0

João Lisboa: Ação contra Vilson Soares aguarda decisão de juiz eleitoral

Se comprovadas as denúncias de compra de votos nas ações em juízo, prefeito eleito deverá ser cassado por conduta ilícita

 

Vilson Sores (e) e seu padrinho político, o atual prefeito Jairo Madeira

A eleição municipal em João Lisboa-MA, ocorrida no último dia 15 de novembro está judicializada e o prefeito anunciado como eleito Vilson Soares Ferreira Lima (PDT), da Coligação “João Lisboa não pode parar”, poderá nem ser diplomado, caso a Justiça Eleitoral, presidida pelo Juiz Glender Malheiros venha a acatar as 06 ações de Investigação Judicial Eleitoral por Abuso de Poder Econômico e Captação ilícita de votos, e mais uma representação do Ministério Público Eleitoral.

Como se não bastassem essas ações, segundo os impetrantes, robustecidas de provas, até mesmo com flagrante delito, como é o caso de uma delas, feita pela própria polícia na noite que antecedeu ao pleito, e a todo momento surgindo mais denúncias de compra de votos, como a que foi feita pelo Sr. Manoel dos Santos Silva, na Delegacia de Polícia local.

Segundo a Ocorrência Policial 243228/2020 de 26/11/2020, o Sr. Manoel dos Santos Silva, o “Manula”, comunicou que no dia 05/09/, por volta das 13:30, vendeu seu voto e consequente apoio por R$2.000,00 (dois mil reais) para o então candidato a prefeito Vilson Soares e que recebeu a referida quantia em espécie na casa do próprio Vilson. Que resolveu procurar a polícia depois que ouviu falar de várias denúncias, ficando com “dor de consciência”, duas testemunhas que teriam conhecimento do fato. Assim como as demais que já foram investigadas, a referida denuncia está sendo investigada, e em seguida enviada para a Justiça, onde resultará em mais um processo contra a coligação de Vilson Soares.

Conforme o Art. 41A, da Lei 9504/97, ressalvando o disposto no artigo 26 e seus incisos, constitui captação de sufrágio, vedada por esta Lei, o candidato doar, oferecer, prometer ou entregar ao eleitor com o fim de obter o voto, bem ou vantagem pessoal de qualquer natureza, sob pena de multa e cassação de registro ou diploma. O que, se comprovadas essas denúncias nas ações ingressadas em juízo, levarão à cassação do mandato do prefeito eleito Vilson Soares, por conduta ilícita, pois à caracterização basta a evidência do dolo.

Juiz eleitoral Glender Malheiros

Procurados pelo blog, denunciantes e denunciados não quiserem se manifestar. Já o empresário Raimundo Cabeludo, ex-candidato a prefeito pelo MDB, que também pediu a cassação do registro e diplomação de Vilson Soares, afirmou ontem em entrevista ao programa Rádio Alternativo do radialista Arimatéia Júnior (Nativa FM), que caso seja preciso irá até as últimas instancias jurídicas.

“Não vamos desistir, pois a legislação é clara. É vedada a compra de votos e para nós está claro que houve esse tipo de ilícito eleitoral, no que aguardamos que a Justiça se pronuncie, pois não vamos ficar calados, vamos sempre em busca de nossos direitos, como cidadão e ex-candidato a prefeito de João Lisboa, independentemente da quantidade de votos que obtivemos”, disse Cabeludo.

Veja abaixo a lista das ações, todas conclusas, ou seja aguardando a decisão do juiz Glender Malheiros:

AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORALAIJE 0600547-28.2020.6.10.0058 – Abuso – De Poder Econômico COMISSAO PROVISORIA MUNICIPAL DO PARTIDO TRABALHISTA BRASILEIRO – PTB X JOSE AUGUSTO DUARTE OLIVEIRA e outros (2);

REPRESENTAÇÃO Rp 0600564-64.2020.6.10.0058 – Propaganda Política – Propaganda Eleitoral – Banner/Cartaz/Faixa#-058ª – Ministério Público Eleitoral X JOÃO LISBOA NÃO PODE PARAR 10-REPUBLICANOS / 11-PP / 12-PDT / 14-PTB / 25-DEM / 40-PSB / 45-PSDB / 77-SOLIDARIEDADE / 13-PT / 51-PATRIOTA / 55-PSD / 65-PC do B e outros (1);

AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL AIJE 0600565-49.2020.6.10.0058 – Abuso – De Poder Econômico DIRETORIO MUNICIPAL DO PARTIDO DO MOVIMENTO DEMOCRATICO BRASILEIRO – PMDB e outros (1) X VILSON SOARES FERREIRA LIMA e outros (2);

AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL AIJE 0600566-34.2020.6.10.0058 – Inelegibilidade – Representação ou Ação de Investigação Judicial Eleitoral Jugada Procedente pela Justiça Eleitoral Coligação forte é o povo X ELEICAO 2020 EVA MAGNA MENEZES RODRIGUES SILVA VEREADOR e outros (3);

AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL AIJE 0600567-19.2020.6.10.0058 – Abuso – De Poder Econômico DIRETORIO MUNICIPAL DO PARTIDO DO MOVIMENTO DEMOCRATICO BRASILEIRO – PMDB e outros (1) X VILSON SOARES FERREIRA LIMA e outros (2);

AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL AIJE 0600570-71.2020.6.10.0058 – Abuso – De Poder Econômico Coligação forte é o povo X ELEICAO 2020 VALDILENE MILHOMEM MOTA BATISTA VEREADORA;

AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL AIJE 0600571-56.2020.6.10.0058 – Inelegibilidade – Abuso do Poder Econômico ou Político FORTE É O POVO 43-PV / 14-PTB X VILSON SOARES FERREIRA LIMA e outros (1);

9

Trocando asfalto por votos, Marcelo Poeta agride morador no Sacavém

Usando a estrutura pública em campanha, vereador vai à comunidade no lugar do governo e da Prefeitura, mas encontra moradores revoltados; em meio à confusão, o comunista tenta dar um soco em um popular

 

Momento em que Marcelo Poeta atinge o morador do Sacavém com um soco; funcionário da obra separa o dois em seguida

O vereador Marcelo Poeta envolveu-se em uma confusão no bairro do Sacavém, na manhã desta quinta-feria, 5, ao tentar usar uma estrutura para asfaltar ruas, num claro uso da máquina pública em proveito eleitoral próprio.

Com as máquinas levadas pelo vereador já nas ruas, moradores cobraram a presença de representantes da prefeitura e do governo – e citaram claramente o secretário de Obras, Antonio Araújo.

– Quantos mandatos ele teve? e nunca veio no bairro do Sacavém. Os caras vêm lá do inferno só para arrancar nossos votos. É desse jeito. Estamos esperando é o prefeito e o secretário Antonio Araújo – cobrou um dos moradores, usando um carro de som para discursar.

Um dos populares mais exaltados diz que já está cansado da manipulação do poder público e diz ter vontade de “dar um tapa num vereador”.

– Dá em mim – diz poeta, irritado, partindo pra cima do cidadão. 

O parlamentar ainda consegue dar um soco no homem, mas é afastado por um dos operários da obra. (Veja o vídeo acima)

Este é o resultado claro da manipulação do poder público, que usa um bem de necessidade de toda a população em proveito eleitoral de apaniguados.

Assim caminha o jogo político-eleitoral em São Luís…

3

Eduardo Braide vai encarar candidatos de R$ 350 milhões em 2020…

Deputado foi vítima de uma espécie de atropelamento literal nas eleições de 2016 e agora tem que se preparar para o mesmo bombardeio milionário nas eleições do ano que vem

 

BRAIDE CONSEGUIU CHEGAR AO SEGUNDO TURNO EM 2016, mas enfrentou a forte reação da máquina do governo e da prefeitura

Favorito em todas as pesquisas de intenção de votos – variando entre 45% e 60%, dependendo do cenário – o deputado federal Eduardo Braide (PMN) só precisa administrar seus índices para se tornar o próximo prefeito de São Luís.

