0

Weverton traça mapa da pobreza e apresenta caminhos para desenvolvimento do MA…

Em forte pronunciamento no Senado Federal – e mostrando o tom do principal debate que deve marcar a campanha eleitoral maranhense – senador se emociona ao mostrar números da miséria que assola o estado empobrecido ainda mais nos oito anos de mandato do comunista Flávio Dino e seu grupo, que agora tentam se perpetuar no poder pelo poder

 

Senador emocionou-se ao falar da miséria do Maranhão, mas apresentou soluções para salvar o estado do empobrecimento

Em sua despedida do Senado Federal para iniciar a campanha eleitoral pelo Governo do Estado, o senador Weverton Rocha (PDT) fez nesta quarta-feira, 6, contundente discurso em que traçou o mapa da pobreza no Maranhão ao mesmo tempo em que apontou planos para o desenvolvimento econômico do estado.

O debate sobre o empobrecimento do maranhão no governo Flávio Dino/Brandão (PSB) será o principal tema da campanha eleitoral maranhense.

Com 72% da população abaixo da linha da pobreza apenas na Baixada Maranhense, o grupo do ex-governador Flávio Dino (PSB) fracassou nesta promessa em oito anos de mandato, após prometer varrer o índice histórico que ele atribuía ao grupo Sarney.

– A fome vem batendo muito forte no Maranhão – lamentou Weverton, chorando ao mostrar números da miséria maranhense.

São mais de 1 milhão de maranhenses sem banheiros;

Quase 50% da população morando em ruas sem pavimentação;

225 mil maranhenses necessitando do auxilio-Brasil sem acesso ao benefício.

Todos esses números foram crescendo ao longo do mandato do comunista Flávio Dino; hoje, o governo comunista é comandado pelo sucessor-tampão Carlos Brandão (PSB), que não apresentou qualquer projeto para mudar a realidade social do estado.

Flávio Dino e seu retrato, Carlos Brandão, fracassaram no combate à pobreza, mas pretendem se perpetuar no poder dando dinheiro a poderosos enquanto o estado fica mais pobre

Mas o discurso do Weverton não se limitou apenas a lamentar a miséria deixada por Flávio Dino e seu grupo; ele apresentou propostas claras para desenvolver o estado.

– Vamos iniciar um programa de segurança alimentar que garanta refeições diárias às famílias carentes; ao mesmo tempo, garantiremos programas de capacitação que garanta a jovens e adultos o acesso ao emprego e à renda – pregou o senador do PDT.

Para Weverton Rocha, é fundamental atrair empresas que se sintam parte do Maranhão, criando programas de geração de emprego e renda; para isso, ele pretende construir uma frente ampla, sem ideologias, que junte políticos, empresários, sociedade civil e população em torno do objetivo de livrar o Maranhão do empobrecimento.

– Meu desafio é liderar a união de todas as frentes políticas, de todos os empresários, de toda a sociedade em busca de saídas para o nosso estado – pregou o senador.

O discurso do senador mostrou que a miséria será o principal tema da campanha.

Para desespero de Flávio Dino e Brandão…

1

“Sem poder bolsonarizar a eleição no Maranhão, agora terão que debater a pobreza”, diz Paulo Romão

Pré-candidato a deputado estadual pelo PT, professor comenta a decisão do Senado de só instalar após as eleições a CPI que vai investigar corrupção no MEC; o ex-governador Flávio Dino e seus aliados sonhavam com a investigação para evitar debater a própria culpa pelo aumento da miséria no estado

Brandão exibe cesta básica como troféu no interior, sem nenhuma ação estruturante para combater a pobreza, aumentada no governo do seu padrinho Flávio Dino

O professor Paulo Romão, pré-candidato a deputado estadual pelo PT, analisou nesta terça-feira, 5, que a decisão do Senado de só instalar a CPI que vai apurar comissão no MEC após as eleições de outubro, vai tirar o palanque de muita gente no Maranhão.

