2

Presidente nacional libera PDT para palanque com Lula nos estados

Carlos Lupi disse que não pode botar uma camisa de força nos candidatos a governador que têm relação com o PT e com o ex-presidente Lula, apesar da candidatura pedetista de Ciro Gomes

 

No Maranhão, Lula terá como opção o palanque do senador Weverton, mesmo com a candidatura de Ciro Gomes pelo PDT

O presidente nacional do PDT, ex-ministro Carlos Lupi, liberou as negociações dos seus candidatos a governador com o PT, para formação de palanques com o ex-presidente Lula.

– Em alguns estados terão (palanques duplos) mais à esquerda, outros mais ao centro. Quem colocar uma camisa de força nas realidades estaduais está fadado ao fracasso – afirma Lupi. 

Apesar da candidatura de Ciro Gomes – que segue estagnada nas pesquisas – o PDT tem ao menos nove candidatos a governador que atuam diretamente ligados a Lula e deverão abrir palanque para o PT nos estados.

No Maranhão, o próprio lula já disse que não abre mão do palanque do senador  Weverton Rocha.

 

2

Lula busca reaproximação com Sarney e Roseana…

Ex-presidente quer o MDB em sua aliança eleitoral e entende que as antigas lideranças do partido têm peso para definir os rumos partidários; ex-governadora deve participar de encontro em Brasília

 

Lula esteve com Roseana e José Sarney em São Luís, no ano passado; e agora busca o apoio dos dois no convencimento do MDB nacional

O ex-presidente Luiz Inácio lula da Silva iniciou tratativas para reaproximação com o também ex-presidente José Sarney e coma  ex-governadora Roseana Sarney.

o petista quer o apoio do MDB e entende que a influência de Sarney é fundamental.

Roseana deve participar nos próximos dias, em Brasília, de uma reunião com o senador  Renan Calheiros, outro aliado histórico de Lula no MDB. 

Lula esteve com Sarney e Roseana em agosto do ano passado, quando visitou o maranhão na pré-campanha eleitoral.

Mas o MDB decidiu lançar a senadora Simone Tebet (MT) candidata a presidente

Em busca de uma aliança de centro-esquerda, Lula quer que os antigos caciques emedebista convença a ala mais distante a desistir da candidatura de Simone.

3

Os caminhos de Lula no Maranhão…

Vinculado ideológico e historicamente ao senador Weverton Rocha, ex-presidente pode até mesmo deixar de vir ao estado durante a campanha, caso o PT seja obrigado a uma coligação com o PSB, por causa das federações partidárias

 

Lula poderá tanto estar diretamente no palanque de Weverton como pode, também, liberar imagens como esta na campanha, a depender da política de alianças do PT

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem apenas dois caminhos a percorrer em relação às eleições no Maranhão, a depender da decisão do PT nacional sobre as alianças para o pleito de outubro.

Ligado tanto histórico quando ideologicamente ao senador Weverton Rocha, Lula já manifestou interesse pelo palanque do pedetista; mas pode também deixar de participar diretamente da campanha maranhense, caso o PT tenha que coligar com o PSB, hoje opção menos provável.

A única opção não cogitada pelo ex-presidente é estar em um palanque único com o vice-governador Carlos Brandão (ainda no PSDB), mesmo se este confirmar sua filiação ao PSB.

De acordo com a Comissão Eleitoral Nacional do partido – formada pelo vice-presidente nacional Márcio Macedo, pelo secretário de Relações Internacionais, Romenio Pereira, e pelo secretário-geral da sigla, Paulo Teixeira – o PT só fará aliança com o PSB no Maranhão na hipótese de a Federação Partidária ter a obrigatoriedade da verticalização.

Chama-se “verticalização” a exigência de as coligações nacionais serem repetidas nos estados.

Neste caso, o ex-presidente não virá ao Maranhão, mas já gravou imagens e vídeos em favor de Weverton Rocha, que poderão ser usadas na campanha; as imagens para Brandão ainda dependerão da articulação do governador Flávio Dino (PSB), já que o seu vice-governador não tem qualquer tipo de identidade com o petista.

