.

A IMAGEM DO ASSASSINATO DE VLADIMIR HERZOG é o símbolo máximo da ditadura, que não respeitava quem questionasse seus métodos

Os argumentos são sempre os mesmos: “ah, meu avô disse que nunca teve problemas com os militares”; ou então “rapaz, ‘na revolução’, só quem apanhava dos militares eram os baderneiros, vagabundos”.

São discursos comuns de famílias tradicionais – pobres, ricas; pretas ou brancas – que seguiam a ordem unida determinada, baixavam a cabeça para o regime e colaboravam para evitar problemas.

É claro que esses sempre vão dizer que nada sofreram na ditadura. Nem tinham porque, colaboracionistas que eram.

Mas eles sempre estiveram aí, retraídos, sufocados, angustiados por não poder gritar o que pensavam, como camaleões a se adaptar a cada momento do Brasil, baixando a cabeça, aceitando, como fizeram durante a ditadura.

Agora gritam – como os evangélicos gritam, como os conservadores gritam, como os militares gritam – a plenos pulmões.

E até farão festas no próximo domingo, 31, em nome dos que mataram centenas.

É o momento deles no Brasil…

Leia também:

Fantasmas da ditadura militar já rondam por aí…

Ditadura, 30 anos depois do fim…

O homem mediano assume o poder…

O risco verde-oliva…

0

Maura Jorge anuncia para junho vinda de Bolsonaro ao Maranhão…

Pré-candidata a governadora abriu em suas redes sociais enquetes para que os eleitores escolham quais as cidades a serem visitadas pelo presidenciável do PSL

 

A ex-deputada Maura Jorge, pré-candidata do PSL ao Governo do Estado, anunciou para junho a primeira visita ao Maranhão do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), na condição de pré-candidato a presidente.

– Vocês pediram e a gente atendeu; o nosso presidenciável Jair Bolsonaro vem ao Maranhão em junho – anunciou Maura, em suas redes sociais.

A data exata da visita do pré-candidato será definida na tarde desta quinta-feira, 26, em uma reunião entre Maura Jorge, o presidente regional do PSL, vereador Chico Carvalho, e Julian Lemos, articulador político de Bolsonaro.

Em suas redes sociais, Maura Jorge abriu enquete para que os maranhenses escolham as cidades a serem visitadas pelo candidato a presidente.

1

Maura Jorge já capitaliza parceria com Jair Bolsonaro…

Ex-prefeita aparece em banners de internet produzido por eleitores que acreditam nos dois projetos políticos; e já prepara agenda com o deputado federal pelo interior do Maranhão

 

A ex-prefeita Maura Jorge, candidata do PSL ao governo do Maranhão, potencializou sua candidatura ao fechar parceria com o candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Mesmo sem qualquer referência à candidatura dos dois, Maura tem aparecido cada vez mais em banner’s e fly’s de internet e em citações nas redes sociais.

Um dos projetos da candidata do PSL é trazer o candidato a presidente ao Maranhão, antes mesmo das convenções, para sentir um primeiro impacto de sua força eleitoral no Maranhão.

Maura aposta que a relação com Bolsonaro possa fortalecer ainda mais sua candidatura, a ponto de atingir os dois dígitos e brigar por vaga no segundo turno.

E as estimativas apontam exatamente nesta direção…