Mas, político experiente que é, sabe que, neste pouco mais de 1 ano que falta para o pleito, ainda corre risco de  desabar, diante da atuação de duas máquinas prontas para o bombardeio, que aliás, já começou.

Em 2016, então zebra nas pesquisas, Braide chegou ao segundo turno e enfrentou a força dessas máquinas – a da prefeitura e a do governo – numa ação desenfreada nunca vista em um pleito de São Luís. (Relembre aqui, aqui, aqui e aqui)

E as mesmas máquinas se preparam para atuar novamente em 2020.

A da prefeitura, com seu projeto de manutenção do poder, vai atuar com nada menos que R$ 250 milhões em serviços e obras espalhados por São Luís.

A do governo, trabalha com outros R$ 100 milhões para catapultar seu candidato.

EM 2016, AS MÁQUINAS DA PREFEITURA E DO GOVERNO ATUARAM JUNTAS EM PROL DO SEU CANDIDATO, como mostra esta imagem, de outubro daquele ano

Para enfrentá-las, Braide trabalha em duas frentes:

Na primeira, tenta articular o maior número de partidos possíveis, capazes de lhe garantir estrutura eleitoral e espaço de divulgação midiática, afim de consolidar sua liderança.

Na outra frente, vai agir exatamente denunciando eventuais abusos – não apenas para gerar demandas judiciais que, no fim das contas, nem são levadas em conta por um Judiciário também alinhado – mas para inibir ações contrárias.

E junto com essas frentes, apostar facilmente na possibilidade de o cidadão comum não voltar a se impressionar com volumes de obras que só aparece ás vésperas da eleição.

Caso contrário, já se conhece o final de tudo…

0

E o asfalto eleitoral corre solto no interior…

Flávio Dino usa a estrutura do governo para levar asfalto até em ruas já asfaltadas no município de Bacuri, em mais um flagrante do abuso de poder e da compra de votos nas eleições maranhenses

 

ABUSO DO PODER. Máquinas como esta espalham-se por todo o Maranhão, jogando asfalto em cima de asfalto em troca de votos em Flávio Dino

A imagem que ilustra este post – tirada ontem, no município de Bacuri – é de uma obra de asfaltamento promovida pelo Governo Flávio Dino (PCdoB).

Perceba que a máquina coloca o asfalto em uma rua que já é asfaltada.

A prática eleitoreira foi usada pelo governador Flávio Dino (PCdoB) em favor dos seus candidatos a prefeito em todo Maranhão, nas eleições de 2016. (Relembre aqui, aqui, aqui e aqui)

Tanto que, por isso, já foi condenado e está inelegível, disputando sub judice as eleições deste ano. (Entenda aqui)

Mas ele não se emenda e continua a utilizar-se das mesmas práticas nocivas ao processo eleitoral.

Nas barbas da Justiça e do Ministério Público…

1

Farra dos capelães é denunciada também ao Ministério Público estadual…

Deputada Andrea Murad protocola representação por Improbidade Administrativa contra o governo Flávio Dino, e pede agilidade do chefe da Procuradoria-Geral de Justiça

 

Andrea Murad quer apuração ágil do Ministério Público sobre a farra de capelães na Polícia Militar

A deputada Andreea Murad (PRP) protocolou nesta quinta-feira, 3, mais uma denúncia contra o abuso de nomeações de capelães da Polícia Militar contra o governador Flávio Dino (PCdoB).

Desta vez, a denúncia acusa o comunista de abuso do poder com a captura de líderes religiosos, visando os votos dos fiéis nestas eleições.

Em março, a legenda de Andrea denunciou ao Ministério Público Eleitoral a farra das nomeações de novos capelães. O órgão deu um prazo até 6 de maio para o Governo do Estado responder os questionamentos do órgão.

– Espero do procurador Luiz Gonzaga a mesma agilidade da procuradora Raquel Dodge e do procurador Pedro Henrique, do MPF, por causa da gravidade dos últimos fatos ocorridos no Maranhão. E como até o momento não foi aberto nenhum procedimento no âmbito da Procuradoria  Geral de Justiça para investigar esse caso gravíssimo, resolvi acionar o procurador para que investigue e tome todas as providências para coibir essa prática ilegal de Flávio Dino – ressaltou Andrea.