– Sem este palanque para bolsonarizar a eleição no Maranhão, muita gente vai ser obrigada a debater os problemas do estado e os responsáveis pela pobreza histórica do Maranhão – disse Romão, em suas redes sociais.

Mesmo sem citar nomes, Romão endereçou claramente o comentário ao ex-governador Flávio Dino e aos seus aliados – dinistas e sarneysistas.

Dino vinha torcendo e até forçando a barra pela instalação da investigação no Senado por que pretende nacionalizar a disputa – ou “bolsonarizar”, como diz Romão – para evitar que o tema da miséria maranhense seja o principal mote da campanha.

Mas será, sim.

Paulo Romão denúncia tentativa de “bolsonarizar” a eleição no Maranhão para tentar escapar do debate sobre a miséria

A pobreza, que já era grande até 2015, aumentou substancialmente no governo comunista de Flávio Dino, e tem sido mantida no governo-tampão da Carlos Brandão (PSB), com distribuição de peixes e cestas básicas sem ações estruturantes que visem diminuir a miséria.

Tanto o senador  Weverton Rocha (PDT), que lidera as pesquisas de intenção de votos, quanto os demais candidatos pretendem chamar Brandão à razão sobre a miséria.

E na disputa pelo Senado, o senador Roberto Rocha (PTB) também quer expor a Flávio Dino os números que ocomunista insiste em negar.

Mas esta é uma outra história…

4

E agora Eduardo Nicolau?!? Em meio à pobreza no Maranhão, governo Brandão vai gastar mais R$ 10 milhões com coqueteis

Enquanto o Ministério Público faz vista grossa para tudo o que diz respeito ao governo-tampão, o senador Weverton Rocha acionou a instituição e a Justiça para questionar os gastos milionários com coffee’s break e outros tipos de eventos com comidinhas de luxo para poucos

 

Os coquetéis de luxo para poucos eram rotina na gestão do comunista Flávio Dino; e agora são retomados no governo-tampão de Carlos Brandão

O governo-tampão de Carlos Brandão anunciou esta semana licitações para contratação de empresas especializadas no fornecimento de coquetéis, cafés da manhã, petiscarias, buffets e outros tipos de eventos com comidinhas de luxo.

Preço da brincadeira: R$ 10 milhões apenas para São Luís e Imperatriz.

Os coffee’s break de luxo para poucos contrasta com o aumento da miséria no governo anterior a Brandão, chefiado pelo seu padrinho político, o comunista Flávio Dino (PSB).

E os gastos são feitos aos olhos cegos do Ministério Público, comandado pelo procurador-geral Eduardo Nicolau, que faz vista grossa para tudo o que diz respeito ao governo-tampão.

O senador Weverton levou o caso dos coquetéis ao Ministério Público, cobrando providências

Mas a denúncia já foi feita – ao próprio Ministério Público e à Justiça – pelo senador Weverton Rocha (PDT).

– É um absurdo que o estado mais pobre do Brasil gaste  R$ 10 milhões com comida de luxo para poucos enquanto a maioria da população passa fome – lamentou o senador, que lidera a disputa pelo Governo do Estado.

O pedetista pede que a Justiça mande suspender as duas licitações.

2

Palácio dos Leões cria fake news sobre retorno de Brandão, mas governador continuará internado

Grupo comandado por Flávio Dino força a barra para que o sucessor-tampão reapareça em campanha, mesmo sem condições plenas de saúde – o que acaba gerando ansiedade no próprio paciente – mas a família prefere seguir orientações médicas que vetaram a alta e decidiram aguardar pelo menos até o fim de semana

 

Ainda bastante abatido, bem mais magro, com febre por infecção no dreno dos rins, Brandão vai ficar mais alguns dias internado em São Paulo

É mais uma fake news do Palácio dos Leões a informação segundo a qual o governador-tampão Carlos Brandão retornará nesta terça ou quarta-feira, para reassumir o comando do Maranhão.

Na verdade, Brandão só deve retornar no fim de semana e só após nova avaliação médica; ele teve nova infecção com a retirada do dreno dos rins – de onde foi retirado um cisto – apresentou febre e precisou continuar no hospital até segunda ordem médica.