Se a federação PT/PSB não for aprovada e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckimin (sem partido) optar pela filiação ao PSD – hipótese que ganha cada vez mais força em Brasília – Lula estará desincumbido do palanque de Brandão e livre para fazer campanha apenas para Weverton.

Mas esta é uma outra história…

11

Weverton mantém base e atrai parte do apoio partidario de Brandão…

Além de manter integralmente o apoio de PDT, DEM, PP, PRB, PSL e Rede Sustentabilidade, senador divide com o vice-governador parte do apoio do Cidadania, do PT, do PCdoB e até do próprio PSB; e deve avançar em alianças com PSDB, PTB, Podemos e MDB

 

Weverton chega à atual fase da campanha a base integral e fortalecido por apoios de partidos que têm influência do Palácio dos Leões

O senador Weverton Rocha (PDT) conseguiu manter inabalada sua candidatura ao Governo do Estado, mesmo diante da pressão do vice-governador Carlos Brandão (PSDB) por candidatura única na base do governo Flávio Dino (PSB).

E garantiu apoio integral de sua base, composta por PDT, DEM, PP, PRB, PSL e Rede Sustentabilidade.

Mas, além disso, Weverton conseguiu dividir com Brandão o apoio de parte do PT, do Cidadania, do PCdoB e do próprio PSB, para onde o vice tucano está se transferindo.

Além do próprio ex-presidente Lula, são aliados de Weverton no PT o presidente do diretório municipal de São Luís, Honorato Fernandes, dirigentes municipais em diversos municípios, líderes sindicais ligados à CUT e militantes petistas em todo o estado.

No PCdoB Weverton tem o apoio do presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto, e de toda a sua militância no interior;

No Cidadania, ele é apoiado pela senadora Eliziane Gama, principal nome do partido no Maranhão.

E no PSB, conta com o apoio do ex-prefeito de Timon, Luciano Leitoa, e todo o seu grupo, espalhado por diversas regiões do estado.

Com a base mantida, Weverton já articula aliança com o PSDB, que deve ficar com a senadora Eliziane Gama após saída de Brandão; e vai conversar também com PTB, Podemos, MDB e PSD.

Mas esta é uma outra história…

10

Bem mais do que mil palavras…

Senador Weverton Rocha publica em suas redes sociais fotos históricas com os filhos e esposa ao lado do ex-presidente Lula, o que reforça a imagem de que a relação dele com o petista está acima de acordos partidários ou negociações políticas

 

A sequência de imagens que ilustram estre post é histórica por todos os ângulos que se vê.

Nelas, o senador Weverton Rocha (PDT), com os filhos Miguel e Gabriel e a esposa Samya Bernardes, é recebido por um feliz e sorridente ex-presidente Lula, em São Paulo.

Os registros foram feitos na mesma ocasião da reunião do senador  com o ex-presidente, que reforçou o interesse de Lula em ter Weverton como candidato a governador  no Maranhão.

As imagens são históricas por mostram um Lula bem acima das questiúnculas partidárias que envolvem suas relações políticas.

É um Lula avô e pai, senhorzinho no conforto de casa.

E imagens assim valem bem mais do que mil palavras…

5

Insistência de Flávio Dino com Brandão incomoda Lula…

Assim como adiantou o blog Marco Aurélio D’Eça, site O Antagonista revelou que o ex-presidente sente-se desconfortável em abri mão do palanque do senador  Weverton Rocha e considera o vice-governador maranhense como “um cara de direita”

 

Lula demonstra incômodo com a falta de identidade ideológica do “cara de direita” que Flávio Dino tenta empurrar ao PT

O site O Antagonista revelou nesta sexta-feira, 28, que o ex-presidente Lula está desconfortável com a insistência do governador  Flávio Dino (PSB) no apoio do PT ao vice-governador tucano Carlos Brandão.

– O presidente ficou claramente incomodado com o desejo do Dino de apoiar um cara que sempre foi da direita – revelou O Antagonista, citando interlocutores de Lula.

Assim como adiantou o blog Marco Aurélio D’Eça, o Antagonista – que tem fortes vinculações com o próprio Dino – assinalou que Lula não gostaria de subir em um palanque contra o senador Weverton Rocha (PDT, aliado histórico do PT.