Flávio Dino nomeolu 36 capelães sem concurso público na estrutura do sistema de Segurança Pública do Maranhão, incluindo postos de oficiais do Estado Maior da Polícia Militar.

Outros 10 cargos foram criados este ano para serem ocupados por religiosos.

Os salários chegam até R$ 21 mil…

0

Para Andrea Murad, Levi Pontes confessou manipulação em seletivo na Saúde…

Andrea Murad tem lutado por punição aos crimes cometidos por Levi Pontes

A deputada Andrea Murad (MDB) destacou que o colega Levi Pontes confessou, em áudio, o crime de manipulação de processos seletivos para ocupação de cargos no setor da saúde do governo Flávio Dino.

No mesmo áudio em que confessa estar chantageando o prefeito Magno Bacelar (PV), de Chapadinha – prometendo recursos estaduais em troca de apoio eleitoral –  Levi enfatiza que tem controle sobre indicações para hospitais no município.

“Veja bem, isso aí teria se a gente fosse entregar pra ele (Prefeito), pra ele botar os deles, a gente tinha que tirar os nossos e levar pra lá (Hospital Regional), seria até óbvio. Mas como eu não quero que mexa”, diz Levi no áudio.

Andrea Murad já representou contra o deputado do PCdoB, por quebra de decoro parlamentar, ao Conselho de Ética da Asembleia Legislativa.

E pretende apresentar novas representações:

“Percebam que o deputado afirma o loteamento de cargos nas unidades de saúde do estado. Que todos são indicações políticas. E age com a conivência do governador Flávio Dino. Ou seja, um deputado do próprio partido do governador, enfatiza isso claramente no áudio. Como tudo nesse governo midiático, é uma grande farsa”, disse Andrea.

É a seguna vez que Levi Pontes é denunciado à Assembleia por confessar uso de dinheiro público para comprar votos. Na primeira vez, ele foi flagrado tentando desviar pescados comprados pela mesma Prefeitura de Chapadinha.

O primeiro processo do comunista foi arquivado na Assembleia…

0

Ricardo Murad denuncia “feira livre” de compra de votos no governo comunista

Pré-candidato a governador, cujo partido representou contra o uso da máquina por parte de auxiliares de Flávio Dino, reforçou o alerta às autoridades eleitorais

 

Ricardo Murad quer apuração da “feira livre” do governo comunista

Pré-candidato a governador pelo PRP – Partido que denunciou a compra de votos generalizada dos secretários do governo Flávio Dino, denunciada pela própria base governista na Assembleia Legislativa – classificou de “feira livre” a prática dos auxiliares comunistas.

– De tanto agirem com Flávio Dino para cooptação de partidos políticos, como se estivessem em uma feira livre, seus secrtários-candidatos fazem o mesmo em relação aos prefeitos. Só não esperavam que os deputados governistas  reagissem, contando em detalhes o modus operandi da compra de apoios – denunciou o ex-secretário.

A compra de votos generalizada no interior foi denunciada pelos deputados Raimundo Cutrim (PCdoB), Josimar de Maranhãozinho (PR), Vinícius Louro , Sérgio Frota (PSDB) e Stenio Rezende (DEM), todos da própria base do governo,]

A representação do PRP já está na Procuradoria-Geral de Justiça.

Cabe agora ao Ministério Público agir com rigor…

0

Governo Flávio Dino inicia temporada de compra de votos…

Liberação de convênios para prefeituras vinculadas a chefes de partidos que declaram apoio, e chamamento de rádios comunitárias para liberação de recursos são sinais evidentes de que o comunista vai fazer o que for preciso para se manter no poder

 

Enquanto Márcio Jerry alicia rádios, Flávio Dino coopta deputados disponíveis, como Josimar

O governo comunista de Flávio Dino iniciou uma série de movimentos que caminham abertamente – e sob os olhos lenientes do Ministério Público – para a compra de votos nas eleições de 2018.

Dino está condicionando liberação de convênios para prefeituras a apoios de partidos ao seu projeto de permanência no poder.