Mesmo já sabendo desta informação, desde o fim de semana o Palácio dos Leões e os aliados do ex-governador Flávio Dino (PSB) espalharam a fake news segundo a qual Brandão começaria a entregar obras no Maranhão já a partir desta quarta-feira, 29.

O próprio governador postou em suas redes que inauguraria mais de 400 obras essa semana – num claro sinal da ansiedade gerada pela pressão dos aliados.

Coordenada pelo secretário Ricardo Capelli – que segue as orientações de Flávio Dino – a comunicação do governo tem se sustentado em fake news para manter o clima de campanha de Brandão, mesmo com o governador internado.

As fake news do Palácio giram em torno de informações falsas sobre o governador, pesquisas fabricadas e uma intensa divulgação sobre obras inexistentes entregues no interior.

A ansiedade do grupo de Flávio Dino se dá pela proximidade do início do período vedado, quando Brandão não poderá mais sair às ruas como governador, muito menos entregar obras ou assinar convênios, sob pena de perder o mandato.

Mas a família do governador-tampão prefere tê-lo plenamente com saúde.; e vai aguardar decisão médica, pelo menos até sábado, 2 de julho.

Exatamente no dia em que Brandão fica proibido das ações que Flávio Dino quer…

3

Acuado pelos números, Flávio Dino decide rebater Roberto Rocha na disputa pelo Senado

Ex-governador comunista vinha tentando ignorar os adversários, mas sentiu o golpe das articulações do senador petebista, que avançou fortemente nas últimas semanas; disputa entre os dois deve ser uma das mais acirradas do primeiro turno

 

Flávio Dino sentiu a ameaça de Roberto Rocha e decidiu fazer campanha em meio ao povo, o que vinha ignorando desde o ano passado

Tentando passar a ideia de distanciamento da disputa no Maranhão – debatendo apenas a questão nacional – o ex-governador Flávio Dino (PSB) vem dando cada vez mais sinais de incômodo com o crescimento da campanha do senador Roberto Rocha (PTB).

Em menos de uma semana, Flávio Dino tentou rebater números apresentados por Rocha sobre a miséria no Maranhão; e mostrou ainda mais incômodo ao dizer que o adversário trabalhista só apresenta projetos inviáveis no Maranhão.

– O que Roberto Rocha entende de números? – respondeu Dino, em Timon, para tentar rebater dados que mostram 40 municípios maranhenses em pobreza extrema. Em Timon, sua segurança chegou, inclusive, a agredir o repórter que fez a pergunta sobre a miséria.

Já nas suas redes sociais, Dino questionou a série de projetos apresentados por Rocha durante seus oito anos de mandato, numa clara acusação de golpe.

Até agora, Flávio Dino usava a tática de ignorar o debate sobre o Maranhão, tentando polarizar a discussão nacional, como se tivesse em uma disputa presidencial; a estratégia funcionou só enquanto ele não tinha adversário na disputa pelo Senado, o que inflava os seus números.

Repórter “Chumbo Grosso” é expulso por seguranças de Flávio Dino após fazer pergunta sobre o aumento da miséria do Maranhão no governo comunista

Desde que Roberto Rocha anunciou sua candidatura, com apoio de 11 partidos – incluindo os de três candidatos a governador – a diferença entre ele e Dino começou a diminuir sistematicamente, o que incomodou o comunista.

O ex-governador começou a participar mais de eventos públicos ao lado dos candidatos do seu grupo e chegou, inclusive, a substituir o governador Carlos Brandão (PSB) em entrega de obras e vistoria de serviços no interior, o que é uma ilegalidade.

Dino sonhava em superar a marca de 2 milhões de votos no Maranhão; é sua obsessão quebrar o recorde, hoje com o senador Weverton Rocha (PDT).

Mas, pelo andar da carruagem, além de não chegar a 2 milhões de votos, o comunista pode, inclusive, ficar sem a vaga no Senado.