Para tentar convencer Lula do apoio a Brandão, Flávio Dino tenta transferir Brandão para o PSB, mas o próprio vice-governador sente-se incomodado com a ideologia de esquerda.

Enquanto o governador e seu preposto vivem suas crises de identidade, Weverton segue como “melhor amigo de Lula” no Maranhão…

14

Imagens do dia: Lula recebe Weverton em São Paulo

Dois dias depois de conversar com o governador Flávio Dino – que tenta convencer o PT a apoiar a candidatura do seu vice tucano, Carlos Brandão – ex-presidente recebe o senador pedetista, com quem tem relação política histórica

 

Bem à vontade com seu aliado histórico, Lula viu imagens dos encontros da pré-campanha e analisou as pesquisas que dão liderança a Weverton no Maranhão

 

Aliados históricos na política, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o senador Weverton Rocha (PDT) se encontraram nesta quarta-feira, 26, no Instituto Lula, em São Paulo, onde conversaram sobre as eleições de 2022.

Weverton foi agradecer ao ex-presidente pela declaração pública de apoio ao seu nome para o governo do Maranhão, e o convidou Lula para retornar ao Maranhão antes das convenções.

O ex-presidente e o senador lembraram também das lutas que travaram juntos na política brasileira e se comprometeram na batalha contra a CoVID-19

Lula viu imagens da pré-campanha do senador e analisou pesquisas de intenções de votos, que apontam o pedetista consolidado na liderança pelo governo.

O presente reforçou o compromisso com a candidatura do pedetista e o pedetista reforçou seu compromisso coma  história do petista.

O encontro se deu dois dias depois da visita do governador Flávio Dino ao ex-presidente…

2

Lula admite candidato de Dino, mas não abre mão do palanque de Weverton

Ex-presidente até concordou que a transferência do vice-governador Carlos Brandão para o PSB ajuda na aproximação com o PT, mas ressaltou que não há como ficar contra o senador, lembrando que o pedetista sempre esteve do seu lado político, ao contrário da “escolha pessoal” dinista

 

Lula com Gleisi e Dino: petistas propõem apoio ao projeto do governador sem abrir mão da aliança com Weverton

O blog Marco Aurélio D’Eça conseguiu, com exclusividade, em linhas gerais, aspectos da conversa entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o governador Flávio Dino (PSB), na noite da última segunda-feira, 24, em São Paulo.

De acordo com interlocutores dos presentes à reunião – além de Lula e Dino também estavam no encontro a ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann – o desejo de Lula para o Maranhão é um palanque duplo de Flávio Dino, com dois candidatos a governador.

– Mesmo com o Carlos Brandão trocando o PSDB pelo PSB fica difícil abrir mão de um companheiro como Weverton, que sempre esteve ao nosso lado – disse Lula a Dino, segundo interlocutores ouvidos por este blog.

O reconhecimento do ex-presidente se dá pela presença do senador maranhense em todas as suas campanhas e em todos os seus bons e maus momentos políticos. (Relembre aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e também aqui)

É preciso lembrar que os mesmos interlocutores nacionais do PT que agora adiantam sobre a conversa de Lula com Dino também adiantaram ao blog Marco Aurélio D’Eça o “não!” do ex-presidente a uma aliança com o PSDB, revelado ainda em julho, também com exclusividade, no post “A conversa de Flávio Dino e Lula; ‘PSDB Não!’, disse o ex-presidente”  e confirmada pelo próprio Lula, na semana passada.

Lula não quer abrir mão do palanque de Weverton, mesmo com a pressão de Flávio Dino por apoio do PT a Carlos Brandão

A solução apresentada por Lula e referendada por Gleisi e Dilma é que Flávio Dino libere a candidatura de Weverton, mesmo formando palanque com Brandão; o governador garantiria dois palanques ao Senado, o que também ocorreria com a candidatura presidencial do petista.

Essa proposta também já havia sido antecipada por este blog, no último dia 20, no post “Lula e o PT sugerem a Dino ter dois candidatos a governador”.

Diante desta posição política do ex-presidente, foi aconselhado ao governador maranhense que a reunião da próxima segunda-feira, dia 31, seja adiada para março.