E já comemorou a liberar recursos para parentes do notório deputado Josimar de Maranhãozinho, que negociou o PR.

É o que revela o blog de Luis Cardoso. (Leia aqui)

E o próprio portal do governo comunista traz outra notícia escandalosa.

O governo comunista está fazendo “chamamento público” de rádios comunitárias para receber apoio do governo, num claro gesto de aliciamento. (Veja aqui)

Sabe-se do vínculo do secretário Márcio Jerry com a associação de rádios comunitárias, uma espécie de braço de comunicação das esquerdas.

E tudo isso aos olho da Justiça que parece cega aos gestos de Flávio Dino.

Com olhos voltados apenas para adversários do comunista…

0

Grandes colégios são dor de cabeça para Flávio Dino…

Ao contrário de 2014, quando tinha o controle de municípios de peso, governador precisa apelar para cooptação eleitoreira nos pequenos colégios para tentar viabilizar reeleição

 

Sem espaço nos grandes colégios, Flávio Dino tenta cooptar eleitor nos chamados rincões

Três anos após assumir o primeiro mandato de governador, o comunista Flávio Dino enfrenta neste ano pré-eleitoral uma realidade absolutamente distinta da que vivia em 2014 nos principais colégios eleitorais maranhenses.

Há quatro anos, Dino mantinha prefeitos em início de mandato em municípios como São Luís, Imperatriz, Caxias, Santa Inês, Timon e Codó. E ainda cooptou outros, em Açailândia, Barra do Corda e São José de Ribamar.

Hoje, a realidade mostra o risco do governador.

Em Imperatriz e Caxias – segundo e terceiro colégios eleitorais, respectivamente – os prefeitos são de oposição ao grupo de Dino. Já em São Luís, Timon e São José de Ribamar, os aliados que outrora gozavam do sentimento de esperança do eleitor são hoje rejeitados pela falta de cumprimento das promessas básicas de campanha.

Por isso é que o governador tem tomado um caminho exatamente na direção do que ele mais condenava: a cooptação de pequenos colégios eleitorais, a exemplo do que já fez nas eleições municipais, com captação de votos às custas de obras e serviços governamentais.

Resta saber se a agenda eleitoreira nesses chamados rincões será suficiente para garantir a votação que fatalmente será negada ao comunista nos maiores colégios eleitorais…

Da coluna Estado Maior, de O EstadoMaranhão

5

Holandinha quer Clayton Noleto como réu em ação de cassação no TRE…

Em sua defesa no processo, prefeito de São Luís pede que o secretário de Infraestrutura do estado seja apontado como um dos culpados dos supostos crimes eleitorais relacionados pelo ex-candidato Eduardo Braide

 

Edivaldo Júnior com Clayton Noleto em frente ao crime: secretário é uma espécie de “réu confesso”

Causou surpresa uma das preliminares apresentadas pelo prefeito Edivaldo Júnior (PDT) em sua defesa no processo de cassação que tramita no Tribunal Regional Eleitoral.

Ele simplesmente pediu ao TRE que inclua o secretário de Infraestrutura do Estado, Clayton Noleto, como réu no processo.

Noleto já havia sido relacionado na ação impetrada pelo deputado Eduardo Braide (PMN), mas na condição de testemunha. (Releia aqui)

A princípio, a estratégia do prefeito pode soar como confissão de que houve crime, mas não foi nele o responsável.

Para os advogados de Braide, no entanto, Edivaldo tenta evitar uma confissão de Noleto, uma vez que, na condição de réu, ele não é obrigado a falar a verdade, como seria na condição de testemunha.

O secretário na Assembleia, semana passada: confissão de crimes e uso da máquina

Ouvido em sabatina na Assembleia Legislativa, semana passada, Clayton Noleto acabou confirmando o abuso da máquina do governo Flávio Dino em favor de Holandinha durante a eleição de 2016. (Releia aqui e aqui)

Na condição de réu o auxiliar de Flávio Dino pode até mentir para proteger o prefeito de São Luís.

Mas estará complicando o seu próprio projeto eleitoral de 2018.

É aguardar e conferir…