O que, para ele, é o fim da carreira política…

1

Flávio Dino e Carlos Brandão fracassam e Bolsonaro é quem vai resolver problema da Lagoa da Jansen

Senador Roberto Rocha acompanhou no fim de semana técnicos da Codevasf que foram vistoriar a área para realização de serviços de recuperação das comportas e melhoria nas condições sanitárias

 

Roberto Rocha mostra aos técnicos da Codevasf a área da Lagoa que secou por incompetência do governo Flávio Dino

O senador Roberto Rocha (PTB) acompanhou neste fim de semana técnicos da Codevasf em vistoria na Lagoa da Jansén.

A Lagoa, um dos principais pontos turísticos de São Luís, enfrenta problemas de infraestrutura desde o governo Flávio Dino (PSB), mas nem Dino, nem o sucessor-tampão Carlos Brandão (PSB) tiveram competência pra solucionar o problema.

O fracasso de Dino e Brandão foi publicado com exclusividade no blog Marco Aurélio D’Eça, no post “Governo Flávio Dino já sabia do problema na Lagoa da Jansen, mas deixou a bomba no colo de Brandão”.

Agora, será o governo Jair Bolsonaro (PL) quem irá recuperar a área.

– Levamos o engenheiro da Codevasf, especialista em comportas, Júlio César Vaz de Mello, para checar as condições do local, que precisa ser recuperado, independentemente de quem seja o culpado – disse Roberto Rocha.

Segundo o senador, os recursos para recuperação da lagoa já foram conseguidos por ele no Ministério do Desenvolvimento Regional.

– Tão logo seja liberada a licença ambiental, as obras serão iniciadas – afirmou.

1

Brandão mostra forte incômodo com Felipe Camarão e mente sobre relação com o vice…

Governador-tampão afastado tenta forçar a barra e mostrar plena saúde para evitar o clima de troca de sua candidatura pelo ex-secretário de Educação; e na tentativa de desqualificar o próprio companheiro de chapa, diz ter sido o responsável pela aproximação do petista de Flávio Dino

 

Ainda bastante abatido pela doença nos rins, Brandão tenta, diariamente, mostrar força para encarar a dura campanha que tem pela frente

O governador-tampão afastado Carlos Brandão (PSB) acabou cometendo uma injustiça contra o seu futuro companheiro de chapa, Felipe Camarão (PT).

Em mais uma das entrevistas quase diárias à rádio Mirante AM – mostrando forte incômodo com o clima de substituição de sua candidatura pela de Camarão – o Tampão acabou mentindo sobre a história do seu pré-vice.

– Eu que levei Felipe ao Flávio, que não o conhecia. Isso tudo é estratégia da oposição para tentar desestruturar a minha pré-campanha – afirmou Brandão, em entrevista republicada no blog do radialista Jorge Aragão. (Leia aqui)

O governador-tampão mentiu sobre o companheiro de chapa.

Na verdade, ele, Brandão, é que não conhecia o próprio vice, que já convivia com o ex-governador Flávio Dino (PSB) desde a época de faculdade; Felipe foi aluno de Flávio Dino na faculdade de Direito da Universidade Federal do Maranhão, desde quando o comunista ainda nem sonhava ser governador.

O ex-secretário de Educação foi indicado ao ex-governador pelo hoje desembargador federal Ney Bello.

Ele faz parte do chamado “Time do Ney” no governo Dino, formado por um grupo de ex-alunos da dupla Dino e Belo, que tem ainda Diego Galdino, Duarte Júnior e outros jovens garotos hoje no governo Brandão.

Camarão tem sido mostrado ao eleitor maranhense no interior quase que como o futuro governador, o que incomoda fortemente Brandão

Mas a declaração de Brandão à Mirante revela forte incômodo do governador-tampão com a movimentação do companheiro de chapa.

Doente, internado há quase 40 dias, Brandão vê crescer entre aliados um clima de substituição do seu nome pelo de Felipe Camarão; e usa a mídia alinhada ao Palácio dos Leões para tentar, diariamente, mostrar condições de saúde para encarar a dura campanha que vem pela frente.  