Mas esta é uma outra história…

17

Este blog aponta de novo: eleição presidencial caminha para embate Lula X Moro

Com a ameaça cada vez mais iminente de que o presidente Jair Bolsonaro nem chegue ao segundo turno, ex-juiz federal pode angariar apoios no mercado, nos quarteis e nas igrejas – onde o bolsonarismo se criou em 2018 – levando a disputa para um confronto direto com o ex-presidente petista

 

O ex-presidente e o ex-juiz federal podem jogar Bolsonaro nos porões da história e polarizar uma disputa que deveria ter ocorrido já em 2018

Ensaio

Terceiro colocado nas pesquisas sobre a sucessão presidencial, o ex-juiz Sérgio Moro (Podemos) já pode ser considerado a terceira via na disputa; e tende a polarizar a eleição com o ex-presidente Lula (PT). 

Em dezembro de 2021, o blog Marco Aurélio D’Eça já apontava esta tendência, no post “2022 caminha para polarização entre Lula e Moro…”

Este blog volta a afirmar esta possibilidade diante da movimentação cada vez mais clara do ex-juiz federal rumo á conquista dos setores mais conservadores do bolsonarismo, diante da possibilidade cada vez mais real de o presidente Jair Bolsonaro (PL) sequer chegar ao segundo turno.

Incompetente, despreparado, mal-educado, boçal, desqualificado, grosseiro, homofóbico, racista, preconceituoso, machista, corrupto, provinciano, raso, reducionista e incapaz, é, de fato, um arroto da história, que só chegou ao poder graças ao equívoco das elites de tentar apear o PT do poder sem ter alternativa viável.

Arroto da histórica política recente, Bolsonaro é cada vez mais figura sombria na disputa presidencial; e tende a voltar para os porões da política

Este arroto da história tende a se esvair ao longo da campanha, sobretudo se Moro alcançar mesmo o interesse do Mercado, dos quarteis e dos evangélicos todos desiludidos com o fracasso do bolsonarismo.

Se isso ocorrer, se terá em outubro o embate político que já se deu no âmbito judicial, entre o ex-juiz federal acusado de usar o cargo para perseguir um ex-presidente afastado de uma eleição que depois beneficiou o próprio ex-juiz.

E Bolsonaro estará, definitivamente, nos porões da história.

De onde nunca deveria ter saído… 

6

Suplência de Dino para Dilma é desrespeito absoluto aos maranhenses…

Petistas e aliados ao Palácio dos Leões pregam, desde ontem, que o governador irá entregar uma das vagas em sua chapa de senador à ex-presidente, o que diminuiria ainda mais o PT local e trataria o Maranhão como curral eleitoral de interesses pessoais

 

Nem Dino, nem Dilma devem levar a sério a estupidez pregada por petistas maranhenses; seria uma afronta ao Maranhão e aos maranhenses

Opinião

Desde a visita do governador Flávio Dino (PSB) ao ex-presidente Lula e a cúpula petista – da qual participou também a ex-presidente Dilma Rousseff – petistas maranhenses passaram a especular uma articulação que pode representar o desprezo de Dino ao Maranhão e aos maranhenses.

Segundo essa especulação, Dilma foi à reunião entre Lula, Dino e a cúpula do PT por que estaria sendo negociado a indicação dela como primeira suplente do governador em sua chapa de candidato a senador.

Se esta articulação está mesmo em gestação, como acena o professor Chocolate, petista alinhado ao Palácio dos Leões, seria uma afronta aos maranhenses e ao Maranhão.

Dilma tem todas as credenciais para ser senadora, inclusive pelo Maranhão; mas a negociata que pode envolver esta articulação intempestiva mostra que Flávio Dino dá pouca importância ao mandato de senador.

Além disso, a defesa desta estupidez por membros do próprio PT maranhense diminui a eles próprios.

Alegremente patética, a pregação de Chocolate diminui não apenas o Maranhão e os maranhenses, mas o próprio PT local

Se Lula quer um petista como suplente de Flávio Dino não há, entre os maranhenses, nenhum que mereça tal posto?

Dilma Rousseff tem estatura para ser senadora, mas a forma como isto parece ser tratado diminui sua própria estatura como ex-presidente.

E o PT do Maranhão, ao aplaudir suposto intento, diminui ainda mais o seu tamanho político.

Simples assim…