– Quando eu chegar ai eu vou mostrar à oposição como se faz política com respeito e com trabalho – afirma o governador, quase como um mantra repetido por blogs alinhados.

Mas não é a primeira vez que Brandão manda recado a Flávio Dino e Felipe Camarão.

Na semana passada, ele postou foto ao lado do ex-governador Jackson Lago (PDT) com uma declaração enigmática: “Jackson vive”.

Na época, ficou claro o incômodo com a movimentação de Felipe Camarão, apresentado como candidato a grupos de políticos do interior.

Mesmo forçando a barra pela manutenção da candidatura, porém, Brandão não sabe quando retorna ao Maranhão.

– Eu costumo não cravar data até porque não depende de mim – admitiu, na mesma entrevista…

1

De como Flávio Dino empacotou Brandão à esquerda e entregou votos significativos a Weverton

Ideologicamente extremista, ex-governador tirou o sucessor da direita em que sempre esteve, mas não conseguiu convencer o campo progressista, majoritariamente a favor do senador pedetista, que abriu frentes importantes no centro e no eleitorado mais conservador

 

Flávio Dino tenta construir uma agenda de esquerda para Brandão, mas a falta de identidade do sucessor-tampão com este campo dificulta o avanço

Para tentar construir a viabilidade de sua “escolha pessoal” pelo sucessor-tampão Carlos Brandão (PSB), o ex-governador Flávio Dino (PSB) cometeu dois erros políticos que podem custar a participação do Palácio dos Leões em um eventual segundo turno das eleições maranhenses.

Ao empacotar Brandão como candidato de esquerda, Dino não conseguiu convencer o campo progressista a abrigar seu sucessor, historicamente vinculado às pautas da direita conservadora.

Ao tentar rotular o senador Weverton Rocha (PDT) como candidato de Bolsonaro, Dino e o Palácio jogam no colo do pedetista – historicamente ligado à esquerda e consolidado como opção do campo progressista – setores importantes do eleitorado conservador e de centro-direita, ampliando sua base eleitoral.

Em uma síntese: o comunista fracassou em convencer a esquerda sobre Brandão e nem conseguiu afastar de Weverton o campo progressista.

O resultado é o amplo avanço de Weverton nas pesquisas e na construção de uma base sólida como candidato.

Sem as amarras ideológicas que Flávio Dino impôs a Brandão, Weverton ficou livre para buscar alianças importantes, como a do prefeito de São Luís Eduardo Braide (sem partido) e a da prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge (PSDB), ambos de postura mais conservadora.

Além de perder os votos conservadores por causa de Flávio Dino, Brandão não aumentou em nem um milímetro a sua participação no segmento mais progressista; neste campo, estão com Weverton todos os setores da classe trabalhadora, dos sindicatos, das centrais sindicais e do campo. 

Agora, Brandão vê crescendo na direita o candidato bolsonarista Dr. Lahésio (PSC), que pode, inclusive, tirá-lo do segundo turno.

E trudo por que foi empacotado por Flávio Dino…

1

Governo engana população, anuncia Brandão, mas leva Felipe Camarão a eventos…

Com a conivência de prefeitos aliados e a vista-grossa do Ministério Público, o Palácio dos Leões está usando a imagem do governador-tampão para anunciar obras e entrega de peixes e cestas básicas no interior, mas quem participa dos atos são o secretário Felipe Camarão e alguns auxilaires do governo, uma vez que o titular ainda está internado e em previsão de retorno ao Maranhão

 

Um dos convites mentirosos feitos por prefeitos aliados anunciando a presença de Brandão em ato nesta quarta-feira, 22

 

Mais um crime praticado pelo Palácio dos Leões e aliados contra a população maranhense está sendo disseminado sem restrições no interior maranhense.

Prefeitos aliados do governo anunciam a presença do governador-tampão Carlos Brandão em atos administrativo-eleitoreiros, mas quem participa. de fato, é o ex-governador Flávio Dino (PSB), o ex-secretário Felipe Camarão (PT) e auxiliares do governo.

Internado há mais de 30 dias, Brandão não tem previsão de alta – e nem sabe se terá condições de disputar as eleições.

Mas seu nome e sua imagem são levados criminosamente pelos aliados no interior, usurpando as funções do complacente presidente do Tribunal de Justiça, Paulo Velten, espécie de governador-fantasma que só aparece diante da “invocação” conveniente dos donos do Palácio.

Até as roupas de Felipe Camarão passaram a ser iguais às de Brandão no interior maranhense, para confundir o eleitor da presença do governador-tampão ainda doente

Para convencer a população do interior de que Brandão está ativo e presente no governo, prefeitos aliados ao Palácio dos Leões divulgam comunicados e distribuem convites anunciando sua presença em atos nos municípios.

No momento das ações, quem aparece é o pré-candidato a vice-governador Felipe Camarão (PT), geralmente ao lado do ex-governador Flávio Dino (PSB), enquanto um telão exibe a imagem do ainda convalescente governador-tampão.

E tudo isso diante dos olhos quase fechados do Ministério Público Eleitoral e da Procuradoria Eleitoral no Maranhão…

3

De como o Palácio dos Leões transformou Lahésio em laranja de Brandão…

Com o controle de Flávio Dino, secretário Ricardo Capelli cria narrativa nas redes sociais que são espalhadas para jornalistas e blogueiros alinhados e ganha forte repercussão na TV Mirante, do Grupo Sarney, que abre espaços quase diários para o ex-prefeito que o governo quer ter como adversário no segundo turno

 

Laranja, Lahésio seguiu logo cedo o roteiro traçado pelo Palácio dos Leões, sentando praça na TV Mirante, aliada de Brandão

Análise da notícia

O blog Marco Aurélio D’Eça foi o primeiro a alertar – ainda em abril – que o ex-prefeito de São Pedro dos Crentes, Dr. Lahésio Bonfim (PSC) assumiria o papel de laranja do governador-tampão Carlos Brandão (PSB) nesta campanha eleitoral.

Lahésio foi transformando – com anuência dele mesmo – por que o governo quer tê-lo na disputa de um eventual segundo turno; e ele, mais preocupado em se viabilizar para as eleições municipais de Imperatriz, em 2024, está aceitando o papel, que tem um script desenhado e articulado no Palácio dos Leões, com apoio da mídia controlada e da TV Mirante, apoiadora de Brandão.

O secretário de Comunicação Ricardo Capelli é o responsável por criar as narrativas sobre uma tal ameaça de Lahésio ao senador Weverton Rocha (PDT) – que lidera com folga as pesquisas. Esta narrativa é pautada em blogs controlados pelo Palácio, com textos muitas vezes produzidos no próprio Palácio, disseminando a ideia de força eleitoral de Lahésio.

No dia seguinte, o candidato do PSC – cujo presidente é o sarneysista Aluisio Mendes – aparece em algum dos veículos do Grupo Mirante, geralmente na TV, mas também nas rádios e no portal do conglomerado.

Observe que a história da inacreditável Escutec/Grupo Mirante atendeu exatamente a este script.

Primeiro, a pesquisa mostrou um estratosférico crescimento de Brandão, mesmo internasdo há 30 dias; em seguida, Cappeli passou a narrar em suas redes sociais a tal ameaça de Lahésio a Weverton, reproduzida em seguida nos vários blogs controlados pelo Palácio dos Leões.

E nesta sexta-feira, 17, quem aparece na TV Mirante logo cedo? Exatamente o laranja Lahésio.

O que o palácio dos Leões não previu com esta estratégia é que, do outro lado, estaria um adversário como Weverton, já passado na casca de alho dessas artimanhas e com poder de fogo para enfrentar não apenas o governo, mas também o Grupo Sarney e a própria Mirante.

Weverton se preparou lá atrás para o que viria.

A construção da candidatura em meio ao povo, desde 2018, deu a Weverton uma sólida base de votos, bem distante de ser ameaçada pelo laranja Lahésio.

E este – o Lahésio – aceita o papel de laranja por que tem outros interesses.

Para além de 2022…